ATADA A ELE - CAPITULO 6

Atada a Ele

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo - Bellard 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Amizade, Comédia, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Estupro, Sexo

Capitulo 6 -  A Escolha Certa

No carro, o engarrafamento de Nova Iorque não permitia que passássemos tão rápido. Eu tinha ligado pro meu pai dizendo que ia levar mais tempo do que eu esperava que levasse... Ele compreendeu, e disse que iria esperar.
Edward: está doida pra ver os presentes, não é?
Bella estava acariciando a barriga e olhando pela janela quando chamei sua atenção. Ela logo me olhou e disse sim com um aceno.
Edward: acho que posso fazer isso se você me responder uma pergunta... – ela olhou dos lados, e depois me olhou novamente com ar de (?) – vai demorar muito pra falar comigo? Quero dizer... Com palavras?
Ela pareceu pensar.
Ficou olhando os dedos se mexendo em seu colo... E me deixou sem resposta. Ou melhor, eu desisti depois de mais de um minuto aguardando-a.
Apanhei os pacotes no banco de trás, e os estendi para ela.
Ela hesitou, porém abriu rapidamente, rasgando a caixa toda em segundos.
Ela achou bonito, pude ver. Fez uma carinha fofa, e me mostrou seu polegar em forma positiva. Eu ri, e ela partiu para o outro pacote... Primeiro o da blusa pequenina, e achou tão lindo quanto o primeiro. Depois foi a vez do macacão.
Acho que foi o que mais gostou. Ela prendeu os olhos nele por uns longos segundos. O transito começou a andar, e ela ainda olhava.
Chegamos à casa do meu pai, e a roupinha estava sobre suas mãos, enquanto seu olhar vagava por onde eu não podia ver a sua frente. Talvez, o futuro.
Edward: Bella vamos? – eu mal percebi que a casa tinha chegado.
Ela assentiu, e pulou para fora do carro rapidamente. Deixou as sacolas no banco, e andou ao meu lado. Logo meu pai já estava na varanda da frente, com um sorriso longo.
Carlisle: Bella, querida. – ela correu até ele, e o abraçou – como vai, garota? – ela o abraçou e deu três tapinhas no ombro dele amigavelmente – o Edward está te tratando muito mal? Seja sincera... – ela negou, e sorriu. Fez sinal positivo – Hum... Assim fico mais tranqüilo.
Edward: pai... – cumprimentei passando pelos dois e entrando na casa.
Esme: oi filho! – ela estava ali, vindo na minha direção – como vai, amor? – me esmagou num abraço.
Edward: ótimo, mamãe... – ela me soltou, e olhou para Bella que estava com Carlisle. Os dois entraram, e eu passei indo direto pro sofá da sala de estar. Eu estava um pouco cansado pela correria com a garota... Ela também deveria estar.
Esme: Oi querida, como está? – abraçou Bella – nossa, que coisinha linda o seu bebê... Deixa eu ver! – eu via Esme esfregando a barriga de Bella cheia de carinho. – bom, nós vamos prá lá e vocês conversam, ok?
Edward: sim mãe, mais nada de cansar a Bella... – alertei – ela está esgotada, faça ela se sentar. A doutora disse que ela precisa de repouso.
Esme: Sim senhor... – ela ia guiando Bella pelos ombros até a porta.
Depois que as duas saíram, Carlisle me olhou meio desconfiado.
Carlisle: porque você não quer ficar com ela? – a voz dele era de desdém – é uma ótima moça, precisa de ajuda... Não te dá trabalho, sabe se cuidar sozinha. Não é um bebê.
Edward: não é, mas ela vai ter um bebê. – ironizei – ela não é ruim. É só que... Eu não estou preparado! É muita responsabilidade para mim...
Carlisle: está vendo? Até você mesmo admite. – ele cruzou uma perna sobre o joelhe na mesma posição que eu – Olha, o veredito do Charlie saiu hoje...
Edward: E?
Carlisle: ele vai ficar doze meses na cadeia. E a Bella vai ficar sobre a minha responsabilidade. E eu te pergunto de novo... Vai ficar com ela, ou não? – os olhos dele me intimidaram.
Edward: não posso. Eu não sei fazer isso... – minha resposta parecia escrita no cérebro.
Carlisle: Bem... Então sendo assim eu penso no melhor para ela e pro bebê. Eu amo ela como se fosse minha filha... Eu e sua mãe ficaremos com ela. Mas... A pobrezinha vai ficar tão só. Nós dois viajamos de um lado pro outro, não vamos ter tempo de dar atenção a ela que precisa tanto neste momento. – ele suspirou. – Ok.
Ele tinha razão.
Eu tinha tempo pra ela... Se eu parasse de chegar tarde, se eu deixasse as banalidades de lado... Eu teria tempo de apoiá-la com a gravidez. Ela era só uma menina.
Edward: pai... Escuta o pai do filho dela... – olhei em volta – ele não a quer?
Carlisle: não conte com isso, Edward – a expressão dele se tornou sombria, com asco – ele... Não existe. Não pensa nunca sobre isso... O homem que fez esse bebê nela não merece nem ser chamado de homem. – ele desviou o rosto.
Edward: por que...
Carlisle: eu não posso te contar. Quando ela se sentir bem com isso, ela mesma te dirá.
Edward: e o Charlie? Porque está preso? Você nunca me disse ao certo... – era estranho. Ele sempre fora um homem tão decente.
Carlisle: por causa desse homem que engravidou a Bella... – seu tom de nojo não se alterava – o Charlie ficou maluco quando descobriu o que fizeram com ela, e acabou saindo numa briga com o cara. Houve um acidente e o garoto... Porque na verdade, ele tem apenas dezoito anos, acabou bateando a cabeça não sei aonde e entrou em coma profundo. O Charlie foi indiciado por lesão, e condenado. É pouco tempo, um ano... Mais mesmo assim. Foi trágico. Ela não tem mais ninguém.
Edward: pai... – apertei os meus olhos – eu não consigo! Entenda... Eu gosto dela. Ela é uma boa menina, mais...
Carlisle: Ok, eu entendi. Fui precipitado em te obrigar...
Edward: Ok. – o silêncio acabou.
Esme e Bella voltaram. Minha mãe se sentou comigo, e Bella ao lado do meu pai.
Carlisle: E então, garota? E o bebê? – ele sorriu para ela. Bella fez sinal positivo, e fez um gesto pra eu contar.
Edward: eu a levei na Brenda, uma ginecologista/Obstetra muito requisitada lá na clinica. – os dois sorriram – ela disse que está tudo ok, que Bella está de catorze semanas e que é pra se cuidar, pois a gravidez é de risco! Mas se seguir a risca, nada dará errado.
Esme: Edward, isso é ótimo! – ela me abraçou – é menino ou menina?
Edward: não sabemos, mais a Bella acha que é menino.
Ficamos conversando muito tempo... Até que escureceu, e eu resolvi ir embora. Carlisle já havia dito a Bella que ela iria ficar com ele e minha mãe. Ela não esboçou qualquer reação, mais antes de tudo, eu expliquei a ela o motivo verdadeiro: Eu era um idiota!
Esme: volte sempre, querido... – disse depositando um beijo no meu rosto.
Edward: claro que sim... Vou vim ver o meu afilhado. – eu sorri para Bella, e ela abaixou o rosto sorrindo, mais para o chão. – Tchau pai... – apertei a mão do meu pai. – Até mais, Bella... – fui até ela, e abri os braços. Ela não hesitou em me dar um abraço. Eu a apertei contra o meu corpo, e ficamos assim alguns instantes. Eu não tinha percebido como ela ficava perfeita ali... Era totalmente ajustável a mim. – quero que você se cuide, e cuide do bebê, entendeu? – ela me soltou, e assentiu. – ok... Tchau a todos.
Virei às costas sentindo um estranho vazio. A porta se fechou atrás de mim, e eu caminhei na solidão até o carro. Entrei, e me sentei.
Os presentes que eu havia dado a ela estavam ali, no banco... Era tão injusto. Liguei o carro antes de pensar em algo.
Ela não é um cachorrinho. Eu não posso pegá-la e devolvê-la na hora em que quero. Não basta colocar um pouco de comida e água... E às vezes nas manhãs de sol levar pra dar uma volta. Era uma menina...
Ela iria precisar da minha atenção, do meu carinho, do meu total apoio. Era uma enorme responsabilidade que se multiplicaria por dois quando o bebê dela chegasse dali a seis meses...
Com o carro em movimento eu ia em direção a minha casa. Mais para quê?
Não tinha ninguém lá me esperando... E nunca iria ter. Liguei o celular e pesquisei alguns números de garotas... Todas pareciam às mesmas, até mesmo as que eu nunca ficara. Eu não queria a companhia delas. Eu precisava de um conselho...
Emmett: Caralho Edward já tá de noite! – resmungou do outro lado da linha, com voz sonolenta.
Edward: Ah cara, para de boiolice. São sete horas. – eu ainda dirigia falando com ele. – EU PRECISO DE UM CONSELHO...
Emmett: tá, o que você quer? Não to com nenhuma gata hoje... Tô é morto de sono, fiz dez partos hoje! – a voz dele era mesmo de cansaço.
Edward: tem uma menina chamada Bella... – contei para ele a história enquanto circulava por Nova Iorque sem rumo. -... E agora eu estou... Sentindo-me sozinho. Não sei, não quero as garotas, nenhuma... Não quero ir pra uma festa, nem pra uma boate. Mas também não quero a minha casa porque não tem ninguém lá. Eu me sinto um nada por ter feito isso com ela... Ela me obedecia, me respeitava... Era durona, mais eu a quero comigo. O que eu faço?
Emmett: mais não é obvio? Essa garota é uma bruxa! Como é que ela te enfeitiçou desse jeito? – ele ria – cara, se tá querendo ficar com ela, não percebe?
Edward: não, como eu posso ter tesão por ela? É uma menina grávida! Tenho que no mínimo respeitá-la...
Emmett: é isso! Eu não estou falando de tesão... E sim de sentimento. Sabe o que isso significa? Você achou alguém que não quer apenas pra transar! Quer ela com você. Quer protegê-la! Você está é com SAUDADES da Bellinha... E se eu fosse você, voltava pro seu pai e buscava-a.
Edward: mais eu sou um idiota! Eu não vou saber fazer... Como cuidar dela! – bati a mão contra o volante.
Emmett: vai sim... Antes de tudo, pense... Você a quer com você, não quer? – eu assenti, mais para mim mesmo – então, cara... Vai lá, e pega ela pra você. Ela e o bebê. Fica com ela pelo menos por esse um ano que ela está só. Ajude-a!
Edward: eu não sei...
Emmett: deixa de ser frouxo, Edward! Você não vai precisar parar de ir pras festas e pegar as gostosas! Não é sua esposa... A considere tua maninha mais nova, e o bebê seu sobrinho, ok? É só você arrumar uma escola pra menina, e comprar um enxoval. Acabou!
Edward: você tem razão.
Emmett: você vai pegá-la pra você? – questionou.
Edward: sim! – isso me deixou mais contente. Virei o carro na direção da casa do meu pai.
Emmett: e como se sente agora?
Edward: completo. – era tudo o que eu podia falar.
Emmett: mais olha lá o que vai fazer cara! Como você disse, ela é só uma menininha. Não vai deixar se apaixonar... Ela te virou completamente em um único dia, imagina o que ela pode fazer com você em um ano? Veja-a como tua irmã, entendeu? Agora tchau, to com sono, seu bundão. Fui.
Edward: Ok, obrigado mesmo cara. – e desliguei. – obrigado mesmo.

Para tudo! Estou pasma! Será que o Edward finalmente criou jeito??? Que atitude bonita a dele em se preocupar com a Bella!!! 

Own...

No comments :

Post a Comment