FANFIC CASTELO DE AREIA - SEGUNDA FASE CAPITULO 17

Oi meninas!
Espero que amem este médico sedutor e sua princesa.
Depois de um tempão estou de volta. Agora com emoções finais desta fic. 
Obrigado por todos os comentários e recomendações. Amo vocês.

Castelo De Areia

CASTELO DE AREIA 
JU BAUER (JU BEIJA FLOR)

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

Segunda Fase - Capítulo 17
Isabella, Edward, Lita, Jose e Lorrane procuraram por toda a região, onde a peque na Grace poderia ter ido andando, mas não a encontraram.
Voltaram para casa, e então decidiram procurar a policia. Avisados os policiais se permitiram não esperar pelo horário necessário para indicar que uma pessoa está desaparecida e logo foram a procura da menina.
Era 23hs quando os policiais avisaram que haviam encontrado a menina na rodoviária da cidade. Disseram que ela estava bem, e que estava com uma mochila.
Na ânsia de procurar pela filha, Bella não percebeu que algumas coisas haviam sumido do quarto da menina.
Estavam ansiosos pela chegada da viatura policial que traria a pequena, mas Isabella não entendia este comportamento de sua filha.
– Por que ela iria querer ir embora? – perguntou ela sentada ao lado de Edward no sofá.
Ele pegou a mão de sua namorada.
– Ela ama tudo aqui Edward. Eu não entendo. – falou.
– Calma Bella. Deve ter alguma explicação. – disse o médico.
O barulho do carro policial os alertou. Os policiais trouxeram a menina que mal olhava para Bella e Edward.
– Filha? Por que fez isso? – Bella perguntou agoniada.
A menina permaneceu em silencio. Bella trocou um olhar preocupado com Edward.
– Eu vou colocar na ocorrência que foi apenas peraltice de uma criança senhor Cullen. – disse o jovem policial.
– Obrigado Mattew. – Edward agradeceu.
Quando o policial se retirou Edward e Bella focaram suas atenções na pequena Grace. Sentaram-se ao lado dela.
– Princesa o que houve? Por que fugiu? – Edward perguntou com paciência.
– Eu não fugi. – disse a pequena – Eu estava apenas indo morar com meu pai. –respondeu.
O coração de Isabella estremeceu de dor neste momento.
– Meu amor, você não quer mais morar comigo? – perguntou.
Então a pequena criança começou a chorar cortando o coração dos dois adultos.
– Não é isso mamãe. – disse entre soluços. – Meu pai disse que não sou sua filha de verdade, e que eu tinha que morar com ele. Que agora você já não ia me querer, já que não é mais casada com ele.
Bella e Edward ficaram estupefatos pelas palavras de Grace. Não imaginavam que Jacob jogaria tão sujo.
– Grace você é a minha princesa filha. Eu amo você. Não tem como eu não querer você querida.
Ela olhou Bella com os olhos cheios de lágrimas.
– Mas você não é a minha mãe de verdade é? - perguntou.
– Querida eu não sabia. – Bella disse chorando – Você não saiu da minha barriga, mas é minha filha sim. Eu amo você Grace e nada vai mudar meu amor. – ela abraçou a filha e as duas choravam juntas.
Edward olhava a cena, dividido entre a emoção e a raiva. Emoção por ver suas duas princesas sofrendo e raiva por aquele homem que era seu irmão.
– Princesa... – ele disse – Bella é a sua mãe. Ela criou você, cuidou de você e te ama. Você entende isso? – perguntou.
Grace assentiu.
– Você não tem que ir morar longe dela só por que não nasceu da barriga dela. – explicou.
Bella e Edward com todo cuidado tentaram explicar a menina tudo sobre o nascimento dela. Era difícil pra uma menina de 10 anos entender tudo, no entanto Grace era muito esperta.
– Desculpa mamãe. Eu não vou fugir. Eu quero mora com você e com o tio Edward pra sempre. Eu amo você mamãe.
– Eu sei minha princesa.
Uma nova onda de choro se apossou das duas.
– Mamãe? E a mãe que eu fiquei na barriga? Onde ela está? – perguntou curiosa.
– Você gostaria de conhecer ela? – Bella perguntou.
– Eu posso?
Bella e Edward sorriram.
– Se você quiser, você pode. – respondeu.
– Mamãe você é a minha mãe. A mãe que eu amo muitão. Mas eu queria conhecer ela.
– Ok. Você vai então. – Bella disse – Ela se chama Leah.
De repente Grace fez uma careta.
– Talvez ela não goste de mim.
– Princesa... não existe pessoa que não goste de você. – Edward disse.
– Grace ela gosta de você. Ela só não podia chegar até você filha. – explicou.
A menina prestava atenção a tudo.
– Você tem dois irmãos. – Bella falou olhando o rostinho da filha.
Os olhos de Grace brilharam.
– Serio? – perguntou animada.
– Sim. – Bella riu.
– Nossa que legal. Quando vamos mamãe? Quando vamos conhecer eles?- perguntou entusiamda.
Bella sorriu. E edward se sentiu aliviado. Tudo estava bem.
– Se acalme. Você já fez muita aventura por hoje mocinha. Vamos já para o banho. Depois você vai comer algo e amanhã nós pensamos sobre isso. Ok.
Bella levou a filha e mimou-a. Seu coração agora mais calmo depois que ela tinha entendido tudo e mostrava animação por ter uma outra família.
Edward estava sentando na sala quando Bella desceu as escadas sentando-se a seu lado sendo abraçada por ele.
– Nossa! Que dia! – ela disse.
Edward pensou: você nem sabe o quanto. Ele ainda tinha que falar a ela sobre Eleazer.
– Eu não acredito que Jacob fez aquilo?! Eu... o odeio tanto. – Bella viu que Edward não disse nada e estranhou.
– Edward? O que foi? Você está tão estranho.
Ele pegou as mãos de sua amada e a fez ficar de frente para ele.
– Bella eu tenho algo serio pra te contar.
Edward decidiu que assunto era serio demais para que ficasse para depois. A vida de Bella corria perigo.
– Edward... você... está me assustando. – disse realmente assustada pela intensidade dele.
– Não se assuste meu amor. Nunca vou deixar que nada lhe prejudique ou machuque você.
– Edward... me fale. – pediu.
– É sobre seu passado Bella. Sobre a parte da sua memória que você não lembra. – falou observando as reações dela.
– Como assim?
– Lembra-se há alguns dias que você sonhou com seus pais? – perguntou.
– Sim eu lembro. – respondeu.
– Então você falou um nome diferente. – ele foi fazendo rodeios para não assusta-la mais.
– Sim eu sonhei que eu estava em casa com meus pais, e um homem que era meu tio estava lá com a gente. Eleazer era seu nome.
– Amor isso não foi um sonho. Foi uma lembrança. – disse.
– Lembrança? Mas eu não tenho um tio, e sim uma tia.
– Talvez essa não seja a verdade meu amor. Hoje um homem me procurou. Ele estava me seguindo há dias e hoje eu o interpelei. – ele parou – Seu nome é Eleazer Swan. Seu tio Bella.
Bella arregalou os olhos.
– Que maluquice é essa Edward? Nunca ouvi nada sobre um tio.
– Eu não posso ter certeza de nada, afinal a pouco conhecei o homem, mas a historia dele se encaixa.
Edward então passou a contar a ela toda a conversa que teve com Elezaer. A medida que ele falava, Bella ficava cada vez mais branca. Ela não acreditava na historia que estava ouvindo. Era surreal.
– Então foi isso. Ele quer encontra-la. – o medico disse olhando serio para ela.
– Meu Deus!- ela exclamou.
– Bella eu nunca falei nada, pois este assunto para mim era proibido, e eu queria proteger Rose. Que também é filha daquele crápula. Antes de ir para faculdade, Antony me levou para sua empresa para conhecer todos os seus negócios. Não sabe a ânsia que tive ao ver o que ele fazia. O que ele na verdade fazia, e que tudo o que cresci imaginando ser a empresa Masen é na verdade, fachada para um braço da organização russa.
– Então eu fui uma marionete todos estes anos nas mãos do Antony e do Jacob?
Edward assentiu.
– Por Deus Edward, o que eu fiz com a minha vida?
Edward a abraçou e a beijou de leve.
– Se acalme meu amor. Não se martirize pelo que ficou no passado. Você era uma menina e foi manipulada.
– Sim. Foi isso. Mas não mais Edward, não mais. Eu quero conversar com Eleazer. Com... meu tio. Quem sabe agora eu sinta o carinho familiar que não senti nunca estando ao lado daquela vaca da Carmem. – ela disse com raiva.
– Eu vou ligar pra ele e vou marcar. – Edward disse indo ao telefone.
Em Seattle Jacob e Antony recebiam informações importantes.
– Tem certeza disso? – Antony perguntou ao homem simples.
Ele e Jacob ouviram tudo o que o homem havia contado a eles.
– Sim senhor. Conheço Eleazer Swan muito bem. Nós trabalhamos juntos por anos. Era ele sim indo para a california. – respondeu o homem convicto.
– Certo Herry. Você foi de muita importância. Obrigado. Pode se retirar. – disse o empresário.
Quando o homem saiu Jacob e Antony se olharam.
– Vamos começar uma nova caçada? – Jacob perguntou.
– Sim e não. – respondeu Antony.
– Como assim? Você sempre quis por as mãos neste homem.- falou Jacob.
– Eu ainda quero meu filho, mas vou dar corda desta vez. Vou deixar que ele se aproxime do seu alvo. – o empresário disse calmo.
– Vai deixar ele chegar perto da Bella?! – perguntou sem quase acreditar.
– Bem se vê que você não entende nada mesmo Jacob. – respondeu.
O moreno fechou a cara emburrado.
– Talvez se Eleazer se aproximar de Bella, ele consiga aquilo que por anos não conseguimos. E então eu não só o capturo, mas ponho as mãos naquilo que procuro há anos.
Bella andava de um lado para o outro, aflita. Edward deveria estar chegando e com ele, o homem que dizia ser seu tio. Ela estava nervosa, mal conseguira dormir nos dois dias seguintes. Sonhos estranhos com seus pais. E saber que foi Antony o responsável pela morte deles, a deixava doente. O homem que acreditou que amava como uma filha era um bandido sem coração.
– Bella? – ouviu a voz de Edward e seu coração acelerou.
Quando ela olhou, lá estava. Edward seu grande amor e ao lado dele um homem mais velho e muito, mas muito parecido com seu pai.
Bella não segurou as lágrimas. Sem dizer palavra alguma tanto ela quanto o homem encaminharam-se um para o outro e sem mais empecilhos se abraçaram.
Era visível a emoção nos dois.
– Minha pequena. – Eleazer murmurou.
Bella nada conseguia dizer. Somente que aquilo que sempre sentiu falta em Carmem. O carinho que só provem de família. Que aquilo agora era real. Aquele homem era seu tio.
– Tio Eleazer...
– Sim querida. – ele disse – Eu sou seu tio.
Após abraços e choro, Isabella e o tio sentaram-se para uma conversa franca. Edward acompanhava tudo de perto.
– Você é tão parecida com seu pai. Mas tem muito de sua mãe também. Eu a procurei por tantos anos Isabella e quando a encontrei não podia chegar perto, por conta de Antony e Jacob. – disse melancólico - Eu lhe devo tanto perdão minha querida. – Eleazer disse.
– Por quê?
– É tudo minha culpa. Se eu não tivesse levado aquela mulher... meu irmão ainda poderia estar vivo. – suas feições se tronaram duras.
– Não podemos saber se eles não nos encontrariam depois. – Bella respondeu.
– Sim, mas... e você... ficou presa na mãos desses canalhas por anos. Sua vida poderia ser tão diferente Bella. – disse chateado o homem.
– Eu sei... tio. – ela sorriu – Mas agora as coisas tem se ajeitado. Agora tenho Edward. – ela olhou para o médico apaixonadamente. Ele lhe devolveu um olhar amoroso junto com um sorriso.
– Eu sei e por isso resolvi me aproximar dele primeiro. Eu sabia que este jovem tinha caráter.
– Tio Eleazer me fale tudo. – Bella se aproximou mais do tio. - Acha que posso ter a chave disso tudo. Eu não me lembro de nada que faça sentido.
Eleazer percebeu no pescoço da jovem algo familiar.
– Este pingente... foi Charlie que te deu? – perguntou perdido em lembranças.
Bella agarrou o colar que ela nunca deixava de usar.
– Não, foi minha mãe. – respondeu.
– Esse pingente era de minha mãe. Quando nossa mãe morreu pegamos algumas coisas, para nos recordarmos dela. Charlie ficou com este pingente e eu com uma pulseira. Essas eram as duas coisas que ela amava. Charlie deu a Renée este pingente como prova do amor que ele sentia por ela.
Bella sorriu por saber do grande amor que seus pais tinham um pelo outro. Morreram juntos por que se amavam demais.
– A última lembrança que tenho é dela me dando isto e dizendo que sempre me amaria e que este pingente me protegeria.
Eleazer ficou pensativo.
– Bella... você me permite olhar com mais atenção? Prometo não estragar. – ele disse sincero.
Bella achou estranho, mas concordou. Tirou o cordão de seu pescoço e entregou a Eleazer.
Ele sorriu ao abrir e ver a foto de seu irmão e Renée abraçados. Era um casal apaixonado. Mas então uma ideia lhe ocorreu.
– Bella eu vou precisar abrir e ver atrás da foto. – disse.
– Como assim?
– Acha que pode ter algo? – Edward perguntou com interesse.
– Pode ser é só uma desconfiança. – respondeu – Posso abrir Bella?
Ela ficou meio indecisa. Não sabia se queria saber o que poderia ter ali.
– Pode, mas, por favor, tome cuidado para não estragar. É a única recordação que tenho deles.
– Tomarei todo cuidado. Preciso de algo afiado. Uma faca ou tesoura.
Edward foi até o armário da cozinha trazendo ambos. Com pouco esforço Eleazer conseguiu abrir o pingente e tirou a foto olhando atrás da mesma. Sorriu.
– Parece que meu irmão nos deixou uma pista. – disse e mostrou o que havia atrás da foto.
“Urbs In Horto”
Linden – Howard
1456
Continua...


Gostaram?
Querem brincar de detetive? Ai esta a pista. O que é isso? Posso dizer que se refere a uma cidade.
beijos

No comments :

Post a Comment