CORAÇÃO INDOMÁVEL - CAPÍTULO 14


Meninas do meu coração.

Vamos tentar domar este coração indomável?
Bad boy tentando correr atrás do prejuízo e como a maioria de vocês pediram Bella fazendo jogo duro.
Eu adorei o capítulo de hoje modéstia a parte.

Coração Indomável

Coração Indomável
Ju Beija Flor.

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência
Capítulo 14
Um pouco depois começaram os soluços. Com meus olhos quase cegos pelas lágrimas me joguei na cama.
Por que ele fizera aquilo?
Por que me tratara tão mal?
Sentei na cama. Uma coisa era certa eu não seria humilhada por ele. Eu podia estar apaixonada, mas eu não era masoquista.
Levantei-me e comecei a catar minhas roupas. Vesti-me apressadamente. Eu iria embora de qualquer jeito daquele quarto. Não iria esperar ninguém.
As lágrimas ainda corriam por meu rosto quando cheguei à rua. Um carro estacionava naquele momento. Era Elisa. Enxuguei meu rosto rapidamente tentando colocar uma cara melhor do que a que eu estava.
– Bella... – Elisa disse. Percebi que ela estava com os olhos vermelhos de quem havia chorado, também.
– Elisa... O que houve? – perguntei.
Ela se aproximou.
– Edward pediu que eu a levasse em casa. – ela disse.
– Eu sei, ele me avisou. Mas... O que houve?
– Urubu... Ele foi baleado. – ela disse não escondendo mais o choro.
Arregalei meus olhos. Devia ser por isso que Edward estava tão nervoso. Mas mesmo assim ele não poderia ter falado daquela forma comigo.
– Meu Deus! E como ele está? – perguntei preocupada com aquele menino no corpo de um grande homem corpulento que eu já considerava meu amigo.
– Eu não sei direito. Edward disse que não era nada grave. – ela disse limpando as lágrimas com as mãos.
Eu me precipitei em direção a ela e a abracei. Ela me abraçou de volta.
– Ele vai ficar bem Elisa vamos confiar nisso. – falei tentando convencer não só a ela como a mim mesma.
– Bella... Se ele escapar dessa eu não vou mais esperar para ser feliz. Vou enfrentar meus pais para ficar com Frank. Espero que não seja tarde. - ela disse.
– Não será Elisa. Não será. Para que hospital, o levaram?- perguntei enquanto Elisa dirigia para fora do subúrbio.
– Não o levaram para um hospital. – ela disse.
– Como é? – quase gritei.
– Eles não podem Bella. Ele foi baleado em uma disputa entre gangues. Se ele fosse a um hospital a policia seria chamada. - ela explicou.
– Eu sei, mas ele precisa de cuidados. – falei agoniada. Olhando pela janela a paisagem, me dando conta que estava quase chegando em casa.
– Como você disse, temos que confiar que ele ficará bem. E Edward não deixaria nada de mal acontecer a ele. Ele o considera um irmão. – falou um pouco confiante.
Fechei a cara ao me lembrar de Edward.
– Espero que tenha razão. - falei.
– Você parece chateada. – ela disse.
Não falei nada.
– Edward foi grosso com você não foi? Não leve a mal Bella ele deve estar nervoso pelo que houve com o Frank.
Ela estacionou a frente da minha casa.
– Por favor, Elisa assim que tiver noticias do Frank me avise. – pedi.
Ela assentiu. Agradeci a ela pela carona e entrei em casa.
Meus pais estavam na sala assistindo TV.
– Filha. Você demorou. – minha mãe estudou meu rosto.
– Desculpe. Eu... não queria preocupa-la. – disse tentando disfarçar meu animo.
– Está tudo bem querida? – ela perguntou.
Meu pai me avaliou.
– Está sim. Eu vou tomar um banho. – fui até eles os beijando antes de subir para o meu quarto.
Chegando ao meu quarto fiz de tudo pra não pensar no que tinha acontecido. Tirei minhas roupas e fui para o banho. Sob a ducha de água quente não consegui segurar a opressão em meu coração e chorei.
Algumas lágrimas depois, eu saí e coloquei meu pijama de depressão. Aquele de manga comprida e nada sexy feitos especialmente para ocasiões como esta, em que você se sente a última bolacha do pacote.
Sem fome fui pra cama e liguei a TV. Ouvi uma batida na porta do meu quarto e Kate apareceu.
– Posso entrar? – ela perguntou.
– Claro – falei. Ela entrou e sentou na beirada da minha cama.
Minha irmã parecia finalmente estar tomando juízo. Depois de ser presa e agora estar sendo processada ela parecia estar tomando jeito e não mencionava mais o namorado, que eu tinha certeza ter algo a ver com o que houve.
Eu e minha irmã éramos um imã para homens com problemas.
– Você está legal? – ela perguntou.
– Quem foi que te mandou vir aqui? O papai ou a mamãe? – perguntei me ajeitando sob as cobertas.
Ela sorriu.
– Foi a mamãe. – ela respondeu.
– Estou bem. Não precisam se preocupar. – falei.
– Certo. Eu vim aqui também pra te contar que vou passar uma semana na casa da tia Susan. – fiquei surpresa.
– Vai ser bom sair um pouco daqui. – falei observando suas reações.
– É vai ser sim. – ela disse não olhando em meus olhos.
– E as suas aulas? Como vai ficar?
– Eu já estou ferrada mesmo não vai mudar muita coisa. – deu de ombros.
Ficamos em silencio.
– Bella eu sei que tenho sido... uma vaca com você, mas... sabe que eu te adoro não sabe? – ela disse de repente me pegando de guarda baixa. Fiquei emocionada.
Uma lágrima correu por meu rosto. Sequei rapidamente.
– Tudo bem Kate. Eu só me preocupo com você. – falei.
– Eu sei. Vou lá dizer para mamãe que você está bem. – ela se levantou – Depois disso não dou nem 5 minutos pra ela vir aqui com uma sopa pra você. Vai supor que você está doente.
Eu ri.
Ela saiu e logo mamãe entrou com um prato de sopa.
***
Olhei para meu celular pela milésima vez. Nada. Ele estava silencioso. Quem eu queria que ligasse não me ligou.
Eu não falei ou vi Edward. Havia se passado dois dias e ele não me procurou. Nem deve ter sentindo minha falta como eu sinto a dele. Mas ele me magoou muito. Mesmo se ele me procurasse eu não iria ceder fácil.
Olhei novamente meu celular relendo a ultima mensagem de Elisa.
“Bella. Frank está bem. Ele se recupera em local seguro e secreto. Qualquer nova noticia, eu te aviso. Beijos Elisa.”
Rose a Alice abriram a porta do meu quarto sem bater. Elas entraram e me encararam.
– O que está havendo com você? – Rose intimou.
– Boa tarde pra você também Rose. – respondi.
– Não enrola Bella. Responde a pergunta. – Alice disse.
– Vocês são duas malas ok. – falei bufando. – Eu só não estou legal.
– Você disse isso há dois dias. É algo relacionado ao bad boy?
Fechei a cara.
– Ah eu sabia. – Rose disse.
– O que ele fez Bella? – Alice perguntou mais comedida.
Suspirei e contei a elas tudo o que havia acontecido.
– Que idiota! – Rose rugiu – Pronto você não vai mais dar bola pra este cara amiga. – ela esbravejou.
Eu abaixei os olhos.
– Bella... você não vai mais ver este cara não é? – Rose perguntou.
Não respondi o que não sabia responder.
– Bella! Eu não acredito. – ela bufou.
– Pega leve Rose. – Alice disse. – Bella há algo que queira nos contar?
Droga!
– Alice eu... eu estou chateada pelo que ele fez ok. Eu sei que ele foi um imbecil e que eu não deveria mais olhar na casa dele, mas...
– Mas? – Alice conduziu.
– Eu... eu me apaixonei por ele. Droga! Eu estou perdidamente apaixonada por ele e não sei o que fazer. – gemi as últimas palavras.
– Porra! Não tinha um cara menos complicado pra você se apaixonar não? – Rose perguntou.
Olhei de cara feia pra ela.
– Ah Bella... – Alice disse simplesmente.
– Eu sei. To ferrada. Mas não se escolhem essas coisas elas... acontecem. – falei tentando justificar o injustificável.
Elas me olharam compreensivas.
– Calma, nada está perdido. Pra tudo a um jeito e essas baboseiras de auto-ajuda. – Rose disse conseguindo me fazer rir.
– Nós somos suas amigas Bella e estaremos sempre do seu lado. Só que você sabe que isto é complicado. – Alice disse - Você acha que ele pode sentir algo por você?
– Ah! Se ele sentisse ele não tinha falado aquilo pra ela Alice. – Rose disse – Ops! Desculpe Bella.
Tristemente tive que concordar.
– Tudo bem Rose você tem razão mesmo.
– Hei nada de ficar pra baixo. – Alice disse.
Passei aquela tarde com minhas amigas. Fizemos uma tarde de luluzinha e ao final dela eu quase pude esquecer Edward.
***
Estávamos almoçando na faculdade quando Irina passou pela minha mesa.
– Oi Bella? – a loira me cumprimentou.
– Oi. – respondi sem interesse algum.
Ela se afastou e percebi minhas amigas me olhando torto.
– O que foi? – perguntei.
– Por que você falou desse jeito com aquela moça? – Alice perguntou.
– Não gosto dela. – falei emburrada.
– O que ela te fez? – Rose perguntou.
– Deu em cima do Edward. – sussurrei para que Emmett, que estava ao lado de Rose, não ouvisse.
Um pouco depois Alice e Rose foram se servir e Emmett, sentou-se do meu lado.
Olhei para ele com cara de quem diz: “quer me dizer alguma coisa?”
– Você anda calada esses dias. – ele disse.
– Emmett o que realmente quer dizer? – perguntei sem rodeios.
– Estou sabendo sobre você e o Edward. – ele disse.
– Hum... e?
– Bom eu sei que pedi a você para se afastar do Edward, mas... Bella o Edward tem agido diferente desde que conheceu você eu... eu acho que ele pode gostar de você de verdade. – falou.
– Emmett eu queria muito acreditar em você, mas... não depois do que ele disse. Ele foi grosso e rude comigo. Acho que tinha razão da primeira vez. É melhor que eu me afaste do seu irmão. - disse desanimada.
***
– Podíamos ir ao cinema o que acha? Vai estrear um filme com aquele gato do Brad Pitt. – Alice disse.
Não sei Alice. – falei.
Estávamos saindo da faculdade. Eu vasculhava minha bolsa atrás do meu celular. Queria ver se Elisa havia me ligado me dando noticias do urubu.
– Por que colocamos tanta tralha dentro da bolsa? – perguntei rindo.
– Nem me fala a minha está um caos. – Alice falou também sorrindo.
Finalmente encontrei e tinha varias chamadas perdidas. De Elisa e de... Edward.
– Não acredito. – murmurei.
– O que? – Alice perguntou curiosa.
– Edward me ligou. 10 vezes. – falei espantada.
– Uau! Ele deve mesmo estar querendo falar com você. Até mesmo por que ele está ali encostado no seu carro. - Alice disse.
Olhei sem acreditar na cena que via. Edward Cullen... o bad boy... lindo de morrer estava parado displicente encostado em meu carro. Ele me olhava fixamente. Eu não sabia o que dizer sobre sua expressão.
Meu coração pulsou de saudade que eu nem sabia que estava sentindo
– Bella? – Alice me chamou.
– Sim. – tentei recuperar o foco. Ele me magoou.
– Você vai até lá? – perguntou.
– Mas é claro. É o meu carro não é? – falei e segui em direção a ele seguida por Alice.
Ah Edward se prepare que eu não estou pra brincadeira.
Sem desviar o olhar do dele fui chegando perto até parar a sua frente.
– Desencosta do meu carro, por favor, eu preciso ir pra casa. – falei.
Ele me olhou.
– Isabella nós precisamos conversar. – ele disse serio.
Eu dei uma pequena gargalhada sínica.
– Ah me desculpe eu não estou interessada em trepar no momento.- falei e vi seus olhos se arregalarem.
– Eu não vim aqui pra isso... eu queria...
Não o deixei terminar.
– Olha quem vem vindo ali e á Irina. Te garanto que ela está mais que interessada em trepar. – falei ainda irônica, mas me corroendo de ciúmes. E se ele aceitasse? – Agora, por favor, de o fora de perto do meu carro. Entra no carro Alice. – falei.
Ele se afastou e nós duas entramos no carro. Saí de lá em disparada para não cair em tentação.
– Nossa amiga! Você foi demais. Virei sua fã. – ela disse rindo.
Eu ri também, porém ao mesmo tempo eu queria correr para os braços daquele bad boy.
***
Desci as escadas indo em direção a cozinha quando vejo meu pai a mesa da sala de jantar com muitos papeis.
– Trazendo trabalho pra casa pai? – falo enquanto o abraço pelos ombros.
Ele sorri.
– Pois é filha. Tenho que dar uma promoção para alguns funcionários e estou verificando as suas fichas de emprego.
Meu pai administra um grande hotel, é um trabalho bastante estressante.
– Todos são bons funcionários. Funcionários de anos. Fica difícil escolher tenho medo de ser injusto. – ele diz.
– Pai você jamais seria injusto. – falo prestando atenção aos papeis na mesa então algo me chama atenção.
Pego o papel e vejo que a ficha de funcionário é de Esme.
– Nossa é a Esme. – falo sem pensar.
– Você a conhece Bella? – meu pai pergunta.
– Sim. Ela é mãe de um colega meu da faculdade e de... um outro amigo. – falo pensando em Edward. - Ela é uma mulher incrível pai. É sozinha e ainda tem dois filhos pequenos. Se você a promover não estará sendo injusto. – falei confiante.
– Eu já havia pensado nela. É muito correta. E nunca falta. Mas agora com você falando está decidido. Ela será promovida. – ele diz sorrindo.
O abraço novamente.
– Obrigado pai.
A campainha de nossa casa toca.
– Vou atender. – digo a meu pai.
Quase caio pra trás ao ver quem estava a minha porta.
– Edward...
– Oi. Será que poderíamos conversar?– ele pergunta inseguro.
– Você está maluco? O que está fazendo aqui? E eu já não deixei bem claro não quero conversar com você? – falo baixo para meu pai não escutar, mas é tarde demais e ele aparece as minhas costas na porta.
– Quem é filha? – pergunta olhando para Edward curioso.
– É... é Edward. – digo gaguejando. – Filho da Esme Cullen. – falo rapidamente.
Edward parece não entender.
– Ah você é filho da Esme. Prazer rapaz. Eu sou Charlie Swan. – meu pai diz estendendo a mão simpático.
– Prazer senhor Swan eu sou Edward Cullen. - ele diz e aperta a mão do meu pai..
– Entre rapaz. Estávamos a pouco falando sobre sua mãe. - meu pai disse.
Edward passa por mim e entra na minha casa.
É irreal vê-lo sentado no sofá da sala juntamente com meu pai.
– Me desculpe não entendo. Por que o senhor e Isabella estariam falando sobre minha mãe? – perguntou apreensivo.
– Sua mãe trabalha no hotel em que eu administro, e eu estava analisando as fichas dos funcionários. E Bella reconheceu sua mãe. – meu pai disse.
Eu só assistia a interação dos dois.
– Há algum problema com a minha mãe no trabalho? – ele perguntou inquieto.
Eu o conhecia ele estava desconfortável.
– Não meu rapaz nada disso. – meu pai riu. – É até antiético falar isso, mas como é amigo da minha filha eu não vejo problema. Eu estava verificando as fichas dos empregados para lhes dar uma promoção então Bella reconheceu sua mãe entre elas e me disse o quanto sua mãe é dedicada e batalhadora e... bom em primeira mão quero que saiba que sua mãe será promovida. Ela é uma ótima funcionaria e nada mais justo que isso. Eu só precisei da ajuda da minha filha para enxergar melhor os fatos.
Quando olhei novamente para Edward ele me olhava de modo diferente. Parecia um olhar apaixonado. Não! Não caia nessa Bella.
– Obrigado por isso Sr. Swan. Minha mãe é realmente uma mulher admirável. – ele disse visivelmente emocionado.
– Que isso? Eu não fiz nada demais. Bom... vou deixar vocês conversarem. – meu pai falou e saiu da sala me deixando a sós com Edward.
– Eu... eu não sei nem o que dizer... – ele disse.
– Não tem que dizer nada. Provavelmente ela seria promovida mesmo sem eu falar nada. – falei envergonhada.
– Não importa Bella. O que você fez foi... incrível. – disse.
– O que você quer aqui Edward? – perguntei.
– Nós temos que conversar.
– Não quero falar com você. Acho melhor ir embora. – falei.
– Isabella...
Olhei em seus olhos e disse:
– Eu quero que vá embora Edward.
Ele assentiu. Eu o acompanhei ele até a porta. Antes de partir.
– Quando você quiser falar comigo... Pode ser quando você quiser. Eu vou esperar. – ele disse.
Assenti e fechei a porta. Encostei-me nela e fechei os olhos. Meu coração traiçoeiro queria abrir aquela porta e ir atrás dele, mas não. Eu não podia fazer isto.
– Filha? – abri os olhos e vi meu pai. – Sua mãe avisou que jantar está servido. – ele disse me analisando.
– Então vamos estou morrendo de fome. – falei desconversando.
– Bella este rapaz... Edward é só seu amigo mesmo? – meu pai não era bobo.
– É sim pai. É só meu amigo. Vamos jantar sabe que mamãe não gosta quando nos atrasamos.
– Que tal pegarmos a ultima sessão no cinema hoje? – meu pai disse enquanto eu e mamãe tirávamos a mesa.
– Hum... é uma boa Charlie faz tempo que não vamos ao cinema. – minha mãe respondeu. – Vamos filha?
– Não to a fim. Vão vocês. Precisam se distrair. – falei.
– Podemos relembrar nosso tempo de namoro Renée. – meu pai disse malicioso. E minha mãe deu um sorriso.
– Ah eu mereço ouvir isso. – comentei rindo.
– Bella você acha que veio da cegonha não é filha? – meu pai perguntou rindo.
– Tá bom. Vão para o cinema de vocês dois. – disse divertida
Eles saíram meia hora depois e eu então fui para meu quarto. Chegando lá eu mal posso acreditar no que vejo, deitado confortavelmente na minha cama com a pernas cruzadas está o bad boy.
Continua...


Notas finais do capítulo

Sem spoiler hoje meninas não deu tempo de preparar, mas a imaginação de vocês se encarrega disso né. Kkkkk
E então os dois sozinhos no quarto dela. Hum...

No comments :

Post a Comment