FANFIC - REMEMBER ME - CAPÍTULO 19 - BY JULIANA DANTAS

Oi galera! Estamos na reta final da fic e o capítulo de hoje está meio tenso... A Kris continua resgatando suas memórias e vai perceber quantos erros ela cometeu no passado esquecido... Leiam e comentem depois.

Título: Remember Me - by Ju
Autora(o): Juliana Dantas
Shipper: Robsten
Gênero: romance.
Censura: NC-17

Por favor, lembre, por favor, lembre
Eu estava lá pra você e você pra mim
Por favor, lembre nosso tempo junto
O tempo era seu e meu
E nós éramos loucos e livres
Por favor, lembre, por favor, lembre de mim

LeAnn Rimes

Remember Me

By Juliana Dantas

Capítulo 19

Março de 2014.

-Eu não vou.
-Kristen, isto é ridículo.
Ele estava todo arrumado para a tão falada Premiere do filme, com a Megan, ali em Londres.
Mas eu me recusava a ir também.
-Eu tenho certeza que vão ficar especulando e falando merda. Não tô afim.
-Vai ser pior se não for.
Eu dei de ombros.
-Que seja.
Eles tinham parado um pouco com as especulações, mas agora que Megan estava em Londres com sua barriga de seis meses de gestação e ainda linda de morrer, as fofocas tinham voltado a toda.
-Tudo bem, não vou insistir.
Ele saiu e eu respirei fundo.
Peguei o teste que estava na minha bolsa e eu estava adiando pra fazer.
Estava atrasada uns dias e me perguntava se finalmente eu tinha engravidado.
Mas de novo deu negativo.
Eu senti um nó se formando na minha garganta.
Talvez devesse desistir.
Eu suspirei e liguei o computador.
Era por puro masoquismo que eu fazia aquilo?
Ele estava lindo nas fotos.
E Megan ao seu lado também.
Era um casal bonito, não tinha como negar.
De repente eu me perguntei se tudo teria sido diferente.
Se eu não tivesse engravidado de Agnes. Se nunca tivéssemos nos casado.
Se Rob ficasse com uma pessoa como Megan.
Um casal perfeito.
Não era justo ele fazer sacrifícios por mim.
Estragar sua carreira porque eu não agüentava a pressão.
Enquanto fingíamos que estava tudo bem e que ainda éramos felizes.
Talvez fosse por isto que eu não engravidava de novo. Talvez não fosse mais para ser.
Agnes seria nossa única filha.
Nosso único laço.
Já estava na hora de eu dar um jeito naquela confusão que eu mesma tinha armado.
Eu peguei o telefone e disquei um número de Los Angeles.
-Michael, é a Kristen. Eu tenho um trabalho pra você. Aqui em Londres.
Uma semana depois eu busquei Michael no aeroporto e depois voltei pra casa e esperei Rob.
-Cadê a Agnes?
-Está na casa da sua mãe.
-Porque? Está tudo bem?
-Não.
Ele se aproximou.
-Kristen, qual o problema?
Eu me virei para encará-lo.
-Rob, eu quero o divórcio.
-O que?
-Não está dando certo.
Ele se aproximou, passando a mão nos cabelos nervosamente.
-Kristen, do que está falando?
-De nós dois. Deste casamento.
-Você quer acabar com nosso casamento?
-Já acabou faz tempo Rob. A gente está insistindo em algo que já morreu.
Eu sentia tudo se quebrando dentro de mim ao dizer aquelas palavras.
Mas não tinha outro jeito. Era a mais pura verdade.
-Não pode estar falando sério!
-Estou sim. E você sabe que é verdade.
-Eu não concordo com você. Não acabou coisa nenhuma!
-Porque insistir nisto? A gente só briga Rob! Este casamento não está funcionando há tempos.
-Se está fazendo isto por causa desses tablóides...
-Não é isto. Embora seja uma coisa horrível. Mas não é tudo. A gente não fala mais a mesma língua. Não há mais nada pra se salvar aqui a não ser a Agnes.
-Então pense nela antes de me propor algo tão ridículo.
-É nela que eu penso primeiro; até agora a gente conseguiu poupá-la, mas ela está crescendo e deve perceber que está tudo errado.
-Não precisa ser errado...
-Rob, por favor, não torne isto mais difícil...
-Então é isto... Vamos acabar com tudo, cada um segue sua vida? - falou com amargor.
Eu dei de ombros, contendo o nó que se formara na minha garganta.
-Pode não perceber agora, mas vai ser melhor assim. A gente tem que admitir que... Errou. E tentar manter uma relação amigável por Agnes. Apenas ela interessa no final.
Ele passou a mão pelos cabelos e eu podia sentir sua raiva quando se afastou.
Eu fiquei no mesmo lugar, até que ele passou por mim carregando suas malas e batendo a porta atrás de si.
Eu tirei a aliança do meu dedo e coloquei na caixa e fechei o armário.
Era isto.
Rob agora estava livre.
Estava tudo acabado.

Abril de 2014.

Talvez eu tivesse em depressão profunda se não fosse o filme que estava sobre minha responsabilidade e Agnes.
Eu tinha que me manter bem por ela.
E pensar que tinha feito a coisa certa mandando Rob embora.
Era só eu me acostumar com aquilo.
Nós nos encontrávamos eventualmente quando ele pegava Agnes, que até que estava enfrentando tudo muito bem.
Ela ficava uma semana comigo e outra com ele e eu não sei até quando aquele arranjo ia dar certo.
Ele aparecera naquela tarde para trazê-la e a boa educação e formalidade com que nos tratávamos tinha ido pro espaço. Assim que Agnes me abraçou e foi para seu quarto, ele começou.
E estava possesso.
-Quando ia me contar que está colocando o Michael no seu filme?
-Acho que não preciso mais te contar, já que está sabendo.
-Kristen, porque você faz isto?
Eu dei de ombros.
-Não estou fazendo nada. Ele precisava de um emprego e eu tinha um papel pra ele. Simples assim. E a Megan? Vai ficar aqui até quando? Ela já te contou quem é o pai do bebê do ano?
Eu estava me roendo de ciúme.
Ciúme que eu nem tinha antes. Mas agora Rob era solteiro.
De repente se Megan tivesse com algumas idéias, eu nem poderia culpá-la.
-É aquele ex-namorado dela. Parece que eles vão casar.
-Que bom pra ela. - eu tentei não parecer tão aliviada. - Pena que os fãs de vocês devem estar cortando os pulsos! Coitados.
-Kristen, para de ironia.
Eu cruzei os braços em frente ao peito.
-Quando é que vamos tornar pública... Nossa separação?
-Nunca!
-Rob...
-Nós nunca demos declaração oficial de nada. Não vai começar agora. Eu estou pouco me importando com o que falem.
-Eu acho que deveríamos oficializar.
-Pra que? Porque está tão interessada que saibam que você está solteira? Por que seu ex está de volta?
Eu fiquei vermelha de raiva.
-E se for?
-O que?
-Eu gosto muito do Michael. E estou pensando mesmo em dar uma chance a ele. Talvez eu nunca devesse ter largado ele pra ficar com você. Acho que pelo menos posso concertar isto agora.
Eu não deveria ter falado aquilo.
Eu nem sei por que eu falei. Mas quando vi o mal já tinha sido feito.
Rob me encarou com tanta raiva e eu cheguei a abrir a boca para desmentir aquele monte de absurdo.
Mas ele me deu as costas e saiu batendo a porta.

Junho de 2014.

-Não vou concordar com isto!
Eu e minha mãe estávamos no escritório do estúdio discutindo os detalhes do filme.
Ela tinha viajado especialmente pra isto e as gravações começariam no mês seguinte.
-Porque não? Não pode querer ser uma boa diretora se agir assim.
-Você não pode estar falando sério! Rob no meu filme não!
-Você vai aceitar, ou eles pegarão outro diretor.
-Não pode fazer isto!
-Claro que posso. Foi você mesma que me garantiu estes poderes.
-Eu sei o que está tentando fazer e não vai dar certo.
-Ele é um bom ator. Só isto.
-Sei!
Eu saí bufando da reunião.
Era o que faltava. Apunhalada pela própria mãe.
Mas claro que Rob não ia aceitar.
E eu estava terrivelmente errada, pois quando cheguei no dia seguinte, ele estava lá assinando o contrato.
-Você sabe que me colocou numa encrenca não é? - indaguei a minha mãe quando ele foi embora.
-Porque seu ex-marido vai trabalhar com você?
-Se ainda fosse só isto! Esqueceu que o Michael também está no filme?
-E daí?
-E daí que eu disse ao Rob que estava voltando com ele!
-Você fez o que?
-Era mentira. Eu nem sei por que inventei isto, mas agora ele pensa que eu e Michael estamos juntos.
-Porque não conta a verdade a ele?
Eu dei de ombros.
-É melhor deixar assim. Além do mais eu não devo satisfações a ele.
-Meu Deus Kristen, como você é burra!
-Hei.
-Eu não falo mais nada.

Julho de 2014.

Eu devia estar louca quando permiti aquela situação absurda.
A tensão na sala enquanto fazíamos a primeira leitura do roteiro era quase palpável.
Rob e Michael numa mesma sala não iria dar certo, quanto mais no mesmo filme.
Nem a presença dos outros atores ajudavam.
E tudo era minha culpa.
Quando terminou, eu respirei aliviada, quando Rob se afastou sem falar nada, mas pelo menos sem matar o Michael.
-Kris, posso falar com você? - Michael se aproximou no corredor.
-Oi.
-O que está rolando aqui? Nem fazia idéia que seu marido ainda estava no filme...
-Ex-marido... Ou quase. Nós estamos... Nos separando.
-Eu sinto muito Kris.
-Eu também.
-Se você quiser conversar sobre isto...
Não, eu não queria.
Ou queria?
Michael fora meu amigo um dia. Talvez eu devesse mesmo conversar com ele.

***
Eu não ouvi a porta abrir, apenas levantei o olhar e lá estava ele, entrando com Agnes adormecida no colo.
Primeiro ele olhou pra mim. E depois seu olhar recaiu em Michael, sentado em outro sofá.
E seu rosto fechou.
-Rob. – eu me levantei me perguntando por que diabos eu sentia aquele rubor de culpa no meu rosto.
Não estava fazendo nada demais.
Mas claro que pra Rob, depois de tudo que eu dissera a presença de Michael ali significava outra coisa.
-Eu vou colocá-la no quarto...
Ele passou por nós pisando duro e eu encarei Michael.
-Acho melhor eu ir embora... Acho que ele não gostou muito de me ver aqui.
-Não precisa...
-Eu não quero confusão pra você.
-Tudo bem. Nos vemos amanhã.
Eu não tinha contado pra ele as coisas que tinha dito pra Rob sobre nós.
Era melhor nem envolvê-lo naquela história.
Eu recolhi os copos que estava bebendo com Michael e levei pra cozinha, lavando-os.
Precisava me manter ocupada pra esquecer que Rob estava ali.
Provavelmente ele iria embora sem nem falar comigo. O que era ótimo.
Com certeza me pouparia de mais uma briga ridícula.
Mas eu estava errada.
Ouvi seus passos atrás de mim, mas não me virei.
-Só vim dizer que amanhã a noite eu pegarei a Agnes para sairmos.
-Não.
-O que?
Eu suspirei, ensaboando o mesmo copo pela enésima vez.
-Ela vai dormir na casa de uma amiga. Quero que ela tenha uma vida normal, como qualquer criança.
-Pra você ficar sozinha com seu namoradinho de adolescência?
Eu estava calma. Juro que estava calma até aquele momento.
Mas foi demais pra mim.
-Não estou ouvindo esta idiotice! - eu me virei irada.
-Porque, não é verdade? Não aproveitou que ela não estava aqui hoje pra trazê-lo? Pena que eu estraguei o plano de vocês...
-Você não sabe o que está dizendo!
-Você o leva pra nossa cama, Kristen?
-Cala a boca! - gritei – É melhor você parar agora com isto! Eu não sou obrigada a ficar ouvindo este monte de...
-E eu não sou obrigado a agüentar calado você trazê-lo pra dentro da nossa casa!
-Não devo satisfação a você! Não é meu dono, não e nada meu!
-Não?
E ele me puxou pelos cabelos, esmagando a boca na minha. O copo caiu e se espatifou no chão entre nós e eu bati meus punhos fechados em seu peito, molhando sua camisa, mas ele não me soltou.
Apenas seu braço livre me prensou ainda mais contra ele e contra a pia atrás de mim.
A língua invadindo minha boca.
Era um beijo punitivo, agressivo.
Mas não importava.
Era um beijo de Rob.
E ainda tinha o melhor gosto do mundo.
Eu gemi sentindo minha raiva se transformar em desejo.
E meus punhos se abriram para grudarem em sua camisa.
E nada mais importou quando suas mãos urgentes começaram a tirar minhas roupas e eu fiz a mesma coisa com as dele.
Nem sei como chegamos ao quarto.
Apenas senti os lençóis frios contra minhas costas e seu bem vindo peso sobre mim.
A boca devorando a minha em beijos molhados, as mãos acariciando meu corpo, queimando minha pele, excitando a nós dois.
E eu só pensava em como sentira falta dele estar exatamente assim, dentro de mim.
Movendo-se rápido e urgente e me arrastando com ele pra um clímax tão intenso quanto efêmero.
Depois veio o vazio.
E o pior de tudo, eu nem estava arrependida.
Havia uma parte de mim que queria que ele me abraçasse e dissesse que tudo ia ficar bem.
Eu queria dizer tantas coisas, tantas.
Mas o abismo entre nós era imenso e inevitável. Algumas atitudes eram impossíveis de voltar atrás.
Eu fiquei com uma vontade imensa de chorar, quando ele se afastou de mim.
E agora o que?
Íamos continuar a briga?
A falar de Michael?
Eu nem sei se conseguiria mentir ainda. Eu só queria achar uma saída para aquela confusão.
Era pra tudo ficar melhor que eu tomara aquela decisão não era? Então porque tudo parecia pior agora?
-Me desculpe. – ele quebrou o silêncio.
Eu mordi os lábios, talvez houvesse alguma... Chance de conversa civilizada?
Mas suas palavras depois desfizeram minhas expectativas.
-Isto não devia ter acontecido.
Eu fechei os punhos com força.
Ele estava arrependido e eu queria bater nele por isto.
Mas em vez disto, eu puxei um lençol sobre mim.
-Acho melhor ir embora. Não quero que a Agnes te veja aqui e fique confusa. – falei friamente.
-Você tem razão. - respondeu se levantando e vestindo as roupas.
E sem olhar pra mim, ele se foi.
E só então eu me permiti chorar.
No dia seguinte, nós começamos a gravar.
Eu tratei Rob como qualquer outro ator e graças a Deus Michael só começaria a gravar na semana seguinte.
Estava tudo indo bem afinal e eu me senti aliviada por conseguir ser profissional.
Mesmo as cenas da noite anterior teimando em voltar toda hora a minha mente.
Mas no fim do dia, eu me perguntei se continuaria sendo assim, quando ouvi passos atrás de mim no estacionamento.
-Hei Kristen.
Ah Deus.
Eu me virei encarando Rob.
-Será que podemos conversar?
-Se é sobre a Agnes, ela ainda vai pra casa da amiga dela.
-Eu sei, eu só queria... - Ele passou a mão pelos cabelos - Pedir desculpas... Pelas coisas que eu disse ontem... Sobre você e o Michael.
Eu mordi os lábios.
Isto era inesperado.
-Eu disse coisas... Horríveis, e você tem razão... Não sou seu dono.
-Rob, eu... - Deus, o que eu podia dizer? - Tudo bem. Isto não tem mais importância.
-Eu não quero que nós... Que fique este clima de briga... Não faria bem pra Agnes.
-Eu sei. Eu quero a mesma coisa.
Ele deu um pequeno sorriso.
E pronto. Bastou pra eu sentir meu mundo girando do avesso.
-Tchau, Kris.
Ele se afastou e eu fiquei olhando.
Porque meu coração batia ridiculamente daquele jeito?
Eu tinha que manter a cabeça no lugar.

Agosto de 2014.

-Por hoje e só.
Eu dispensei toda a equipe quando gravamos a última cena e olhei o relógio.
Ainda precisava buscar Agnes na escola.
E depois tinha algo muito importante pra fazer. Algo que não podia mais ser adiado.
-Kris?
Eu me virei para Rob, tentando não sorrir como uma fã idiota.
Ou começar a ter pensamentos idiotas.
-O que foi?
-Você pode avisar pra Agnes que eu não poderei levá-la a escola amanhã?
Nós tínhamos acordado que Rob sempre a levaria e eu a buscaria e até agora estava dando certo.
-Porque não?
-Preciso viajar?
-Viajar pra onde?
-Cornualha.
-Oh.
Eu tentei não ficar chateada com aquilo.
Nunca mais tínhamos ido pra lá.
E saber que ele planejava ir sozinho me deixou triste.
Eu sorri.
-Bem, aproveite seus dias de folga.
Nós ficaríamos alguns dias sem gravar e toda a equipe fora dispensada.
Claro que ele devia ter planos.
Planos que não mais me incluíam e isto doía.
Ele passou a mão pelos cabelos.
-Quando eu voltar... Eu preciso conversar uma coisa com você.
-Certo. Me liga.
Eu me afastei, antes que fizesse alguma bobagem.
Eu acordei muito cedo naquela manhã.
Peguei a caixa e fui para o banheiro.
Há uma semana eu adiava aquilo, mas não dava mais.
Enquanto esperava a maldita cor mudar, eu roia as unhas.
Ia ser negativo. Como em todas aquelas vezes que eu ansiara que fosse diferente.
Era apenas mais um teste.
Mas meu coração falhou quando desta vez foi diferente.
Tinha dado positivo.
Tantas coisas me passaram pela cabeça naquele momento.
Tanta confusão de sentimento.
Eu estava grávida.
Eu e Rob íamos ter outro bebê.
Rob.
Eu precisava contar à ele.
E então tudo poderia ser como antes, não poderia?
Eu senti um sopro de esperança.
Tinha dado certo uma vez não tinha? Podia dar certo de novo.
Talvez esta fosse a forma de concertar as coisas.
Sem pensar muito, eu fui para o quarto de Agnes e a peguei no colo.
Ela resmungou um pouco, mas continuou dormindo.
Eu a coloquei no carro e dirigi até a casa da mãe de Rob.
Ela ficou muito surpresa ao me ver.
-Kristen, algum problema?
-Não, quer dizer, eu preciso fazer uma viagem é e urgente. Será que ela pode ficar aqui?
-Claro que sim.
Eu coloquei Agnes no sofá e ela acordou.
-Mamãe?
-Querida, eu tenho que fazer uma viagem, mas eu volto logo. Você vai ficar aqui com a vovó, ok?
-Eu quero ir também.
-Não, não pode. Mas eu voltarei logo. - eu beijei sua testa – Amo você.
Eu entrei no carro e dirigi até a Cornualha para encontrar Rob.

Continua...

É impressionante a capacidade que ela tem de atropelar as coisas e cometer um erro atrás do outro... Será que agora ela consegue consertar toda essa bagunça? Comentem, por favor. Os comentários são o termômetro que mede o quanto vocês estão gostando da estória. Amanhã estarei de volta. Beijos.

4 comments :

  1. adorei ela é completamente maluquinha!!!! adoooooora minha Kiki!! amei ancio.... pelo prox... cap.. beijusculo

    ReplyDelete
  2. ta perfeeeeeita, muuito booa
    mas algo me diz qu o plano da Kris não vai dar certo ! * será pq né! *
    to muuito curiosaaaaa !!!!

    ReplyDelete
  3. Ju, ainda bem que esse capítulo salvou o não beijo q acabei de não assistir agora no MMA. Deixei pra lê-lo justamente depois pq eu sabia q precisaria compensar, e nada melhor q suas fics pra isso...rs...Bjs e esse foi no jeito!!!
    Wanessa

    ReplyDelete
  4. Cara ela é muito burra. Até parece eu, rsrsrs.

    ReplyDelete