FANFIC CASTELO DE AREIA - SEGUNDA FASE, CAPITULO 20

Oi meninas!
Espero que amem este médico sedutor e sua princesa.
Obrigado por todos os comentários e recomendações. Amo vocês.


Castelo De Areia

CASTELO DE AREIA 
JU BAUER (JU BEIJA FLOR)

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo


Segunda Fase - Capítulo 20
Carlisle, Esme, Bella e Alice chegaram ao hospital estadual de Chicago na madrugada. Avistaram Jasper sentado numa sala de espera com o semblante cansado.
Esme não esperou o genro dizer nada.
– Onde está Edward? Como ele está? – perguntou nervosa.
Jasper suspirou.
– Ele está bem Esme. Pode confiar. – falou.
– Mas por que ele está no hospital então? – Bella perguntou.
– A equipe que fez o socorro o trouxe junto com Antony. Edward estava ensanguentado, e... acharam que era sangue dele... que podia estar ferido. Então estão fazendo todos os exames para descartar todas as chances de ele ter algo.
Todos respiraram mais aliviados. Abraçada a Jasper Alice perguntou:
– Você o viu? Como ele está?
– Acho que ele vai precisar de apoio, e talvez uma psicóloga. – disse olhando a esposa com carinho. Ele olhou para Bella. – Ele quer ver você.
Era o que Bella mais queria.
– Eu posso? – perguntou.
Ele assentiu e a pegou pela mão levando-a até uma recepção informando que ela era a pessoa que o paciente precisava ver.
Foi encaminhada até o quarto em que Edward descansava a espera dos resultados dos exames.
Ao entrar no quarto a jovem o viu. Ele estava olhando para a janela do quarto com o semblante perdido em pensamentos. Por instinto olhou para a porta e a viu.
Isabella forçou um sorriso, mesmo que chorar fosse sua maior vontade naquele momento.
– Oi. – ela disse.
Ele ficou em silencio por um tempo.
– Vem cá. – disse.
Ela foi até perto de onde ele estava, e ele a puxou para seus braços.
– Edward... – ela não conseguiu conter o soluço. – Fiquei com tanto medo de perdê-lo...
– Está tudo bem amor. – ele disse com o rosto enterrado em seus cabelos.
– Você está ferido?- ela perguntou.
– Não... não fisicamente pelo menos. – disse com a voz triste.
Bella se afastou o olhando nos olhos.
– Eu... eu sinto muito pelo Anto... seu pai.
Ele desviou os olhos.
– Eu sempre achei que o odiava pelas coisas que ele fez e fazia, mas... agora... sinto um aperto no peito. – ele disse levando a mão onde ficava seu coração.
Bella o abraçou apertado.
– Eu entendo, mas no final das contas ele era seu pai. – ela disse.
– Como Rose recebeu a noticia? – ele perguntou preocupado com a irmã.
– Ela... ficou um pouco chocada e nervosa, mas... ficou bem. Ela não veio já que tem os gêmeos. Grace ficou com ela e Emmett. – Bella explicou observando o rosto dele. - Eu amo você. – disse.
Ela não sabia, mas era tudo o que ele precisava ouvir neste momento.
– Eu também. – disse - Eu amo muito você, Bella.
Eles trocaram um leve beijo.
– O que aconteceu Edward?- ela não queria pressiona-lo. Entretanto precisava saber o que tinha ocorrido.
Ele respirou fundo.
– Até eu pegar as provas no armário no metrô... tudo estava certo...
– Então elas estavam lá mesmo? – perguntou curiosa.
– Sim estavam... então eu avisei Eleazer e me dirigi para encontra-lo. No meio do caminho percebi que estava sendo seguido. Avisei então a ele que me disso para encontra-lo em uma estrada. Outra rota. Ele estaria preparado para o que pudesse estar atrás de mim. E eu... eu comprei uma arma...
Bella arregalou os olhos.
– Edward... Meu Deus!
– Se acalme Bella... não precisei usá-la... chegando ao local do encontro Eleazer atirou contra o carro que vinha atrás de mim. Matando os dois homens. Eram os homens do meu pa... de Antony.
Fez uma pausa.
– Apesar do momento tenso. Consegui entregar as provas a Eleazer. Quando nos preparávamos para nos despedir. Outro carro surge em alta velocidade. Era Antony e mais homens armados. Eleazer então entrou em seu carro dizendo para que eu voltasse pra casa que ele conseguiria escapar e que daria noticias. Saiu em disparada com o carro do Antony atrás...
– E? –Bella perguntou.
– Não consegui fazer o que ele disse e fui trás deles. Não consegui me aproximar muito, pois eles estavam bem a frente, e em alta velocidade. Verdadeiros peritos na arte de dirigir em perseguições, mas mesmo de longe eu ouvia a troca de tiros. E foi quando o carro que Antony estava capotou varias vezes.
Bella escutava a tudo com a respiração presa.
– O carro capotou muitas vezes e parou. Eleazer sumiu de vista. Eu cheguei logo atrás e além de ser médico que nessa hora fala mais alto ajudar... era o meu pai que estava ali... eu... percebi que os dois homens estavam mortos, mas Antony ainda respirava. O cheiro de combustível era alto e logo o carro poderia pegar fogo. Então consegui tirá-lo do carro e coloca-lo longe em segurança e comecei os procedimentos para tentar salvá-lo. Liguei para Jasper pedindo uma ambulância, fiz massagem cardíaca, ele... acordou e me disse...
Edward ficou com a voz embargada.
– Que me amava que sempre me amou... que amava a Rose e que sentia muito por tudo. Depois ele fechou os olhos e não mais abriu. Ele morreu logo que chegamos ao hospital.
Bella abraçou Edward, e sabia que ele chorava. Ela não precisava dizer nada apenas consolar o homem que amava.
Bella retornou a sala de espera, pois Esme e Carlisle queriam ver o filho. Edward seria logo liberado, mas ainda teria que esperar pela autorização do médico.
Ao chegar a sala de espera ela teve uma nada agradável surpresa. Jacob estava ali. Frio em seu terno impecável.
Ela o olhou com frieza. Ele não demonstrava estar abalado pela perda do pai.
– O corpo já está liberado Jacob. – Jasper disse serio.
– Sim eu já me encarreguei de tudo. O funeral começa daqui a dois dias. – ele disse.
O clima na sala era tenso. Ninguém se sentia confortável na presença dele.
– Vou partir logo. A noticia já está nos principais jornais e logo a imprensa vai estar acampada aqui. Quero chegar a Seattle o quanto antes. – ele disse duro.
– É claro. – Carlisle concordou.
Jacob deu mais um olhar frio a Bella e se retirou.
– Credo esse cara me dá arrepios. – Alice disse.
***
Bella estava deitada no peito de Edward. Desde que chegaram de Seattle, há dois dias do funeral de Antony, ela e Lita se revezavam em agradar e mimar Edward. Neste momento ela fazia carinhos em seu cabelo o deixando sonolento.
– Lita quer saber o que você quer de especial para o jantar? – Bella perguntou.
Ele sorriu.
– Vocês duas vão me deixar mal acostumado. – brincou.
Bella ficou feliz por vê-lo assim. Aos poucos ele voltava ao normal. Amoroso atencioso e brincalhão.
O funeral em Seattle não foi uma coisa agradável. Nenhum funeral era, mas este em especial foi tenebroso, principalmente pela presença de Jacob que insistia em acusar Edward com o olhar por ser responsável pela morte do pai de ambos.
A policia também foi um incomodo principalmente para Edward. Ele estava no local do crime e, além disso, havia comprado uma arma horas antes. Porem nenhuma das balas encontradas nos corpos das vitimas não serem de sua arma facilitaram a desculpa que Edward dera de que somente comprara a arma para se sentir seguro.
O telefone da casa tocara retirando Bella de seus pensamentos. Lita surgiu na porta do quarto dizendo se tratar de uma ligação para Edward.
Edward pegou o telefone.
– Alô.
– Edward Masen?-uma voz com um sotaque diferente o chamou por aquele nome que há muito tempo ninguém o fazia.
– Cullen. Edward Cullen. – respondeu.
Pode ouvir o riso do homem do outro lado.
– Bem que seu pai me falou que você era durão. – disse o homem.
– Me desculpe, mas quem é você? – perguntou curioso e desconfiado.
– Não sei se é bom que você saiba exatamente quem eu sou.
Edward começou a sentir certa agitação. Algo estava errado.
– Eu não costumo falar com que não conheço.
– Muito esperto de sua parte. Eu sou Nicolay Stankiecvh o chefe da organização da qual seu pai fazia parte... e você tem algo que me pertence meu jovem. – respondeu o homem com sotaque que a gora Edward podia reconhecer como sendo um sotaque russo.
Ele precisou respirar fundo para conseguir pensar no que dizer.
– Lamento decepciona-lo, mas não tenho nada que o pertença. – disse tentado soar firme.
Afastou-se do quarto. Não queria que Bella percebesse com quem ele estava falando.
– Meu jovem Edward... seu pai sempre me dizia que se ele morresse, ele queria que você fosse seu sucessor... Posso ter alguma esperança nisso?
Edward estava aturdido.
– Você quer que eu assuma o lugar que era do Anto... meu pai?
– Quero saber se você quer? – o homem perguntou.
– Não. É claro que não. Isso é insano. Eu sou um médico apenas isso.
– Não se subestime meu jovem. Eu quero as provas que conseguiu. As que Charlie tinha escondido.
– Como eu disse não posso lhe ajudar. Não está comigo e mesmo se estivessem eu não as entregaria. Esta é a garantia de que nada vai acontecer comigo com minha família e com a filha de Charlie Swan.
– Lhe dou minha palavra de que nada aconteceria caso você me desse estas provas.
– Eu não confio em você. E as provas agora estão com Eleazer Swan. Em segurança. Isso garantirá nossa paz.
O homem riu.
– Voce é muito parecido com seu pai. Sabe negociar.
Edward não gostou de escutar isso.
– Me diga uma coisa Edward. Voce leu o que continha na pasta? - o homem perguntou.
Ele tinha dado uma olhadinha, mas nada que pudesse lhe comprometer.
– Eu vi que eram transações da máfia, mas eu não saberia lhe dizer o que era.
– Ótimo. Sinto que voce é sincero. As provas nas mãos de Eleazer Swan lhe dão sim uma garantia de que nada vai acontecer a sua família Edward, mas isso não é o único motivo que eu estaria disposto a deixar você sua família e a filha de Charles Swan livres de qualquer ameaça.
– Como assim? – perguntou o medico confuso.
– Há dois anos meu filho foi a áfrica comprar armas e pedras preciosas. Ele estava em meu nome. Um desentendimento com uma das quadrilhas de lá aconteceu e meu filho foi alvejado do abdômen. Naquele país a saúde é muito precária. Mas assim mesmo um médico que lá trabalhava para a ONG médicos sem fronteiras cuidando de crianças foi atendê-lo. E com poucos recursos salvou a vida de meu filho...
Edward escutou tudo estupefato.
– Era você o médico. Lembra-se do meu filho?
– Eu atendi varias pessoas feridas por armas de fogo, mas... eu não fazia perguntas não era meu trabalho. Eu só as atendia o melhor que podia afinal sou médico. – respondeu e realmente não se lembrava de quem ele falava.
– É bom que não se lembre. Isso dá mais segurança a você e a sua família. Não era sua obrigação salvar meu filho, mas voce salvou e eu não me esqueço disso. Terá minha eterna gratidão. Sua família está a salvo Edward. Nunca mais ouvirá falar de mim ou da máfia.
Edward respirou sentindo uma onda de alivio.
– Assim mesmo Eleazer não vai entregar as provas a você. – Edward disse.
O homem riu.
– Com certeza que ele não faria isso. Eleazer é outro assunto. Então estamos acertados Edward. Só me permita dizer uma coisa. Com a sua recusa em aceitar ser parte da máfia no lugar do seu pai. Nós não teremos mais negócios com a família Masen. Só continuaríamos se fosse voce. Sei que seu irmão Jacob acha que pode ficar no lugar de Antony, mas não. Então se cuide. Seu irmão tem uma inveja muito grande de você. Tome cuidado. Um homem como ele pode fazer muitas coisas tomado pelo ódio.
Edward escutara tudo com atenção, mas não acreditava que Jacob poderia fazer algo contra ele.
– Ok.
Edward desligou espantado pelas coisas que ouvira do homem.
Dois dias depois...
Edward recebia outra ligação que o deixava sem saber como pensar.
– Jacob?
– Eu preciso falar com voce Edward. – disse.
– Não temos nada para conversar Jacob. – respondeu.
– Eu quero me desculpar por tudo Edward. Por tudo o que fiz para você a Bella. – disse com a voz desesperada.
Edward sentiu um pouco de pena. No entanto as palavras do russo lhe voltaram a mente.
– Nosso pai morreu e me sinto perdido Edward. Sempre fui a sombra dele. Não sei o que fazer. Preciso de sua ajuda.
Isso tocou o coração do médico.
– O que você quer?
– Quero me encontrar com você, e te pedir perdão meu irmão. Venha me ver.
Edward pesou sua decisão.
– Tudo bem. Eu vou.
Continua...


Gostaram?
Mais dois capítulos apenas para o final. 



No comments :

Post a Comment