FANFIC POR UM SEGREDO - CAPITULO 3


Por Um Segredo

Por um Segredo
Bruna Diniz Cullen

Classificação: +16
Categorias: Saga Crepúsculo, Bellard. 
Gêneros: Drama
Avisos: Sexo

Notas da autora: Desculpem pelos capítulos serem curtinhos, mas esse é o meu estilo de escrita...Mas prometo tentar fazer capítulos maiores... Beijos e continuem comentando!

CAPITULO 3 - CONFRONTO. 

Pov Bella:
Isso não estava acontecendo.
Quantas vezes, durante esses cinco anos, eu tive pesadelos com esse momento?
Edward descobrindo sobre Renesmee e a tirando de mim. Edward me odiando por esconder nossa filha. Renesmee me odiando por negar-lhe a convivência com o pai.
Meu Deus! O que eu faria agora?

Bastava olhar para a expressão furiosa com que ele me encarava para saber que ele tinha certeza sobre a paternidade de Renesmee. Ele havia me visto no salão e agora eu teria que pagar o preço por meu descuido. Eu jamais deveria ter voltado a Boston.
Mas a verdade é que eu nunca imaginei que ele ainda estaria vivendo nessa cidade. Seus planos para a formatura na época da faculdade incluiam cidades pequenas e populações menos favorecidas, o que certamente o levaria para longe da populosa capital do estado de Massachusetts.
Eu vivi uma vida reclusa desde que descobrira sobre a gravidez de Renesmee. O medo que os Cullen cumprissem as ameaças que fizeram com que eu desistisse do meu amor por Edward me guiava para o mais longe possível deles e do próprio Edward.
Mas ao que parece, nem todo o meu cuidado e minhas escapadas me econderam o suficiente dele.
_ Mamãe, quem é esse homem muuuuuuuuuito bonito aqui na porta?
A voz de Renesmee me trouxe de volta a realidade. Olhei novamente para Edward que agora encarava Renesmee com um olhar vidrado. Bonito. Essa palavra, apenas, não seria capaz de descrever a beleza do homem parado em minha porta.
Renesmee encarava a porta curiosa.
_ Ele não é do hotel, mamis. Não veste a roupa engraçada e nem trouxe meu café._ Ela veio andando em minha direção com uma carinha triste e estendeu seus pequenos bracinhos para que eu a pegasse no colo._ Mãe, fala pra ele que eu estou com muuuuita fome.
Edward, para meu desespero, adentrou o quarto e fechou a porta.
_ Peça o café para Renesmee. Ela precisa ser alimentada e nós precisamos ter uma conversinha.
Eu estremeci. De medo e de raiva. Quem ele pensa que é para entrar em meu quarto sem ser convidado e dar ordens a respeito da MINHA filha?
O encarei com ódio, mas o aviso em seu olhar não me permitiu discutir. Deixei Nessie sobre a cama e peguei o telefone para pedir seu café.
_ Oi, moço. Meu nome é Renesmee Swan e o seu?
Vi, com um desespero ainda maior, ele se aproximar da cama e agaixar-se na frente de Renesmee, tocando seu rostinho.
_ Oi. Meu nome é Edward Cullen.
_ Mamãe, ele é Cullen igual ao vovô.
Eu empalideci. Edward levantou-se imediatamente e me encarou. Se antes ele me olhava com ódio, agora ele me encarava com ganas assassinas. Nunca imaginei que Renesmee ligaria o sobrenome a pessoa. Já fazia muito tempo que Carlisle não a visitava.
_ Vovô?_ Edward perguntou ainda me encarando.
Eu suspirei e comecei a tremer.
_ Filha, vá ao banheiro se lavar, escovar os dentes e trocar de roupa. Seu vestido está pendurado atrás da porta.
_ Certo. Moço bonito, não vá embora, eu já volto._ Ela disse enquanto corria em direção ao banheiro. Minha vontade era segui-la, mas quando dei um passo em direção ao banheiro ele segurou meu braço com força.
_ Nem pense em segui-la. Temos muito o que conversar. E você não vai fugir outra vez.
_ Me solta. Você está me machucando!_ Disse tentando soltar me braço de suas mãos que mais pareciam garras de ferro. Quanto mais eu puxava o braço mais ele apertava.
_ Minha vontade não é apenas machucá-la. Eu poderia matá-la, Bella. O que pensou? Que eu jamais descobriria sobre Renesmee? Que jamais nos encontraríamos outra vez? Um segredo como esse não pode ser guardado para sempre!
Nos encaramos como oponentes em um ringue. Faíscas escapavam de nossos olhares. Depois de um tempo ele me soltou e dirigiu-se para a janela. Eu esfregava meu braço dolorido e fazia uma força tremenda para não chorar de desespero e impotência.
Eu sempre soubera que o segredo que eu guardava poderia ser a minha ruína. Mas não fazia idéia que essa ruína era tão iminente.
_ O que ganhou escondendo de mim que eu tinha uma filha?
_ Eu...eu... Edward...
_ Não. Não diga nada agora. A raiva que eu sinto de você nesse momento não me deixaria ser sensato. E não quero que Renesmee nos ouça discutindo. Isso certamente a assustaria e não quero traumatizá-la em seu primeiro contato com o pai.
_ Quem disse que você é o pai?_ Me arrependi das palavras assim que elas escaparam dos meus lábios. Em dois passos ele estava novamente em minha frente e agarrou-me pelos ombros.
_ Negue! Negue o que é mais que óbvio. Está na cara que ela é minha filha. Ela se parece comigo. Ela tem a idade para ser minha filha. Quatro anos, não é mesmo? Ou não me diga que encontrou um gêmeo meu perdido por aí e se deitou com ele com o intuito de procriar? Ah, claro, temos o meu pai também. como Nessie o chamou? Vovô? Ele poderia mesmo ser o pai dela. Ele é mais rico, poderoso e, pelo jeito, não tem escrúpulos ou mesmo vergonha na cara. Igual a você. Uma vagabunda que foge com o filho de um homem no ventre e ainda tem a coragem de dizer que ele não é o pai.
Dei um tapa em seu rosto. Quando vi, já havia feito. Não permitiria que ele continuasse a me ofender.
_ Chega! Você não tem o direito de entrar aqui e me ofender. Você não sabe de nada!
Nesse momento Renesmee volta para o quarto e corre para meu lado.
_ Solta a minha mãe!_ Ela me olha assustada._ Estão brigando? Porque?
_ Não anjinho. Ninguém está brincando. Sente-se ali na mesa que o seu café já está chegando._ Eu disse enquanto me agaixava e alisava seus cabelos. Edward havia novamente se afastado para a janela e agora Renesmee o encarava desconfiada.
Graças a Deus o café finalmente chegou e ela ficou entretida com suas panquecas e seu suco de laranja.
_ Por favor, Edward. Saia. Depois a gente conversa. Eu preciso dar atenção para Nessie.
_ Não. Eu não saio.
_ Edward, você precisa voltar para o salão. Tenho certeza que você não disse a ninguém onde ia e se eu não me engano, você é um dos organizadores do evento. Estou errada?
Ele suspirou, passando a mão pels cabelos, evidentemente muito nervoso.
_ Eu vou. Realmente preciso resolver alguns problemas lá no salão. Mas não se atreva a fugir. Eu te encontro, Bella. Nem que for no fim do mundo.
Eu estremeci. Vi que ele estava falando sério.
_ Não vou fugir.
Ele olhou outra vez para Renesmee e sua expressão se suavizou.
_ Tchau, Renesmee. A gente se vê depois.
Ela olhou para mim e eu lhe dei um sorriso de incentivo. Não adiantava nada alimentar um rancor ou medos em Renesmee com relação ao seu pai. Porque era isso que ele era. Não tinha como eu negar.
Nessie lhe sorriu e ele devolveu o sorriso. Ele ficava tão lindo quando sorria assim, de lado. Antes, todos esse sorrisos eram dirigidos a mim. Agora, depois de tudo que ele descobrira e com as surpresas que ainda estavam por vir, tinha certeza que ele jamais voltaria a sorrir para mim. E isso me entristeceu. Muito.
_ Bom, eu vou. Se arrume, vamos almoçar juntos. Ainda não terminamos nossos assuntos.
_ Edward, eu acho que...
_ Você não acha nada. Isso não é um pedido. É uma ordem e não se atreva a desobedescê-la. Ou sofrerá as consequências.
Engoli em seco. Pelo seu tom de voz, eu sabia que ele estava falando mais do que sério. Nem queria cogitar quais seriam essas consequências.
_ OK. Te esperaremos.
_ Ótimo._ E ele saiu sem olhar para trás, me deixando com os olhos cheios d'água e me perguntando o que seria de mim agora.
Tinha medo só em pensar!


Ainda tem muitos segredos a serem desvendados... Beijos!

2 comments :