FANFIC - INTERLÚDIO - CAPÍTULO 17 - BY JULIANA DANTAS

Boa tarde! Depois da surpresinha de ontem o que será que o Edward vai fazer? Leiam e descubram...

Interlúdio - by Ju
Título: Interlúdio
Autora(o): Juliana e Lilica
Shipper: Bella e Edward
Gênero: universo alternativo, personagens humanos (nada de vampiro), romance, drama.
Censura: NC-17

Interlúdio

By Juliana Dantas

Capítulo 17

Nas horas seguintes, Edward teve toda sua existência concentrada naquela criança que até poucas horas nem sabia que existia. Andou de um lado para outro, enquanto o pediatra e o cardiologista faziam os exames em Angelina.

Toda sua raiva de Bella por tudo o que ela tinha feito e por mais esta bomba que jogara em suas mãos ficara em segundo plano quando descobrira que Angie podia ser portadora de uma doença fatal.

Da onde estava podia ver seus pequenos pezinhos mexendo e sentiu um aperto no peito, seria possível que o destino fosse tão cruel que a tiraria dele agora que a tinha finalmente?

-Edward? - ele ouviu a voz de Tânia atrás de si – O que está acontecendo? – ela indagou confusa - Acabaram de me contar uma história fantasiosa e absurda sobre um bebê deixado na portaria... - então ela se posicionou ao lado de Edward e pareceu perceber finalmente que Edward olhava fixamente para um bebê sendo examinado – Meu Deus! Então é mesmo verdade! Quem é este bebê Edward e porque foi deixado aqui, eu não estou entendendo...

Edward finalmente voltou à atenção para Tânia.

-O nome dela é Angelina e tem 05 meses. Ela é... Filha da Bella...

-O que?- Tânia arregalou os olhos, estupefata, antes mesmo que Edward acabasse a sentença - Não estou entendendo Edward. Porque a Bella deixaria este bebe aqui? - perguntou desconfiada.

-Por que segundo ela, Angelina é minha filha. – Edward respondeu simplesmente.

Tânia ficou parada no mesmo lugar, boquiaberta, mas ele não lhe deu atenção.

Entrou na sala de exame para ter com os médicos, cansado de esperar.

-E então? Qual é o diagnóstico? - perguntou aos médicos.

-Nada animador Edward. Nós confirmamos o problema no coração.

Edward fitou Angelina, neste momento sendo vestida pela enfermeira e sentiu um nó na garganta.

-Teremos que fazer mais uma bateria de exames detalhados, mas ela terá que ficar aqui em observação e provavelmente terá que passar por uma cirurgia.

Edward passou a mão pela cabeça num gesto de frustração e respirou fundo tentando manter as emoções sob controle.

-Tudo bem.

Os médicos se afastaram e Edward observou Angelina no colo da enfermeira.

-Vou levá-la para a pediatria, doutor Edward, tudo bem?- a moça perguntou.

-Ok, pode levá-la.

A enfermeira se afastou ao mesmo tempo em que Tânia entrou na sala.

-Edward, não pode estar levando esta história a sério não é?

-Como assim, Tânia? - ele perguntou sério.

-Como assim?! Uma criança aparece do nada, trazida por sabe Deus quem e você acredita que tudo isto é normal?

-Tânia, foi a Bella quem deixou Angelina aqui. E mesmo que eu não acreditasse, reconheci a letra na carta e também tem o nome dela nos documentos da Angelina.

–Angelina... - Tânia repetiu o nome com desdém – Ok... Vamos acreditar então que foi a Bella quem deixou este bebê aqui. Você não pode achar que ela é realmente sua filha!

-Por que não? Vivi com a Bella durante meses e ela pode sim, ser minha filha.

-Ou filha do índio, o tal Jacob! - Tânia dardejou.

-Ela não tem nenhum traço indígena – Edward refutou.

-E daí? Pode ser filho de qualquer um pelo que sabemos da Bella! E sabe o que eu acho? Duvido que seja sua filha!

-Se não fosse minha filha, porque Bella a deixaria aqui?

-Eu não sei! De repente ela se cansou de cuidar de uma criança e sabendo que você é rico resolveu deixar a bomba aqui pra você!

-A Bella não faria isto...

-Você a defende? Depois de tudo o que ela aprontou pra você?

-Não estou defendendo ninguém! O que a Bella fez ou deixou de fazer ficou no passado. Não me interessa. Mas tem uma criança envolvida agora e é isto que importa. Independente de quem sua mãe seja. Angelina não tem culpa de nada!

-Ok, Edward. Entendo o que quer dizer e até entendo que ache que esta menina pode ser sua filha. Mas por favor, pelo menos faça um teste de DNA para comprovar!

Edward se afastou de Tânia. Sabia que ela tinha razão. Bella dera provas de não ser confiável e se o traíra com Jacob podia muito bem estar com outros homens.

Mas se a menina não era sua filha, porque ela a deixara com ele? Porque ele era médico e ela estava doente? Ou por que, como Tânia falara, ele era rico?

Mas se era um golpe, não fazia sentido ela fugir. Se quisesse seu dinheiro ficaria para contar os dividendos. Não, não era por dinheiro.

Edward suspirou atormentado. Droga! Sentia que Angelina era sua filha e não conseguia explicar por que.

Mas, lá no fundo, ele sabia que Angelina era sua.

Tânia tocou seu ombro.

-Edward, sei que você e um homem de princípios e se sente responsável por esta criança. Mas não é justo criar um filho de outro homem...

Edward virou-se para ela, interrompendo-a.

-Ela é minha filha, Tânia.

-Não pode ter certeza!

-Ok, então eu farei o teste de DNA. De qualquer maneira acho que precisarei do teste para poder ficar com ela. Agora se me der licença, vou ver como ela está.

Tânia viu Edward se afastar e fechou a cara, pensativa.

Não podia crer que agora que tudo estava voltando ao normal aparecia esta criança para atrapalhar seus planos. Deu uma risada irônica. Sim, Bella era esperta. Muito esperta. Pegara no ponto fraco de Edward. Ele jamais viraria as costas para um filho.

Se é que a tal da Angelina era mesmo filha dele. E isto Tânia duvidada.

Não sabia o motivo pela qual Bella havia deixada a filha ali, mas ela não deixaria Edward ser ludibriado por Bella mais uma vez. Quando o teste de DNA desse negativo Edward iria lhe agradecer.

***

Edward entrou no berçário e a enfermeira sorriu.

-Olá, doutor Edward. Sua filha é linda!

Edward sentiu um orgulho tolo ao aproximar-se de Angelina que dormia.

-Sim, ela é linda.

Passou os dedos pelo rostinho e prometeu a si mesmo que faria tudo para que ela ficasse boa. Mesmo que não fosse sua filha, falou uma voz incômoda dentro de si.

Sua mente voltou-se para Bella.

Será que ela voltaria se Angelina não ficasse doente? Ele duvidada. Bella poderia ser tudo, menos fraca. Como ela dissera na carta, criaria Angelina e Edward jamais saberia de sua existência.

Lembrou-se de que Bella tivera a intenção de falar com ele. Já teria a intenção de deixar Angelina?

Como uma mãe podia deixar a filha com uma estranha e fugir?

Edward sentiu uma raiva cega de Bella por ter abandonado a filha. Ele a tinha com ele a poucas horas e já sentia-se tão fortemente ligado a ela que duvidava que conseguiria deixá-la ir. Seria este o instinto paterno?

E o instinto materno de Bella, onde estava quando deixara Angelina?

Bem, se ela o enganara tão bem e depois o deixara sem olhar pra trás. Não era de se estranhar que tivesse feito o mesmo com o fruto da relação deles.

Mas ele não deixaria Angelina. Se Bella tinha tão poucos sentimentos pela filha. Ou se fugir era mais importante do que ter a filha consigo, ele não se importava. Cuidaria de Angelina. Ele não precisava de Bella. E faria com que Angelina também não precisasse, prometeu a si mesmo.

Horas depois Edward ainda estava ali, ao lado de Angelina.

Pedira para desmarcar todos seus compromissos para poder ficar ali com ela. Quando Carlisle entrou na sala.

-Então é mesmo verdade!

Edward sorriu.

-Quando a Tânia me contou eu realmente não pude acreditar, mas este hospital não fala em outra coisa... Edward, que história é esta de filha?

-É o que você ouviu. Ela é minha filha.

-Tânia me disse que é daquela tal moça, por quem você abandonou tudo há mais de um ano para ir para Europa.

-Sim, é.

Edward nunca falara de Bella com ninguém, embora soubesse bem que Tânia andara espalhando pra sua família a sua versão dos fatos. Mas Edward estava tão ferido e revoltado na época que não se importara. Esme e Alice tentaram arrancar a história dele. Mas ele não queria mais falar sobre Bella e em como fora idiota acreditando numa golpista.

-Então ela aparece do nada aqui com este bebê e você acredita que é sua filha?

-Andou falando com Tânia não é?

-Sabe que sim. Aliás tudo o que eu sei sobre esta história e pela Tânia, já que se nega a falar sobre o assunto.

Edward passou a mão pelos cabelos, cansado.

Talvez fosse a hora de contar tudo ao seu pai adotivo afinal.

Ao fim do relato, Carlisle o fitou preocupado.

-Então Tânia tem razão e esta menina pode realmente não ser sua filha Edward.

-Eu sei mais... De alguma maneira eu sinto... Que ela é minha.

-Confiou nesta tal Bella uma vez também. E estava errado.

Edward sentiu a velha dor o corroendo. Mas jogou para o fundo da mente.

-Farei um teste de DNA.

-E se não for sua, Edward? - Carlisle indagou com cuidado.

Edward fitou Angelina adormecida.

Era algo que ele não queria responder ainda.

Carlisle olhou o relógio.

-Preciso ir. Esme me espera para almoçar. Sabe que terei que contar isto à elas não é?

Edward riu.

-Eu sei.

-Nos vemos amanhã. Se precisar me liga.

No fim do dia, o pediatra entrou na sala, seguido da enfermeira.

-Como ela está?

-Estável. – Edward respondeu.

-Não precisa ficar aqui, Edward, a enfermeira Janice é uma ótima enfermeira e nos avisará caso precise.

-Eu sei. Mas como não sei nada sobre ela eu...

-Eu entendo Edward. Bem, já que está aqui, vou ver outros pacientes. Qualquer mudança me avise.

O médico se afastou e a enfermeira sorriu para Edward.

-O senhor quer trocá-la?

-Eu?

-Sim, vai ter que fazer isto sozinho quando ela for pra casa!

Edward ajudou a enfermeira trocar Angelina, ainda desajeitado, mas sentia uma necessidade fremente de saber tudo sobre a menina.

Depois se sentou com ela perto da janela e se incumbiu de dar-lhe a mamadeira que ela sugou avidamente.

E sentiu um vazio no peito ao pensar que era a primeira vez que tinha um momento assim com ela. Angie já tinha 05 meses. 05 meses perdidos de sua vida. Bella não tinha o direito de lhe roubar isto, pensou com uma certa amargura.

-Aí está você! – ele ouviu a voz de Tânia - Não acredito, vai ficar o dia inteiro pajeando este bebê?

-Não é este bebê, Tânia. É minha filha.

Tânia revirou os olhos.

-Você ainda não sabe se é sua filha de verdade e então acho melhor parar com isto, Edward! Deixe que uma das enfermeiras cuide dela, não precisa ficar aqui!

-Mas eu quero.

-Ok, não está mais aqui quem falou! E então, já pediu o teste?

-O teste já foi feito.

-Já?

-Sim, você tem razão. Preciso da confirmação de que Angelina é minha filha.

-Eu ainda acho que ela não é...

-Chega Tânia! Se vai ficar aqui falando bobagens é melhor sair!

-Calma, Edward! Não precisa falar assim comigo. Só quero te ajudar. Sei como você se apega e não quero vê-lo decepcionado!

-Já entendi. E acredite, eu sei o que estou fazendo, mas agradeço sua ajuda.

-Ok, tenho uns pacientes pra atender agora. E você, vai mesmo ficar aqui?

-Por enquanto sim, pedi pra desmarcar minhas consultas. Mas pedi para me chamarem se houver alguma emergência.

-Então até mais! Vai jantar comigo hoje à noite como combinamos hoje cedo?

-Não vai dar Tânia, acho que vou ficar por aqui mesmo!

-Está bem! - Tânia saiu da sala visivelmente decepcionada. Mas Edward não se importava. Não prometera nada a Tânia. Não tinha nada com ela.
Agora Angelina era tudo que importava.

Edward dormia na cadeira da pediatria quando foi acordado pelo pediatra.

-Bom dia, Edward! Passou a noite aqui?

Edward se espreguiçou sentindo dor nas costas.

-Parece que sim...

-Bem, já saíram os exames de Angelina.

Edward despertou totalmente.

-Sim?

-Como já tinha adiantado, precisará de uma cirurgia...

-Mas... Meu Deus, ela é tão pequena!

-Não se preocupe, temos uma ótima equipe especializada em bebês. Tudo vai dar certo.

-Eu estarei na cirurgia.

-Edward, não é aconselhável. Você não é pediatra e nem cirurgião de coração, além de estar envolvido emocionalmente.

-Mas ela é minha filha!

-Segundo a doutora Tânia, há grandes chances de não ser...

-A Tânia não tem nada a ver com isto!

-Mas você pediu um DNA...

-Porque ela insistiu. Além do mais, para ter Angelina legalmente precisaria disto de qualquer forma. Mas eu sei que ela é minha filha.

-Tudo bem, Edward. Eu entendo. Mas você não vai estar na cirurgia.

-Mas...

-Não, Edward. Não insista; você ficara do lado de fora como qualquer pai normal. Agora vamos examinar esta bonequinha!

E assim que o médico acabou de examinar Angelina, Alice e Esme entraram na sala.

Edward revirou os olhos. Estava demorando mesmo para elas aparecerem.

-Oh meu Deus, ela é uma graça! - Esme exclamou.

Alice o abraçou.

-Como pôde esconder isto da gente Edward?

-Esconder? Nem eu mesmo sabia!

Esme o fitou com cautela.

-Carlisle nos contou a história. Devia ter se aberto com a gente.

-Eu não me sentia com a menor vontade de tocar no assunto. Aliás continuo do mesmo jeito.

-Sim, nos não vamos perguntar nada... – Esme lançou um olhar ameaçador a Alice que parecia querer protestar.

Mas então ela deu de ombros.

-Posso pegá-la? Por favor, só um pouquinho...

-Sim, mas tome cuidado...

-Oh meu Deus, você já está todo protetor! - ela riu.

-E como ela está? Carlisle disse que tem um problema de coração... – Esme indagou.

-Sim, ela fará uma cirurgia em breve.

-Coitadinha, tão pequena...

-Eu sei... Eu estou... Muito preocupado.

Esme segurou sua mão.

-Vai dar tudo certo; Não se preocupe. Seu bebê ficará bem.

Edward queria desesperadamente acreditar nisto.

**
Bella discou os números do San Sebastian. Esperava sinceramente conseguir as informações sobre Angelina. Se não conseguisse por telefone teria que ir lá pessoalmente e isto não seria nada bom.

-Por favor, queria falar na pediatria?

Esperou a ligação completar.

-Pediatria...

-Oi, eu... Queria informações sobre uma paciente, o nome dela é Angelina...

-A filha do doutor Edward? - falou a voz animada.

-É... Sim... - Bella fechou os olhos com força. A filha do doutor Edward.

Isto queria dizer que ele a aceitara.

-Mas quem quer saber? - a moça perguntou desconfiada.

-É... Aqui é... - Bella pensava rápido. E agora?- Aqui é do juizado de menores. Fui informado de que esta criança foi deixada aí e que o doutor Edward não tem a guarda legal. Por isto preciso saber qual o estado de saúde da criança...

-Bem – a moça parecia assustada – Acho melhor passar para o doutor Edward então...

-Não! Você mesmo pode responder.

-Ela está internada aqui, mas passa bem, estamos tratando ela muito bem...

-Entendi.

-Ela passara por uma cirurgia marcada para amanhã à tarde.

-Cirurgia? - Bella falou num fio de voz.

-Sim... A senhora não quer mesmo falar com o doutor Cullen?

-Não! Olha... Muito obrigada pela informação. Agradeceria se não comentasse com o doutor Edward sobre isto.

-Mas...

-Eu quero falar com ele pessoalmente depois. E como ele deve estar preocupado com a cirurgia...

-Sim, ele não sai do lado da menina! Está muito preocupado mesmo. Olha senhora, ele a trata muito bem, viu?

-Ok. Muito obrigado pela informação.

Bella desligou o telefone rápido enxugou as lágrimas que teimavam em cair
Edward tinha aceitado Angelina. Era mais do que ela podia sonhar.

Tudo ficaria bem. Agora era esperar pela cirurgia.

***

Edward fitava pelo vidro, Angelina ser preparada para a cirurgia.

-Oi Edward... - Tânia apareceu ao seu lado – Ela já vai entrar em cirurgia?

-Sim.

-Edward... Espero que você já tenha caído na real.

-O que quer dizer, Tânia?

-Esta menina não é sua filha!

Edward virou o rosto lentamente para encarar Tânia.

-Está enganada.

-Não, não estou. Ou já saiu o resultado do DNA?

-Não, ainda não saiu. Mas eu tomei uma decisão. Mesmo que ela não seja minha, irei adotá-la.

-O que?- o queixo de Tânia caiu.

-Você me ouviu; De qualquer maneira, eu vou ficar com Angelina.

Tânia tocou seu braço.

-Edward, por favor, seja sensato...

Ele se afastou.

-Já tomei minha decisão, Tânia.

Por horas Edward esperou, junto com Alice, Esme e Carlisle, até que o cirurgião veio até ele.

-E então? – perguntou aflito.

-Correu tudo bem. Conseguimos Edward. Angelina ficara boa.

Edward sentiu como se um peso fosse tirado de suas costas. Sua filha iria ficar bem.

-Posso vê-la?

-Ainda não. Mas daqui a algumas horas poderá ficar com ela.

Carlisle conseguiu fazer com que Esme e Alice fossem embora e voltou ao seu trabalho.

Edward permaneceu esperando para ver Angelina.

-Doutor Edward? – uma enfermeira entrou na sala com um envelope – Saiu o resultado.

Edward abriu o envelope para apenas comprovar o que ele já sabia. Angelina era mesmo sua filha. Levantou os olhos e encontrou os de Tânia, frios..

-Pela sua reação, eu estava errada, não é?

-Sim, estava.

Ela se aproximou.

-Edward, me desculpe, pelas coisas que falei. Eu só queria ajudar.

-Tudo bem, Tânia.

Tânia viu Edward se afastar com o semblante pensativo.

Não esperava de maneira alguma este revés. Mas a realidade era uma só. Se livrara de Bella, mas não conseguiria se livrar da filha dela. Como era mesmo o ditado? Se não pode com eles, junte-se a eles?

Sim, se não quisesse perder Edward teria que aceitar esta tal filha. Não tinha outro jeito.

E ela não desistiria de Edward. Nunca.

***

Bella ajeitou a peruca ruiva no cabelo. Esperava sinceramente que estivesse irreconhecível. Mas tinha que ir ao hospital saber de Angelina. Estava com medo de o policial estar lá a esperando. Porque as chances de que ele soubesse de que tinha aparecido para deixar um bebê para Edward era grande, pensava agora. E no fundo temia mais por Angelina do que por ela.

Mesmo sabendo que Angelina fora operada e passava bem, tinha que vê-la, tocá-la, para poder partir.

Entrou pela porta dos fundos e deu seguimento ao seu plano, colocando a máscara cirúrgica verde no rosto. Com poucos dólares conseguira aquele uniforme de enfermeira e um crachá, assim, pudera entrar no hospital sem problemas.

Passou pelos corredores, temendo que fosse pega, mas conseguiu chegar a ala pediátrica a salvo. Já sabia onde Angelina estava e aproximou-se devagar. O coração deu um salto no peito ao vê-la no berçário. Havia uma enfermeira lá.

Bella respirou fundo e entrou.

-Oi - tirou a máscara e sorriu.

-Não pode entrar aqui. De que ala você é? Aqui só pode entrar a pediatria!

-Me desculpe, mas parece que tem uma emergência e estão te chamando no 1º andar. E me mandaram ficar aqui.

-Que estranho...

-Acho melhor você ir ver qual é problema. Foi a doutora Tânia quem chamou.

Bella viu a moça ficar preocupada.

-Neste caso é melhor eu ir, aquela mulher é uma bruxa!

A moça se afastou e Bella pode finamente chegar perto de Angelina. Sentiu o coração se apertar ao vê-la dormindo. Passou a mão pelo rostinho e ela abriu os olhos.

-Angie...

Bella ficou ali, com a filha, sentindo lágrimas quentes escorrerem pelos olhos. Era a última vez que via a filha. De repente ouviu passos no corredor e ajeitou o corpo e empalideceu ao ver Edward se aproximando. Rapidamente colocou a máscara no rosto e virou-se, fingindo que estava arrumando algumas coisas na prateleira.

-Boa tarde. – ele cumprimentou sério e com o conto do olhos Bella o viu se aproximar de Angelina - Hei, Angie... - ele falou com emoção na voz e Bella percebeu todo o amor que ele tinha pela menina. Ele estava totalmente absorvido pela criança e Bella virou-se, sentindo uma mistura de alegria e pesar com aquela cena. Desde que Angelina nascera ela desejara, bem lá no fundo do peito, que um dia, os três pudessem estar juntos assim, como agora. Mas não daquele jeito, Bella pensou. Ela era uma intrusa ali, apesar de ser a mãe. Eles não precisavam dela. Edward já amava Angie e iria cuidar da menina. Agora Bella poderia finalmente fugir. De novo.

-O pediatra já passou por aqui hoje? – ele perguntou de repente e Bella estremeceu de medo. Ele girou o corpo ficando de frente para ela e Bella apressou-se em virar o rosto, com medo de ele reconhecê-la.

-Hei, estou falando com você! – ele falou impaciente e então Bella o encarou.

Por alguns instantes foi como se o mundo parasse de girar e então ela viu o reconhecimento nos olhos dele.

-Bella?

Continua...

Ah, agora ficou bom... O que será que vai acontecer depois desse reencontro depois de tanto tempo e tantos acontecimentos? Continuem acompanhando para saber... E, por favor, comentem... Fico muito triste quando não vejo comentários dos capítulos... Então me façam feliz! Beijões e até amanhã.

5 comments :

  1. Natália SantosThursday, May 05, 2011

    Está ficando cada vez mais emocionante esta fic!!!
    Será que agora eles se acertam?
    Estou ansiosa para ler o cap. de amanhã.
    Bjs...

    ReplyDelete
  2. Mt bom! Quero tanto o capitulo de amanhã! bjs

    ReplyDelete
  3. Mto bom!
    Estou ansiosa pra ler o proximo cap.
    B

    ReplyDelete
  4. nosssaaaaa mt emoção flor amei beijusculo

    ReplyDelete
  5. Não ficou bom, Ficou OTIMO!!!

    ReplyDelete