CASTELO DE AREIA - CAPITULO 08 - ULTIMO CAPITULO DA PRIMEIRA FASE.

Castelo De Areia

CASTELO DE AREIA 
JU BAUER (JU BEIJA FLOR)

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo



Primeira fase
Último capítulo
Inevitável
Os meses foram passando. Isabella estava com quatro meses de gestação. Sua felicidade por seu bebê era visível. Jacob também estava contente por ser pai, mas não somente por isso. Agora Isabella seria somente dele. Edward já não representava nenhuma ameaça. Jacob percebera o interesse do irmão em sua namorada e saber que ela o escolhera o deixava extremamente feliz. Saber que possuía algo que Edward queria o fazia exultar. Podia não ter o amor do pai como Edward tinha, no entanto tinha algo que Edward não poderia ter. Pensar nisso sempre trazia um sorriso ao rosto do jovem.
O casamento de Jacob e Isabella aconteceu na mansão Masen em Seattle, foi uma grande festa que contou com a presença de diversas pessoas. Isabella não queria algo grandioso, mas Antony Masen não admitia que seu filho não se casasse com toda a pompa que um Masen merecia. Bella queria somente os amigos e família, mas fora voto vencido. Sua tia Carmem compareceu e estava êxtase pela sobrinha se unir ao filho de Antony Masen. Uma ausência fora sentida. Edward. Ele não compareceu ao casamento. Isabella não quis pensar muito no por que ele não fora. Ele ligara para ela a parabenizando pelo casamento e se desculpou dizendo que não poderia ir, pois tinha uma viagem inadiável à Inglaterra.
Não houve lua de mel, já que estavam ocupados com os estudos. Ela e Jacob continuariam morando no apartamento pelo menos até se formarem. Lá continuaram morando também Emmett e Rosálie, e Edward.
Bella e Edward não conversavam muito. Ele era atencioso perguntando sempre como estava o bebê, trocavam algumas palavras e era só.
No coração de Bella estavam as incertezas do que poderia ter acontecido se ela não tivesse engravidado. A incerteza se o que ele sentia por ela era aquilo que disse. Ou se ele apenas não havia confundido tudo já que ela era uma espécie de fruto proibido para ele. Mas o que adiantava pensar nisso. Agora era tarde. Era uma mulher casada e que logo seria mãe. Sobre isto não havia duvidas, estava radiante.
No coração de Edward o que ele sentia por Bella era muito claro. Ele era apaixonado por ela, mas o destino não quis que eles ficassem juntos. E ela também não deu uma oportunidade a ele. Teria que esquecê-la. E iria esquecê-la. Agora ela era oficialmente sua cunhada. Esposa de seu irmão. E ele teria um sobrinho ou sobrinha que ele amaria. Edward amava crianças. Ele também havia decidido voltar para a Inglaterra o quanto antes, mas não podia sair assim no meio dos estudos, então teria que esperar mais uns meses. Um tormento para ele era ver seu irmão e a mulher que... E Bella juntos. Mas ele era forte. Ele suportaria isso. Para conseguir aguentar isto começara a namorar sua colega de classe, July. Ela era um encanto de pessoa. Mas não era ela.
Mais meses foram passando e o final do ano letivo se encerrava. Isabella estava grávida de oito meses de sua princesinha. Grace fora o nome escolhido por ela. Como não haviam tido lua de mel e logo ela iria dar a luz, Bella e Jacob decidiram viajar antes do bebê nascer. Jacob queria ir para um lugar mais próximo, mas Bella queria conhecer as praias paradisíacas do Haiti, ficariam pouco tempo e ela assegurava o marido que estava bem. Com o consentimento do seu médico Isabella e Jacob partiram para o país desconhecido aos dois.
Passaram dois dias maravilhosos pelas praias e paisagens naturais do país. Bella estava maravilhada com tudo. Era um lugar calmo e isso fazia bem ao espírito. Só que no terceiro dia de viagem Isabella começara a sentir se cansada. Seus pés incharam muito. E ela resolveu a passar o dia, que estava lindo, no hotel. Jacob estava a seu lado e a olhava um pouco preocupado. Ligara para o médico e recebeu as instruções de que se ela não melhorasse com a medicação que ele passara, ela devia ir para um hospital imediatamente.
No outro dia Isabella acordara Jacob no inicio da manhã desesperada. Sua princesinha quase não se mexia mais em seu ventre. Bella continuava da mesma forma. Jacob não hesitara e a levara para o hospital e ali na instituição de saúde se culpara por estar naquele país. O hospital era de muito precária condição.
Quase não tinha equipamentos. Muitas pessoas e poucos médicos. Tomado pelo desespero Jacob ligara para o pai. Ele disponibilizara seu avião particular que levaria o médico de Bella ao país.
Bella não estava bem o médico do hospital dissera, e com alivio Jacob viu o Dr. Alec Mattew chegar ao hospital. Logo ele estava a par do estado de Bella e tomava todas às providencias para a cesariana de emergência.
Jacob escutava o que o médico lhe dissera e logo ele ligava para seu pai.
– Como ela está? – Antony perguntara não escondendo a preocupação.
– Nada bem pai. A coisa não é simples.
– Alec já chegou aí?
– Diga a ele pra não poupar esforço. Quero Isabella e minha neta bem.
– Pai... Há um problema, mas acredito que possa ser resolvido e vou precisar de sua ajuda para isso.
Jacob explicou a Antony tudo nos mínimos detalhes e o magnata sentiu orgulho pela primeira vez de seu filho bastardo.
– Muito bom Jacob. Isso mostra que você está disposto a tudo por sua família. Não esperava menos de um Masen de verdade.
Jacob até ficaria feliz com o elogio do pai se não estivesse tão preocupado com Bella.
– Pai... Não vou sair daqui sem minha esposa e minha filha bem. O Dr. Alec vai chamar uma equipe médica e um avião UTI. Vamos transferir Bella pros EUA imediatamente, mas há risco.
– Diga a Alec não poupar esforços e nem dinheiro. Ele será muito bem recompensado se tudo der certo. E por aqui pode deixar que tudo sairá como combinamos.
– Certo pai. Tenho que desligar.
*********
Edward escutava Rosálie chorando ao telefone e se apavorava ainda mais com a noticia que ela estava prestes a dar.
– O que houve Rose?
Perguntou angustiado.
– É... é a Bella, Edward.
Sentiu um baque forte em seu coração. Não. Não por favor, não.
– O- o que aconteceu? Eles não estavam viajando.
– Sim. – Rose disse chorosa- Eles estão no Haiti... só que Bella teve que dar a luz as pressas. Ela teve aquela complicação de grávidas... quando sobe a pressão.
– Pré-eclâmpsia. Sim eu sei. – como estudante de medicina ele já havia estudado bastante sobre isso. – Me conte Rose. Como ela e o bebê estão?
Rose voltou a chorar fazendo Edward praticamente esmagar o telefone.
– O bebê está bem, mas a Bella... ela está em coma. O médico que foi pra lá a pedido do Jacob... eles vão tentar transferi-la pra cá onde há mais recursos, mas... é muito arriscado.
– Que merda deu na cabeça de Jacob em levar ela pra lá grávida de quase nove meses?! – Edward rugiu.
Rosálie fungou.
– Nisso não podemos culpa-lo Edward, ela queria muito ir pra lá. E Jacob tentou convencê-la a não ir de todas as formas.
Rose acalmou-se.
– Eu e Emmett estamos indo pra lá.
– Eu também vou. – Edward disse decidido.
– Espera Edward. Emmett está agora ao telefone com Jacob. Deixa-me ver se há alguma novidade.
Edward esperou paciente até que Rose falou:
– Eles já estão transferindo-a para Seattle. Nós vamos pra lá. Você também vai? – ela perguntou.
– É claro. Vou ver se Carlisle que ir também. Mais ajuda nessas horas é sempre bom.
Edward não conseguia conter o sentimento de medo. Ele não queria nem imaginar se algo acontecesse a ela ou ao bebê. Não queria Bella sofrendo.
Todos se encontravam no Seattle Grace Hospital, que por coincidência tinha o nome que Bella escolhera para sua filha. Todos estavam sérios. A situação era complicada. Bella encontrava-se em coma. E a pequena Grace estava passando por uma bateria de exames.
Edward olhara para Jacob e sentira que ele estava preocupado. Então se aproximou do irmão e colocou a mão em seu ombro.
– Elas ficarão bem Jake.
Jacob o olhou, mas não dissera nada.
Afastado um pouco Antony olhava os dois filhos. Edward praticamente o ignorara, já que estava com Carlisle, o pai que ele considerava.
Uma noite e um dia se passaram...
O médico chamara Jacob. Eles conversaram por um longo tempo e ele explicara as complicações de Isabella e de Grace. Poucos minutos depois Jacob retornou a sala de espera e todos o olharam.
– Então Jake? – Rose perguntou. Ao lado dela estavam o restante da família Cullen que tinha um grande apreço por Bella.
Edward não se manifestou, mas ficou apreensivo na resposta de Jacob.
– Elas estão bem.
Um misto de alivio foi audível na sala em que estavam.
– Bella ainda precisa de cuidados especiais, mas vai ficar tudo bem, agora vou conhecer minha filha. – Jacob dissera e todos sorriram.
Um a um todos foram ao berçário e conheceram a pequena Grace.
No momento que Edward colocou os olhos naquela coisinha fofa se apaixonou perdidamente por ela. Ela era parecida mais com Jacob, mas não importava era uma parte de Bella também. Ele já a amava. Tinha intenção de ir embora, mas nunca perderia o contato com sua sobrinha.
Edward a pegou no colo e a embalou por alguns momentos.
– Oi pequena princesa. – ele disse olhando em seus olhos escuros - Você é muito linda sabia princesa. - naquele momento ficou decido que ele a chamaria de princesa, assim como uma vez chamara sua mãe.
Isabella acordou horas depois e só então ficou a par de tudo o que havia acontecido. Ainda estava fraca, mas ficou aliviada que nada demais houvesse acontecido com sua pequena.
O encontro entre mãe e filha foi acompanhado pelo seu marido que ficou orgulhoso em cumprir a promessa que fizera. Bella e sua filha estavam bem.
Edward decidira que já era hora de tocar sua vida. Seu namoro com July havia acabado. Bella estava bem. E Grace também. Era hora de se despedir e voltar para a Inglaterra.
Ele seguiu até o quarto em que Bella estava internada e chegando lá só estava Alice que tagarelava com Bella.
Ela sorriu ao vê-lo. Ele lhe devolveu o sorriso.
– Oi.
– Oi Edward.
– Ah que bom que você está aqui Edward. Estou morrendo de fome. Vou comer algo e já volto.
Alice saiu com seu jeito espevitado de sempre.
– Como você está?- perguntou.
– Bem. Me sinto muito bem. Viu como é linda a minha filha?
A garota falou sorridente e Edward se obrigou a sorrir também.
– Sim, ela é linda. A cara de Jacob, mas linda. Uma princesa.
– Aff nem me fale. A mãe é que passa todo o trabalho e aí sai a cara do pai.
Desde aquele dia em que Edward havia dito estar apaixonado por ela, esta era a conversa mais descontraída que eles tinham.
– Bella... eu... quero que seja muito feliz... com sua filha... com sua... família. Tudo o que você sempre quis.
Edward dissera e Bella o observava.
– Parece que... está de despedindo.
– E estou.
Bella engoliu em seco. Seu coração disparou. Ela tentou sorrir.
– Edward Cullen é um espírito livre mesmo, não é?
Ele a encarou.
– Sim.
– Pra onde vai?
– A principio a Inglaterra terminar meus estudos. Depois... não sei.
Ele a olhou de uma forma que pudesse guardar na memória seu rosto. Aproximou e colocou sua mão em seu rosto. Fez um afago.
– Adeus Bella.
Bella respirou fundo.
– Adeus Edward.
Ele se levantou para sair.
– Não se esqueça de que tem uma sobrinha.
– Pode ter certeza. Nunca vou esquecer-me da princesa.
A partir de hoje a princesa de Edward era Grace. Como Bella um dia fora.
Passando o tempo
5 anos
Alice e Jasper
– Eu vou te matar Jasper!
Edward falou e tentou socar o amigo pela décima vez seguida. Ele acabara de pegar Jasper e Alice aos beijos na casa dos pais.
– Calma Edward! - o amigo que estava escondido atrás de Alice e Rose tentava argumentar com Edward
– Calma o caralho! Como você pôde porra?! Você era meu amigo Jasper. Eu confiava em você. Trabalhamos juntos.
Edward espumava enquanto Emmett tentava conte-lo.
– Edward para de drama. - Alice disse.
– Cala a boca Alice. Com você eu me acerto depois.
– Não fala assim com ela! – Jasper rugiu.
– Edward se acalme sim. – uma das únicas pessoas que conseguia falar e Edward escutar quando estava exaltado, era Rose.
– Rose ele é um galinha. Conheço Jasper. Poxa ele foi se meter com a minha irmã. Alice você tem apenas 19 anos e o Jasper tem 26. Você é inocente.
– Ah – Alice bufou - De inocente eu não tenho mais nada maninho.
Edward rugiu e conseguiu se soltar e socando a cara de Jasper.
– Porra Edward isso dói!
Jasper disse passando a mão no lábio machucado. Alice foi até ele o beijando. Conseguindo deixar Edward ainda mais furioso.
– Agora chega! Vai me escutar. Poxa Edward! Você é como um irmão pra mim. O irmão que eu não tive. Acha realmente que eu iria me meter com a sua irmã se eu realmente não gostasse dela? Na verdade sou muito apaixonado por ela. Eu a amo. – Jasper disse olhando e sorrindo para Alice.
Edward percebeu que o amigo dizia a verdade. Ele não era contra o amigo só tinha medo pela sua caçulinha, afinal ele mesmo e Jasper nesses anos que passaram viajando e trabalhando pelo mundo, farrearam com muitas mulheres e Jasper nunca fora um exemplo. Edward só temia por sua irmã.
– Há quanto tempo estão juntos?- perguntou emburrado.
– Seis meses.
– Ah ótimo! O trouxa aqui é o último, a saber.
– Edward... - Alice se aproximou colocando as mãos nos rosto do irmão. – Eu te amo muito. Amo sua preocupação. Mas eu amo o Jasper e ele me ama. Eu gosto dele desde os meus quatorze anos. Acha que iria gastar tempo com uma pessoa que não valesse a pena. Tive que crescer pra ele me notar e não sabe como foi difícil conquista-lo por que ele respeita você. Por favor, não fique contra nós.
– Não vou ficar. – ele disse e Alice o esmagou em um abraço.
– Obrigado irmão.
Edward parou ao lado de Jasper.
– Se fizer merda. Nem o melhor IML do mundo irá reconhecer seu corpo entendeu? – sorriu. – Vamos. Temos que estar do outro lado do planeta amanhã.
Aniversario de 5 anos de Grace.
Edward não queria estar naquele lugar. A mansão Masen. Mas sua princesa faria cinco anos, e ele não podia deixar de vir.
Atravessou os jardins vestido casualmente para os padrões de etiqueta que uma festa daquela magnitude tinha por ser da neta do magnata Antony Masen.
– Edward?
Ele se virou para ver quem o chamava e sorriu ao ver a senhora já de cabelos brancos.
– Sue. Sim sou eu.
– Eu não acredito nisso. Deus é muito bom comigo que está me deixando ver meu menino de cobre ainda nesta vida.
Sue era governanta na mansão Masen há mais 40 anos. Vira Edward e Rose nascer, e criara Jacob.
Ela o abraçou.
– Meu menino... Como está lindo. A última vez que o vi tinha uns 10 anos.
– Faz muitos anos mesmo Sue.
– Não vem mais visitar seu pai, não é? Isso não é certo. Ele é seu pai menino.
– Sue... não vamos falar disso, sim. Eu vim apenas pela aniversariante. Onde ela está?
– E eu vou saber. Aquela menina é um terror. Não para quieta. A Bella quase pira atrás dela.
Edward sorriu.
– Edward...
Ouvir o som da voz dela ainda o desconcertava. Ele se virou e a viu. Isabella Masen. Esposa de seu irmão.
Ela ainda estava linda. Muito linda. Mas diferente. Não tinha aquele brilho no olhar que lhe era característico. E fora isso seu modo de vestir. Roupas caras. Cabelo bem tratado. Maquiada. Com joias. Parecia um manequim. Tão artificial. Uma legítima esposa de empresário bem sucedido de Seattle.
– Oi Bella.
– Nossa... não imaginava que fosse vir. Você estava na África, não é?- ela disse parecendo medir as palavras.
– Sim eu estava, mas esta semana tirei folga pra ver minha família e deu certo que aniversario da Grace era hoje...
Isabella abriu um sorriso e por um momento Edward pode vislumbrar a antiga Bella.
– Nossa a Grace vai amar vê-lo aqui...
Mal Bella terminou de proferir essas palavras e a menina espoleta gritava correndo.
– Tio Eddddd!
Correu em direção a Edward que a pegou jogando-a para cima.
– Princesa que saudade.
– Tio Ed você não vai mais embora? Lá onde as crianças pobres moram?
Edward sorriu da inocência dela.
– Princesa o tio Edward tem que voltar pra lá. Tem que cuidar delas.
– Ah eu não queria que você fosse, e seu eu der minhas bonecas pra elas aí você pode ficar tio Ed?
Ele sorriu e a beijou na bochecha.
A festa para comemorar o aniversario de Grace Masen estava divina. Porém Edward se sentia um peixe fora da água ali, e logo se despediu para ir embora. No entanto, antes de conseguir ir Antony Masen atravessou seu caminho.
– Oi filho.
– Oi.
Edward dissera secamente.
– Já está voltando pra África?
– Sim.
– Edward como pode querer isso pra sua vida? Eu não entendo onde errei com você e sua irmã.
– Não vamos começar com isso de novo Antony.
Edward se afastou mais uma vez da vida que não poderia ter, e da vida que não queria ter.
6 anos
Casamento Rose e Emmett
– Estou tão nervosa. – Rose disse se olhando no espelho pela milésima vez.
– Está linda minha filha. – Esme sorriu.
Alguém bateu a porta e elas imaginaram se tratar de Carlisle que iria conduzir a noiva ao altar. O pai que ela considerava e amava seria o homem com quem ela entraria na igreja, seu pai biológico se quer compareceria a cerimônia. Ele era contra o casamento de Rosálie e Emmett.
– Entre. - Esme disse, mas não fora Carlisle que entrara, e sim Edward.
Ele ficara olhando para a imagem de Rose naquele vestido e ficara maravilhado.
– Nossa está tão linda Rose.
– Obrigada meu irmão. Estou nervosa. Estava falando pra mamãe agora mesmo.
– Vai dar tudo certo. É só o Emmett um pouquinho mais arrumado que está te esperando. - falou tentando brincar.
– Ah meu irmão. Quando será a sua vez hein.
– Acho que isso não é pra mim.
– Fico triste por ter sido tão cega no passado e não ter enxergado sobre você e...
– Esqueça isto.
Emmett acabara revelando a Rose sobre os sentimentos de Edward por Bella. Agora era tarde.
O casamento seguiu e Rose e Emmett trocaram votos emocionados. De onde estava Edward viu Bella e Jacob. O casal havia comparecido, mas Jacob parecia impaciente com algo. E parecia que Bella não estava gostando do comportamento do marido. Edward aproveitara mais um encontro em familiar para mimar sua princesinha.
África
Edward, Jasper e Tânia.
Edward, Tânia e Jasper chegaram ao Zimbábue há dois meses, para ajudar os outros médicos que ali já estava há meses. A situação era muito difícil. Muita pobreza e doenças.
Tralhavam quase 12 horas seguidas. E a noite às vezes nem um bom banho tinham.
Jasper tinha discussões calorosas com os representantes do governo por melhores condições e Edward, que era o esquentado, tinha que acalmar seu amigo e candidato a cunhado.
Tânia era uma excelente médica e amiga. Dedicada a causa, nunca se ouviu reclamar de nada. Era nítida a afeição que ela sentia por Edward, e não só de amizade. Ela gostava dele, mas sabia o lugar que tinha em sua vida, e em seu coração e não exigia nada mais do que ele podia dar. Eram amigos que faziam sexo às vezes.
7 anos
Um pintor de sucesso.
A repórter mal podia se conter em entrevistar o famoso médico e pintor Edward Cullen. Além disso, ela o achara muito atraente.
– Então Edward, como a arte entrou em sua vida?
Edward sorriu quase fazendo a jornalista suspirar.
– Minha mãe é artista plástica então a arte sempre fez parte de minha vida.
– E como consegue conciliar a vida de pintor famoso com a de médico voluntario?
Ela perguntou piscando maliciosamente para ele.
– A medicina vem primeiro em minha vida. Pintar pra mim é um robe que foi descoberto pelo meio artístico. Eu gosto de pintar, mas cuidar de crianças doentes em países em que sou não necessário, mas essencial, onde posso fazer a diferença é o meu objetivo de vida.
– É lindo isto Edward, mas esperamos ver mais dos seus trabalhos como pintor também. Obrigado pela entrevista.
8 anos
Sabine
Ao iniciar um namoro com uma estrela de cinema Edward não imaginara que sua vida pessoal e profissional fosse parar nas páginas de jornal e revistas. Ele não queria isso. A própria Sabine não queria, mas isso era quase inevitável.
O namoro seguia bem, Sabine era a mulher que mais se aproximara do coração do médico. Mas ainda não era ela. Ela não era “ela”.
10 anos depois
Segunda fase
Então os anos se passaram. Edward ainda era um homem impulsivo. Um pouco mais maduro. Completamente apaixonado pela mesma mulher de nãos atrás, mesmo que ele não mais admitisse isso.
Ele se entregara de corpo e alma a seu trabalho. Continuava na ONG médicos sem fronteiras. Continuava sua vida.
Tema Edward- Segunda Fase.
93 Million Miles
93 Milhões de Milhas
Jason Mraz
À 93 milhões de milhas do Sol
Pessoas se prepara, se preparam
Porque lá vem, é uma luz
Uma bela luz, além do horizonte
Para dentro dos nossos olhos
Oh, minha nossa, que bonito
Oh minha linda mãe
Ela me disse, filho na vida você vai longe
Se você fizer isso direito, você vai adorar onde você está
Basta saber, onde quer que você vá
Você sempre poderá voltar para casa
À 240 mil milhas da lua
Percorremos um longo caminho para pertencer a este local
Para compartilhar essa visão da noite
Uma noite gloriosa
Ao longo do horizonte está outro céu brilhante
Oh minha nossa, que bonito, oh meu irrefutável pai
Ele me disse, filho, às vezes, pode parecer escuro
Mas a ausência de luz é uma parte necessária
Apenas saiba,que você nunca está sozinho, você sempre poderá voltar pra casa
Casa, casa
Você sempre pode voltar
Cada estrada é uma ladeira escorregadia
Mas há sempre uma mão em que você pode segurar
Olhando mais profundamente através do telescópio
Você pode ver que sua casa está dentro de você
Apenas saiba, que onde quer que você vá, não, você nunca estará sozinho, você sempre vai voltar para casa
Casa, casa
Casa
Ohhh
Á 93 milhões de milhas do sol
Pessoas se preparam, se preparam
Porque lá vem, é uma luz
Uma bela luz, além do horizonte
Para dentro dos nossos olhos
Enquanto isso, em Seattle, Isabela Masen começava a descobrir coisas. Começava a ruir seu Castelo De Areia.
Continua...
93 Million Miles
93 million miles from the sun
People get ready, get ready
Cause here it comes, it's a light
A beautiful light, over the horizon
Into our eyes
Oh, my my how beautiful
Oh my beautiful mother
She told me, son in life you're gonna go far
If you do it right, you'll love where you are
Just know, wherever you go
You can always come home
240 thousand miles from the moon
We've come a long way to belong here
To share this view of the night
A glorious night
Over the horizon is another bright sky
Oh my my how beautiful, oh my irrefutable father
He told me, son sometimes it may seem dark
But the absence of the light is a necessary part
Just know, you're never alone, you can always come back home
Home, Home
You can always come back
Every road is a slippery slope
But there is always a hand that you can hold on to
Looking deeper through the telescope
You can see that your home's inside of you
Just know, that wherever you go, no you're never alone, you will always get back home
Home, Home
Home
Ohhh
93 million miles from the sun
People get ready, get ready
Cause here it comes, it's a light
A beautiful light, over the horizon
Into our eyes

Spoiler
Isabella chegou ao quarto e pegou sua filha deitada na cama com o notebook em seu colo.
- Grace! Novamente na internet filha.
- Mãe eu to esperando o tio Du entrar no face.
- Tio Du? Não era tio Ed? Isabella disse franzindo as sobrancelhas.
- Ah é era. Mas depois que aquela fresca da Sabine começou a chamar ele assim eu mudei o apelido de tio Ed... para tio Du.
- Não fale assim da namorada do seu tio.
- Ex. Ex-namorada. Ele deu um chute nela.
Grace disse rindo. Isabella tentara ficar brava com ela por se meter assim na vida do Edward, mas ao mesmo tempo ficara curiosa. Edward sempre despertava sentimentos estranhos nela. Já fazia uns 3 anos que não o via pessoalmente, mas sempre o acompanhava por jornais revistas, no entanto sua maior fonte de informações era sua filha.
- Hum... Grace... Seu tio não está mais namorando a famosa?
- Não. Aquela chata.
- Grace!
- Mas é verdade mãe.

No comments :

Post a Comment