ATADA A ELE - CAPITULO 39

Atada a Ele

ATADA A ELE - IZABELLA MANCINI. 

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo - Bellard 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Amizade, Comédia, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Estupro, Sexo

Capitulo 39 - ENTRE AMIGAS

Ok, eu não tinha experiência em sair de casa pra ir a festas, então, liguei pra Alice me dar uma força. Por telefone ela me disse à roupa que eu deveria usar, e seguindo as recomendações dela, terminei com um vestido preto de um ombro só, e salto alto.
Era delicado e bonito. Soltei o cabelo e deixei a maquiagem de sempre com um pouco mais de brilho. Sai do quarto correndo e vi Edward sentado na sala mexendo no celular assim que desci.
Bella: vamos? – ele me olhou e sorriu. Ficou de pé e vi que ele estava bem normal. Calça jeans escura, blusa preta lisa, porem mesmo assim estava lindo.
Edward: é vamos – me abraçou – to vendo que vou ter muitos problemas essa noite.
Bella: você não podia dizer apenas “você está bonita hoje”? – ri quando ele abriu a porta pra mim e passamos juntos por ela.
Edward: é, eu podia – admitiu me abraçando de lado quando entramos no elevador – você está maravilhosa hoje, amor... Como sempre – me disse todo sincero, e cheguei mais perto para beijá-lo.
Tudo estava indo muito agradável. Chegamos à casa de Emmett, ele e Rose já nos esperávamos. Como sempre, ao lado deles tudo era muito engraçado. Fomos a dois carros, e chegamos a tal da boate que eles tanto falaram. Realmente, era um lugar legal.
Colorido, com pessoas bem animadas, uma enorme pista de dança... Eles tinham dito que era um lugar pra casais. Um lugar muito legal. Emmett e Edward logo foram se misturando, cara de pau como eles só são. Rose e eu até ficávamos constrangidas, mais acabamos rindo com eles. Dançamos, dançamos, dançamos e tiramos muito o sarro.
Ao meio da noite, Edward e Emmett já eram os arroz da festa e tinham ganhado todos os prêmios de dança arrasando no salão. Rose e eu apenas riamos muito de tudo, porque na verdade, éramos péssimas dançando! Agora, por cerca das uma da manhã, a música lenta era o que predominava e a festa não tinha nem um pouco cara de quem iria acabar cedo.
Nós quatro dançávamos, eu sobre o pé de Edward, entregando a catástrofe que eu era dançando. Era incrível como ele estava cheiroso depois de dançar horrores... E eu cada vez mais apaixonada por ele.
Bella: sabe, há tempos eu não me divertia desse jeito... – falei ao pé o ouvido dele, que me apertou mais no abraço beijando o meu cabelo – você e o Emmett são dois idiotas, sabia? – e ri – eu não conhecia esse seu lado arroz de festa, Edward.
Edward: é, mais na verdade, não há mais lado nenhum meu que você não conheça – ele riu, e eu também.
Nos separamos um pouco e nos beijamos. Ficamos assim um bom tempo, até que Rose me cutucou.
Rose: vamos lá ao banheiro comigo? – sorriu meio sínica – to com probleminhas... – e ri. Eu já até podia imaginar o tipo de problema. Dei um ultimo beijo em Edward, e sai seguindo Rose.
Edward: mulheres... – o ouvi dizendo pra Emmett, e os dois sumiram na pista novamente.
Rose estava rindo de nada, assim como eu que tinha tomado umas a mais. Chegamos ao banheiro e ela resolveu seus problemas femininos com meus apetrechos de prevenção.
Rose: ai Bella, graças a Deus você é uma mulher prevenida! – ela lavava as mãos na pia enquanto eu arrumava meu cabelo ouvindo a musica da pista invadir o ambiente em tom mais baixo – essa é a segunda vez no mês que isso acontece... Devo estar com algum problema – e riu.
Bella: ai, eu nem sei por que tinha na bolsa – garanti, secando as mãos – depois do Erick ainda não me aconteceu nada! A médica disse que pode demorar até oito meses pra volta... Varia de mulher pra mulher.
Rose: que sorte! – choramingou – assim você e o Edward podem curtir a vontade, sem precisa se preocupar com outro Erickzinho lindo a caminho, né?
Saímos do banheiro, e vendo Edward e Emmett discutindo futebol com um cara baixinho. Resolvemos nem interromper, e sentamos-nos à mesa onde tínhamos reservado na parte de cima da boate.
Bella: bem, eu e o Edward não estamos curtindo nada ultimamente – peguei o copo com o liquido verde a minha frente e bebi um pouco. Ela fez o mesmo – pra falar a verdade, agente nunca curtiu nada.
Rose: O QUE? – questionou-me com cara de quem tinha visto um fantasma – VOCÊ TÁ ME DIZENDO QUE DEIXOU O EDWARD SEM SEXO ESSE TEMPO TODO?
Ela parecia mesmo surpresa. Tossi um pouco, e dei mais um gole enorme na bebida que eu nem sabia o que era.
Bella: ué, sim – dei de ombros – eu estava grávida, e a médica tinha me proibido de ter relação. O Erick nasceu e eu tive que fazer quarentena...
Rose: tá, ok... Mas pelas minhas contas a sua quarentena já acabou há uns dias – assenti – Bella, quer que eu seja sincera?
Bella: por favor! – pedi suspirando e bebendo mais – eu não sei o que eu faço... Como é que eu chego nele e digo: oi querido, eu quero transar! ? – Rose riu alto, e tomou mais um pouco.
Rose: olha Bella, o Edward antes de você era o tipo de cara que não passa mais de uma semana sem sexo! – eu assenti – e cara, ele não vai agüentar mais tanto tempo! Escuta, você tem que tomar uma decisão, amiga... Ele te ama, e foi compreensivo com você pelo fato da sua gravidez e da quarentena, mais você não acha que já tá na hora de vocês saírem da seca?
Bella: eu acho – concordei.
Rose: você tá receosa? Sabe, por tudo o que aconteceu com você?
Bella: não, claro que não – neguei – isso já passou há muito tempo. E eu não consigo mais associar o Edward a aquela homem... É só que... Sei lá, eu não sei fazer isso. Eu posso não ser virgem, mas sou tão inexperiente como se fosse.
Rose: ah, entendo – suspirou – olha amiga – pegou na minha mão – se você quer que o Edward fique ao seu lado sem te trair é melhor você pensar logo. Não que ele vá te trair, mais às vezes ele pode ficar num estado de desespero tão grande que pode fazer isso não intencionalmente. Seria catastrófico!
Bella: verdade...
Rose: e quanto a isso de insegura... – ela sorriu – amiga, você pode planejar Deus e o mundo, planejar cada detalhe do que vai fazer, mais na hora... Hum... Você esquece tudo e acabar se entregando ao extinto. Não há uma explicação lógica pra isso, sabe? Não há como eu te dizer: olha Bella, vai ser assim – gesticulou com a mão – porque não vai ser! Cada uma tem um jeito de encarar a situação... Eu apenas posso te garantir que se você ama mesmo o Edward vai ser maravilhoso! Independente de quando, onde e como. E se ele te ama também, vai entender a sua insegurança, o seu medo e pode ter certeza que ele fará de tudo pra te fazer se sentir a mulher mais feliz e amada do mundo!
Ao final, ela abriu um sorriso fofo, e eu dei a volta no banco da mesa pra abraçá-la.
Bella: ai amiga, isso foi lindo! – meus olhos lagrimejavam – sério obrigado por isso!
Rose: não tem de quê! – garantiu me dando tapinhas nas costas – você vai ver, vai dar tudo certo! – nos separamos, e sequei as minhas lágrimas.
Bella: Ai, eu estou bêbada! Isso é horrível! – choraminguei, e ela riu.
Rose: eu também! – deu de ombros, e pegou o copo – um brinde a nossa bebedeira! – brindamos, e tomamos rindo feito bobas. Viramos o copo, e quando terminei eu olhei pra ela decidida.
Bella: amiga, eu já sei o que fazer! – falei toda cheia de mim – eu vou conversar com o Edward, e dizer pra ele que eu quero ficar com ele sim, e que nada mais importa!
Rose: isso ai amiga! – falou com a cara dentro do copo. O abaixou, e sorriu – é isso ai Bellita, o Edward vai adorar essa noticia, eu te garanto!
Edward: o que é que eu vou gostar? – ele e Emmett chegaram por trás de nossa mesa, e se sentaram nos bancos vazios – Bella? – questionou me vendo rir – você tá bem?
Bella: não, eu acho que estou bêbada – ri mais um pouco – isso é mal? – ele me abraçou, e ri também.
Edward: não, todo mundo tem seu momento de bebedeira, não é meninas? – Emmett fazia o mesmo com Rose – mais agora chega, né? – ele puxou o copo que eu segurava. Naquele momento eu só conseguia rir.
Bella: isso, chega! – empurrei o copo da mão dele – vamos dançar? – fiquei de pé e nem dei tempo dele responder, fui puxando-o pra pista de dança.
Edward POV
Bella: ai meu Deus, como a noite está linda, não é amor?
Por mais que eu quisesse, não conseguia parar de rir de Bella. Não era rir dela, por ela estar bêbada, e sim rir com ela. O relógio já beirava às quatro da manhã quando andávamos na rua da boate em direção ao carro. Há minutos nos despedimos de Rose e Emmett que já haviam partido.
Edward: sim, querida, está linda – ela me abraçava de lado e andava meio bamba. Minha mão a amparava lhe segurando a cintura. Por certo Bella não era acostumada a beber, e não tinha uma resistência como a minha. Eu deveria ter impedido-a de encher a cara desse jeito... Por um momento me senti culpado, porém nada de errado estávamos fazendo – mas você está mais.
A observei sorrindo, olhando pro céu. Na minha mão livre eu carregava as sandálias altas dela, que chacoalhavam de um lado pro outro. Seu cabelo estava preso num coque frouxo, caindo alguns fios por sua bonita face. Na verdade, não havia mal em deixá-la beber um pouco. Ela não estava sozinha, estava comigo. Ela não estava errando, estava se divertindo... Pelo menos agora, vendo-a toda feliz, eu sabia seu verdadeiro estado de espírito.
Os bêbados conseguem revelar isso facilmente, e o que eu via por trás dela, em sua outra face de bêbada, era uma Bella feliz, completa e exuberante. Mas de qualquer forma, isso não iria voltar a acontecer. Não mesmo.
Bella: Ah, você só diz isso porque você me ama... – murmurou rindo pro céu. Um trovão ecoou alto, e eu também olhei. Raios cortavam o céu e nuvens carregadas dançavam por lá – ai meu Deus, vai chover, que máximo! Eu adoro chuva, Edward – sua voz soava meio arrastada.
Edward: você tinha medo quando te conheci – o carro não estava longe.
Bella: é eu tinha medo de muitas coisas quanto te conheci – falou quando chegamos ao carro. Ela não me deixou entrar, colou-se ao capo e me puxou pra abraçá-la – mas quer saber? – sua boca estava próxima do meu ouvido – agora eu superei muitos medos... E só falta um pra eu estar totalmente livre deles – seus olhos castanhos se encontraram com os meus, e ela sorriu maliciosa – eu quero você, Edward.
Por um momento senti as minhas pernas tremulas. Tremulas de desejo. Mais espera... Eu já tinha combinado comigo mesmo que quando se tratava dessa mulher eu nunca iria deixar o desejo tomar conta do meu ser. Respirei fundo, e toquei seu rosto.
Edward: eu também te quero meu amor – ela sorriu – você é tudo pra mim – beijei sua testa.
Bella: Edward... – seu olhar de desapontamento me fez compreender que sim, ela estava falando mesmo sobre o que eu estava pensando que estava – eu to querendo dizer que... – piscou três vezes, e me olhou profundamente – eu quero... Quero me entregar pra você. Sabe, isso é meio retrogrado, mais sei lá... Já passou da hora de eu... De eu criar coragem.
Edward: epa, epa, epa... – segurei em seus ombros delicadamente – Bella, você não precisa criar coragem coisíssima nenhuma! Eu não quero que isso seja um sacrifício...
Bella: Ah, mas eu faço tudo pra você ficar feliz! – o que ela fez foi como uma criança birrenta – eu também não posso dizer que não quero caramba! Olha, eu sou doida pra dormir com você... - Sorri de lado sabendo que se ela não estivesse bêbada jamais me diria isso – eu já sei o que é! Você não me quer!
Bella cruzou os braços sobre o peito e fez carinha emburrada. Revirei os olhos.
Edward: mais é claro que sim... Bella, pelo amor de Deus, vamos pra casa! – o céu estava cada vez mais carregado. A chuva começou a pingar sobre nós, e Bella parecia disposta a não me deixar entrar no carro.
Bella: não, Edward! – suas mãos me puxaram em direção a ela pela minha camisa – eu quero! E eu quero hoje, agora... – nossas bocas se tocaram e por instantes, meu cérebro parou.
Analisando a situação...
Sim, eu queria! E não queria pouco, queria MUITO. Sabia que já estávamos há muito tempo juntos, pra ser mais exato, há onze meses todinhos. Nos amávamos pra caramba, e isso não podia ser adiado. Mas por outro lado...
Ela estava bêbada.
Ela confia em mim.
Ela é a Bella.
A mulher que eu mais amo no mundo.
E no fundo eu sabia que o desejo de tê-la bem, de tê-la confiando em mim e me amando superava qualquer desejo do mundo.
A empurrei um pouco e nos separamos. Ficamos nos olhando por um bom tempo, e por um instante achei que iria desistir... Até que a chuva começou a pingar sobre nós e em um momento estávamos completamente encharcados!
Edward: entra, Bella, entra – abri a porta e ela voou pra dentro. Dei a volta correndo, e sentei-me no banco do motorista. Fiquei parado uns instantes, até que ela suspirou e fechou os olhos deitando de lado no banco – Bella...
Bella: cala boca! – falou arrastado, e suspirou – quero dormir... – e depois disso, ela não disse mais nada. Sorri e liguei o carro.
Dirigi pra casa pensando em o que deveria fazer com ela. Olhei pro lado, e a vi dormindo feito um anjo. Bem, Erick quando dormia era muito parecido com ela agora... Sorri, e decidi que iria cuidar dela, como eu sempre tinha feito.
Além disse, que mal tinha em chegar, enfiar ela no chuveiro e fazer um café pra ela tomar? Depois eu deixaria dormir, dormiria também (longe dela) e buscaria Erick no outro dia. Isso iria ser ótimo... Claro, tirando a parte do enfiar ela no chuveiro.


2 comments :