CORAÇÃO INDOMAVEL - CAPITULO 5

Meninas do meu coração.
Vamos tentar domar este coração indomável?
Capítulo quente, mas fica ainda mais no outro kkkkk

Coração Indomável

Coração Indomável
Ju Beija Flor.

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência


Capítulo 5
– Bella? Aconteceu alguma coisa? – Emmett perguntou.
– Não... nada por que?- perguntei tentado parecer natural.
– É que você está muito estranha desde ontem.
Estávamos na aula de direito tributário. E eu não estava prestando a mínima atenção.
– Daqui a pouco o professor faz uma pergunta surpresa e aí você vai se dar mal, sabe como ele é. – Emmett me avisou.
Ele estava certo. Eu tinha que prestar mais atenção a aula, mas como? Se eu só pensava naquele homem. Na forma como me tocou. Como me deixou em brasas com seus beijos e o pior amanhã eu iria me encontrar com ele. Ele disse que iria me ensinar defesa pessoal, mas seria só isso? Será que não rolaria algo a mais? Na verdade será que se ele quisesse algo eu iria me segurar? Algo me dizia que não. Eu queria experimentar essa experiência. Estar com Edward era algo totalmente diferente para mim. Na escola perdi minha virgindade aos 16 anos com um colega de turma. Estávamos meio bêbados, não foi legal, mas também não foi horrível. Depois comecei a namorar Mike e desde então ele foi meu único homem. Nossa vida sexual a meu ver era boa. Mas jamais senti com ele da forma que sentia quando Edward estava apenas próximo de mim, é claro que não era nada romântico era mais no sentindo de desejo, tesão essas coisas.
Voltei a mim quando professor, para minha sorte, fez uma pergunta a minha colega da classe ao lado e como eu não queria ter minha atenção chamada por ele tentei me concentrar na aula.
– Rose veio me perguntar por que eu estou agindo diferente com ela? – Emmett disse com um meio sorriso.
Eu retribuí.
– Viu? Eu te disse que isso ia funcionar. O que disse a ela? – perguntei.
– Disse que ela devia estar imaginando coisas que eu estava normal, é claro que ela não acreditou.
– Continue assim Emmett. Deixe-a correr um pouco atrás. - olhei para ele. – Você gosta dela de verdade não é?
– Sim eu gosto muito.
Durante aquele dia em que eu tinha aula nos dois turnos eu tentei não pensar em Edward, mas era difícil.
À tardinha eu estava chegando em casa quando Kate ia saindo. Um carro prata a esperava na rua. Pude reconhecer Josh dentro do veiculo.
– Já vai sair Kate?- perguntei.
– Não enche Bella. Já basta o papai e a mamãe me torrando.
– Por que será em Kate? Será que é porque sai de segunda a segunda chegando em casa de manhã. E, além disso, suas notas estão lá em baixo. - ela me cortou.
– Não vem com lição de moral santinha. – debochou.
– Não sou santinha Kate, mas você podia maneirar.
Ela me deixou falando sozinha e correu para o carro que a esperava.
Entrei em casa e vi minha mãe com a face estranha.
– Mãe? Está tudo bem?- perguntei lhe dando um beijo no rosto.
– Oi querida. Está sim... é só a sua irmã me dando trabalho. – ela suspirou – Não sei mais o que fazer com essa menina.
– Calma mamãe. É só uma fase. Nós sabemos que Kate é uma boa garota só é meio desmiolada. – falei tentando acalma-la.
– É isso que me preocupa Bella. Seu pai já perdeu a paciência, além disso... Deixa pra lá. – ela parou de falar.
– O que foi? Fale mãe.
– Seu pai anda estressado com o trabalho e aí tem a Kate... eu fico preocupada com a saúde dele. – ela disse.
– Mas ele tem sentindo algo? – comecei a ficar preocupada também.
– Não que eu saiba querida, mas conhece seu pai. Ele nunca vai ao medico.
– Mãe não se preocupe. – a abracei- Nada vai acontecer. Kate logo vai parar com esta rebeldia. Esqueceu-se do pacto que fizemos? Nossa família nunca vai se separar.
Ela me abraçou e me beijou.
– Você é uma filha maravilhosa Bella. Seu pai e eu temos muito orgulho de você.
Será que teriam orgulho se soubesse que eu estou a fim de um membro de uma gangue?
– Vá se lavar querida. Daqui a pouco eu sirvo o jantar. – minha mãe disse.
Aquela noite foi difícil dormir. Eu só pensava na tarde do outro dia. Rolei na cama por horas até que o sono apareceu e eu adormeci.
– Porra Bella! Eu te chamei umas cinco vezes. Onde é que está com a cabeça? – Alice me xingou.
Estávamos sentadas na nossa mesa no refeitório esperando o restante de nossos amigos.
– Desculpa Alice.
– O que está acontecendo? Você já olhou umas 20 vezes para o relógio. – falou me encarando.
– Olhei? – perguntei surpresa.
– Olhou. Está ansiosa com algo? – perguntou.
– Não... não é nada. – ela me olhou descrente. Ela não iria engolir fácil. – Eu e mamãe vamos as compras é só isso.
– Ah compras! Que maravilha. Posso ir junto?- pediu.
– NÃO! – quase gritei e Alice me olhou espantada. – É que... é compras pra casa... não vai ser tão legal. – falei tentando dissuadi-la de me acompanhar.
– Compras são sempre compras Bella, não importa o que seja. – falou insistente.
– Alice...- respirei fundo - Ok não são compras eu vou a...
Ela começou a bater palmas feito uma doida.
– É um encontro?! – perguntou animada.
– Não... não sei... mais ou menos. – suspirei.
Eu queria contar a ela, mas eu sabia que ela iria me impedir. Eu sabia que me envolver com Edward é encrenca mais mesmo assim eu queria arriscar.
– Quem é? Eu conheço?
– Alice não me leve a mal, mas por enquanto eu prefiro não falar... deixa eu ver se vai dar em algo aí eu te falo.
– Nossa! Quanto mistério...
– E, por favor, não comente nada sobre isso com nossos amigos. – pedi.
– Tudo bem. Mas depois você vai ter que me contar direitinho esta historia Bella Swan. – falou fazendo bico.
Sorri.
– Pode deixar. – falei para tranquilizá-la.
Eu ainda teria que analisar se eu iria ou não contar a ela.
– E eu que achei que você ia acabar tendo algo com o Jasper. – Alice disse fazendo minha boca quase cair. – O quê?
– Estou surpresa por você estar falando isso. Você não gosta dele? -perguntei receosa.
– Gosto. Muito. Mas não vou ficar arrastando corrente por quem não me quer. Ele é louco por você e se alguém for ficar com ele... melhor que seja você.
– Sem chance Alice. – neguei de cabeça – Eu só o considero como amigo.
– É, mas você já ficou com ele no passado. - comentou.
– E me arrependo disso, pois agora não conseguimos ter a nossa amizade como antes. - falei um pouco triste.
– Não fique assim Bella. Você não tem culpa se ele confundiu as coisas. É uma pena... eu gosto dele e poderíamos ter algo legal, mas... se ele não quer tem quem quer. – ela disse e eu ri. Essa era a Alice.
Com a conversa de minha amiga espevitava eu consegui me distrair. Logo eu estava indo pra casa. Minha mãe estranhou que eu mal toquei no almoço. Disse a ela que tinha um compromisso e que não estava com muita fome.
Minha mãe entrou no meu quarto quando eu estava à frente do espelho. Eu havia trocado de roupa varias vezes até me decidir por um vestido floral azul, botas na cor marrom e uma jaqueta jeans.
– Está linda filha. – ela disse colocando algumas roupas que haviam sido lavadas em cima da minha cama.
– Você acha? – perguntei indecisa.
– Sim... Bella parece indecisa. Algum problema querida? – minha mãe perguntou notando meu estado de espírito.
Eu queria tanto poder falar a ela. Eu estava nervosa. Meu coração pulava todo tempo. Eu não me lembrava de ficar tão nervosa assim em nenhum momento da minha vida antes. Nem quando dei meu primeiro beijo.
– Não mãe. Nenhum problema. - sorri para ela e peguei minha bolsa. – Vou lá. Volto cedo ok.
– Certo. Se cuide filha.
Já no carro indo em direção ao subúrbio eu tinha duvidas do que estava fazendo.
Não é nada demais, ele disse que só ia ensinar a me defender. Jura que você acredita que é só isso Bella? Minha mente perguntou.
Suspirei e tentei afastae estes pensamentos.
E se ele me tratasse mal novamente?
Quando dei por mim já estava chegando à entrada do subúrbio e vi Urubu encostado ao carro em que vi Edward dirigindo outras vezes.
Ele sorriu para mim.
– Oi Frank. – falei.
– Oi Bella. Sabia que só você que me chama pelo nome? E a minha mãe é claro. - disse rindo.
– É um nome muito bonito, melhor que Urubu.
– Certo vamos lá que chefe está te esperando. – meu coração deu um salto.
Ele entrou no carro e eu o segui. Após algumas quadras chegamos ao lugar onde aconteciam as festas. Assim ao dia parecia mais um depósito abandonado.
– É só entrar Bella. A porta está aberta. Lá no fundo tem uma escada, é lá que o chefe se esconde. – falou brincando.
Será q ue ele imaginava o que podia rolar entre eu e o amigo dele? Corei com este pensamento.
– Obrigada Frank.
Ele saiu e eu desci do carro com as pernas tremendo. Abri uma porta lateral e encontrei um enorme salão vazio pouco iluminado. Era onde rolava as festas. Segui por onde ele disse e logo avistei a escada que quando aconteciam às festas, eu nunca havia notado.
Subi lentamente escutando que uma musica tocava. A porta estava semiaberta, eu bati de leve e ouvi um entre.
Quando a abri eu o vi. Ele estava de costas para mim. Usava uma calça jeans que caia muito bem em seus quadris e estava sem camisa o que já fez meu corpo se acender, mas não foi por isso que fiquei boquiaberta.
A cena sexy era vê-lo pintando uma parece. De costas ele passava o rolo pra cima e pra baixo. Os músculos de suas costas e braços se movimentavam em sincronia. O suor escorrendo por seu corpo deixava a cena ainda mais sensual. Eu queria lambê-lo. Eu estava hipnotizada. Ele se virou e me viu.
– Oi. – falei timidamente.
– Oi. – ele disse com um olhar de malicia. Não sorriu, mas seus olhos demonstraram que ele gostou de me ver.
Ele voltou a pintar e eu aproveitei para olhar seu ambiente. Era uma peça grande. Havia uma cama no centro. Uma janela grande do lado esquerdo. A parede ao fundo onde ele pintava num tom de verde escuro e do outro lado duas portas, uma delas que deveria ser o banheiro. Próximo a esta porta havia um som potente onde tocava a musica da Rihanna e um antigo toca-discos.
– Gostou? – ele perguntou ainda pintando.
– Do que? - perguntei.
– Do meu lugar. Não era isso que você estava olhando? – ele disse.
Eu estava olhando pra você também, pensei.
– Sim, é um lugar legal.
– Eu também gosto. Apesar de às vezes sentir falta da minha mãe e dos meus irmãos. – ele disse.
Acho que esta era o maior dialogo que tínhamos. Fiquei feliz.
– Tire a jaqueta. – ele disse de repente.
Pisquei aturdida. Já era pra começar a tirar a roupa?
– Como disse? – perguntei.
Ele riu.
– Tire a jaqueta e venha até aqui, vou te ensinar a pintar uma parede. – falou sorrindo.
Comecei a tirar minha jaqueta sob seu olhar. Ele me olhou de cima a baixo.
– Pensei que iria me ensinar defesa pessoal? – perguntei.
– Pintar faz parte do ensinamento. – ele respondeu.
Segui a até ele.
– Hum... temos que cuidar pra não manchar este lindo vestido, boneca.
Eu fiquei de frente para a parede e ele se colocou atrás de mim.
– Essa tinta não tem cheiro. – comentei para me distrair, pois seu corpo estava muito colado ao meu. Atrás de mim.
– É uma tinta especial. – ele falou. – Agora pegue aqui. – ele me mostrou. Eu peguei o rolo de sua mão. Ele colocou sua mão por cima da minha. – Agora você faz assim. Vai pra cima... - levou sua mão junto com a minha até o alto da parede. Até onde eu alcançava. – Depois desce assim... – seguiu com nossas mãos até embaixo.
Eu estava tentando me concentrar em pintar a parede, mas ele estava tão colado a mim que não dava nem pra pensar.
– Agora faça sozinha. – ele falou no meu ouvido.
As mãos deles foram para minha cintura. Apertou me levando de encontro ao seu quadril, e eu senti sua ereção. Gemi.
Senti sua respiração em meu pescoço. Ele colocou meu cabelo para o lado e começou a beijar meu pescoço. Quase deixei cair o rolo no chão. Meu corpo estava em ebulição.
– Se vamos fazer isso... – ele disse contra o meu pescoço - Você tem que estar ciente que é somente sobre sexo. – falou mordendo de leve a minha orelha.
Fechei os olhos, rendida.
– Você estendeu Isabella? –perguntou moendo seu quadril contra minha bunda.
– S-sim. – falei.
– E concorda? – perguntou.
– Sim... – respondi quase inaudível.
Mal terminei de falar e ouvi sua voz rouca:
– Coloque as mãos na parede. – seu tom mandão deu perda total em minha calcinha.
Deixei o rolo cair de minha mão e fiz o que ele mandou colocando minhas mãos na parede e sujando com tinta, mas eu pouco estava me importando, pois senti suas mãos entrarem sob meu vestido e arrancar minha calcinha.
– Dessa vez vou te comer rápido boneca, depois faremos com calma. – enquanto ele dizia ouvi o barulho do zíper de sua calça sendo aberta. – Preciso estar dentro de você logo. Agora...
Ele levou sua mão ao meu sexo me deixando ainda mais excitada.
– Empina essa bundinha linda pra mim boneca. – pediu com a voz rouca. Fiz o que ele pediu e logo senti seu membro, protegido pelo preservativo, entrando de forma lenta e torturante dentro de mim.
Continua...


Eu sei querem me matar por para ai kkk mas não façam isso eu amo voces.
Spoiler.
Continuou descendo com beijos por minha barriga indo em direção ao local onde eu mais precisava dele. Minha respiração se acelerou quando ele se colocou de modo que pudesse me chupar. E porra! Eu queria muito isso.
- Coloque sua perna em meu ombro Isabella e desfrute. falou já me saboreando em sua boca.
- Porra! rugi.
Ele riu. 
- Sua boca suja. 
Com uma coragem que veio não sei de onde coloquei minha mão em seu cabelo o forçando a voltar ao que estava fazendo.
- Hum... selvagem... gosto disso. ele disse e voltou a me chupar e não mais parou até que eu estremecesse em um orgasmo digno dos deuses.


Até sabado para o capitulo 6!!! Beijos!

No comments :

Post a Comment