CORAÇÃO INDOMAVEL - CAPITULO 13

Meninas do meu coração.
Vamos tentar domar este coração indomável?
Por favor, não me matem. Desconte a raiva de vocês no bad boy kkkkkk vão entender quando ler o capítulo.

Coração Indomável

Coração Indomável
Ju Beija Flor.

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência


Capítulo 13
Era a terceira ligação dele que eu ignorava. Eu estava louca pra atender. Mas eu precisava ser um pouco difícil. Apesar de ele ter me mandado aquela mensagem se desculpando eu ainda estava chateada.
Acho que descobrir meus sentimentos por ele tornava tudo mais intenso. Eu estava apaixonada. Louca de paixão e por mais que eu tentasse me convencer do contratio, eu esperava sim que ele pudesse ter algum sentimento por mim.
Outra vez meu celular tocou. Alice me olhou intrigada.
– Não vai atender? – ela perguntou.
– Não. – disse simplesmente.
– O que houve? Você parece chateada?- falou perspicaz.
– Não é nada não Alice. – me levantei do banco onde estávamos sentadas na faculdade. – Vou até biblioteca pegar um livro pra estudar pra prova de direito penal. Quer algo de lá? – perguntei.
– Não. Vou ficar por aqui a Rose ficou de aparecer logo.
– Ok. Ate mais.
Despedi-me e segui em direção à biblioteca. Quase chegando esbarro em uma pessoa. Uma garota. Todos os livros dela caem ao chão.
– Me desculpe. – pedi. Ao olhar percebo ser Irina, uma colega de aula.
– Tudo bem... é Bella... não é? – ela perguntou.
Nunca tínhamos trocado mais que duas palavras.
– É sim. – falei lhe ajudando com os livros.
Quando estávamos em pé e eu pronta para sair ela ficou me olhando como se quisesse dizer algo.
Ela sorriu sem graça.
– Você que me dizer algo? – perguntei.
– Sim... é meio estranho já que quase não conversamos, mas... Eu vi você conversando outro dia com um rapaz. Um alto com os cabelos cor de bronze. Lindo de morrer. E... Eu queria saber quem era ele? – ela deu sorrisinho.
Porra! Ela estava falando do Edward? Do meu Edward?! A minha simpatia pela loira passou na hora.
– Por que você quer saber? – perguntei ríspida.
– Ah... é bem... Desculpa. Ele é seu namorado? – falou constrangida.
–Não ele não é, mas...
– Não?! – falou empolgada.
Eu queria amassar a cara dela na terra.
– Você podia conseguir o telefone dele para mim...
– Olha aqui Irina nós não namoramos, mas temos um envolvimento entendeu?- que garota sem noção!
– Ah... bom... tudo bem então. – disse sem graça.
– Ótimo que tenha entendido. – vir-me-ei para sair. Nossa eu nunca tinha imaginado que eu era tão ciumenta.
Eu estava quase entrando na biblioteca quando escuto meu nome ser chamado por alguém. Era hoje o dia. Suspirei e me virei para ver Jasper parado a minha frente.
– Oi Bella. – ele disse serio.
Desde quando discutimos sobre meu relacionamento com Edward que eu e ele não conversávamos.
– Oi. – falei.
– Eu... Será que podíamos conversar? – perguntou inseguro.
– Jasper... não sei se é uma boa.
– Bella, por favor. – pediu.
– Ok. - tomara que eu não me arrependesse.
Seguimos ate um lugar afastado, onde poderíamos conversar. O encarei esperando começar.
– Bella eu... eu queria te pedir desculpas por ser tão... idiota. Fui imbecil com você. Eu não tenho o direito de me meter na sua vida. Como amigo tenho o direito e o dever de me preocupar, mas não de me meter em suas decisões. Será que pode perdoar este seu amigo idiota? – pediu e vi sinceridade em suas palavras.
Eu sorri e o abracei.
– É claro que posso, mas, por favor, Jass não faça mais isto. – falei.
– Nunca mais eu prometo. Eu... Eu não soube lidar com meus sentimentos por você. – falou baixinho.
Baixei os olhos.
– Jass...
– Eu sei querida. Sei que não podia cobrar algo de você. Eu sou apaixonado por você Bella. – ele disse na lata. Tudo o que eu queria ouvir de outra pessoa. – Mas amo você mais como amiga. E como seu amigo, não quero perder sua amizade. Eu... eu preciso aprender lidar com estes sentimentos dentro de mim e aos poucos eu vou supera-los. Mas nossa amizade é real e verdadeira e eu não tinha o direito de fazer o que q fiz.
– Jass com o tempo talvez você até perceba que nem é assim tão apaixonado por mim. – falei.
Ele sorriu.
– É, pode ser. – suspirou – Então? Amigos? – me estendeu um pacotinho de menthos.
Eu ri.
– Você sabe que nossa amizade começou por conta de um pacotinho menthos. Lembra-se? E que tal recupera-la através de um menthos novamente?
– É claro. – peguei o pacote de minha bala preferida e passamos uma boa meia hora conversando amigavelmente.
– A Alice está de rolo com alguém? – ele perguntou como quem não quer nada. Mas tinha algo ali.
– Hum... tentando disfarçar seu interesse senhor Withlock? Você é a fim dela. – afirmei.
– Não vou negar que sinto atração por ela, mas não quero iludi-la. Preciso antes lidar com a bagunça que são os meus sentimentos. – falou.
Senti-me culpada.
– Eu sinto muito Jasper. – falei triste.
– Hey! Você não tem culpa. – assenti.
Foi bom voltar as boas com ele. Éramos amigos A bastante tempo, antes mesmo de eu vir morar em New Jersey não queria perder a amizade dele, e por tudo que ouvi eu sabia que ele estava sendo sincero.
– Eu não vi mais o Jake. Por onde ele anda? – perguntei.
Jasper soltou uma gargalhada.
– Você não vai acreditar.
– O que? Me fala. – disse curiosa.
Íamos caminhando para o estacionamento enquanto conversávamos.
– Lembra aquela prima dele de Los Angeles? – ele disse.
– Sim. A tal Leah. O que tem?- falei.
– Ela veio passar uns dias na casa dos pais do Jake... e eles estão se pegando.
Abri a boca descrente.
– Mas eles não se odiavam? – perguntei rindo.
– Pra você ver. Eu sempre disse a ele que aquilo era paixão recolhida. – nós rimos até Jasper ficar serio.
– Aquele lá não é o irmão do Emmett? – ele perguntou.
Virei minha cabeça para olhar. E o vi. Edward estava parado encostado em seu carro me olhando fixamente, mas não foi isso que mais chamou minha atenção e sim, a garota que estava ao lado dele. Era Irina. A mesma que hoje mesmo havia insinuado que estava a fim dele.
Meu corpo esquentou de raiva. Ela falava com ele que respondia me olhando serio.
– É sim. É ele. – falei tentando segurar a raiva.
– E você não vai lá falar com ele? – Jasper perguntou.
– Vou. Vou sim. Tchau Jass. – segui lentamente e ele deixou a loira e veio ao meu encontro.
Lentamente, fomos nos aproximando. Um com a cara mais fechada que o outro. Até que paramos próximos bem no meio do grande estacionamento.
Nenhum de nós falou nada. Parecíamos em guerra para ver qual dos dois iria ser o primeiro a falar. Somente nos encarávamos. Não resisti e quebrei o silencio.
– Oi. O que fazia com aquela garota? – perguntei direta.
– O que você fazia com o loiro? – ele perguntou ríspido.
Ahã?
– Jasper? Ele é meu amigo. - respondi.
– Não estavam brigados? – perguntou com o semblante fechado.
– Sim... mas fizemos as pazes... sempre fomo amigos. Edward... por que aquela garota...
Ele me interrompeu.
– Então agora tudo está bem entre vocês, e você vai ficar pra cima e pra baixo com seu amiguinho? – disse bravo.
– Olha aqui você não manda em quem é meu amigo ou não. – respondi.
– Agora entendo o porque não atendia minhas ligações. – ele disse.
– Como é que é? – perguntei brava. – E Irina ali se atirando pra você. Pode me explicar?
Ele pareceu não entender.
– Quem? Irina?
– Não se faça de desentendido Edward. A garota loira que estava ao seu lado agora a pouco.
Ele tentou esconder um sorriso.
– Você está com ciúmes da garota? – perguntou parecendo se divertir.
– Não! Nem em sonho. – bufei – E você? Está com ciúmes do Jasper? – perguntei ainda brava.
– Não. Nem em sonho. – ele disse respirando fundo. – Eu não faço ideia quem seja aquela garota e nem lembro o que ela estava falando comigo.
O olhei e vi que ele parecia estar dizendo a verdade.
Então ele se aproximou agarrando minha cintura trazendo meu corpo para o seu.
– Eu vim aqui por que queria me desculpar mais uma vez pelo... pelas minhas palavras rudes com você. - falou.
Suas palavras me desarmaram. Mordi meus lábios sem saber o que dizer a ele.
– Tudo bem. – falei por fim.
– Não está não. –ele disse me fazendo franzir as sobrancelhas sem entender. – Só vai estar bem depois disto. – e então me beijou.
Um beijo quente, delicioso e cheio de significados. Para mim era maravilhoso estar beijando o homem que eu estava apaixonada. Nossas línguas se buscavam num misto de paixão e saudade.
Eu tinha que tentar pensar com clareza, pois meu coração traiçoeiro queria entender suas reações de forma diferente. Entender que ele estava me beijando no estacionamento cheio de gente por que queria mostrar posse. Que eu era somente dele, o que era verdade. Que ele estava me beijando na frente de todas as garotas que sempre o olharam com cobiça mostrando que ele só queria a mim. Que ele veio atrás de mim depois de ser grosso, pois se importava com meus sentimentos. Que ele fazia todas estas coisas por que era também apaixonado por mim. Por favor, Bella. Por favor, não vá por este caminho.
Mas algo ele sentia não sentia? Não era somente tesão.
Mais dias se passaram, e eu e Edward continuávamos cada dia mais juntos. Se era isso, o que se podia dizer de nosso relacionamento. E para mim ficava cada dia mais difícil esconder meus sentimentos por ele.
Meu corpo estava em máxima atenção a qualquer ruído que ele fizesse. Meus pulsos estavam amarrados a cabeceira da cama e uma venda cobria meus olhos. Para completar eu estava completamente nua deitada na cama de Edward.
Eu ouvia que ele se movimentava pelo quarto.
– Vai me deixar assim por quanto tempo. – eu sofria em antecipação pelo que ele iria fazer.
Quando ele disse que queria brincar eu não imaginei que fosse disso. Eu de submissa e ele de dominador. A ideia era sexy, mas me dava um pouco de medo. Eu não era adepta desse tipo de sexo, e acho que nunca seria. Mas uma brincadeirinha de vez em quando não faria mal a ninguém.
– Tenha paciência Isabella.
– Isso não é uma das minhas virtudes. – disse a ele.
Ouvi seu riso.
– Confie em mim, vai valer a pena. – ele falou com a voz sexy.
Senti o colchão se movimentar e presumi que ele estava na cama comigo. Senti algo gelado tocar meu seio. Estremeci de prazer.
– O que é isso? –perguntei.
Ele passou mais daquele negocio gelado por meu corpo.
– Sorvete. Sabe eu adoro sobremesa, e hoje você vai ser minha sobremesa preferida. Eu vou devorar você minha linda.
E ele cumpriu sua promessa. Devorou-me com seus lábios. Levou-me a loucura me possuindo em todas as posições imagináveis. Quando após um pouco saciados eu pensei em por em prática o que Alice havia me ensinado sobre sexo oral, o telefone de Edward tocou.
– Cullen. – ele apenas disse. – Entendi em 15 minutos estou aí.
Edward levantou-se apressado se vestindo rápido.
– Edward... O que houve?- perguntei.
– Problemas... Isabella não saia daqui ok. – ele disse tenso.
– Por quê? Eu posso ir pra casa...
– Não tenho ninguém para leva-la ate a saída. Por favor, fique aqui. – ele disse duro.
– Está bem. – falei amuada.
– Eu volto o mais rápido que conseguir para leva-la em casa. – ele disse saindo em disparada.
Droga! O que será que estava acontecendo? Parecia ser algo serio.
Eu fiquei lá. Não sei quanto tempo havia passado. Eu já estava agoniada de ficar ali sozinha. Hoje era domingo. Eu tinha vindo para seu quarto logo após o almoço em família na minha casa. Eu e Edward iríamos passar a tarde olhando filmes e... namorando. Não sei se podia usar este termo, mas era somente este que vinha a minha mente. Pedimos pizza e ficamos aproveitando a tarde juntos até aquela maldita ligação.
Levantei vestindo uma camiseta de Edward e calçinha. Quando ouvi barulho de alguém subindo as escadas que dava acesso ao quarto dele. A porta de abriu e um homem e uma mulher entraram.
Os dois assim como eu paralisaram ao me verem. Por sorte a camiseta de Edward era grande o suficiente e cobria meu corpo quase na metade das coxas.
A mulher me encarou e porra! Era a tal Lauren e um dos rapazes que estavam na mesa do Edward na noite que eu tinha vindo a festa no subúrbio.
– Ora! Ora! Quem está aqui. – Lauren disse maliciosa.
– Lauren... – o rapaz disse em tom de aviso. - Oi... é Bella não é? Lembra-se de mim eu sou o David. - ele disse. – desculpe invadirmos assim é que precisamos pegar algo aqui. O pessoal está nos esperando.
Eu não sabia o que dizer então só assenti.
– Você sabe onde está Lauren? – ele perguntou a ela.
– É claro que eu sei. – ela disse indo até o criado mudo ao lado da cama e abrindo a gaveta. De dentro ela tirou uma arma.
Não sei se fiquei mais assustada por aquela arma estar ali o tempo todo tão próximo de mim. Ou se fiquei chateada por ela ser tão intima e saber onde as coisas ficavam no quarto de Edward.
Com a arma em mãos eles iam saindo quando eu não me contive.
– O que está acontecendo? Onde está o Edward? – perguntei.
Lauren se adiantou e disse.
– Algo que você não está acostumada princesa. Problemas. Rixas de gangue. Essas coisas que não fazem parte do seu mundo. – falou provocando.
Senti um medo de repente.
– Por que você está no meio disso? – perguntei.
Ela riu.
– Eu faço parte disso querida. Sou membro da gangue. - disse para meu total espanto.
– A coisa está seria queridinha se eu fosse você daria o fora daqui o quanto antes. – falou.
– Cala boca Lauren! – David disse.
– Ele... Edward está correndo perigo? – perguntei com o coração aos pulos.
– Ele sabe se cuidar. – ele disse, mas não respondeu minha pergunta. – Olha fique aqui e aguarde. Edward é esperto e ele vai leva-la em casa.
Eles saíram e eu fiquei ainda mais nervosa que antes. Num ato de desespero liguei para o celular dele, mas ele não atendeu. Tentei o de urubu também não atendeu.
Eu já estava ficando desesperada sem noticias. Até que meu celular tocou, mas era minha mãe querendo saber o porquê de minha demora. Já era quase 8hs da noite e no domingo a este horário eu sempre estava em casa. Expliquei a minha mãe que estava na casa de uma amiga, mais uma mentira para minha coleção.
Mal terminei de falar com ela e a porta se abre e Edward entra. Meu alivio por vê-lo ali se vai quando o vejo todo suado e machucado. Ele tinha um corte no olho e outro no lábio. Sua camisa estava toda suja de sangue.
Ele entrou feito um furacão indo até o armário procurando por algo.
– Edward... O que houve? Você está machucado? – perguntei apavorada indo até ele que não parava de procurar algo em seu armário.
– Nada. Eu estou bem Isabella. - disse simplesmente.
– Mas... mas você está todo machucado. – eu falei tentando toca-lo.
– Não é nada eu já disse! – falou duro.
Enfim encontrou o que queria. Outra arma. Deus! Onde eu estava me metendo?
– Edward... Você não vai sair, vai?- perguntei nervosa.
– Vou sim. O meu pessoal precisa de mim. – falou.
Consegui ficar a frente dele e tocar em seu rosto.
– Mas você está machucado. Não pode sair assim. Eu estava tão preocupada. – falei acariciando sua bochecha.
Os olhos dele me encararam de forma dura.
– Quem você pensa que é pra dizer o que eu devo ou não fazer?- falou ríspido. – Você não é minha namorada. Não devo satisfação a você e nem a ninguém. – suas palavras foram pior que um tapa em meu rosto. Eu recuei magoada.
– Logo Elisa vem aqui para te levar em casa. – falou saindo sem ao menos se despedir.
Ainda parada no mesmo, lugar em que eu estava quando ouvi suas palavras, as lágrimas começaram a rolar por meu rosto.
Continua...

Ah esse bad boy não tem jeito mesmo.

Spoiler

As lágrimas ainda corriam por meu rosto quando cheguei a rua. Um carro estacionava naquele momento. Era Elisa. Enxuguei meu rosto rapidamente tentando colocar uma cara melhor do que a que eu estava.
- Bella... Elisa disse. Percebi que ela estava com os olhos vermelhos de quem havia chorado, também.
- Elisa... O que houve? perguntei.
Ela se aproximou.
- Edward pediu que eu a levasse em casa. ela disse.
- Eu sei, ele me avisou. Mas... O que houve? 
- Urubu... Ele foi baleado. ela disse não escondendo mais o choro.
Arregalei meus olhos. Devia ser por isso que Edward estava tão nervoso. Mas mesmo assim ele não poderia ter falado daquela forma comigo.
- Meu Deus! E como ele está? perguntei preocupada com aquele menino no corpo de um grande homem corpulento que eu já considerava meu amigo.
- Eu não sei direito. Edward disse que não era nada grave. ela disse limpando as lágrimas com as mãos.
Eu me precipitei em direção a ela e a abracei. Ela me abraçou de volta.
- Ele vai ficar bem Elisa vamos confiar nisso. falei tentando convencer não só a ela como a mim mesma.
- Bella... Se ele escapar dessa eu não vou mais esperar para ser feliz. Vou enfrentar meus pais para ficar com Frank. Espero que não seja tarde. - ela disse.
- Não será Elisa. Não será. Para que hospital, o levaram?- perguntei enquanto Elisa dirigia para fora do subúrbio.
- Não o levaram para um hospital. ela disse.
- Como é? quase gritei.
- Eles não podem Bella. Ele foi baleado em uma disputa entre gangues. Se ele fosse a um hospital a policia seria chamada. - ela explicou.
- Eu sei, mas ele precisa de cuidados. falei agoniada. Olhando pela janela a paisagem, me dando conta que estava quase chegando em casa.
- Como você disse, temos que confiar que ele ficará bem. E Edward não deixaria nada de mal acontecer a ele. Ele o considera um irmão. falou um pouco confiante.
Fechei a cara ao me lembrar de Edward.
- Espero que tenha razão. - falei.
- Você parece chateada. ela disse.
Não falei nada.
- Edward foi grosso com você não foi? Não leve a mal Bella ele deve estar nervoso pelo que houve com o Frank. 

No comments :

Post a Comment