FANFIC CORAÇÃO INDOMAVEL - CAPITULO 02

Meninas do meu coração.
Vamos tentar domar este coração indomável?
Nossa que receptividade teve a fic hein? Eu imaginava que vocês fossem gostar. 
Outra coisa a Bella não é promiscua viu. Ela ficou com dois amigos, mas quem já não fez isso. E ela estava solteira na época, foi só curtição.

Coração Indomável

Coração Indomável
Ju Beija Flor.

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência

Capítulo 2
Não tive tempo de pensar, pois seus lábios pegaram meu lábio inferior e inferno isso foi quente. Nem ele e nem eu fechamos os olhos. Ele recuou. Ficamos nos encarando. Minha respiração acelerou esperando o momento que ele fosse me beijar de verdade.
Não demorou muito para eu sentir sua boca forte contra a minha. Eu fechei os olhos e tudo virou uma explosão entre nós. Sua boca tomou posse da minha com maestria e destreza. Sua língua entrou em minha boca acariciando a minha urgentemente.
Céus! Eu nunca havia sido beijada desta forma.
Era quase indecente, mas eu pouco estava me importando.
As mãos deles pegavam forte minha cintura e eu o agarrei pelo pescoço não importando se alguém estivesse vendo.
Edward me prensou na parede me fazendo sentir todo seu corpo másculo. Arfei em sua boca. Isso já não era mais um beijo era um amasso e tanto.
Eu já não queria somente um beijo. Eu queria mais. Muito mais e minha sentença anterior já não era verdadeira. Eu queria sim transar com ele, mesmo sabendo que era errado ou no mínimo uma loucura da minha parte. Mas se ali mesmo ele quisesse me possuir eu não reclamaria.
De repente senti um frio em contraste com o calor que estava sentindo e percebi Edward afastado de mim quase 1 metro.
Eu ainda respirava ofegante e olhava para ele louca para que ele continuasse ou que me sugerisse irmos a algum lugar. Loucura eu sei, mas era o que eu sentia.
Olhando para ele percebi que seus olhos antes ardendo em desejo já não estavam mais da mesma forma.
– Você está louca pra trepar, não é? – ele disse debochado – Mas isso, eu vou deixar pra um dos seus amiguinhos resolverem. Tchau boneca.
Ele saiu e me deixou com cara de taxo.
Como é que é?
Filho da puta! Desgraçado! Qual era a dele afinal?
Voltei furiosa para onde meus amigos se encontravam a vontade de ir ao banheiro totalmente esquecida por conta da minha raiva.
É claro que não mencionei nada o que tinha acontecido com nenhum deles. Não sei se por vergonha ou raiva por ter sido tão estúpida.
No carro, enquanto voltávamos para casa, todos falavam sobre como a noite fora divertida e combinavam em repetir o programa.
– Eu não venho mais. – falei olhando para fora do carro.
– Qual é Bella você foi uma das que mais se divertiu. – Alice disse.
– Eu achei que tinha gostado gata. – Jake falou.
– Eu gostei... só acho que é uma coisa pra se fazer raramente e não virar um habito.
Nem no inferno que eu voltaria lá. Queria distância daquele sujeitinho. Quem ele pensava que era pra me tratar como uma vadia?
– Bom espero que mude de ideia, pois vamos voltar na semana que vem. – foi Rose que falou desta vez.
Meus amigos me deixaram em casa e após um banho relaxante cai na cama, mas infelizmente o sono não veio. Só o que vinha a minha mente era os momentos que passei com aquele... cara.
A semana passou rápido. Na faculdade, os professores estavam pegando pesado e nos deram diversos trabalhos. Eu e Emmett estávamos na mesa turma e combinamos de fazermos dupla para os trabalhos deste semestre.
– O pessoal vai amanhã, de novo, na festa lá no bairro. – Emmett disse quando saiamos da nossa aula e seguíamos para o refeitório, onde iríamos encontrar nossos amigos. – Eles disseram que você não vai. Por quê?
– Ah... é não to a fim. – falei. Não podia revelar que o motivo era o idiota do irmão dele.
– Hum... Você ficou decepcionada.
– Como assim Emmett?- perguntei não entendo o comentário dele.
– Ah Bella... lá é um local simples. De pobre mesmo. Você está acostumada com outro nível... Eu entendo serio não estou julgando.
– Emmett, por favor, eu não sou esnobe. Não tem nada a ver com isso. Você me conhece bem devia saber que eu não penso assim. – falei quase ofendida com o que ele disse.
– Desculpa Bella eu sei que você não é assim. – ele disse me abraçando de lado.
Quando estávamos quase chegando ao prédio, vimos a certa distancia, Alice e Jasper discutindo.
– Mas o que é que anda acontecendo com eles? – falei quase pra mim mesmo.
Emmett se manteve quieto, mas sua expressão entregou que ele sabia qual era o problema.
– Em? – falei docemente.
– Ah não Bella. Eu não vou me passar por uma puta fofoqueira.
– Droga! Por que ninguém quer me falar o que tá rolando? Até Rose deu pra trás. – falei chateada.
– Ok eu vou te falar. Mas se você disser que fui eu, eu nego até a morte.
– Certo.
– Eles ficaram nas férias.
– Isso já deu pra perceber. – falei o obvio.
– Só que a Alice... acho que gamou. E o Jasper não. Você sabe... Ele é louco por você.
O que?!
Minha cara de surpresa deve ter entregado que eu não fazia ideia do que ele estava falando.
– Ah Bella...
– O Jasper? É louco por mim?- ele assentiu.
– Vai dizer que nunca notou? – perguntou incrédulo.
– Não. Ele sempre foi atencioso, mas... mas eu achei que fosse amizade.- falei embasbacada. – Desde quando?
– Desde aquela vez que você terminou com seu namorado e você ficou com ele lembra? Pois é.
Eu lembrava a besteira que fiz. Droga! Eu não imaginava isso.
– Por que ele nunca me falou nada?
– Acho que ele vai, agora que você está livre.
Balancei a cabeça.
– Eu só o quero como amigo. - falei sincera.
Emmett e eu demos o assunto por encerrado quando chegamos à mesa onde Jake e Rose já estavam.
Eu estava em meu quarto estudando, quando do som os gritos de minha mãe passaram através da porta fechada.
“O que você ta pensando Kate? Isso já passou dos limites. Eu e seu pai já avisamos você que se não parar com estas atitudes iremos dar um jeito serio em você.”
“Por que só comigo que vocês agem desta forma? A Bella não é nenhuma santa!”
Minha irmã gritou.
“Não venha colocar a Bella na historia, Kate. Ela não nos dá um terço do trabalho que você dá.”
Aumentei o som do meu player para não ouvir a briga deles, que estava acontecendo quase que diariamente.
Meu celular tocou. Era Rose.
–Oi.
– Oi gata! Vamos balançar o esqueleto na salsa no subúrbio?
– Ah não Rose. Não estou a fim.
– Bella! Amiga... vamos lá. Qual é o problema?
O problema é que um bad boy gostoso que se acha o máximo me beijou como nunca fui beijada na vida, e depois me chamou de vadia. É claro que não falei isso em voz alta.
– Não é nada Rose só que...
Você vai deixar de ir num lugar que gostou dançar salsa só por que este cara vai estar lá? E aí? Ignore-o, e dance muito. Minha mente disse.
– Quer saber Rose mudei de ideia. Vamos sim.
– E isso aí! Essa é a Bella que eu conheço. Passo aí em 20 minutos.
Desci para pegar um sapato que eu queria usar, que estava na lavanderia e encontrei meu pai na sala assistindo ao tele jornal.
– Oi filha. Vai sair?
Sentei-me ao lado dele colocando minha cabeça em seu ombro.
– Vou sim. Rose vem me buscar daqui a pouco. – falei fazendo carinho em seu braço.
– E a faculdade como está?
– Tudo tranquilo pai. Há recém começou o semestre.
Voltei pro meu quarto e procurei me vestir para arrasar, é claro que eu não admitia, mas eu queria esfregar na cara do irmão do Emmett como eu era linda, gostosa e que não estava nem ai pra ele.
Já no carro Jasper tocou no nome do bad boy.
– Emmett falou que irmão dele não gosta muito da ideia de estarmos indo as festas no subúrbio.
A raiva por tudo o que aconteceu na semana passada se apossou de mim.
– Esse cara se acha muito né? Qual é? Ele é o dono do lugar por acaso? É dono do bairro? Eu to me fodendo sobre o que ele gosta ou não. – despejei.
– Nossa amiga não se esqueça de que o cara é um bad boy. Líder de gangue. – Rose falou.
Dei de ombros.
– Na verdade, Emmett disse que gosta muito do irmão. Que se não fosse por Edward ele não estaria estudando. Que ele é que mantém a família deles. – Alice comentou.
O que Alice falou não combinava com a imagem que eu tinha dele.
Paramos de falar quando vimos Emmett e os caras mal encarados parados no mesmo local da semana passada. Eles faziam uma espécie de escolta para nós.
Chegamos à festa e como na outra semana eu e Jake fomos dançar. Não pude evitar procurar um homem por entre todos os presentes. Um homem com um cabelo incomum. Ele não estava em parte alguma. Não sei por que, mas me senti desanimada subitamente.
Após dançar eu já estava com calor e fui até o bar buscar uma água. As pessoas do bairro pareceram já não tão surpresos com nossa presença, e isso começou a me deixar mais relaxada.
Quando estava voltando para a mesa onde estavam meus amigos, o vejo. Ele vinha em minha direção. O homem que eu mesmo sem querer pensei a semana toda. Ele vinha se aproximando, mas não olhava para mim. Na verdade ele passou ao meu lado e me ignorou completamente. Como se eu fosse um poste, não, se eu fosse um poste talvez ele se dignasse a me dar um mero olhar.
Tão estupefata com sua atitude cheguei a me virar ao vê-lo passar por mim como se eu fosse um nada. Ele foi para uma mesa onde os outros homens mal encarados e varias garotas quase seminuas, estavam. Ele se sentou e uma das garotas se sentou em seu colo.
Irritada, furiosa e sei lá mais o que, segui para a mesa dos meus amigos prometendo a mim mesma ignorar aquele idiota lindo...
Eu e fui dançar com Jasper. Estávamos nos divertindo apesar de às vezes eu olhar para o local onde o bad boy estava, e ele continuava me ignorando, então Jasper começou a me apertar mais contra seu corpo mostrando um comportamento que não era bem de amigo.
Eu tentei gentilmente demonstrar que a situação estava me incomodando, mas ele não pareceu se dar conta. Da nossa mesa vi Alice nos olhando atentamente.
– Jazz? O que está fazendo? – perguntei.
– Bella... Você é tão linda. – ele disse tentando me beijar e eu virei o rosto.
– Poxa Jazz qual é? Somo amigos. – falei apelando para seu bom senso.
– Bella eu sempre quis ser mais que seu amigo. Você era comprometida e eu respeitei isto, mas agora... Agora você é livre por que não me dá uma chance? – ele falou.
– Por que gosto de você como amigo, por isso.
– Mas no passado você não me viu só como amigo.
– Esquece aquilo Jazz. Foi coisa de adolescente imatura. Por favor, não quero perder sua amizade.
Ele baixou a cabeça parecendo conformado.
– Não vou desistir. Mas por ora serei seu amigo como sempre fui.
Bufei. Continuamos dançando, mas ele se comportou apenas como amigo. Voltamos para a mesa onde estava Jake e Alice. Eles riam de algo.
– Hey do que estão rindo? – perguntei curiosa.
– Não estamos rindo. Estamos comemorando. – Alice apontou para a pista de dança e nela estavam Emmett e Rose dançando e se beijando apaixonadamente.
– Ufa! Até que enfim hein. – disse rindo.
– Sim, estava mais fácil um acordo de paz entre palestinos e judeus que estes dois se acertarem. – Jake disso nos fazendo rir.
Apesar de feliz eu tinha medo, principalmente por Emmett que era louco por Rose, já ela eu não tinha tanta certeza.
Dirigia-me ao banheiro quando minha passagem foi interrompida por uma pessoa que ficou no meio do caminho. Edward.
Ele me olhou, eu ergui o queixo e o encarei.
– Sua turminha de riquinhos não tem mais nada que fazer do que ficar vindo a festas no subúrbio não?
Qual era a desse cara?
– Você é o dono do subúrbio por acaso? – eu sei eu devia ter ficado de boca fechada, afinal o cara que estava na minha frente era perigoso.
Os olhos de Edward ganharam um novo brilho com minhas palavras.
Ele se aproximou mais de mim e eu recuei um passo.
– Não estava assim tão arisca na semana passada. – ele disse irônico.
Minha vontade era estapea-lo por ser tão cretino e... Lindo.
– Olha aqui riquinha, diga para a piranha loira, que está grudada no Emmett, que se ela zoar com a cara dele, é comigo que ela vai ser ver. – ele disse serio.
Senti que sua ameaça era seria.
Continuei muda.
– Perdeu a língua boneca?
– Você é um imbecil.
Saiu antes que eu pudesse segurar as palavras dentro da minha boca, e mais rápido ainda do que minhas palavras saíram e eu me vi presa contra parede com a grande mão de Edward apertando meu pescoço. Não estava me machucando só era forte o suficiente para me manter imobilizada. Senti a adrenalina passar por mim. Era medo, perigo e tesão.
– Não me toque. – falei olhando em seus olhos.
– Não era isso que você queria na semana passada. Se não fosse por eu não querer eu teria te comido aqui contra esta parede.
Minha raiva aumentou. Cretino, estúpido, idiota.
Ele se afastou.
– Avise a piranha da sua amiguinha.
Saiu andando todo dono de si. E mais uma vez eu fiquei parada como uma idiota.
Na mesa com meus amigos eu observava a mesa em que o todo poderoso estava. Havia vários homens com cara de poucos amigos e muitas garotas. Ele novamente não me olhava.
– Bella onde você vai? – ouvi Alice perguntar.
A ideia maluca se formou em minha mente e quando vi já estava na mesa deles. No momento que cheguei à mesa deles todos pararam de falar.
Todos me olhavam até mesmo “ele”.
Encarei aqueles homens e escolhi aquele que menos, me amedrontava. Dirigi-lhe o olhar e falei.
– Oi eu sou Bella. Você gostaria de dançar comigo?
Tive o prazer de ver o olhar de Edward surpreso. Agora era eu que iria deixa-lo sem fala.
Continua...
Novo capitulo amanhã as 18 horas. 


Esse bad boy indomável hein meninas? Que homem mais bipolar.

Spoiler.
Olhei pra ele procurando por uma explicação, mas o bad boy simplesmente entrou no meu carro e ainda por cima na direção.
- Você não vai dirigir o meu carro. falei ao lado da janela.
Ele sorriu. Um sorriso... lindo, mas irônico.
- Isso é o que nós vamos ver. ele disse Eu não estou com pressa podemos ficar aqui a tarde toda.
Bufei. Atirei a chave no colo dele e dei a volta entrando no carro. Bati com força a porta.
Ele sorriu e arrancou com o carro.
- Posso saber por que você quer ficar aqui comigo no meu carro se claramente você não vai com a minha cara? perguntei sem olhar pra ele que dirigia calmamente pelas ruas do subúrbio.
- Sabe que fica linda bravinha, boneca? ele disse como se comentasse sobre o tempo.
Esse cara era bipolar ou o quê?
Não levei em consideração o seu elogio e me concentrei em não olhar pra ele.
- Vai me responder ou não?
- Eu não entendo o que uma riquinha como você gosta de fazer por aqui? ele me fez outra pergunta.
- Deve saber que estou aqui por que eu e Emmett temos que fazer um trabalho pra faculdade. falei bufando.
- Hum... ou você está a fim do meu irmão... ele disse serio.
- Não seja ridículo. Eu e Emmett somos amigos. Não que eu não o ache um gato, por que ele é, mas somos somente amigos.
Por que eu estava me explicando a ele? Ele não tinha nada a ver com a minha vida.
- Pelo que sei, gente como vocês, fazem rodízios com amigos essas coisas.
Era segunda vez que ele insinuava que eu era uma vadia.
- Por que você gosta de me ofender? - perguntei me sentindo um pouco magoada. Não sou santa, mas não sou a vadia que você sempre sugere que eu sou.
Ele pareceu mudar a expressão.
- Não tive a intenção de te ofender. ele disse.
Olhei pra ele com a expressão de quem diz jura? Seus atos eram muito estranhos. Nunca conheci alguém que me deixava tão confusa.
Ele parou em frente a uma casa simples.
- Chegamos. ele disse.
Antes que eu pudesse me mexer para sair ele segurou meu braço. Todo meu corpo se arrepiou com seu toque.
- Sempre que precisar vir aqui, peça para Emmett ir encontrá-la na entrada. Nunca venha sozinha entendeu?- falou me olhando intensamente.
Havia algo em seus olhos.
- Por quê? perguntei meio aturdida pela intensidade de seu olhar.
- É perigoso. ele disse dando de ombros.
- Obrigado pelo aviso, mas eu sei me cuidar.
Sua expressão carrancuda voltou.
- Se acontecer algo, depois não diz que eu não avisei. falou e saiu do carro.
Quando eu saí do meu carro ele já tinha partido no carro com Urubu.




No comments :

Post a Comment