ATADA A ELE - CAPITULO 46

Atada a Ele

ATADA A ELE - IZABELLA MANCINI. 

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo - Bellard 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Amizade, Comédia, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Estupro, Sexo

Capitulo 46 TARDE DEMAIS

Alice: VOCÊ ESTÁ LOUCA? – gritou na minha direção – O HANK NEM SABE QUE VOCÊ ESTAVA GRÁVIDA! E OUTRA... ELE NÃO TEM COMO PROVAR QUE O FILHO É DELE! BELLA, ELE JAMAIS VAI VIR ATRÁS DE VOCÊ E DO ERICK! ELE... NÃO SERIA MALUCO DE FAZER UMA COISA DESSAS! E SE ELE VIESSE, SÓ IA VER A PONTARIA DE ESQUERDA DO EDWARD. É OTIMA!
Bella: mais Alice, eu tenho medo – Andrew estava no colo de Alice enquanto eu sentada no sofá de fala vendo Erick correr de um lado pro outro com o poodle chamado Tommy – quando eu estava de oito meses, a mãe do Josef que era amigo do Hank me viu grávida. Ela... Ela pode ter sim contado pra ele sobre eu estar grávida. E bom, provavelmente o meu pai deu queixa sobre isso e na policia está constado que eu engravidei pós-estupro. Ele... Ele vai saber.
Alice se calou uns instantes, apenas ninando seu filhinho de sete meses no colo. Andrew tinha cabelo e olhos castanhos, e possuía um rosto divino, como um boneco feito a mão. Esme sempre dizia que era a avó mais sortuda do mundo por ter os dois netos mais perfeitos que existe.
Alice: mesmo assim – ela me olhou – o que ele ganharia vindo atrás de você?
Bella: faria-me sofrer – rebati – e se lá no fundo ele quiser o Erick? Eu não sei... As razões pra ficar com medo são tantas!
Alice: Bella, você tem que ver que está apavorada só por um sonho – lembrou ela, sorrindo de lado quando o bebê em seu colo se mexeu, e ela o olhou – o Hank pode ter morrido, e se não morreu, não veio e nem nunca vai vir atrás de vocês - abaixei o olhar e pensei que talvez ela tivesse razão.
Bella: você me disse que o Emmett contou o sexo do bebê... – tentei desconversar, remexendo na borda do meu cachecol roxo, e ela sorriu em minha direção nitidamente contente – é uma menina?
Alice: não – e riu alto – é menino.
Bella: o que? Mais que broxante! Tá na hora de nascer uma garotinha nessa família onde só tem homens! – minha cara de decepção não pode ser diferente – que droga, eu e a Rose tínhamos até combinado o nome! Se fosse menina iria chamar Anita.
Alice: pois é, eu também fiquei triste. Pensei mesmo que fosse uma menina – ela também estava decepcionada – mas ela é boba, não é? Esperar até a véspera do parto pra saber o sexo! Mais que seja... O Erick e o Andrew vão ganhar um priminho genérico novo! A Rose disse que vai se chamar Denny.
De repente, talvez pela menção do nome Denny, parecido com Daniel, à imagem do menino de cara de anjo veio em minha mente com grande intensidade. Tudo novamente rodou em minha cabeça. Senti um profundo mal estar...
Bella: Alice – falei meio tremula – tem outra coisa que eu não te contei... – ela se sentou ao meu lado, me olhando atentamente – no sonho havia um garotinho. O nome dele era... Era Daniel. E ele me chamava de mãe. E bem, ele era a cara do Edward.
Alice: Ah! – falou empolgada – será que vocês vão ter outro bebê? – os olhinhos dela brilhavam – Oh meu Deus, essa família está aumentando demais! Isso é maravilhoso!
Bella: pelo amor de Deus, nem fala isso, nem pensa nisso! Eu não terminei de contar... – narrei rapidamente, porém detalhadamente a Alice tudo o que houve no sonho. Ao final, ela estava de boca aberta – eu não posso ter outro filho com o Edward! Eu sinto que... Que vai dar algo errado!
Alice: ai meu Deus – ela ficou meio sem palavras – isso é horrível! Mas... O Edward está pedindo pra você engravidar?
Bella: há um ano ele me pediu... Mas eu disse que era cedo demais. Desde então ele nem tocou no assunto, e até a uns meses ele me disse que Erick era o suficiente pra nós. Não tentamos... E eu acho que assim deve ser!
Alice: nem sei o que te dizer... – Erick veio correndo na minha direção e pulou no meu colo – o que foi meu amor? – perguntou a ele.
Erick: nada madrinha – respondeu sorrindo, e me abraçando pelo pescoço – vim ficácom a minha mamãe.
Bella: o que você me sugere? Que eu abra o jogo com o Edward de uma vez? – Erick estava sentadinho em meu colo com o dedo na boca, mexendo as perninhas.
Alice: sugiro que faça isso quando ele tocar no assunto – respondeu meio nervosa – continua evitando engravidar, e quando o Edward pergunta se você não quer... Abra o jogo e conte a verdade! – fiquei em silêncio uns segundos, até ela voltou a falar – mas Bella... E se for menina?
Bella: não vai ser – choraminguei – vai... Vai vir menino, tenho certeza! – suspirei, e ajeitei o Erick em meu colo – simplesmente... Não posso agora!
O silêncio voltou a predominar entre nós. Andrew começou a chorar, e Alice disse que ia troca a frauda dele. Erick saiu correndo atrás dos dois, e eu fiquei sozinha na sala pensando... Ago dentro de mim apresentava uma imensa necessidade de saber algo sobre Hank. Saber se ele representava uma ameaça pra mim e pro meu filho. Simplesmente não conseguirei viver com a idéia de que algo possa acontecer. Tomei uma decisão. À noite, quando Edward chegar a casa, antes de eu ir pra faculdade, falarei com ele sobre a situação. Contarei sobre o sonho e pedirei a ele pra investigar sobre Hank. Se ele ainda estava vivo, se estava preso ou morto. Respirei fundo sentindo mais segurança por envolver Edward na situação, e me preparei pra levantar. Assim que o fiz, foi como se minha mente estivesse rodado, e tudo o que tivesse dentro de mim fosse comprimido pra baixo. Apenas ouvi os passinhos de Erick chegando à sala antes de cair desmaiada.
Erick: mamãe? – chamou, e a voz ia sumindo em minha mente – madrinha,madrinhamadrin...
Edward POV
Edward: eu disse, eu disse milhões de vezes pra ela vir pro hospital ou pelo menos me deixar examiná-la! – talvez minha voz estivesse um pouco mais alterada do que deveria – há umas semanas ela já vinha tendo tonturas, Brenda. Não deveria ter deixado chegar a este ponto...
Brenda: Edward, não foi sua culpa – delicadamente ela colocou a mão no meu ombro. Erick dormia em meu colo enquanto eu andava de lá pra cá, perturbado por não poder me meter no atendimento médico – fica calmo, você vai acordar o Erick.
Brenda só estava me dando um apoio moral no corredor do hospital. Na verdade, ela e eu estávamos fazendo o parto de Rose quando recebemos a noticia de que Bella havia desmaiado e estava mal. Assim que terminou sai correndo e encontrei Erick sentado com Emmett do lado de fora. O coitado pra me ajudar com o garoto tinha perdido o parto do próprio filho! Algo ruim se apoderou de mim quando me lembrei de Erick me abraçando e perguntando se Bella iria ficar bem. O apertei mais em meu colo, fechando os olhos e ouvindo a respiração calma e lenta de Erick soar baixinha. E finalmente, Nanda, a médica que atendera Bella apareceu com uma prancheta em mãos.
Edward: e ai Nanda – comecei meio tenso – como é que está a minha esposa?
Nanda: ah, você não precisa ficar preocupado, Edward – garantiu me dando um tapinha no ombro – não é nada grave.
Edward: se não é nada grave, o que é? – questionei nervoso. Talvez isso fosse exagero, mas tudo agora me preocupava.
Nanda: ele é seu filhinho? – apontou pra Erick, que dormia tranqüilo em meu colo. Eu assenti – como ele se chama?
Edward: o nome dele é Erick.
Nanda: bom, daqui a sete meses o Erick vai ganhar um irmãozinho ou uma irmãzinha – e deu um sorriso, enquanto acariciava o cabelo loirinho de Erick.
Bella POV
Bella: Brenda? – confesso. Fiquei surpresa ao ver Brenda, minha ginecologista entrando pela porta ao invés de Edward – o que houve? Onde está o Edward?
Branda: calma Bella – ela se sentou na cadeira ao lado de minha cama no hospital, e pegou em uma de minhas mãos – o Edward foi pra casa com o Erick. O coitadinho estava precisando tomar um banho e trocar a roupinha. Daqui a pouco eles voltam...
Bella: Ah – suspirei mais aliviada – nossa Brenda, tomei um susto quando desmaiei na casa da minha cunhada. Pensei que fosse morrer – dei uma risadinha, e ela sorriu de canto – e bom, você sabe por que eu desmaiei? Imagino ter sido uma queda de pressão...? - Brenda manteve-se calada por um tempinho, e então depois ergueu os olhos pra mim e respirou fundo.
Brenda: talvez fosse o Edward quem devesse te contar isso – começou meio sem jeito – mas como ele teve que sair com o bebê, eu imagino que serei eu mesma a fazer, não é? Ou você vai querer esperar?
Bella: hã? Brenda... O que tá acontecendo? – de repente eu estava nervosa. Ah meu Deus, será que eu tinha apenas uns dias de vida?
Brenda: Bella – as mãos dela agarraram as minhas mais forte – parece que nós vamos nos ver com mais regularidade ao decorrer dos próximos meses - franzi a testa –você está grávida, minha flor.
Erick: você me esqueceu, mamãe – sussurrou pra mim, com lágrimas silenciosas descendo pelo rosto – você trouxe outro bebê, e agora o papai o ama mais. O papai não me ama. E nem você. Me trocaram por ele. Vocês esqueceram de mim, mamãe [...]
Daniel: não quero pegar ele – murmurou com a voz meio macabra – ele não é meu irmão de verdade. Você sabe disso. Você sabe que ele não é da nossa família. Ele pertence a outro – o garoto era pequeno demais pra estar falando assim, mas eu só via Erick. Eu só queria salvá-lo – ele é o fruto do ódio. Eu sou o fruto do amor!
Bella: eu o que? – no momento em que o flash de cenas do meu sonho invadiu a minha mente, tudo começou a fazer sentindo pra mim.
Brenda: você está grávida de dois meses Bella – ela sorriu mais abertamente – parece que o nosso Erick vai ganhar um irmãozinho. Meus parabéns!
Bella: ah meu Deus!
O sonho era mesmo um aviso. Mas era tarde demais!
Dois meses depois
Tudo errado, tudo errado, tudo, terminalmente tudo completamente errado.
Eu não acreditei. Recusei-me a acreditar. Mas agora, vendo que de fato era real, eu tinha que tomar alguma providência. Eu tinha que decidir a minha postura em relação ao novo bebê, e não ignorá-lo como vinha fazendo desde que eu descobrira que ele existe.
Erick: nossa, mamãe – ao meu lado, sentadinho na cadeira do hospital, ele tomava um copo de suco de laranja enquanto me observava – como a sua barriga tá gandi – falou meio espantado, como vinha fazendo ultimamente. Botei a mão no cabelo dele e dei uma chacoalhadinha – poque?
Encarei seus grandes olhos azuis e suspirei. Curioso ele era de fato, sempre perguntando a mim e a Edward sobre tudo o que estava a seu redor.
Bella: eu já disse – murmurei baixinho, por estar quase sozinha na asla de espera, acariciando o cabelo loiro de Erick pra trás – é por causa do seu irmãozinho. Ele está aqui dentro – delicadamente, peguei a mãozinha de Erick e guiei até a minha barriga. Não era tão perceptível, apenas estava redondinha e em perfeita forma de grávida, e claro, maior. Novamente. Erick acariciou minha barriga de devagar, observando atentamente seus movimentos – está sentindo ele ai?
Erick: to – falou sorrindo todo contente. Sorri junto – e ele vai sai quando? – novamente, todo curioso, ele se estendeu todo pra grudar o ouvido na minha barriga – oi, irmãozinho – depois ele me olhou – qual o nome dele, mãe?
Bella: uma pergunta de cada vez mocinho – não era que eu estivesse triste com a vinda do bebê, mas... Algo me dizia, dentro de mim, que isso não podia ser um bom sinal vindo logo depois de um sonho terrível. Mas ao lado de Erick, vendo toda a empolgação dele pelo irmãozinho, meu sentimento era que tudo iria dar certo, finalmente – você pode escolher o nome dele.
Erick: ah posso? – e riu – boboleta. Pode ser o nome dele? – Erick tomou mais um gole de suco enquanto eu ria.
Bella: borboleta? – e ri mais – não filho, borboleta não é um bom nome pro seu irmãozinho.
Erick: papai! – não adiantou, ele não me deu a mínima atenção. Edward se aproximava, e Erick pulou da cadeira correndo na direção dele.
Edward: oi garotão – falou animado, pegando Erick em seu colo com profunda reverência, cheio de carinho e empolgação – estava com saudades de você – e beijou a bochecha de Erick.
Erick: mas se me viu hoje, pai – resmungou brincalhão. Eu ainda estava rindo do fato de Erick querer colocar o nome borboleta no irmão.
Edward: mas pra mim foi pouco – e mais um beijo em Erick – hei, porque está rindo? – Edward se abaixou ao meu lado, e me deu um beijo rápido pela minha risada contínua.
Bella: o seu filho é um bobo, sabia? – Edward lançou um olhar confuso pra Erick que ria baixinho – sabe qual o nome que ele queria colocar no bebê? – Edward ergueu uma sobrancelha – borboleta!
Edward: hei garotão – olhou pra Erick rindo também – e se for menino? Que história é essa de um garoto chamar borboleta? – Erick deu de ombros, e riu – que tal Daniel se for um menino?
Bella: NÃO – fora como um súbito - esse nome não! – fiquei de pé meio nervosa – não, não, não mesmo.
Edward me observou uns segundos com Erick no colo. O pequeno também parecia assustado com minha reação súbita. Ficamos nos olhando em silencio na sala vazia de espera do consultório de Brenda, apenas Laís atendendo a telefonemas ao fundo.
Edward: está bem – falou – agente arranja outro nome.
Laís: Bella? – chamou – querida, a Brenda disse que vocês já podem entrar – e sorriu.
Bella: obrigado – falei quando passei por ela, entrando no consultório de Brenda com Edward e Erick em minha cola – boa noite Brenda – eu era a ultima consulta de Brenda naquele dia. Já eram quase sete da noite.
Brenda: Bella, como vai? – disse sorrindo quando me sentei – Edward – sorriu – oi coisinha linda! – soou toda meiga em direção a Erick, que abriu o maior sorriso no colo de Edward.
Erick: oi coisinha linda – repetiu pra ela com um sorriso sapeca, mordendo o copo que agora estava vazio de suco. Edward riu.
Brenda: o que foi que você veio fazer aqui hoje, menino lindo? – perguntou o olhando curiosa depois de piscar pra mim.
Erick: ver o meu irmãozinho – respondeu abraçando Edward – e você?
Basicamente, a consulta toda foi Brenda falando com Erick, mas ela me resumiu meu estado. Minha gravidez, por ser o resultado de um tratamento árduo de Edward, que antes não podia ter filhos, deveria ser acompanhada muito de perto. Disse-me também, que dependendo de qualquer coisa que eu sentisse, seja ela uma simples dorzinha, eu deveria imediatamente ir para o hospital. Novamente, fui obrigada a deixar a faculdade quando chegasse aos sete meses, talvez antes. Porém agora, apenas de quatro meses, pra ir à faculdade de noite me era necessário um repouso do dia todo, e muito, muito cuidado. E no ultrassom... Não tinha sido como da primeira vez. Edward e Erick estavam empolgadíssimos com a possibilidade de saber o sexo do neném. Já eu, rezava pra Brenda não conseguir ver nada. Mas tudo foi em vão quando ouvi da boca dela a frase que eu mais temia:
Brenda: ah meu deus – começou sorridente – é outro menino!
Edward POV
Erick: porque a mamãe tá tiste papai? – Bella estava no quarto desde que chegamos. Erick e eu estávamos comendo pizza na cozinha. Na verdade, ele comendo e eu dando a pizza na boca dele cortada em pedaçinhos pequenos.
Edward: eu também queria saber, Erick – respondi meio tristonho – deve ser a gravidez, garotão – tentei fazer com que soasse pouca coisa – as mulheres sempre ficam assim quando estão com um bebê na barriga.
Erick: ah – respondeu mastigando – mais vai ser pra sempre?
Edward: espero que não – as duvidas de Erick, na verdade, eram as minhas também! Desde o nascimento de Erick, Bella era a mulher mais feliz do mundo, principalmente depois de nosso casamento e nossa lua de mel perfeita. Logo após veio a faculdade de pedagogia à noite, e só havia motivos pra sorrir. Porque agora todo esse mau humor? Sempre chorando, sempre se escondendo?
Talvez tivesse algo a ver com as duvidas que ela vinha tendo sobre o pai biológico de Erick, e os sonhos estranhos sobre ele. Mas... Algo no fundo, bem no fundo do meu coração me dizia que tinha algo a ver com o novo bebê. Tinha alguma coisa a incomodando sobre o nascimento do nosso segundo filho. E isso me perturbava!
Erick: o pai, - ele parou pra continuar mastigando, até engolir e tomar um pouco de suco num copinho especial pra crianças – quando o meu irmão chega aqui, ele vai naná no meu berço?
Edward: não – falei rindo e limpando a boca dele – ele vai dormir no berço dele, garotão.
Erick: ah, mas no meu berço tem lugar pra ele naná – deu de ombros – se ele quisé.
Edward: então agente pergunta pra ele. O que você acha? – depois de eu colocar os copos e pratos na pia, lavei as mãos e desci Erick da mesa, o colocando no meu colo.
Erick: tá bom – e bocejou – eu quero naná, pai – coçou os olhões azuis.
Edward: ok – concordei – então vamos naná.
Bella POV
Deitada em minha cama como uma perfeita depressiva, calada e quase sem me mover, mais uma vez eu me sentia estranha. E eu sabia o motivo. Passei a mão levemente sobre a barriga, pensando na frase de Brenda: é outro menino. É outro menino. A porta se abriu vagamente, e vi Edward entrando no quarto sozinho.
Bella: ele já comeu? - perguntei com a voz meio embaraçada pelo choro.
Edward: já. E está dormindo – respondeu se aproximando, e sentando-se na cama ao meu lado – porque está chorando? – seu tom de voz for um pouco exaltado, nervoso.
Bella: não sei – menti – deve ser pela gravidez, eu acho – limpei as lágrimas. Edward não disse nada, apenas botou a mão em minha barriga levemente, depois olhou nos meus olhos.
Edward: você ficou triste porque não é menina? – claro, ele sabia da minha preferência por uma menina. Uma preferência quase alucinada por isso. Já tínhamos até um nome pra ela – eu fiquei – e riu.
Bella: não – menti novamente – pra mim tanto faz – tentei sorrir. Ele abaixou o rosto.
Edward: lembra quando você me perguntou sobre o Hank. Sobre o estado de saúde dele? – eu assenti, sentindo o meu interior gelar – pois bem, depois de dois meses todinhos de investigação, os meus amigos advogados conseguiram descobrir tudo. Você quer saber?
Bella: lógico que eu quero – pedi, me sentando melhor na cama – anda, me conta tudo!
Edward: ele... – Edward me olhou nos olhos – ele saiu do coma há uns meses – deu de ombros – e se recuperou – a cada palavra, era como se eu pudesse vê-lo em minha mente – e logo assim, saiu do hospital e foi direto pra cadeia cumprir a pena lhe imposta. São vinte e três anos, por seqüestro e estupro. Acredite querida, ele não vai sair de lá com vigor o suficiente pra te fazer alguma coisa, muito menos com o nosso filho. Bella?
Sem perceber, eu tinha voltado a chorar. Droga, droga!
Bella: Edward – o abracei forte – eu queria que ele morresse! – Edward não me respondeu, apenas afagou meu rosto depois de se separar do abraço enquanto eu chorava – você acha que ele... Que ele pode querer fazer algo pro Erick? – secou uma de minhas lágrimas, enquanto eu segurava delicadamente em minha barriga, meio protetora – acha que ele pode fazer algo com ele?
Edward: mas é claro que não – garantiu convicto – Bella, entenda de uma vez: perante a lei, perante qualquer coisa do mundo, o Erick é meu filho. Não tem como ele provar que é pai dele, a não ser que faça um DNA, mas pra isso ocorrer, você precisa autorizar. E escuta, ele nem sabe que você ficou grávida! – me calei por uns segundos, abaixando o olhar meio que entregando que havia algo mais – ou sabe...?
Bella: não, mas... – respirei fundo e contei pra ele sobre a mãe de Josef. O olhar de Edward não me deu esperanças, apenas ficou de pé e passou a mão pelo cabelo meio nervoso – você acha que ele sabe?
Edward: pra falar a verdade, tenho certeza – ele evitava me olhar, andando de um lado pro outro – você... Você não devia ter falado com ela. Mas isso já passou... Faz quase três anos e ele não fez nada! – deu de ombros, e voltou a se sentar, pegando em minhas mãos – Bella escuta o que eu vou te dizer: ninguém pode tirar o Erick de nós! O fato de você ter sido vitima de um estupro já é motivo o suficiente pra aquele homem esquecer que tem um filho! A justiça jamais dará os direitos de pai pra ele, a não ser que você permita. E eu já disse... O Erick está registrado como meu filho, e nós somos casados. Não há modo de tirarem o Erick daqui.
Bella: você tem razão – murmurei, sentindo que meu corpo ficava talvez um pouco quente e o bebê chutava. Eu precisava me acalmar. Abracei Edward – mas ainda assim ele pode fazer mal a ele. Pra se vingar de mim...
Edward: ele vai ficar tanto tempo na prisão, que duvido que saia de lá com vida – e riu – e Bella, pra fazer algo com o Erick, precisa me matar primeiro. Mas eu garanto que se esse homem tentar, eu não morro sozinho. Levo-o comigo.

1 comment :

  1. ai... eu to com muuuuito medo do que pode acontecer no próximo capitulo!!!

    ReplyDelete