ATADA A ELE - CAPITULO 7

Atada a Ele

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo - Bellard 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Amizade, Comédia, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Estupro, Sexo

Capitulo 7 - Atada a Mim. 

A casa estava tão calma... Esme estava comigo na sala, e Carlisle lia um jornal na sala de jantar.
Na TV de plasma passava algo que eu não sabia bem o que era. Eu tentava prestar a atenção em tudo, mais sentia apenas o movimento dos dedos carinhosos de Esme fazendo um caminho estranho entre meus cabelos. Eu estava deitada nas cochas dela enquanto víamos a TV.

Ela ria com o programa... Enquanto eu beirava as lágrimas.

Como eu estava com saudades daquele imbecil! Como ele tinha conseguido me fazer se sentir querida em tão pouco tempo?

Mas ele tinha me deixado de novo... Como todo mundo faz comigo. Ok, ele tinha me deixado, mas passei a gostar daquele ser idiota chamado Edward Cullen.

Apesar de ser chato, machista, impertinente, mandão e tudo mais... Eu me senti segura sob a proteção dele... Sob as ordens dele. Mal percebi quando comecei a chorar... Eu queria tanto ele!

Esme: Oh, menina, não chora... – ela secou minhas lágrimas e me fez se sentar. – Bella, o que foi? – eu estava mesmo ridícula ali, chorando com aquele vestido de Esme verde e meio curto. A minha barriga estava incomodada com a posição, então me curvei e a abracei.

Carlisle: o que foi lindinha? – ele também veio me abraçar. – são os hormônios, né?

Eu continuei com saudades dele, tentando não chorar... Mas a gravidez me deixava tão sensível, e o meu coração pulsava estranho. De manhã eu queria mais do que tudo estar longe daquele maluco! E agora, eu queria voltar com ele para casa...

Mais ele não me queria, e eu tinha que me conformar... Edward não estava com saudades de mim, nem com dor no coração por ter me deixado!

A campainha soou, e Carlisle que estava próximo da porta, foi atender.

Esme me levou pro banheiro, e me ajudou a se recuperar da crise. Lavei o rosto, e penteei os cabelos. Se eu estivesse com Edward, com certeza ele ia gritar comigo, mais iria acabar me levando a força pro banheiro! Mesmo que ele tivesse que me carregar...

Eu ouvi vozes na sala, e Esme também.

Esme: quer descer, amor? – perguntou quando saímos – ou quer dormir? Você é quem sabe...

Eu não estava muito a fim de descer e encarar uma visita. Eu queria ficar no meu quarto com o bebê e pensar na vida... Tentar afastar a imagem de Edward. A saudade ridícula que eu sentia dele e do seu jeito idiota.

Beijei o rosto de Esme e fui pro quarto, ela sorriu lindamente e me desejou uma boa noite.

Entrei no quarto, cai na cama e antes que eu pudesse pensar, acabei dormindo. Como na noite anterior, a chuva começou a cair... Estava chovendo, mais não frio. Eu tentei não pensar em nada... Não sonhar...


EDWARD POV


Edward: oi pai... – eu estava me sentindo idiota ali. Ele me olhou como se eu fosse um alienígena, ou sei lá o que.

Carlisle: oi filho. – ele se afastou pra eu entrar, e entrei – esqueceu algo?

Edward: é, esqueci. – olhei em volta – cadê a minha garota?

Seu semblante se tornou confuso. Depois, começou a rir muito.

Esme: Edward? – minha mãe novamente me abraçou, quando terminou de descer as escadas – o que houve? – seu olhar ia do meu pai pra mim.

Carlisle: como assim... Sua garota? – ele colocou a mão no meu ombro, em forma amigável. Eu me senti esquisitamente compreendido.

Edward: eu vim buscar a Bella. – falei de uma vez – sou um frouxo! Eu não deveria ter deixado ela aqui... Eu a quero. Vou cuidar dela.

Esme: está falando sério mesmo, filho? – a aura contente predominava ali, enquanto os olhos deles me perseguiam orgulhosos. – quer dizer... Você quer cuidar dela mesmo? Oh, mais a pobrezinha está dormindo! E acho que a decisão de hoje cedo foi mais fácil... Ela tem que ficar comigo e com seu pai.

Carlisle: não precisa se sentir obrigado...

Edward: não estou me sentindo obrigado. Eu quero ficar com ela. Eu vou ter tempo pra ela, vocês não. – eu não encontrava palavras pra dizer como era necessário. – ela... Ela... Gostou da minha casa, eu tenho certeza! Vai querer ficar lá comigo...

 Esme: Edward... – estreitou o olhar – é por isso mesmo... Ou porque você está se apaix...

Edward: eu a vejo como irmã! – falei seguramente – gosto da garota!

Carlisle: Bom... Se é assim. – meu pai olhou minha mãe – vá acordar a Bella.

Esme: Ah não, a coitadinha estava chorando muito antes de deitar. – sua cara era de pena – eu não vou acordá-la... Imagina, e se ela volta a chorar... Não! – cruzou os braços, decidida.

Edward: Ok, eu vou. – eles abriram passagem, e eu fui em direção a escada. – no quarto da frente? – perguntei subindo. Eles assentiram.

Esme: seja cuidadoso com ela, ok?

Subi, olhei de um lado, do outro... E percebi que chovia. Mais que droga! De novo? Caminhei em passos lentos até a porta do quarto de hospedes, e empurrei a porta. Estava trovejando muito, e o lugar era escuro.

Como eu suspeitava, Bella estava lá, deitada na cama com a expressão tristonha... Com marcas de lágrimas pelo rosto, os cabelos grudados na umidade em suas bochechas. De lado, com uma mão no travesseiro, e a outra prensada na barriga.

Como eu ia acordá-la, se parecia tão serena? Abaixei-me ao lado dela, e senti saudade que eu senti dela se esvair. Ela se mexeu levemente, e choramingou algo que não entendi. Achei estranho, e a cutuquei.

Edward: Bella... – chamei baixinho, com o dedo pressionando o braço delicadamente – Bella acorda... Vamos pra casa.

Aos poucos ela abriu os olhos. Minha cabeça estava a centímetros da dela. Nossos olhares se encontraram, e eu senti meu corpo todo tremendo! Seus olhos brilharam pelas lágrimas que ela secou logo em seguida, se erguendo nos braços, ficando de frente pra mim.

Bella: Edward! – sua voz era suave, como um sussurro, mas sorri muito ao ouvi-la! Eu sorri para ela, e ela para mim. Ergueu as mãos e tocou o meu rosto...

Edward: Oi menina. – ela se encolheu quando falei, puxando a mão de volta do meu rosto. – Eu te esqueci, e agora vim te buscar, vamos pra casa?

O olhar dela se abriu muito, e ela colocou os pés pra fora da cama calçando a sandália, que eu tinha certeza ser de Esme, assim como o vestido que usava. Era uma graça. Verde, quase na cor dos olhos dela, mesclado de branco, de alças, indo até os joelhos. Obviamente, levemente redondinho na barriga... Eu tinha sentido saudades da barriguinha linda dela...

Mas espera... Ela queria mesmo ir comigo? Quando ficou de pé ao meu lado, cambaleou um pouco e meio que caiu nos meus braços. Ela parecia estranha... Será que ainda estava dormindo?

Edward: Bella... Você tem que andar mi amor. – ela me olhou, e voltou a ficar ereta – assim... Eu não consigo te carregar, você tá muito gordinha! – gargalhei, e ela me fuzilou com os olhos – brincadeira.

Descemos as escadas ao som da chuva, e vimos meus pais olhando para nós. Esme me estendeu algo...

Esme: filho é a roupa da Bella. – eu peguei, e Bella ainda parecia meio aérea – você está bem, menina? – minha mãe se aproximou de Bella. – parece cansada! Você vai mesmo ir com o Edward? Não quer ficar com agente?

Bella sorriu de canto, e fez “não” com a cabeça, mais ao mesmo tempo, abraçou Esme agradecendo.

Carlisle: Ok, então cuida do meu filho retardado. – olhei para o meu pai cheio de raiva, e ele retribuiu. Eu podia entender o que o olhar dele me dizia: se você a devolver de novo, não terá mais nada comigo!

Eu não ia fazer.

Edward: bom, agora Tchau! – eu abri a porta – É... Mãe descola um guarda chuva pra Bella?

Ela desapareceu na casa, e voltou com um guarda chuva. Eu o abri, e enfiei Bella ali em baixo. Corri pela chuva com ela ao meu lado, e só vi tudo acabar (minha solidão, minha saudade) quando ela estava sentada no meu banco de carona, com o cabelo levemente úmido pelos respingos da chuva, e o rosto vermelho pela leve corrida.

Edward: tudo bem? – eu tinha ligado o carro, mais era muito ruim enxergar a minha frente. Ela assentiu. – eu quero te dizer uma coisa... – o carro estava em movimento, e isso era bom. Eu não ia conseguir falar olhando nos olhos lindos dela. – Bella... Eu não queria ter te deixado hoje. – eu não conseguia olhar para seu rosto – eu fui bobo... Um idiota mestre... Sei lá. Eu fiquei com medo de você.

Virei-me para ela, que ainda estava do mesmo jeito. Um sorriso leve brotou em sua boca, e ela apontou para si mesmo, como se dissesse: medo de mim?

Edward: medo... – Ok, eu tinha que deixar de ser covarde. Estacionei o carro no acostamento, ouvindo a chuva bater contra a lataria – medo de vocês... – eu tinha me virado para ela, e pousado a mão na sua barriga linda e firme. – medo de quando você estourasse, e saísse um bebê de você. Eu só sei ser eu mesmo. Não sei viver com mais alguém. Eu ainda tenho medo de falhar contigo, mais não quero que fique longe de mim, ok? Eu não sei o por que... Mas te quero aqui. – os olhos dela pulavam de algo que eu não sabia o que era – eu vou aprender a não ter medo. Você vai ficar comigo até o teu pai sair da cadeia, e o seu bebê vai ser meu afilhado, tá?

Ela assentiu, sorrindo.

Edward: eu não vou te encher o saco. Eu juro! E vou tentar não gritar, nem brigar com você. Mas você precisa concordar em não me tirar do sério, também. – ela cruzou os dedos sobre os lábios, e beijou, prometendo. – essa é a minha garota!

Liguei o carro e voltei a dirigir. Eu queria estar em casa o mais depressa possível agora. Eu ainda tinha a minha responsabilidade atada a mim.

Aaaaaah que coisa mais linda esse Edward criando juízo, gente!!!!
Deixem um comentário e façam o coração da autora feliz, ok?
Até amanhã!

2 comments :

  1. meu Deus to amando essa FanFic!!!!!

    ReplyDelete
  2. A história esta mto fofa e a cada capitulo me surpreendedo, mas infelizmente n estou conseguindo acompanhar pois n consigo encontrar a sequencia da historia, parei no capitulo 5 e hj qdo entrei aqui para poder dar sequencia a leitura so consegui encontrar capitulo 7 e depois ja pula para capitulo 17, 18.. Por favor me mandem pelo face se possivel!! Obrigada
    Isabelle Reis

    ReplyDelete