FANFIC - INTERLÚDIO - CAPÍTULO 19 - BY JULIANA DANTAS

Olá pra você que está acompanhando nossa fic diariamente! Agradeço muito pelo carinho. Mas vamos ao que interessa. No capítulo de hoje Bella recebe uma visitinha... Leiam e descubram...

Interlúdio - by Ju
Título: Interlúdio
Autora(o): Juliana e Lilica
Shipper: Bella e Edward
Gênero: universo alternativo, personagens humanos (nada de vampiro), romance, drama.
Censura: NC-17

Interlúdio

By Juliana Dantas

Capítulo 19

Bella esperou acordada até altas horas. Queria olhar bem na cara de Edward quando ele voltasse e dizer-lhe que nunca mais poria as mãos nela.

Mas, cansada tanto física quanto emocionalmente, adormeceu. Quando acordou o sol já ia alto e ela estava sozinha.

Será que Edward já tinha saído? Ou nem tinha voltado? Pensou, não sem certo ciúme.

Não conseguia acreditar que fora capaz de fazer amor com ela e depois pular na cama da bruxa loira.

Mas, provavelmente era isto mesmo que tinha acontecido. Ela não deveria se importar com isto. Porém não consegui evitar sofrer. Edward a odiava. Fechou os olhos com força para conter as lágrimas. Não iria chorar. Não podia mudar o passado. Tinha tomado a decisão de deixar Edward e isto fora o melhor a fazer.
Será que fora mesmo?

Que alternativa ela tinha a não ser fazê-lo odiá-la? Conhecia Edward bem demais e não havia outra maneira dele deixá-la ir. Mas agora ele a desprezava. E queria se vingar por algo que ela não fizera. Pensava que ela o usara e depois o traíra. E não estava mais longe da verdade.

E se contasse tudo? Ele acreditaria? Ou acharia que estava mentindo?

Não, não deveria falar nada. O que estava feito, estava feito. Estava ali apenas por Angie. O que houvera entre ela e Edward não existia mais. A única coisa que restava era o desejo de vingança de Edward. Depois, ficariam apenas as cinzas.

Ela passou o dia sozinha. Ligara para o hospital, tentando saber de Angie, mas as ordens de Edward não mudaram. Então exigiu falar com ele, apenas para responderem que ele saíra com a doutora Tânia. Bella batera o telefone com ódio.
Em que estava pensando quando concordara com aquilo? Como iria manter-se sã até que tudo acabasse?

Jantou sozinha e nada de Edward. Achou um livro pra ler, mas as palavras se embaralhavam em sua cabeça; desistiu da leitura e foi tentar dormir. Onde será que Edward estava? Provavelmente transando com a Tânia. Bella fechou os olhos, tentando mandar estes pensamentos sombrios para o fundo da memória e adormeceu.

Ela sonhava, e no sonho Edward a beijava e acariciava sua pele lentamente;

Suspirou, sorrindo, aconchegando-se ao corpo quente. E despertou totalmente para constatar que aquilo não era sonho. Edward estava ali, em carne e osso.

Os olhos dele brilhavam perigosamente e numa rápida olhada Bella viu que ele estava nu. Ignorando o arrepio de desejo que subiu por sua espinha, ela fechou a cara.

-Saia já daqui! – disse com mal contida fúria.

Ele riu.

Exasperada, Bella tentou se afastar, mas ele a segurou firmemente pelo braço.

-Não vai a lugar algum, Bella! - ele falou com voz rouca.

-Me solta, seu cretino! – gritou se debatendo. Mas ele era mais forte e a subjugou facilmente. Obrigando-a a deitar-se na cama e cobrindo seu corpo com o dele, segurando suas mãos acima da cabeça. Bella arfou, sem mais saber se era de raiva ou desejo e os olhos dele acompanharam o movimento de seus seios por baixo da camisola.

-Não adianta lutar, Bella.

-Não quero que me toque. – Bella respondeu, mas até para ela mesma, a sua voz parecia sem convicção.

Ele sorriu, um riso perigoso, que não chegava aos olhos e abaixou a cabeça até seus lábios quase se tocarem.

-Não me interessa o que você quer. Não está em condição de ditar ordens.

Ela se enfureceu com estas palavras irônicas e tentou se soltar de novo, mas os movimentos que fazia, apenas os deixavam ainda mais próximos e ela pode sentir a ereção exigente dele.

-Me solta! - pediu desesperada com o desejo insano que começava a toldar seu juízo.

-Não. Você está exatamente aonde eu quero que esteja! - então ele a beijou. E Bella esqueceu tudo o mais a não ser a satisfação dos sentidos.

Quando acordou estava sozinha. Olhou o dia cinzento pela janela e sentiu-se tão só como nunca. Por que deixara Edward fazer o que quisesse com ela novamente?

Estava se metendo numa situação impossível, e sabia que sairia disto muito machucada depois. Edward queria apenas usá-la. Puni-la.

Mas ela não era capaz de resistir. Era simples assim. Nos dias que se seguiram estabeleceu-se a mesma rotina. Edward chegava de madrugada e a acordava para um sexo pagão, intenso e satisfatório. Mas a deixava sozinha em seguida e Bella acordava sempre se sentindo cada vez mais horrível.

O pior era que ela começara a ansiar e a desejar estes momentos roubados de loucura, onde ela podia tê-lo junto a si e fingir que tudo era como antes. Que ele não a odiava e que eles poderiam ficar juntos. Mas isto era uma ilusão. E então ela sofria.

E sofria ainda mais por não ter notícias de Angie. Só não fora até o hospital saber dela porque confiava em Edward. Ele podia odiá-la, mas gostava de verdade de Angie e jamais faria algo para maltratá-la. E intuía que se ele não falava nada era por que Angie estava bem. Pelo menos ela rezava que sim.

Mas um dia ela decidiu agir. Levantou-se bem cedo, o dia mal amanhecera e desta vez Edward não lhe escaparia. Iria confrontá-lo sobre Angie. Precisava saber de sua filha e ele não podia negar-lhe este direito.

Pegou uma caneca de café e sentou-se na varanda, perto da porta, olhando as ondas arrebentarem no mar. Até que ouviu a porta se abrindo e virou-se tensa.

-Olá, Edward. - falou ressabiada, porém de cabeça erguida.

Ele a encarou surpreso, mas depois vestiu a máscara de frieza habitual.

-O que faz aqui?

Bella colocou a caneca de lado e levantou-se.

-Quero saber como está Angie. - Ele desviou o olhar e Bella se irritou - Droga Edward! Eu aceito que me odeie, aceito de me puna, aceito que me use pra satisfazer não só seu corpo, mas seu desejo absurdo de vingança. Mas não vou aceitar que me negue saber sobre Angie. Ela é “minha” filha!

Bella esperou Edward responder, depois de sua explosão frustrada. Mas ele apenas sacudiu a cabeça negativamente quando voltou a fitá-la.

-Angie está bem. – respondeu por fim e Bella sentiu um peso sendo tirado de suas costas.

-Você tem certeza? - perguntou num fio de voz. Sofrendo pelo pequeno ser que gerara e que fora tirado dela brutalmente. Ele a fitou e por alguns momentos Bella viu em seus olhos a mesma angústia e preocupação que existiam nos seus.

-Sim, eu tenho certeza. – Edward respondeu.

-Obrigada. - Bella sussurrou agradecida pela pequena informação.

E nem só por isto. Agradecia por ele estar ali por Angelina, cuidando e se preocupando com ela. Fixou o olhar angustiado em seu rosto e teve a impressão de que, pela primeira vez em dias, ele a encarava sem a máscara de ódio e frieza.

E Bella desejou prender aquele olhar pra sempre. Quis levantar a mão e acariciar seu rosto forte, sentir a aspereza da barba arranhando sua pele. Queria que ele a olhasse com amor.

Mas o momento passou e Edward voltou à habitual frieza e afastou-se em direção ao carro, sem nada dizer. E Bella deixou-se ficar ali, sozinha com seus medos.

Horas depois ela ouviu o barulho do motor de um carro. Olhou o relógio. Ainda não eram 15h. Não podia ser Edward. Então quem seria? Sentiu um medo terrível. E se fosse a polícia?

Ou pior. E se eles a tivessem encontrado?

Assustada, correu até a janela e espiou pela cortina e ficou surpresa ao ver a irmã de Edward, Alice, surgir de dento do carro esporte.

A moça entrou e sorriu para ela.

-Oi Bella, como vai?

Bella ficou parada no lugar, sem saber o que dizer.

-Nossa, parece que viu um fantasma! - Alice riu e de repente ficou séria – Ou eu a assustei?

Bella sacudiu a cabeça, tentando sorrir.

-Me desculpe, eu pensei... Deixa pra lá. Apenas... Não esperava você aqui.

Alice deu de ombros, retirando o casaco.

-Eu queria vir faz tempo. Não que Edward aprove. Ou saiba... Você não vai contar pra ele, vai?

-Talvez ele não acreditasse se eu contasse... – Bella comentou irônica.

Alice foi indo para a cozinha. Como se fosse dona da casa.

Bom, ela era mesmo dona da casa!

-Vou fazer um café! Estou super cansada. Passei a manhã fazendo compras! - ela ria enquanto se movimentava pela cozinha e olhou Bella, medindo-a – Eu conheço esta roupa...

Bella olhou para si mesma e ficou vermelha.

-Eu achei em um armário, são suas?

-São. Mas eu nem uso mais. Ficaram boas em você. Tem um corpo bonito! - ela deu uma risadinha – Mas acho que ficaria melhor com uma cor mais... Escura talvez?

Ela continuou a fazer o tal café, enquanto falava, deixando Bella tonta.

-Vou fazer umas compras pra você... Afinal, eu já fiz isto antes!

-Fez?

-Sim. Edward pediu para comprar roupas para você no ano passado. Quer dizer, ele não disse para quem era... Cheio de segredos... - ela mordeu os lábios colocando uma xícara na frente de Bella e se sentando – Aliás, eu estou morta de curiosidade para saber esta história direito!

Bella desviou o olhar.

-Não é uma história bonita.

-Mesmo assim, eu quero saber. Ele é meu irmão. E... - deu de ombros – Eu o vi se fechar como uma ostra numa concha desde que voltou da Europa. Foi difícil ver isto...

-Mas ele tem a Tânia... – Bella quase mordeu a língua por ter falado da médica, mas não resistiu.

-Tânia? - Alice fez cara de nojo – Bem que ela tenta. Mas nunca vai conseguir nada. Se eu fosse você não me preocupava com ela. E vocês têm uma filha agora.

Bella sentiu um aperto no peito.

-As coisas são mais difíceis do que parece.

-Então me conta.

Bella não sabe por que contou tudo a Alice.

Mas tinha algo na irmã de Edward que a deixava a vontade. Que parecia ser muito confiável.

Alice respirou fundo quando terminou o relato.

-Nossa! Porque você fez isto com o Edward? Ele gostava de você! Largou tudo por você...

-Ele precisava seguir a vida dele, nunca ia dar certo. Eu tenho sempre que fugir.

-Mas agora tem sua filha. Podia contar a verdade pra ele.

-Duvido que acredite e... Ainda acho que nunca vai dar certo.

-Devia contar.

-Não. Se eu contar... Se ele acreditar... Se ainda... - ela queria dizer “se Edward ainda me amar”, mas ela duvidava que ainda houvesse algum sentimento a não ser rancor depois de tudo. - Eu conheço Edward. Ele se sentiria na obrigação de me ajudar. De... Ficar comigo. Por causa de Angie. Eu não quero. Eu não posso ficar com ele. Não com a polícia atrás de mim.

-E o que vai acontecer agora?

-Eu preciso convencê-lo de que não posso ficar.

-E vai levar Angie? Edward não vai permitir... Você sabe não é?

Bella mordeu os lábios com força.

Sim, ela sabia.

Mas mesmo Angie estando bem, ela seria mais feliz com Edward.

Poderia ter uma vida normal com ele.

-Ela ficara melhor com Edward. Eu só quero... Ter mesmo certeza que ela está bem e saudável.

-Ela está. – Alice sorriu – Eu sempre vou ao hospital.

-Você a viu? - Bella indagou ansiosa.

-Sim. Ela está se recuperando muito bem. Espera! - Alice pegou um celular e mostrou a Bella – Eu tiro fotos dela para mostrar a Jasper. Já falei pra ele que quero ter um bebê tão lindo quanto ela.

Bella olhou a foto que Alice lhe mostrava e sentiu uma vontade louca de chorar.

Sua filha estava linda. E parecia muito saudável.

-Obrigada Alice.

Alice sorriu e olhou o relógio.

-Preciso ir. Mas amanhã, eu voltarei! E lhe trarei mais fotos de Angie e... Acho que farei compras para você! Isto! E vamos nos divertir amanhã!

Sem aviso, ela lhe deu um abraço e partiu.

Bella olhou o carro esporte se afastando e sorriu.

Gostava de Alice.

Seria bom ela voltar. Seria bom ter alguém para conversar. E para saber de Angie.

Estava distraída quando de repente a porta se abriu e Edward entrou.

Era cedo para ele estar ali e Bella estranhou.

-O que está fazendo aqui? Aconteceu alguma coisa? Angie? - indagou com medo.

-Não. Ela está bem, eu... - ele passou a mão pelos cabelos e parecia por um momento tão perdido quanto ela - Apenas... Achei que poderíamos conversar.

-Conversar? - Bella cruzou os braços em frente ao peito - Agora você quer conversar comigo? Sobre o que? Como está sendo um idiota me mantendo aqui? Em nunca me dizer como Angie está.

-Eu falei está manhã.

-Porque eu quase implorei!

-Bella...

-Estou cansada Edward, eu...

De repente ela reparou que ele estava muito sério olhando para um ponto além dela.

-Quem esteve com você?

Bella acompanhou seu olhar e viu as xícaras.

-Ninguém - respondeu rápido.

-Tem duas xícaras ali... - ele a encarou com desconfiança – Quem estava aqui Bella?

Bella franziu o cenho entendendo o que ele queria dizer.

-O que está querendo dizer? Que eu estava com algum homem aqui? - e começou a rir, embora estive com muita raiva desta desconfiança absurda de Edward.

-Eu não quis dizer nada. Estou perguntando quem estava com você e não venha me falar que era ninguém.

Bella respirou fundo.

-Alice.

-Minha irmã este aqui? - indagou surpreso.

-Sim, e, por favor, não fique bravo com ela.

Edward passou a mão pelos cabelos.

-Falei pra ficar longe disto.

-Oh... Eu sou agora uma espécie de segredinho sujo seu? Mantendo sua família perfeita longe de mim? Bom, acho que foi isto que eu sempre fui não é?

Bella nem sabia por que estava dizendo aquelas coisa, mas não conseguia se conter.

-Eu não sei o que você quer me dizendo estas coisas.

Bella respirou fundo.

-Eu não quero nada. Ou melhor. Eu quero ver minha filha.

-Eu já falei que ela está bem.

-Não pode fazer isto Edward! É minha filha! Sabe o que estou passando desde que eu soube que estava doente? Estou tão cansada, tão...

E de repente o pranto venceu; Estava farta de toda aquela situação.

E sem saber como, ele a estava abraçando.

Depois de muito tempo, Bella se acalmou e o encarou.

-Me desculpe – ele disse, passando a mão por seus cabelos e por um momento, pareceu o Edward de antes, o Edward que gostava e confiava nela.

E foi fácil, se deixar envolver, imaginar que tudo ainda era perfeito.

E o clima mudou sutilmente, até que Edward começou a se inclinar em sua direção, mas Bella se afastou de repente.

-Não, Edward, chega!

-Bella...

-Não! – ela cruzou os braços em frente ao peito, como um escudo – Não quero mais que ponha as mãos em mim e estou falando sério. E nem venha com suas ameaças. Acabou.

Sim, estava farta daquela situação ridícula; precisava impor um pouco de respeito e ainda se apegar a algum orgulho.

Antes que não lhe restasse nada.

Ele a encarou por um momento e então deu um passo atrás.

-Tem razão, acho que devemos manter as coisas como estão. Somente Angie importa.

-Sim.

-Eu vou sair. Preciso... - ele não continuou, apenas deu meia volta e entrou no carro.

Bella respirou fundo, se perguntando se tinha feito a coisa certa.

Será que agora ele iria atrás da Tânia?

Continua...

Esse capítulo foi um pouco maior. Mas foi bom, né? Espero os comentários de vocês para saber o que acharam... Amanhã volto com mais. Beijos carinhosos e muito agradecidos.

5 comments :

  1. Amei! Quero o próximo!
    Obrigado porter feito esse capitulo um pouco maior!

    ReplyDelete
  2. muuuito peeer
    tadinho do Edward ..

    ReplyDelete
  3. Muito intenso!
    O que será que o Edward está pretendendo com ela?
    Aguardo por mais amanhã.

    ReplyDelete
  4. adorei flor tudo de bom esse cap!! espero o proximo vamos ver o q acontece mt anciosa!!! beijusculosss e ate amanha!!

    ReplyDelete
  5. To amando cada capitulo!!
    Não consigo parar de ler, meu sono ta ficando comprometido e ate as minhas tardes!!

    ReplyDelete