CORAÇÃO INDOMÁVEL - CAPITULO 32


Coração Indomável

Coração Indomável
Ju Beija Flor.

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência
Capítulo 32
Quando vi Alice sorridente vindo em minha direção não me contive e corri em sua direção.

Ela me recebeu de braços abertos com um enorme sorriso.
– Não acredito que esteja aqui. – falei.
– Bom... agradeça a generosidade do Edward, que mandou um jato nos buscar. – ela falou sorrindo dando uma piscadinha.
Então vi Jasper . Fui até ele o abraçando.
– Oi Jazz. – falei enquanto recebia seu abraço.
– Bella... não mudou quase nada... continua linda. – corei.
Ao contrario de Alice que eu havia visto no ano anterior, Jasper eu não havia visto desde a faculdade.
– E vocês? Se resolveram? – perguntei rindo.
Alice sorriu afetada.
– Sim. – Jasper disse – Ela finalmente aceitou meu pedido de casamento. – disse eufórico.
Sorri feliz pela felicidade estampada no rosto deles.
Rose me puxou ao encontro dela e de Alice e como antigamente, demos um abraço juntas.
– Nem acredito... – ela disse – Nós três juntas de novo.
– Como nos velhos tempos. – falei.
– Nós três e um bônus... - Alice disse passando a mão na barriga de Rose.
Rimos.
– E graças ao seu bad boy Bella. – Alice completou.
No alto da varanda o vi. Ele estava com Alex nos braços e sorria para mim. Olhei para ele com um misto de agradecimento e paixão. As palavras de Rose me tirou do olhar penetrante de Edward.
– Vamos... temos que acomodar vocês e depois vamos ver vestidos pra festa de hoje. – Rose disse animada.
Gemi.
– Tem coisas que não muda não é? – Alice disse rindo.
Elas sabiam que eu não curtia compras. Só quando era estritamente necessário, porém era o caso hoje. Eu não tinha algo próprio para usar para o casamento de Esme a noite.
Quando entravamos, parei ao lado de Edward e lhe sorri.
– Obrigado pela surpresa. – agradeci.
Ele deu aquele sorriso sedutor.
– Não há de que boneca. – sussurrou.
– Vamos Bella. Temos que correr para as melhores lojas... – Rose disse me puxando.
– Divirta-se. – Edward disse rindo.
O motorista da família Cullen deixou Esme para o dia de noiva em uma clinica estética luxuosa enquanto eu, Alice e Rose fomos levadas as melhores lojas da Filadélfia.

No caminho pude ver os pontos turísticos históricos que tanto li nos livros de historia, e a estátua do Silvéster Stallone do filme Roque.
Ficamos envolvidas com os vestidos até quase o final da manhã, no fim eu optei por um modelo clássico em verde com um decote profundo nas costas, e Alice por um berrante vermelho. Rose e Elisa eram as damas de honra de Esme, e usariam um modelo na cor nude.
– Então? O que está acontecendo entre você e o Edward? – Alice como sempre direta, na veia.
Disfarcei olhando os sapatos que estavam expostos.
– Hum... nada. A não ser que sou advogada dele. – falei, mas é claro que ela não engoliu.
Rose permaneceu quieta.
–Bella...
Suspirei.
– Não sei Alice. Não sei o que está acontecendo. Estou... deixando rolar.- falei a verdade.
Ela me olhou com cara de preocupada. Mas não disse nada.
– Saiba que eu estarei aqui pra você. Sempre.
Sorri agradecida. Quando olhei pra Rose ela parecia tensa. Como se quisesse me dizer algo.
– Rose...
– Eu não posso dizer muita coisa Bella. Quem pode, e deve te falar é o próprio Edward. Mas convivendo com ele... agora eu começo a entende-lo. Ele é uma pessoa especial, e... acho que gosta de verdade de você.
Meu coração dá um salto. Rose sempre tão cética dizendo isso faz com que eu sinta algo que não me permiti até agora. Ter esperança de que eu e Edward podemos ter algo mais do que apenas um caso.
Não digo nada. Não sei o que dizer.
Voltamos a mansão próximo ao horário do almoço e agora vejo os jardim divinos. Há uma serie de pessoas organizando mesas e decoração para a cerimônia.
– Será uma grande festa? – pergunto a Rose.
– Não... nem Esme ou Carlisle queriam uma grande festa. São 100 pessoas. A maioria familiares e funcionários antigos da empresa.

Desde que cheguei não vi Edward. Saio do quarto que estou hospedada e penso em bater no quarto em que Edward está, porém ouço a voz dele, a alguns metros.



Curiosa, sigo na direção do som. Há duas portas do quarto em que eu estava, está ele. A porta entreaberta me dá a visão que faz meu coração se contorcer. Edward está deitado no chão com Alex sentando sobre seu estômago. O menino brinca com um carrinho sobre o corpo do homem mais lindo que já vi.

A cena é enternecedora. Ali Edward não é o bad boy, não é o empresário. É apenas um homem com um imenso coração, que tomou para si a missão de amar e criar o filho de seu amigo como se fosse seu próprio filho.
Edward vira o rosto e me vê. Dou um sorriso tímido. Não sei se sou bem vinda neste momento entre pai e filho. Não há duvidas que Edward seja isso. O pai daquele menino. Edward faz sinal para que eu me aproxime.
– E ai como foi as compras? – pergunta.
Sento-me ao seu lado no chão.
– Normal... compras são sempre compras.
Alex me olha um pouco tímido.
– Olá... Oi Alex. – falo com ele. Nunca fui muito de crianças, talvez não leve jeito.
– Diga oi Alex. - Edward diz e o menino sorri pra mim me estendendo seu brinquedo.
Sorrio pra ele.
– Quer brincar comigo? – pergunto sorrindo.
– Bum... bum... – Alex brinca com seu carinho.
Eu e Edward estamos hipnotizados olhando para ele. O menino começa a andar pelo quarto procurando vários brinquedos e os trazendo para mim.
– Acho que ele gostou de você. – Edward diz sorrindo.
– Ele é lindo e tão quietinho. - concluo.
– É. Ele um menino mais calado. – Edward diz parecendo preocupado.
– O que foi? – pergunto desviando os olhos de Alex para Edward.
– Urubu não me pediu para que eu cuidasse dele, mas sinto que é isso que ele iria querer. Que eu o amasse como se fosse meu filho... e é o que estou fazendo...
Nossa! Ele está se abrindo comigo. Fico em silencio esperando suas palavras.
– Eu não sabia que podia ir preso quando assumi esta responsabilidade. Ele já não tem o pai verdadeiro e agora... se eu for condenado... como ele vai ficar?
Entregue a gangue! É o que vem a minha mente.
– Deixe-me ajuda-lo para que isso não aconteça Edward. Vamos...
Mas não chego a terminar o que ia dizer, pois Elisa chega ao quarto avisando sobre o almoço estar servido.
Ela fica com Alex enquanto eu e Edward descemos para acompanharmos a família na refeição.
Como antes, a refeição na família Cullen é um evento agradabilíssimo. Todos estão de bom humor e animados por conta do casamento. A única pessoa ausente é justamente a noiva que ainda não chegou do seu dia de noiva.
O restante da tarde é uma loucura. Varias pessoas pela casa, todas envolvidas com o casamento. Cabeleireiros e maquiadores estão em um grande quarto cuidando de mim, Alice, Rose e Elisa e a noiva.

– Estou tão nervosa. – Esme diz.
– Você esta linda Esme. – Alice diz.
E está mesmo. Ela usa um vestido na altura dos joelhos na cor pêssego que realça sua beleza.
Nós todas já estamos prontas, e ficamos com ela para dar apoio.
A hora da cerimônia chega, e eu e Alice, nos retiramos deixando a noiva com as damas Elisa e Rose.
Antes de chegar ao meu destino, os jardins da casa, encontro Edward parado na sala a espera da mãe. Como filho mais velho será ele a leva-la até o altar.
Paro para buscar ar quando o vejo num smoking. Ele está simplesmente divino. Como se já não fosse sempre.
Olhamo-nos por um bom tempo até ele chegar bem próximo a mim.
– Está linda boneca. Verde realmente combina com você. – diz.
– Você também está muito bem Sr. Cullen. – digo sorrindo.
– Agradeço o elogio doutora Swan.
Sem que eu espere ele enlaça minha cintura me trazendo junto de seu corpo. Senti falta disso.
– Após a cerimônia... toda esta festa... quero você no meu quarto boneca. Quero retirar lentamente este seu vestido. - sussurra em meu ouvido.
Fecho os olhos. Um calor líquido passando por meu corpo me fazendo estremecer. Ele me afasta sorrindo de lado.
Safado. Sabe o que faz comigo.
A cerimônia é linda. Simples e bonita. Não consigo tirar da cabeça a emoção que vi nos olhos de Edward ao entrar com Esme pelo pequeno corredor e entregá-la a Carlisle.

Não ficamos próximos, afinal eu era uma convidada comum, e ele fazia parte da família. No entanto ficamos quase frente a frente, e ele olhava para mim quase o tempo todo.
Após as juras de amor entre Carlisle e Esme todos se dirigiram para as mesas localizadas no jardim. Era hora do crepúsculo e uma banda numa concha acústica executava um jazz delicioso, embalando os poucos convidados.
Edward sentou ao meu lado na grande mesa onde a maior parte de sua família estava agrupada.
Eu estava tendo um ótimo tempo com eles. Sentia-me quase da família, e isso às vezes me confundia. Por que na verdade eu queria fazer parte desta família.
Fui ao toalete e quando retornava para a mesa encontrei o Sr. Jhonas Cullen em meu caminho. Ele me sorriu e me ofereceu o braço.
– Me permita acompanhar-lhe bela dama até sua mesa? – disse galante.
Eu ri. Ele era sedutor. Imagino-o mais jovem.
– É claro cavalheiro. – sorrio.
De braços dados e paços lentos vamos andando.
– Então minha querida? Tem se divertido? – perguntou simpático.
– Sim Sr. Cullen... – ele me olha atravessado – Jhonas... tem sido tudo muito agradável e ver Esme assim tão feliz... é ótimo.
Ele balança a cabeça positivamente.
– Achei que meu filho Carlisle nunca encontraria o amor. – revelou – Demorou um pouco, mas acho que valeu a pena. Esme é uma mulher maravilhosa.
Eu apenas escutei.
– A vida é tão incrível não é? Em pensar que foi através de Antony que hoje Carlisle encontrou a mulher de sua vida.
Íamos nos aproximando da mesa, em que eu estava, e vimos Edward recebendo um afago de sua mãe.
– Esse menino é especial. – disse se referindo ao neto – Ele não gosta muito que eu diga isso, mas é muito parecido com o pai dele.
Olhei para ele espantada. Pelo que percebi, Edward realmente não gostava do pai e se parecer com ele não devia ser sua intenção.
– Edward puxou a segurança e personalidade forte de Antony. Mesmo quando se sente perdido não demonstra. Também puxou a teimosia do pai, pois quando coloca algo na mente não há nada que o faça mudar de ideia e isso pode ser bom..., mas muitas vezes ruim. – ele parou a poucos metros de chegarmos à mesa e me olhou. – Ele não tem graças ao bom Deus a arrogância do pai, que o fez deixar sua família... a mim e ao irmão e não dar valor a esposa e aos filhos que tinha. Edward dá um valor enorme a quem ama. Cuidou da família da melhor forma que pode...
– Eu sei... ele é um homem que preza sua família. – falei.
– Sim... é um homem apaixonado... pela família... pela mulher que ama. – disse me olhando fixamente. Baixei os olhos desconcertada. Ele queria dizer... queria dizer o que eu estava pensando que ele queria dizer? Que Edward me amava? Me coração quase não suportava as próprias batidas.
– Muitas vezes um homem apaixonado mete os pés pelas mãos... nisso ele se parece comigo...- disse dando uma risada – Eu fui muito ignorante em relação ao amor... minha doce Anne... avó de Edward. Eu não disse muitas vezes com todas as letras o quanto a amava, não o suficiente e então ela se foi. – ele parecia nostálgico - Ela era tudo que eu sempre quis em minha vida. O meu grande amor. Nunca houve outra após ela... – deu um sorriso sedutor – Posso ser este velho malandro, mas nunca mais consegui tocar outra mulher... isso é algo do sangue Cullen. Após quase 50 anos da morte de Anne não passa um dia que eu não pense nela. - disse emocionado.
– É lindo este tipo de amor senhor Jhonas. Ele não existe atualmente. – respondi.
– É melhor abrir melhor seus olhos minha jovem. – disse.
Ainda confusa com a conversa do avô de Edward chegamos até a mesa em que eu estava.
– Não deixe ele tentar seduzi-la Bella. – Emmett disse sorrindo.
Edward me olhou com um olhar observador.
– Na verdade era eu quem o estava tentando seduzir Emmett. – brinquei e todos riram.
– Eu disse a ela que sou homem de uma mulher só. – Sr. Jhonas entrou na brincadeira. Beijou minha mão, e eu me sentei ao lado de Edward.
– Então? Meu avô não a constrangeu muito? – perguntou.
Seu halito fazendo cócegas em meu pescoço.
– Não... ele é um homem admirável. – respondi.
Edward buscou minha por baixo da mesa. Senti novamente meu coração se encher de esperança. Esperança esta que eu não sabia no que poderia me levar.
Essa viagem estava me dando muito no que pensar. Todos me trataram muito bem, e não mencionavam minha situação de noiva, e de estar aqui com Edward.
Ao mesmo tempo todos estavam me dando sinais de que Edward sentia algo forte por mim, o que eu começava a acreditar. Eu não queria me iludir novamente como no passado. Mas as ações dele me confundiam. Ele mostrava que me queria, mas ao mesmo tempo não me dava à segurança que eu precisava. Se ele me desse esta segurança e me pedisse eu esperaria por ele pra sempre. Essa revelação em meu interior me faz arfar.
Edward me olhou.
– Algum problema? – perguntou. Aquele lindos olhos verdes me enfeitiçando.
Sim, só de que o amo tanto, e não me importaria em esperar 20 anos por você caso fosse condenado, se você demonstrasse que é isso o que quer. Não é algo que eu pudesse confessar ainda.
Tomei um gole de champanhe.
– Não... está tudo bem.
Minha atenção foi desviada por Rose.
– Ah olha só que chegou Elisa. - Rose disse maliciosa.
Elisa pareceu um pimentão.
– Para Rose!
Um homem loiro se aproximou da mesa e veio cumprimentar todos na mesa.
– Oi Edward. Não tive a oportunidade de cumprimenta-lo. – disse o jovem rapaz.
Ele era bem bonito. Edward se levantou o cumprimentando.
– Como vai Derek? Esta é Isabela Swan. – Edward me apresentou a ele. – Derek é o secretario particular do meu avô, há alguns anos.
– Olá senhorita. – me cumprimentou sorridente.
Percebi então, que enquanto ele conversava com Edward ele e Elisa trocavam olhares. Quando ele saiu Rose não foi nada discreta.
– Uau! Que olhar hein Elisa! – disse.
Elisa se levantou parecendo brava.
– Para com isso Rose! Vou ver o Alex. – saiu pisando duro.
– Droga! Eu não queria aborrecê-la. – Rose disse.
– Eu vou falar com ela. – Alice disse saindo da mesa.
– O que é que está acontecendo?- Edward perguntou.
Olhei pra ele.
– Serio que não percebeu? Elisa e o Derek... - falei sugestiva.
Ele arregalou os olhos e depois fechou a cara. O que? Ele estava com ciúmes dela?
– Com ciúmes Edward? – não resisti e perguntei.
– Não Bella... só preocupado. Vou ter que alertar Derek. Elisa é minha responsabilidade agora. Não quero que ele brinque com ela. Ela é como irmã pra mim.
Relaxei.
– Elisa não aceita que possa estar interessada no Derek. Acha que deve respeito à memória do urubu. – Rose disse.
– Isso é besteira ela tem que viver a vida dela. – Emmett disse.
Olhei para Edward.
– Mas esse Derek? Ele não é um bom homem? – perguntei.
– É sim. Ele é filho da governanta e do motorista da família. Meu avô decidiu ajuda-lo pagando seus estudos. Acho que ele o considera como um neto já que não sabia de nossa existência até bem pouco tempo. – explicou – Mas mesmo ele sendo um bom rapaz eu quero dar um alerta a ele.
– Sempre super protetor Senhor Cullen. – comentei.
– Faço meu melhor doutora Swan. – disse sedutor. – Sempre protejo aqueles a quem amo.
Então aquela musica começou a tocar. Senti meu ar faltar.
Bruno Mars

When I was your man
A mesma cama, mas parece
Um pouco maior agora
Nossa música no rádio
Mas não soa da mesma forma
Quando nossos amigos falam sobre você
Tudo que isso faz é me deixar pra baixo
Porque meu coração se quebra um pouco
Quando ouço seu nome
Tudo isso soa como (oooooh)
Mmm muito jovem, muito burro para perceber

– Não vamos deixar que esta música fique entre nós. Vamos dançar boneca. - ele se levantou e pegou minha mão.



Dirigimo-nos para a pista. Minha mão na dele. Ao chegarmos na pista sua mão foi para minha cintura que estava nua por conta do decote do vestido. Tremi pelo seu toque.

Colamos nossos corpos e nos movemos ao som desta musica tão especial.
Meu orgulho, meu ego, minhas necessidades e meus jeitos egoístas
Porque uma mulher forte e boa como você sair da minha vida
Agora nunca, nunca conseguirei limpar toda a bagunça que fiz
Ooh e isso me assombra toda vez que fecho meus olhos
Tudo isso soa como (oooooh)
Mmm muito jovem, muito burro para perceber

– Por que me trouxe aqui Edward? – ele me olhou surpreso – Com a sua família... no casamento da sua mãe... buscar Alice... o que está querendo provar?



Ele desvia o olhar e quando novamente me olha, seu olhar é intenso.

– Eu queria te mostrar que no passado... quando nos envolvemos... quando eu disse que era somente sexo... que não era... nunca foi... – disse me olhando atentamente.
Com certeza meu coração já não batia mais.
– Queria provar a você que é especial Bella. Eu... fui um idiota por deixar você pensar que era qualquer uma. Você não é, e nunca será. Eu só... queria que você soubesse disso. – terminou me deixando sem palavras.
Eu o olhava e meus olhos denunciavam que eu iria chorar.
– Por favor, não chore. – ele disse colocando suas mãos em meu rosto.
Pisquei para evitar as lágrimas.
– Edward eu não sei o que pensar... o que estamos fazendo?
– Dançando? – disse tentando fazer graça. – Desculpe... estamos aproveitando um tempo juntos. Vivendo ou revivendo o passado da forma que deveria ter sido. – ele respirou fundo. – Tudo o que eu fiz, um dia você irá entender Bella.
Eu estava tão cansada não queria mais falar. Coloquei minha cabeça em seu peito e me deixei levar por seus braços e pela canção.
Que eu deveria ter te comprado flores

E segurado sua mão
Deveria ter dado a você todas as minhas horas
Quando tive a chance
Te levar a todas as festas
Porque tudo que você queria fazer era dançar

Continua...


Hum... e ai gostaram?SpoilerTodos se despediam do casal, então percebi Emmett mais afastado. Era a oportunidade que eu queria. Fui até ele.Ele sorriu quando me aproximei.- Preciso falar com você? Num lugar reservado. falei a ele.Emmett entendeu minha seriedade.- Certo. Por aqui. Fomos para a mansão, e entramos num grande escritório com uma biblioteca de babar.- Você o que?! Emmett quase gritou. Não pode estar falando serio Bella.- Sim. Estou sim. Preciso fazer algo pra ajudá-lo Emmett, e só isso que irá fazer com que eu consiga sua absolvição. Você é advogado. Sabe disso.- Enlouqueceu? Ir atrás da gangue?- disse abismado.Antes que eu pudesse responder a Emmett vi Edward parado a porta do escritório. Ele estava lívido, e eu diria furioso.- Saia Emmett. disse apenas.

No comments :

Post a Comment