FANFIC CASTELO DE AREIA, SEGUNDA FASE - ULTIMO CAPITULO.

Amores!
Chegou ao fim a nossa amada fic.
Desculpe qualquer coisa que vocês não gostaram, mas fiz de coração essa historia.
Espero que tenham curtido. Ameis todos os reviews e recomendações.

Obrigado por tudo mesmo e nos vemos em Coração Indomável com nosso Bad Boy.


Castelo De Areia

CASTELO DE AREIA 
JU BAUER (JU BEIJA FLOR)

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo



Segunda Fase – Último capítulo.
– Oi Grace. – Leah disse com a voz embargada – Eu sou Leah.
– Oi... – Grace disse meio tímida apertando forte a mão de Bella.
– Oi Leah como está? – Bella disse se sentindo segura de repente.
Ela sentiu que não precisava temer perde o amor de Grace, mas que precisava ajudar Leah e Grace a se conhecerem. Seria ótimo para as duas.
Entraram na pequena casa e logo avistaram um homem moreno e os dois meninos. Os irmãos de Grace.
San foi simpático cumprimentando todos, mas o clima ainda era meio tenso. Leah foi até os filhos os trazendo pela mão, ela se ajoelhou na frente de Grace.
– Esses aqui são os seus irmãos Grace... Moises e Taylor. – Grace olhou para eles e sorriu.
– Oi...
– Oi... – os meninos responderam juntos.
– Quantos anos você tem? – Moises perguntou.
– Eu tenho 10. – Grace respondeu – E você?
– Eu tenho 5 e o Tay tem 3. – disse num lindo sorriso.
O resto da tarde se passou em um ambiente agradável, em que Grace interagia com os irmãos, e em muitas vezes com Leah também.
Bella e Edward assistiam a tudo fascinados em como a vida resolvia as mais difíceis questões. Era apenas questão de ter um coração aberto que tudo se ajeitava para o melhor.
A convivência entre Grace e sua outra família seria um passo de cada vez, eles precisavam se conhecer, e com o tempo se amarem. Bella sabia que isso faria bem a filha e o que faria bem a Grace faria bem a ela.
Na volta para o hotel no carro Grace interpelou o casal.
– Adorei meus irmãos. Eles são tão fofos. Agora é a hora de vocês dois me darem um irmãozinho também. – disse simplesmente.
Bella congelou no banco. Edward a olhou de soslaio.
– Grace... agora não é hora de falar disso. – Edward disse indo em socorro a Bella.
Viu que sua namorada ficou triste. Essa era uma marca que Bella teria que carregar pra sempre, e na verdade ele não se importava. Ele a amava e existiam outras opções para terem um filho. Adoção era uma delas, a que mais agradava Edward.
Suada, Bella sentou-se na cama chamando a atenção de Edward.
– Bella?O que foi? Pesadelo amor? – perguntou preocupado.
Bella estava com os olhos arregalados.
– Eu lembrei Edward. De tudo. De como foi a morte dos meus pais. - ela olhou para ele. – Seu pai estava lá. Ele me tirou do meu esconderijo.
Mais tarde tomando um chá feito por Lita, Bella contou tudo a Edward.
– Meu pai e minha mãe estavam nervosos aquele dia. Não parecia um dia normal... e então de repente meu pai e minha mãe me pegaram e me colocaram dentro de um armário. Tipo um baú, era no porão. Disseram o quanto me amavam, me deram o pingente e disseram para que não saísse dali a troco de nada. Não importava o que eu ouvisse. Então... depois de um tempo eu ouvi. Gritos, discussões e tiros. Lembro-me de ficar com tanto medo. - Bella chorou e foi confortada por Edward. – Depois eu lembro de passos, muitos passos até que alguém abriu o baú. Era o seu pai. – disse olhando para Edward. – Ele me pegou no colo e me abraçou me pedindo para eu não chorar e para eu fechar os olhos. Que eu não os abrisse por nada, mas na medida em que andamos, eu espiei e vi meus pais mortos e ensanguentados . Gritei muito e depois disso tudo se apagou... fui morar com Carmem. E o resto é a minha vida...
– Bella... amor eu sinto tanto. – Edward a abraçava apertado.
Bella limpou as lágrimas.
– Não... foi bom eu ter lembrado Edward. Esse é o fim de um ciclo. Quero esquecer o passado e me concentrar no futuro. Num futuro com você.
Eles selaram a promessa de um recomeço com um beijo.
Em Monterey a vida se seguia. Edward era um homem feliz ao lado de Bella e Grace.
Mas uma coisa incomodava Edward. Sempre que ele tocava no assunto Bella se fechava. Ela não queria falar com ele sobre como se sentia em relação ao que lhe machucava, e Edward ficava frustrado. Varias vezes a surpreendeu assistindo programas que falavam sobre maternidade, fertilização entre outras coisas e Edward ficava chateado por ela não confiar nele. Mas hoje isso teria um fim. Edward estava decidido a falar com Bella.
Fechou a porta da casa atrás de si e estranhou o silêncio que fazia. Neste horário sempre a casa estava em polvorosa.
– Bella? Grace? Lita? Alguém em casa? – chamou Edward.
Andando pelos cômodos percebeu que tudo estava a meia luz.
Quando chegou a sala do segundo andar seu queixo quase caiu.
Bella estava meio deitada no sofá branco vestindo um corpete preto e uma minúscula calçinha de mesma cor. Ela estava fabulosa. Sexy pra caramba.
– Oi amor. - disse suavemente.
O medico estava sem palavras, somente fixado em olhar para ela.
– Hum... a Lita e o Jose foram com as crianças para o cinema... então pensei... que poderíamos aproveitar a noite. – enquanto dizia Bella se aproxima andando sensualmente.
– Gostou da surpresa? – perguntou ela maliciosa.
– M-muito... – gaguejou o médico.
– Voce está tão quieto... – disse colocando as mãos no peito do seu namorado.
– Eu estou... alucinado pela sua beleza. – conseguiu formar uma frase.
Bella deu um sorriso tímido.
– Pensei que eu não tivesse agradado.
Edward reagiu às palavras dela. Não queria que sua mulher pensasse isso. Ele só ficara surpreso pelo que ela fizera, mas tinha gostado. Gostado muito.
– Eu amei Bella. Voce está tão sexy. Tão linda e tão gostosa.
Ele prendeu suas mãos na cintura de Bella a trazendo de encontro ao seu corpo.
– Sinta o que faz comigo Bella? – perguntou roçando sua ereção nela.
Ela fechou os olhos rendidos, ao desejo.
– Quero você Edward.
– Eu também amor. E será agora.
Selvagem ele levou ela até a mesa de jantar, que eles quase não usavam, e a colocou sobre ela.
– Vou devorar você meu amor.
Disse beijando todo o corpo dela.
– Tire a roupa Edward.
Paixão e sexo cru. Foi assim que eles se amaram sobre a mesa de jantar. Alucinante sexo e amor juntos nos corpos dos dois amantes, namorados, amigos. Bella e Edward eram tudo um do outro. A confiança que tinham um no outro superava qualquer obstáculo que a vida colocasse no caminho deles.
Era uma relação baseada em amor e confiança. Não era um Castelo de Areia. Por isso Edward resolveu tirar qualquer duvida que ficasse entre eles.
– Bella... – Edward disse alisando os cabelos dela. Ela descansava em seu peito.
– Hum...
– Preciso falar com você sobre algo?
– Fale.
Ele tomou coragem e prosseguiu.
– Desde que Grace falou sobre darmos um irmão a ela que você se fechou.
Sentiu que Bella se mexeu desconfortável.
– Edward eu não quero...
– Bella nós somos um casal amor. Precisamos conversar sobre isso. Por favor, não me deixe fora disso. – pediu.
Bella suspirou.
– Eu procurei um especialista na semana passada quando estava na áfrica. Eu... eu quero tentar reverter aquilo que fizeram comigo Edward.
Ela esperou pela reação dele.
– Amor eu vou ficar ao seu lado para o que você quiser, mas você sabe que isso pode não dar certo, não sabe?
– Sei sim. Estou disposta a arriscar.
– Certo. Agora me diga. Por que tomou esta decisão?- ele perguntou sereno.
– Por que quero ter um filho com você. Quero te dar um filho Edward. - ela disse olhando nos lindos olhos do médico.
– Bella... sabe que por mim não precisa fazer isso. Sabe que eu a amo demais e não seria um filho que mudaria isso. E depois há tantas formas de termos isso. Adoção. Barriga de aluguel.
– Eu sei Edward, mas eu quero tentar senão der então tudo bem. Aí poderemos ver outros métodos.
– Ok. Estou do seu lado minha princesa. Sempre.
– Eu te amo. – ela disse e foi recompensada com um maravilhoso sorriso do seu médico.
***
Bella estava sentada na areia da praia de Monterey observando as ondas no mar. Sentia se triste. Mesmo tendo se convencido de que isso era uma possibilidade, ela tinha esperança e agora após um ano de tratamento, procedimentos dolorosos, seu médico deu o veredito. Nunca poderia engravidar novamente.
Nunca teria um filho sangue do seu sangue. Nunca daria a Edward um filho seu.
Então veio a sua mente. Grace. Ela não era sua filha de sangue e a amava demais. Nunca duvidara de seu amor por ela. Ou seja, o amor não era baseado pelo sangue, mas sim por laços afetivos que estavam além de sangue.
Bella conseguiu sorrir depois de dois dias se autopunindo, mas agora Edward estava voltando da áfrica, e ele não precisava chegar em casa e encontrar Bella daquela forma.
Quando Edward chegou ele encontrou uma Bella sorridente e apaixonada com sempre, no entanto quando ficaram sozinhos, ela contou a ele sobre o que o médico lhe havia dito.
– Sinto muito amor. – ele disse meio desligado. Isso não passou despercebido por Bella.
– Edward... o que está acontecendo?... você está distante.
O médico respirou fundo.
– Eu não queria... te pressionar... logo agora que voce descobriu isso, mas... eu não paro de pensar nisso... e
– Fale amor. O que foi?- perguntou ela nervosa.
– Você lembra aquele menino que eu estou cuidando na áfrica. Eu te falei da outra vez. –ele disse.
– Sim eu lembro. É um menino que perdeu a mãe e é prematuro não é?- perguntou.
– Sim este mesmo.
– O que tem? Ele piorou?- Bella perguntou.
– Não. Não graças a Deus. Está tudo bem com ele. É que...
Bella esperou.
– Pode falar Edward. - Bella o encorajou.
– Eu me apaixonei por ele Bella. Ele é tão corajoso, estar passando por tudo isso. E ele não chora, não reclama. Imagino a dor que deve ter sentido. É um menino incrível.
Bella não podia conter as lágrimas ao vê-lo falar assim do menino.
– Eu... eu queria adotá-lo Bella. Quero cuidar dele não como médico, mas como pai. Quero você ao meu lado... eu sei que você vai amá-lo. Diga que sim, Bella. Diga que quer fazer isso comigo.
– Eu quero. Como podia não querer vendo você falar assim dele.
Os dois se abraçaram emocionados.
– Como vamos fazer isso? – Bella perguntou.
– Eu vou entrar com o pedido na justiça. Aqui e lá na áfrica. A família está de acordo. Eles me conhecem e querem que o menino tenha uma família.
– Pode contar comigo Edward. Grace vai enlouquecer.
– Ela vai sim, e voce será uma mãe incrível, como já é com Grace.
Eles riram felizes pela decisão.
O amor da adoção é um amor maior do que toda forma de amor.
Seis meses depois...
– Grace você segura bem ele. - Bella avisou a filha.
Ajeitou a roupa do filho e o beijou.
– É claro mamãe. – ela rolou os olhos - Eu sei cuidar bem do meu irmãozinho.
– Bella... Grace vai cuidar do Benjamin direito não se preocupe. - Edward disse.
Ela olhou seu namorado/marido.
– Ele está com esta mania de se atirar. Tem que ficar esperta filha. Só você pra me fazer cometer esta loucura de novo hein. – disse colocando as mãos na cintura, e olhando para Edward. – Só posso estar maluca. – resmungou.
– Eu acho maneiro. Nem sabia que a senhora tinha saltado de paraquedas antes. – Grace disse. – Quando eu vou poder saltar pai?
– Ainda vai demorar um pouco princesa. Precisa crescer mais.
Grace estava chamando Edward de pai desde que Benjamin chegara a vida deles. Edward não podia estar mais feliz.
O instrutor chegou até eles.
– Então? Estão prontos? – perguntou.
Edward abriu um sorriso grande e Bella suspirou.
– Vamos lá Bella.
– Eu tenho dois filhos pra criar Edward Cullen, acho bom voce não deixar nada de errado acontecer.
Edward riu e foi dar um beijo em Grace e um cheiro no seu filhote.
– Papai já volta Ben. – ele disse e o menino já esperto em seus oitos meses gritou agitando os braços para ele.
– Vamos sua covarde. – Edward pegou a mão de Bella.
– Tchau papai. Tchau mamãe. – Grace pegou a mãozinha de Benjamim acenando para eles. – Nós vamos vê-los daqui. – Grace disse sentada com Benjamin próximo ao carro dos pais.
– Já volto meus amores. – Bella disse.
Eles saíram em direção ao campo de preparação.
Como no passado Edward seria o instrutor dela.
Edward começou os preparativos para o salto colocando os aparelhos em Bella.
– Edward... é seguro? – Bella se lembrou do que eles haviam conversado quando do primeiro salto.
Ele riu.
– Vou sentir medo? – repetiu sua frase de outrora.
– Tomara que sim. Sentir medo faz parte. As pessoas que optam por saltar querem testar seus próprios limites e isso faz ter medo. Mas é muito bom.
Ele repetiu igual as suas palavras no passado.
Os dois se olharam cúmplices, e sorriram.
Foram para o avião. Todos os procedimentos estavam em ordem, e chegou a vez do salto deles.
Preparados para saltar Edward lembrou-a:
– Foi depois daquele salto que demos nosso primeiro beijo.
– Foi sim, e pra não quebrarmos a tradição é melhor repetirmos. – Bella disse.
Edward sussurrou em seu ouvido.
– Naquela época eu ainda não sabia que te amava. Mas agora eu sei. Eu te amo. Muito.
Foi a vez de Bella sorrir.
– Eu também te amo demais.
Após as palavras deles eles saltaram. Um salto de amor e felicidade que os dois jamais esqueceriam, pois era um salto livre. Livre como foi todo o processo que os levara a hoje ser um casal. Forte unido e apaixonado. E que nada nem ninguém jamais separariam.
FIM.



Amo vocês. Beijos

No comments :

Post a Comment