CORAÇÃO INDOMÁVEL - CAPÍTULO 16

Meninas do meu coração.
Vamos tentar domar este coração indomável?
Capítulo quente lindonas. Eu não me considero boa nas cenas hots, eu gosto de ler escrever já outra historia kkkkk( momento tímida) então tive uma super ajuda para essa cena. Minha super amiga Sandra Cristina teve sua mão nesta cena. Obrigado amiga.
No final do capítulo as coisas ficam tristes.
Segunda tem mais um capítulo que é lindo e que terá as palavrinhas mágicas. I LOVE YOU.

Coração Indomável

Coração Indomável
Ju Beija Flor.

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência
Capítulo 16

Lingerie sexy? Ok.

Cabelo esvoaçante? Ok
Saltos agulha?Ok
Musica sensual? Ok
Maquiagem? Ok
Cara de safada? Ok
Nervosismo controlado? Não, não está ok.
Eu estava nervosa sim e muito afinal era a primeira vez que iria assumir o controle se era isso mesmo que se podia dizer.
Eu iria fazer tudo certo não iria? Tipo na iria pagar mico não né? O lingerie que eu estava usando me deixou gostosa, eu tinha certeza disso.
Era um conjunto de sutiã que deixava os peitos batendo continência e uma calcinha minúscula, tudo na cor azul claro. Minha cor preferida e pelo que pude perceber a de Edward também.
Meias 7/8 pretas com rendas nas coxas e sapato de salto altíssimo preto. É estava tudo em ordem eu só tinha que me acalmar se não esta coisa de ser a mulher fatal iria por água abaixo. Ouvi os passos na escada e meu coração saltou.
E se não fosse ele que entrasse? Mas outra pessoa? Iria ficar uma situação embaraçosa. Não tinha muito tempo pra pensar eu tinha que agir.
Coloquei-me sobre a cama numa pose que eu vi uma vez num filme e aguardei.
Edward entrou fechando a porta, ele ainda não tinha me visto. Ele estava indo para o banheiro quando parou. Ele sentiu meu olhar. Virou-se devagar e seus olhos quase saltaram do rosto. Isso meu deu certo prazer.
– Oi. – falei mordendo os lábios.
Ele não disse nada. Percebi seus olhos passeando pelo meu corpo.
– Tudo bem eu estar aqui na sua cama? – me fiz de inocente.
Ele pareceu voltar a si.
– Cla- claro. – engasgou.
Ora! Ora! Se o bad boy também não fica sem palavras.
– Por que não vem aqui. – convidei dando um olhar malicioso a ele.
Seu sorriso torto apareceu e ele lentamente veio.
Eu fiquei de joelhos na cama e quando ele chegou até mim, a minha frente, enlacei seu pescoço com meus braços e o beijei.
Ele retribuiu como eu esperava e já ansioso me apertava contra seu corpo. Eu não podia deixar meu desejo por ele me dominar como sempre acontecia senão minha brincadeira iria acabar antes do que eu imaginava.
Afastei-me dele e tirei suas mãos da minha bunda. Ele me olhou atravessado.
– Deita na cama Edward. – falei segura. Ele pareceu pensar, mas logo se deitou.
Fui para cima dele, meu corpo todo colado ao dele. Voltei a beijá-lo. Minha língua explorava toda sua boca, meus quadris roçando em seu membro duro, pulsante e aparentemente grande por cima da roupa. Seus gemidos estavam fracos e não me dei por satisfeita. Iria torturá-lo da mesma forma que ele faz comigo.
Desci beijos por seu pescoço, passei para o seu peito por cima da camiseta e fui descendo pelo seu abdômen. Edward gemeu frustrado por afastar nossos sexos. Peguei a barra da sua camiseta com a boca e fui levantando até seu peito olhando-o nos olhos. Meu olhar era selvagem, voraz e ele estava enlouquecido, o suor escorrendo pelo seu rosto, os olhos cerrados e seus lábios entre os dentes. Edward levantou seu tronco, livrando-se da camisa. Coloquei a mão em seu peito forçando-o a deitar-se de novo.

– Ainda não acabei. – dei um olhar mandão e ele gemeu.

Desci novamente e abri seu cinto com a boca, sempre olhando em seus olhos. Com ajuda da minha mão, abri sua calça e abaixei até os joelhos e Edward chutou-a em algum canto do quarto. Sai da cama e fiquei de pé a frente do seu corpo. A visão é perfeita, um paraíso na verdade.

Edward é todo proporcional. Meu olhar faminto subia lentamente começando por suas pernas musculosas e bem torneadas, seu quadril com aquelas entradinhas e revelando a potencia do seu pênis por baixo da boxer branca, lambi os lábios olhando seu abdômen cheio de gominhos, seu peitoral avantajado e forte que poderia servir de travesseiro para minha cabeça, seus braços fortes, ele era lindo. Todo na medida certa. Seu corpo estava todo molhado de suor e luxuria.
Peguei a barra da boxer com os dentes e fui libertando lentamente seu membro enorme, grosso, duro e pulsante. Edward levantou seu quadril me ajudando a tirar o empecilho inconveniente. Joguei a maldita em qualquer canto e antes que perdesse a coragem e cai de boca. Ao senti-lo em minha boca toda covardia foi embora. Era isso que eu mais queria.

Lambi toda sua extensão. Rodeei minha língua na ponta do seu pênis e passei-a na linha sensível que ficava na cabeça. Abocanhei e comecei a chupar com vontade, engolindo-o até as paredes de minha garganta, com uma mão massageei sua extensão que não cabia em minha boca e com a outra massageei suas bolas. Edward investia o quadril em minha boca e segurava meus cabelos. Seus movimentos de vai e vem eram firmes e fortes enlouquecendo-me. Seus gemidos ecoavam pelo quarto, seu membro pulsava em minha boca. O gosto do seu pré-gozo era diferente, mas não ruim e fiquei ansiosa pelo seu gozo que deveria ser ainda melhor.

– Isso... boneca... continua... Ahhh

Senti seu corpo começar a estremecer em minhas mãos e intensifiquei as minhas chupadas e mordidas.
– Ahh... eu vou... – e não conseguiu terminar sua frase. Seu líquido escorreu por minha garganta. Sem deixar escapar uma gota engoli tudo. Não era gosto de sorvete, mas era o gosto dele então para mim era até melhor do que eu esperava.

Continuei massageando seu membro e subi com minha língua pelo abdômen e quando cheguei ao peito, rodeei seu mamilo e chupei. Dei o mesmo tratamento ao outro peito. Subi pelo seu pescoço até encontrar a boca e beijá-lo fazendo-o sentir seu próprio gosto. Um ato sexy e selvagem.

– Assim você me mata linda. – disse entre beijos

– Você é indestrutível.

– Achava a mesma coisa antes de conhecê-la. Agora, chega de conversa. Estou louco para estar dentro de você. – ele sussurrou a ultima parte. Nem preciso dizer que delirei.

***

Eu estava em um churrasco. Era um domingo na casa dos Cullen. Esme havia nos convidado para um churrasco. Era comemoração pela recuperação de urubu e pela promoção de Esme. Além de Rose que era a namorada do filho dela, eu e Alice fomos também convidadas.

Edward também estava. Eu tentava disfarçar, mas meus olhos sempre iam a sua direção. Quase todos naquela casa sabiam do nosso envolvimento a não ser a mãe dele. No entanto não agíamos como um casal. Eu nunca sabia como me portar perto dele numa situação dessas.
– A carne está muito boa Emmett. – urubu falou de boca cheia.
Emmett sorriu próximo da churrasqueira. Ele era o responsável pela carne. Edward o ajudava também.
Eu estava mais uma vez perdida em pensamentos olhando apaixonada para Edward quando me peguei sendo observada por Esme. Sorri sem graça e desviei meus olhos.
– Eu tenho que arrumar um namorado. Está todo mundo de casal aqui menos eu. O Emmett e a Rose. O Frank e a Elisa. A Bella e o Edw... Ai! – dei um chute na canela dela.
– Não fala besteira Alice. – falei olhando para ela, para ver se ela entendia.
Por sorte quase ninguém percebeu a não ser Esme que novamente me olhou e sorriu.
O almoço estava ótimo. Estávamos nos divertindo com urubu se fazendo de coitadinho para ganhar atenção de Elisa e os mimos de Esme. Edward sentou-se a meu lado e sua mão, por baixo da mesa, pegava a minha ou alisava minha coxa. Meus lábios se curvavam em um sorriso sempre que isso acontecia.
– Tia Esme tem mais daquele bolo?- urubu perguntou.
– Ainda cabe alguma coisa ai? – Seth perguntou.
– Eu estou me recuperando, moleque. – urubu explicou. - Preciso me manter forte.
– Você vai ficar com a barriga assim ó. – Thomas colocou os braços pra frente formando uma imensa barriga.
Nós rimos da cara do Frank.
– Ah agora vai dar um de bebezinho. – Edward disse brincando.
– Eu vou buscar querido. – Esme disse.
– Pode deixar que eu pego Esme. – falei. – Quero pegar um pouco de água.
Levantei-me e fui para a cozinha. Eu já ia pegar o bolo quando meu celular tocou.
Era minha mãe.
– Oi mãe. – falei.
– Oi querida. Filha? Por acaso você sabe onde sua irmã está?- perguntou calma, mas eu sabia pela sua voz que não era nada disso.
Kate voltara para casa e ao que parece caíra nas garras de Josh novamente.
– Não mãe. Eu não sei onde ela está. Eu sinto muito. – falei
Pude ouvir seu suspiro.
– Será que vai começar tudo de novo Bella? – perguntou-me. – Seu pai está tão chateado com isso.
Nessas horas eu ficava com tanta raiva da Kate.
– Me desculpe filha por eu ligar e atrapalhar sua festa aí. - ela disse.
– Que isso mãe. Eu não vou demorar logo vou pra casa. Beijos. Fica bem.
Desliguei e fiquei olhando para o aparelho. Até que senti dois braços fortes me abraçando por trás. Sorri ao sentir seu cheiro. Ele beijou meu pescoço.
– O que foi? – perguntou.
– Nada. Coisas de família. – desconversei.
Depois da patada que levei dele quando mencionei os problemas da minha família eu não tinha mais coragem de falar com ele sobre isso.
– Ouvi você dizendo que vai pra casa logo. Não vai poder ficar comigo hoje? – perguntou.
Vir-me-ei de frente para ele abraçando seu pescoço com meus braços.
– Não vou poder ficar. – falei. – Meus pais precisam de mim.
Ele assentiu.
Percebi que alguém chegou à cozinha e vi que era Esme. Automaticamente me afastei de Edward.
– Filho... é... estão pedindo mais cerveja lá na mesa. – Esme disse visivelmente constrangida.
Edward pareceu não se abalar e foi até o freezer pegando cerveja e saindo da cozinha.
– Já vou levar o bolo do Frank, ele deve estar impaciente. – tentei brincar.
– Sim aquele menino sempre foi assim, come por dois.
Ela riu.
– Bella... Edward me contou que foi você que pediu a seu pai que me promovesse no emprego. – ela disse.
– Não Esme não foi bem assim.
– Querida Edward me falou tudo. Eu sei como foi e só queria agradecer você. Obrigada querida. Não sabe o que isso fez com minha autoestima.
– Você merece Esme. Nada mais justo. – falei.
– E... Bella... eu já percebi... você e meu filho.- ela parou o que ia dizer.
– Não é nada... – falei sem jeito.
– Querida não vou recriminar... na verdade acho que você faz bem a ele, mas eu conheço o filho que tenho e ele é complicado.- ela respirou fundo- Bella eu só quero te dizer que não desista dele. Edward não mostra muito como ele é na verdade, mas é um menino de ouro que está perdido ainda nas situações que a vida lhe apresentou.
Depois disso não dissemos mais nada e voltamos para onde os outros se encontravam.

***

Aquela semana eu tive varias provas, mas mesmo assim consegui encontrar Edward muitas vezes. Cada vez mais eu sentia que algo forte acontecia entre a gente. Eu tinha medo de apenas estar vendo aquilo que meu coração apaixonado queria ver, mas no fundo eu tinha a sensação de que Edward sentia algo por mim.

Na minha casa, Kate voltou a namorar com Josh contra a vontade nos meus pais. Papai teve uma seria briga com ela. Eles discutiram feio e disseram coisas duras um ao outro. Eu não sabia o que fazer para ajudar minha irmã. Como eu poderia se também eu não consegui me afastar de Edward? Que por mais que eu não quisesse era um bad boy. Eu não podia julgá-la.
A aula de direito penal se arrastava a professora explicava leis complicadas quando a orientadora pediu licença a professora. Ela falou algo com ela e se eu não estava enganada elas olharam para mim.
– Srta. Swan poderia acompanhar a Sra. Myttes. - a professora falou.
Todos olharam para mim. Olhei Emmett a meu lado tão sem entender quanto eu. Eu me levantei pegando meus materiais. Ao sairmos da sala vi Alice parada próximo a porta com o olhar assustado.
– Sra. Myttes o que aconteceu? Alice? Por que está aqui? – perguntei sem entender.
– Srta. Swan vamos até a minha sala. – ela disse me fazendo caminhar a acompanhando.
– Não. Eu sei que tem algo errado. Eu quero saber o que é? – exigi. – Alice?
Quando a olhei ela já derramava lágrimas. Meu coração começou a doer sem nem mesmo saber sobre o que era.
– Srta. Swan eu lamento dizer que seu pai sofreu um ataque cardíaco e não resistiu. – a Sra. Myttes disse.
Mas eu já não mais escutava nada.

Continua...


Notas finais do capítulo

QUEM AINDA NÃO SABE no meu grupo do face tem links de musicas spoiler quase todos os dias quem quiser conhecer será bem vinda.
https://www.facebook.com/groups/243228572470396/
------------------------
Link da musica se alguém quiser entra no clima.
http://www.youtube.com/watch?v=A8NSYHGYYv8
SURTEM COM O SPOILER

Todos já haviam saído do cemitério, e eu ainda continuei lá. Eu queria ficar ali um pouco e me despedir. Já não havia mais lágrimas para chorar. Sentia-me vazia.
Senti alguém próximo a mim e quando olhei vi Edward. Ele estava mais afastado de mim. As lágrimas, que julguei terem acabado, voltaram quando o vi. Fui até ele e sem cerimônias o abracei. Ele me abraçou também com força.
- Sinto muito boneca. falou.
Eu chorei e ele me deixou chorar por bastante tempo.
Depois que me senti melhor olhei para ele.
- Me tira daqui. pedi.
- É claro. Vamos. ele abraçou meus ombros e seguimos para seu carro.
Depois que entramos, ele me olhou.
- Pra onde? perguntou.
- Só dirige. falei com o rosto descansando contra o vidro da janela do carro.
Ele assentiu e colocou o carro em movimento.
Andamos por algumas ruas. Eu olhava sem nada ver. Ate que vi um pub e nem sei por que eu queria entrar lá.
- Pare o carro Edward. falei.
Ele encostou. Olhando-me meio de lado.
- Aqui? perguntou.
Eu balancei a cabeça. Desci e ele me alcançou antes que eu entrasse no bar.
- Não acho uma boa você beber boneca. disse.
- Não vou beber. falei e entrei.
O lugar era um típico bar de classe media. Não era de mal gosto e uma musica suave embalava quem ali estava.
Eu e Edward ficamos parados até que certa musica começou a tocar. Virei-me para Edward olhando em seus olhos.
- Dança comigo? perguntei.
Ele pareceu surpreso, não esperava por isso.
- Eu sei que é meio estranho... tentei me justificar.
- Tudo por você hoje boneca. ele disse pegando minha mão.
Encostamos nossos corpos um ao outro. Eu coloquei meu rosto em seu peito, fechei os olhos e me deixei levar pela musica enquanto nos movíamos lentamente. Mais lágrimas corriam por meu rosto.

Mais Do Que Palavras
Dizer "eu te amo"
Não são as palavras que quero ouvir de você
Não é que eu não queira que você diga
Mas se você apenas soubesse
Como seria fácil mostrar-me como você se sente

Mais do que palavras
É tudo o que você tem que fazer para tornar isso real
Então você não precisaria dizer
Que você me ama porque eu já saberia

O que você faria se meu coração se partisse em dois?

Mais do que palavras para mostrar que você sente
Que o seu amor por mim é real

O que você diria se eu jogasse aquelas palavras fora?

Então você não poderia renovar as coisas
Apenas dizendo "eu te amo"

Mais do que palavras

Agora que tentei
Falar com você e fazer você entender
Tudo o que você tem que fazer é
Fechar seus olhos e só estender suas mãos
E me tocar, me abraçar apertado
Não me deixa nunca ir embora

Mais que palavras
É tudo o que eu sempre precisei que você mostrasse
Então você não precisaria dizer
Que me ama porque eu já saberia

O que você faria se meu coração se partisse em dois?

Mais do que palavras para mostrar o que você sente
Que o seu amor por mim é real

O que você diria se eu jogasse aquelas palavras fora?

Então você não poderia renovar as coisas
Apenas dizendo "eu te amo"

No comments :

Post a Comment