FANFIC - INTERLÚDIO - CAPÍTULO 7 - BY JULIANA DANTAS

20Olá galera! Como foram de feriadão? Não abusaram do chocolate né? Obrigada por continuarem acompanhando os capítulos durante esses dias... Eu li todos os comentários e fiquei feliz em ver que vocês estão gostando. Então agora aproveitem mais um capítulo...

Interlúdio - by Ju
Título: Interlúdio
Autora(o): Juliana e Lilica
Shipper: Bella e Edward
Gênero: universo alternativo, personagens humanos (nada de vampiro), romance, drama.
Censura: NC-17

Interlúdio
By Juliana Dantas
Capítulo 7

Edward acordou lentamente, a chuva ainda caia lá fora.
Olhou para a Bella que ainda dormia, os cabelos espalhados sobre seu peito, o corpo nu enroscado no seu. Sentiu ela acordando lentamente e depois encará-lo com os olhos castanhos pesados de sono, sorrindo numa mistura de sensualidade e doçura irresistível . Ela aproximou o rosto do dele e o beijou levemente e Edward sentiu o coração se expandir.
Queria ficar assim com ela pra sempre, pensou.
Mas como seria possível?
-Shii... – Bella colocou os dedos em seus lábios, o impedindo de falar – não fala nada. Não hoje. Não por enquanto.
Edward tocou seu cabelo.
Mas ele queria falar. Queria dizer que ela podia confiar nele.
Que ele daria um jeito de tirá-la da enrascada que estivesse, mesmo nem sabendo qual era.
Que ele estava apaixonado por ela e não podia aceitar mais que ela fosse embora.
Mas se calou. Não iria falar nada hoje.
Aproximando o rosto do dela, ele a beijou devagar.
-Está chovendo... – Bella murmurou e ele riu, deslizando os lábios por seu rosto até seu ouvido.
-Eu gosto da chuva...
Bella gemeu, aconchegando mais o corpo junto a ele, sentindo seus seios intumescerem em contato com seu peito. Os lábios dele agora exploravam seu pescoço, com pequenas mordidas, desciam atrevidos por seu colo, até chegar aos seios palpitantes, com ponta da língua dura e quente ele circundou um mamilo sensível, para depois tomá-lo interno na boca chupando-o até Bella ter que morder os lábios para não gritar. Remexeu o corpo em baixo dele, ansiosa. As mãos prendiam o lençol, enquanto ele dava ao outro seio a mesma atenção. O calor se espalhava por todos os poros concentrando-se entre as pernas, que ela abriu automaticamente ao sentir a mão dele deslizando por seu ventre macio até tocar os cachos castanhos e Bella arfou em expectativa, totalmente perdida.
-Isso não é justo... - ela murmurou. E ele riu, uma daquelas risadas masculinas de pura satisfação. Ele sabia que a estava enlouquecendo e gostava disso.
Ele a encarou, deliciando-se com o seu prazer, ao tocar o ponto sensível , vendo-a prender a respiração e subir os quadris.
Então ela abriu os olhos, resistindo, e decidiu mudar o jogo, num movimento ágil, rolou por cima dele e prendeu suas mãos acima da cabeça, as pernas em volta da cintura masculina e sorriu.
-Quero fazer uma coisa...
Ela desceu a cabeça e o beijou, invadindo a boca dele com língua, deliciando-se com seu gosto, sentindo a barba por fazer espetando seu rosto. Desceu a boca faminta pelo peito forte, roçando os mamilos masculinos, beijando a barriga plana, ouvi-o gemer. Tomou a ereção entre as mãos acariciando-o com os dedos delicados para depois tomá-la na boca.
Edward enfiou os dedos entre os cabelos de Bella e ficou vendo-a manuseá-lo, levando-o a loucura e percebendo que estava no seu limite e puxou-a para si, impedindo-a de continuar, deitando sobre ela, abriu sua pernas para penetrá-la profundamente de uma só estocada e Bella arfou, enlaçando seus ombros, sentindo os músculos internos se expandirem para recebê-lo e mais uma vez foram juntos rumo ao ápice do prazer.
Depois, Edward a deixou na cama e foi ao banheiro, enchendo a banheira de água quente e voltando para o quarto, a pegou no colo e a depositou na banheira, sentando na sua frente. Os pés se tocando por baixo da água, os olhares se encontrando, num mudo entendimento e Bella suspirou, feliz.
Edward era tudo o que imaginara e muito mais, pensou. Queria ficar assim pra sempre com ele, esquecidos do mundo, concentrados apenas um no outro.
-O que está pensando? – ele perguntou suavemente e Bella sorriu e deu de ombros.
-Pensei que fosse as mulheres que faziam estas perguntas...
Foi a vez dele rir e Bella sentiu o coração se acelerar com aquele sorriso.
-Você é irresistível sabia? – Edward falou de repente, como se isto ainda o surpreendesse.
-Se ajuda em alguma coisa o senhor também é, doutor Edward. – Bella encostou-se na borda da banheira levantando os braços, o que fez seus seios soltarem livres por cima da água e Edward seguiu o movimento com o olhar, faminto.
Bella ficou vermelha, mas gostou daquilo.
Nunca se sentira uma pessoa sensual. Mas Edward a vazia se sentir bonita.
-Vem aqui, Bella. – pediu com aquela voz macia e ela sorriu.
-Por que? Estou bem aqui... – provocou pegando o sabonete e ensaboando os braços, o pescoço até chegar os seios, rodeando-os com as mãos ensaboadas encarando Edward por cima da pálpebras cerradas.
-Porque você não vem aqui e eu faço isso para você? – ele indagou rouco e Bella, desta vez, obedeceu e ajoelhou-se na banheira, inclinado-se sobre ele, que pegou sua cintura e a e fez se aproximar, mas sem se tocarem. Bella sentiu falta de ar com aquele olhar sobre ela. Edward pegou o sabonete de suas mãos e passou por sobre seus seios túrgidos, depois passou a próprias mãos ensaboadas pela pele sensível, sentindo sua textura e Bella o encarava, embevecida. Sem desviar o olhar, ele desceu as mãos pela sua barrica, e a ensaboou em círculos, e desceu mais, tocando a junção entre suas pernas, sentindo sua excitação nas mãos, explorando-a com os dedos experientes. Bella arfou e jogou a cabeça para trás, excitada e Edward a encarava embasbacado, o desejo dela incendiando o seu.
Com as duas mãos, ele segurou seus quadris e a puxou para si, para sua ereção pulsante.
-Olhe para mim, Bella – ele pediu e ela abriu os olhos e Edward a penetrou devagar.
Ao senti-lo dentro de si, Bella arquejou, trêmula, movendo-se em cima dele. Segurou o rosto dele entre as mãos, beijando-o e intensificou os movimentos, mordendo os lábios dele e depois sugando-os, uma mão de Edward desceu entre seus corpos e tocou o ponto sensível entre suas pernas, fazendo o prazer aumentar e crescer em ondas até explodirem num clímax violento e doce ao mesmo tempo.
Ofegante, Bella deixou-se ficar agarrada a ele, enquanto o coração voltava a bater normalmente. Sentiu as mãos dele acariciarem docemente, tirando seus cabelos do rosto afogueado, beijar seus lábios e depois deitar a cabeça dela em seu ombro.
Bella olhou para fora e viu as ondas arrebentando na praia. A chuva tinha parado e o sol começava a sair entre nuvens.
Quando Edward acordou na manhã seguinte, estava sozinho.
Por um momento um pensamento horrível de que Bella teria fugido o tomou, mas então ouviu o som do chuveiro e respirou aliviado...
Ela ainda estava ali.
E talvez agora fosse a hora de finalmente ter aquela conversa com ela.
De repente o telefone tocou. Droga. Mas tinha que atender, era do hospital.
Bella saiu do chuveiro assim que ele colocou o telefone no gancho. Pela cara de tensão de Edward, ficou preocupada.
- Algum problema?
- Tenho que voltar ao hospital.
Ela mordeu os lábios, subitamente nervosa.
- Não quero atrapalhar sua vida Edward.
Edward se levantou, procurando uma roupa.
- Você nunca iria atrapalhar minha vida Bella. Pode ter certeza disso. Agora junte suas coisas, vamos voltar para o apartamento, a essa altura Tânia já esqueceu que você existe.
- Duvido muito, ela gosta muito de você.
- Gosta nada. Ela só não gosta de perder, mas vai ter que se acostumar com isso.
- Tenho pena dela. Eu mesma não saberia como fazer.
- Como fazer o que?
Bella quase mordeu a própria língua para não responder o que lhe veio a mente;
“Como fazer para viver sem você.”
Em vez disto apenas deu de ombros.
-Nada não.
**
Quando chegaram ao apartamento, Edward tocou seu rosto.
-Bella, eu preciso saber. Se quando eu voltar, você ainda estará aqui?
-Sim, eu estarei.
Ela sabia que não devia estar prometendo algo que não sabia se seria capaz de cumprir.
Mas mesmo assim prometeu.
-Quando eu voltar, nós vamos conversar.
Ela apenas sacudiu a cabeça afirmativamente e ele se foi.
**
O mundo desabou algumas horas depois.
Ela ainda estava sentada na sala, pensando em que rumo tomar, quando de repente a porta se abriu e ela se surpreendeu ao ver Tânia
Como se não tivesse problemas o suficiente ainda teria que agüentar esta louca?
-Olá Bella.
-Como entrou aqui?
-Eu roubei a chave do Edward.
-Bom, então sabe que ele não está.
-Tudo bem, eu vim falar com você.
-Eu não tenho nada para falar com você...
-Olha, querida. Você pode escolher falar comigo... ou com a polícia?
Bella empalideceu.
-Não sei do que está falando...
-Ah, sabe sim. Eu já estava desconfiada desta história de namorada misteriosa há tempos. Mas vou dizer que demorei para entender que a namorada misteriosa do Edward era também a mesma fugitiva que chegou no hospital com um tiro!
Bella engoliu em seco. Um medo frio a dominando. Tânia descobrira tudo. Estava perdida.
-Mas não se preocupe. Se eu quisesse chamar a policia já teria chamado.
-Como descobriu...? - Bella tentou ganhar tempo.
-Edward estava muito estranho, desde que a tal fugitiva desapareceu. E então uma enfermeira disse que ele estava lá no mesmo dia, levando vários materiais e medicamentos para casa. Aí eu comecei a desconfiar e quando descreveram como era a tal fugitiva... Não foi difícil entender.
-O que você quer? Porque ainda não me entregou para a polícia então?
-Eu não sou tão ruim assim, querida. Não sou uma vilã; Quero fazer um acordo com você. Vá embora. Afaste-se de Edward para sempre. E eu não falarei nada para a polícia.
-Porque está fazendo isto? Se me odeia, porque não me entrega logo?
-Edward seria implicado junto com você, como seu cúmplice. Não quero prejudicá-lo. Não sei como conseguiu que ele te ajudasse, mas posso até imaginar como. Então, como ficamos? Vai aceitar? Posso te levar agora até um rodoviária. Ou onde quiser.
**

Edward chegou em casa e sentiu algo estranho. Não havia barulho de Bella. Parecia que a casa estava vazia. Ela devia estar dormindo.
Mas não. Ela não estava no quarto. Não estava em parte alguma.
Abriu o armário. Todas as roupas que comprara para ela estavam ali.
Ela ainda não podia acreditar que ela tinha fugido.
Não depois de prometer que ainda estaria lá quando voltasse.
Mas ela se fora.
Edward sentiu um vazio horrível por dentro.
Bella se fora.
E seria como se nunca tivesse existido.

Continua...

Esse capítulo foi mais curtinho, mas espero que vocês tenham gostado... Esperarei ansiosa pelos comentários. Beijos e até amanhã.

5 comments :

  1. Natália SantosMonday, April 25, 2011

    Já era esperado que a Tânia ia interferir na relação dos dois né?
    Mas espero que ele encontre a Bella logo e resolva tudo.

    ReplyDelete
  2. Mt bom adorei esperando p proximo cap!!!! ate amanha. beijusculo!!!!!

    ReplyDelete
  3. Ameii o cap, ansiosa pelo proximo!!

    ReplyDelete
  4. NOOOOOOSSA quero dar um tiro na puTânia no ultimo capitulo, me coloca na historia? kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Meu Deus, to abismada. vou ler mais, já!

    ReplyDelete
  5. Eu decididamente odeio a Tania!!
    Eu não consigo parar de ler e muito bom, otimo na verdade!!
    To ficando alucinada!!

    ReplyDelete