ATADA A ELE - CAPITULO 41

Atada a Ele

ATADA A ELE - IZABELLA MANCINI. 

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo - Bellard 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Amizade, Comédia, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Estupro, Sexo

Capitulo 41 - JUNTOS, FINALMENTE.

Respirei fundo, e olhei nos olhos de Edward lentamente. Ainda chovia, e nesse momento, sentada de lado no colo dele, meu coração disparava a uma velocidade intensa, fazendo o segue correr forte nas minhas veias e o ar ir e vir rápido demais nos meus pulmões. Minhas mãos soavam, e pra disfarçar a tremedeira intensa do meu corpo, mordi os lábios e toquei a gola da blusa dele nervosa.
Bella: eu sei que não é muito – comecei ouvindo minha voz tremer – mas tudo o que eu tenho pra te oferecer sou eu mesma – ele não deixou de me olhar, porém se aproximou pra colar a testa na minha.
Edward: você diz isso porque não tem idéia do quanto vale pra mim – sussurrou. O tom de sua voz causou desestabilidades no meu coração, que parou por uns segundos.
Bella: eu sei que é muito – sorri tremendo – porque se não fosse muito, ontem à noite você não teria sido tão compreensivo comigo... Você entende – fechei os olhos quando delicadamente ele beijou o meu pescoço.
Edward: acho que não mereço crédito por isso – a voz dele soava alterada, nervosa – jamais seria capaz de algo que possa te ferir de algum modo, muito menos algo com relação a sexo – me apertei mais contra o corpo dele, que me envolveu pela cintura carinhosamente. Fechei os olhos.
Bella: nem mesmo se eu quiser? – falei próximo ao ouvido dele. O corpo dele estremeceu com isso, e por uns instantes não houve reação por parte de Edward – nem mesmo se eu te pedir pra fazer amor comigo?
Edward: eu estou tão nervoso quanto você, pequena – acariciou a minha cintura devagar – vai ser novo pra mim fazer amor com alguém.
Bella: então vamos encarar as novidades juntos – ergui o rosto e o beijei. O entusiasmo que me retribuiu me deixou mais confiante, era como se tudo estivesse se encaixando – não sei fazer isso, quero que saiba...
Edward: para de se preocupar com isso – sorriu, em meio ao beijo.
Bella: estou insegura – aos poucos essa mesma insegurança se esvazia. Pra ser mais exata, a cada roçar da pele dele na minha.
Edward: insegura sobre mim? – ele parou todos seus movimentos, e me encarou atônito.
Bella: não sobre você – apertei o cabelo dele em meus dedos, e sorri beijando sua boca novamente – sobre isso. Eu não sei mesmo como fazer...
Edward: vamos encarar as novidades juntos. Você me ajuda a descobrir o que é fazer amor e eu te ensino a como fazer – eu ri, e fechei os olhos, nervosa.
Bella: Ok – abri os olhos – então apaga a luz – ele fez uma carinha confusa e eu mordi os lábios – por favor, só desta vez... A luz não é tão importante – choraminguei.
Não demorou pra ele se virar e apagar o abajur que iluminava o quarto, deixando tudo na completa escuridão. Só podíamos ouvir nossas respirações alteradas e os pingos de chuva batendo contra a vidraça da janela fechada. Fui eu quem deu o primeiro passo.
Ainda sentada no colo dele de lado, me adiantei a beijá-lo de um jeito... Diferente. Havia mais toque, mais contanto entre nós. Confidenciei a mim mesma que iria deixar tudo ou qualquer coisa de lado e aproveitar este momento único na minha vida... Afinal, não era qualquer momento, era de fato, a minha primeira vez.
Era difícil pra ele também. Edward me acariciava, porém apenas na cintura, nas costas, os braços... Deveria pensar que, ao me tocar em qualquer lugar de um apelo maior, eu iria afastá-lo ou teria uma reação negativa. Pensando nisso, toquei uma de suas mãos que estavam descansando em minha cintura e a conduzi lentamente a parte alta da minha perna, próximo ao meu quadril. Enquanto me devorava os lábios, apertou ali levemente, fazendo meu corpo estremecer com a sensação. Continuei com a mão sobre a dele e suspirei ao pensar no que deveria fazer.
Fui deslizando seu toque por minha perna, até fazer sua mão alcançar minha intimidade. Abandonei sua mão, e circulei seu pescoço com os braços, deixando que Edward me tocasse. Seu toque abriu caminho entre as minhas pernas e se perdeu lá, ao mesmo momento em que eu me perdia num mar de sensações, sentindo os dedos dele se tornarem úmidos pelo meu desejo.
Surpreendi-me em como aceitei de primeira uma caricia tão ousada. Não me dava vontade de correr dele, mais sim de chegar mais perto, de me forçar mais contra sua mão. Puxei a camisa dele e a joguei no chão, ao passo em que com a outra mão ele fazia o mesmo com a minha única peça de roupa.
Seus lábios comiam meus gemidos e suavemente seus dedos me conduziam as melhores sensações da minha vida. Apoiei-me em seus ombros me deixando levar por tudo, me contorcendo e gemendo, esperando toda aquela doce tortura terminar. Senti deslizar um de seus dedos pra dentro, e meu corpo todo tremeu em sensações profundas.
Finalmente encontrei a sintonia. Era incrível como ele sabia onde tocar e como fazer...Edward moveu-se rapidamente e me deitou sobre a cama e se impôs sobre mim, pressionando seu corpo no meu enquanto nossos lábios ditavam o ritmo. A cada vez mais eu tentava aproveitar seu corpo, senti-lo, tocá-lo... Mas com ele sobre mim, me fazendo sentir cada pedaço de sua pele contra a minha era terminantemente impossível.
Não existiu mais nada. Nada que não fosse pele contra pele. Aquilo era maravilhosamente bom...
Toquei os lábios dele após a ultima peça de roupa que nos separava ir se juntar as outras. Nos encaramos no escuro enquanto meu polegar deslizava por seus lábios e as mãos dele, delicadamente acariciavam os meus seios.
Sorri, pensando que isso jamais podia me deixar com medo. Sentir o coração dele junto ao meu peito, sua respiração ofegante e meu sexo já molhado roçando em sua ereção.
Bella: me beija – Edward veio em minha direção e tocou os lábios nos meus de uma forma avassaladora, porém doce.
Entreabri os lábios e o beijei com ternura. Gentilmente dedilhou todo meu corpo, cada pedaço, cada cantinho. Arqueei o corpo na direção do dele, pedindo silenciosamente para que me possuísse. Queria estar em seus braços... Mais a cada momento que se passava.
Nossos desejos se entrelaçavam... Os lábios de Edward tocaram meus seios perigosamente. O corpo dele estremeceu sobre o meu, e limitei-me a gemer com a sensação de estar deixando esse homem louco por mim. Era o que mais me encorajava.
Senti o coração perder incontáveis batidas no momento em que Edward segurou minhas mãos e entrelaçou nossos dedos enquanto se colocava entre as minhas pernas e deslizava lentamente pra dentro de mim. Fechei os olhos sentindo cada centímetro dele tomar o meu corpo completamente. Não havia no mundo nada como aquilo.
Suave de inicio, porém quando seu quadril investiu com força em minha intimidade não pude evitar deixar as lágrimas escaparem com o impacto. Tão profundo e perfeito. Senti-me dilatar ao tamanho dele, que me enchia de um jeito esplendoroso causando um arrebatador prazer.
Bella: isso é bom – voltei a sussurrar contra os lábios dele, nos encarando no escuro.
Edward: você gosta? – voltou a preencher-me e soltei um gemido longo.
Bella: sim, muito.
Com minhas palavras ele entrou ainda mais fundo. Perdi minha vida em meio a isso tudo. Não conseguia parar de me retorcer embaixo dele, sem ousar respirar pra não estragar toda a perfeição do momento. E assim fizemos amor... Juntos através da escuridão sentindo um no outro mais do que qualquer coisa. Sentindo nosso coração bater em um único som conforme nossos corpos se encaixam perfeitamente, em total e completa sintonia.
A sintonia mais antiga de todo o mundo.
Edward POV
Bella: que horas são? – a voz suave de Bella me vez abrir os olhos em meio à escuridão.
Edward: boa pergunta – respondi sonolento.
Não me movi, porém senti Bella, que estava deitada em meu peito, se ergueu e ficar sobre mim pra observar o relógio atrás da minha cama. Demorou uns segundos sobre meu corpo, mais não saiu.
Bella: são sete da noite! – seu tom alarmado me fez suspirar – nós ficamos o dia inteiro aqui... Caramba! – ela sorriu e se abaixou pra me beijar. Eu não podia vê-la, mas mesmo assim podia tocá-la como fiz por todo o dia – nem parece que ficamos tanto tempo aqui – minhas mãos deslizaram por sua cintura, alcançando seu quadril.
Edward: não mesmo – continuamos nos beijando – parece que acabamos de começar – Bella apertou meu cabelo em seus dedos enquanto uma de suas mãos deslizava por meu peito – mas precisamos levantar. Temos que buscar o Erick.
Bella: o que vamos falar pra sua mãe? – murmurou contra a minha boca contornando meu corpo com os dedos – combinamos de ir almoçar lá.
Edward: vamos dizer a verdade, ué – dei de ombros fazendo seu corpo rolar na cama de modo que eu ficasse sobre ela – que estávamos aproveitando um tempo juntos, finalmente – sorri, e ela me envolveu o pescoço com os braços, puxando meu corpo mais perto do dela – isso é pecado?
Bella: por favor, não repita a palavra pecado pra mim hoje, está bem? – e riu – você é um pecado.
Edward: Ah eu sei disso – ficamos quietos um tempo. Apenas minhas mãos trabalhavam acariciando sua cintura – você me mostrou o quanto te desvirtuei pelas onze horas que passamos aqui.
Bella: onze horas? Meu Deus, eu nem sabia que tinha resistência pra isso – mesmo mergulhados na escuridão era como se eu pudesse visualizar completamente seu rosto de menina corando – mas... Foram onze horas seguidinhas? Eu nem me lembro desse detalhe.
Edward: é eu imagino que não se lembra – sorri de lado – esteve ocupadíssima todas essas horas. Ou dormindo ou... – ela tapou a minha boca levemente e rimos. Apertei sua cintura levemente e ela relaxou as mãos – vamos tomar banho? – me ergui pra acender o abajur e ela tremeu.
Bella: não acende – pediu nervosa – por favor.
Edward: Hei pequenininha, não acredito que você tem vergonha de mim depois de tudo o que fizemos hoje – Bella permaneceu calada – acredite, você já foi atacada por tudo que tem aqui. Nada mais pode acontecer – acariciei seu rosto.
Pra falar a verdade, não havia nada no mundo como o que houve entre eu e ela hoje. E nesse turbilhão de sensações não trocamos sequer um olhar em que pudéssemos nos enxergar. Não que eu reclamasse... Tinha sido a melhor coisa da minha vida, mais por outro lado... Eu queria isso. Queria vê-la enquanto a fazia ser minha.
Bella: mais tenho vergonha – murmurou. Certo, eu entendia. Talvez sem a luz fosse mais fácil pra ela. Talvez sem a luz ela não pudesse ver e isso tornasse as lembranças desagradáveis menos freqüentes. Eu tinha que entendê-la – posso perguntar uma coisa?
Edward: é claro, amor – beijei sua testa carinhosamente – o que quiser...
Bella: você... Você achou legal? – ri um pouco alto.
Edward: quer saber se eu gostei? – fui direto ao assunto.
Bella: é – murmurou – você gostou? – sua voz soava insegura...
Edward: bom, depois de horas seguidas de desempenho você me pergunta se eu gostei... Bom, deu pro gasto – ironizei e ela riu comigo.
Bella: é sério seu bobinho... Como foi pra você?
Edward: pra falar a verdade, nessa vida já conheci quase todos os prazeres ligados a parte física que você possa imaginar – murmurei próximo ao ouvido dela – e acredite, não houve nada que se igualasse a uma dessas onze horas que passei com você – senti o corpo dela estremecendo com o que eu dizia – a melhor sensação de toda a minha vida foi a que tive fazendo amor com você, pequena. E não digo isso porque pensei que não pudesse te amar mais do que já amava... Porém agora vejo que te amo muito mais. Pela primeira vez senti como se uma mulher fosse somente minha, de fato, e de mais ninguém.
Bella: e essa é a verdade. Eu sou sua, e de mais ninguém – nossos lábios voltaram a se encontrar pra talvez fechar com chave de ouro aquele dia memorável em nossas vidas.
Porque nada no mundo pra mim foi tão perfeito como tê-la em meus braços. Como minha, somente minha, pra sempre.

3 comments :

  1. Foi tudo muito lindo!!!!! Como pode existir um homem tão perfeito assim.

    ReplyDelete
  2. Gente como posso ver o restante dos capítulos pq só consegui até o 32 .... é tão perfeita nem consigo dormir se eu não terminar.

    ReplyDelete