FANFIC EU TE DOU MEU CORAÇÃO - CAPITULO 05

Eu Te Dou Meu Coração

Eu te dou meu Coração
Diana Neves.

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Gêneros: Amizade, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez



CAPITULO 05 - MINHA CASA

– Edward, meu filho. Fica calmo. São 8 horas da manhã. – Esme, minha mãe andou até mim, e se abaixou ao meu lado. – As pessoas costumam acordar tarde no sábado. Quando ela acordar, ela vai te ligar. – ela passou sua delicada mão direita em meu cabelo, como se quisesse arrumar os fios.
Minha mãe é tão carinhosa. Me trata como um bebê após meu acidente. Mas eu não a culpo. Ela só tenta me passar todo amor que pode. E no início isso foi fundamental. No meu processo de aceitação, minha mãe, aliás, toda minha família, me apoiaram muito, e me dando muito carinho e atenção, conseguiram me proteger da depressão. Hoje eu entendo, na época eu fui um pouco mais arredio com toda essa atenção.
– Mãe, não tenho tanta certeza se ela vem. Ela acorda cedo todos os dias, por que hoje não iria acordar? Se ela não ligou até agora, é porque não vem. – abaixei a cabeça e minha mãe me abraçou.
– Meu filho, justamente por acordar cedo todos os dias, é que hoje ela deve querer se levantar tarde. Eu mesma só acordei cedo porque você estava fazendo um barulhão aqui na minha cozinha. – eu ri. Minha mãe tinha o dom de me acalmar.
– É, talvez eu só esteja nervoso mesmo. – me soltei do abraço de minha mãe e a olhei. – Na verdade, acho que estou sendo ridículo. Ela vai vir. Realmente, ainda é bem cedo. – Minha mãe sorria docemente pra mim.
– Você gosta dela não é mesmo?
– Céus mãe, sabe que não escondo nada de você, não é mesmo? – ela riu e assentiu. – Eu estou louco por ela. Totalmente apaixonado. E ela é simplesmente magnífica, mãe. Você vai ama-la. – ela sorriu do meu jeito empolgado, mas logo uma ruguinha de preocupação apareceu em seu rosto.
– Meu filho. Acho lindo ver você feliz, com esperança. Mas.... – ela pareceu meio receosa. – Essa moça... a Bella. Ela gosta de você da mesma maneira que você gosta dela? Não quero jogar água fria, mas eu só não aguentaria te ver sofrer, meu filho. – suspirei.
Minha mãe estava certa em se preocupar com isso. Desde o acidente, nunca me envolvi com nenhuma mulher. Já conversei com várias nas salas de bate-papo, mas nunca mantive amizade, como aconteceu com Bella.
É lógico que eu saía com minha família, viajávamos normalmente. Mas nunca me envolvi com ninguém, emocionalmente. E se Bella, mesmo sem querer, machucasse meu coração, tenho certeza que seria uma queda da qual eu não me reergueria mais.
Eu sei que é perigoso, mas estou apostando todas as minhas fichas nessa amizade com Bella.
– Mãe, eu sei os riscos. Mas estou dando a cara a tapa. – suspirei, esse seria um assunto que difícil de falar com minha mãe. – Sabe mãe, eu gosto dela. E eu estou há 10 anos nessa cadeira de rodas, sem ninguém. Eu tenho... ér... desejos, entende? Sinto falta de abraçar uma mulher, de beijar... Essas coisas. – merda, minha mãe é minha melhor amiga, mas esse não é exatamente o assunto pra se falar com as mães.
Senti que ela ficou um pouco envergonhada com o assunto também. Mas nem isso a fez encerrar o assunto.
– Eu te entendo meu filho. Mas... – ela conteve o que ia falar, e pareceu pensar um pouco. – Mas e se vocês começarem a namorar, e... bem... ela é uma mulher. E provavelmente... ér... – logo a cortei.
– Mãe, esse assunto está tão embaraçoso pra mim, quanto pra você. Eu prefiro conversar essas coisas com Emmett ou papai, se não se importa. – ela olhou pra mim, ainda vermelha de vergonha, e assentiu.
– Claro Edward. – ela me deu um beijo na bochecha e se levantou, indo pegar algo na geladeira. – Só não condene sua mãe por se preocupar com você, tudo bem?
– Fazendo charme, Sra. Cullen?
Ela ria enquanto tomava um copo d’água.
– Sabe que adoro ser mimada pelos meus homens. – ela disse piscando pra mim.
– Seus homens? Já posso ficar com ciúmes? – disse meu pai entrando na cozinha, e dando um rápido beijo nos lábios de minha mãe. – Bom dia, filho. – Ela deu um beijo no topo da minha cabeça.
– Bom dia, pai. E para de ser ciumento, os únicos homens de minha mãe se chamam Edward, Emmett e Carlisle. Não é mesmo mãe?
– Huummm... não sei Edward, vai que eu arranjei novos amores por aí, heim. – minha mãe adorava provocar meu pai.
– Eu sei que não arranjou, e sabe como eu sei? Eu te dou tudo que você quer e precisa. – meu pai abraçou a minha mãe e falou ao seu ouvido, mas eu escutei perfeitamente. – E eu não estou falando financeiramente.
– hey crianças, eu ainda estou aqui. Sem pouca vergonha na minha frente, por favor. Posso ficar traumatizado. – Meu pai ria sacana e minha mãe, morta de vergonha, deu um tapinha no ombro dele.
Estávamos ainda rindo das brincadeiras do meu pai, quando meu celular, que estava na minha mão o tempo todo, tocou. (não que eu estivesse ansioso, imagina!) Na hora fiquei nervoso. Eu sei, besteira, mas quando li o nome da minha Bella no visor do aparelho, meu coração disparou. Um medo de ela estar ligando pra desmarcar comigo. Não, ela não ia fazer isso.
Tomei um impulso de coragem, e atendi.
– Oi Bella, bom dia.
– Bom dia, lindo. – um sorriso enorme tomou conta do meu rosto na hora. Lindo!
– Como você está? – eu continuava a sorrir como um bobo.
– Estou bem, acordei agora a pouco. E você?
– Bem também. Acordei já faz um tempo. – tomei fôlego e disse. – Estava esperando você ligar. – ela riu um pouco.
– Você é um fofo. Então, eu já estou quase pronta... – ela jogou no ar, com certeza um pouco constrangida de me cobrar o táxi.
– Então termine de se arrumar, que já vou mandar um taxi aí pra você.
– Tá bom Edward. Então até daqui a pouco.
–Até, Bella.
Encerrei a ligação e olhei para meus pais que me olhavam segurando o riso. Pela minha mãe estava tudo Ok, ela já sabia que eu estava apaixonado. Mas meu pai, com certeza ia me encarnar. Quando disse sobre Bella, apenas falei que uma amiga que conheci na internet iria vir passar o dia aqui em casa.
– Vai pai, pode zoar. – ele soltou uma sonora gargalhada, e eu e minha mãe acompanhamos no riso.
É engraçado, quando estamos felizes, nós temos o hábito de rir a todo momento. E por qualquer coisa.
– Você não tirava do rosto, um sorriso bobo, durante todo tempo da ligação. – suspirei, e sem tirar o sorriso do rosto, declarei a meu pai.
– Acho que sei que tipo de sorriso é. O mesmo que o senhor dá quando está olhando pra minha mãe. Mal dos homens apaixonados. – ele estreitou os olhos pra mim e minha mãe, ao lado dele, gargalhava.
– É, você me pegou Edward. Mas, como não ser eternamente apaixonado por essa linda mulher ao meu lado? – ele piscou pra mim, e deu um beijo em minha mãe. E ela suspirou toda melosa pra ele. A relação deles era linda de ser ver.
– Sou muito sortudo de ser filho de vocês dois. Tenho muito orgulho de saber que ainda se amam, mesmo com tantos anos de casamento. – meu pai se soltou do abraço de minha mãe, e veio pra perto de mim, bagunçou meus cabelos e falou:
– E nós, com certeza temos orgulho do filho maravilhoso que você é. – Antes que o clima ficasse de melação total, eu comecei a guiar minha cadeira pra fora da cozinha.
– Deixa eu sair de perto de vocês, que hoje vocês estão safados demais pro meu gosto. – eles riram. – E deixa eu ligar pro táxi ir buscar a Bella. Não quero deixa-la esperando. – pisquei pra eles, e fui em direção a sala.
___________________ x ___________________________________ x ________________
Já tinha se passado meia hora, desde que mandei o táxi ir busca-la.
Eu estava no portão da minha casa esperando o táxi com a minha Bella.
Estava ansioso pra vê-la. Meus pais também. Na verdade eles estavam curiosos pra conhecer a famosa Bella. Mas eu os proibi de vir aqui fora espera-la comigo. Fala sério. Iria ser ridículo isso.
Gostaria de primeiro cumprimenta-la, conversar com ela um pouco. E depois sim, apresenta-la aos meus pais.
Já estava prestes a roer as unhas, quando um carro para em frente ao portão da minha casa.
Era o táxi dela.
Sorri como um bobo. Ela estava linda, magnífica pra falar a verdade. Ela estava de tênis all star, calça jeans colada, e uma blusinha colada ao corpo. Porra, ela estava gostosa pra cacete. Espantei esses pensamentos tarados de minha cabeça, e sorri pro meu anjinho.
– Oi Bella. Você está linda. – ela sorriu, e veio pra perto de mim.
– Oi. Você também não está nada mal. Bela camisa. – ela se abaixou um pouco e me deu um beijo no rosto, e novamente foi perto demais da minha boca. Ela estava querendo me enlouquecer, definitivamente.
Agradeci e empurrei minha cadeira pra perto da porta do carona. Vi quanto deu a corrida, estiquei meu braço e paguei o taxista.
Eu e Bella entramos na propriedade. O tempo todo, ela dizendo o quanto era lindo o lugar. Elogiou o jardim da minha mãe. Ficou louca quando viu a piscina, e minha mente pervertida, logo imaginou minha Bella dentro de um biquininho. Hummm, devia ser uma delícia. Fui tirado dos meus pensamentos pecaminosos, quando paramos em frente a porta de entrada e Bella me olhou um tanto preocupada.
– O que houve Bella?
– Seus pais estão aí? – ela parecia nervosa em conhecê-los. Tratei de logo tranquiliza-la.
– Calma Bella. Meus pais são legais. E você é uma pessoa maravilhosa, não tem como não te amar. – ela sorriu abertamente e eu logo me dei conta do que falei.
– Já está me amando, Edward? – eu fiquei roxo, vermelho, azul de vergonha, e Bella agora ria abertamente do meu constrangimento. – Sabe, eu acho a amizade um tipo amor muito lindo.
Ah claro. Amor de amigo. Amor do tipo amizade. Ela acha que é esse sentimento que tenho por ela. Bom, eu tenho que ir com calma. Quem sabe de uma amizade não surge um paixão? Bem, da minha parte a paixão já existe, só falta torcer pra ela se apaixonar por mim.
– Pronta pra conhecer minha casa, e os seus loucos habitantes? – Bella sorriu lindamente e piscou pra mim.

– Vamos lá.

Então gente. Quis fazer um Carlisle bem maneiro, a Esme é uma super mãe, e tem muito medo de ver o filho machucado... Mais pra frente vocês vão perceber esse lado dela mais aflorado.
Bom, ainda não introduzi muito o tema principal, que é um homem paraplégico tentando ter um namoro comum, pq eles ainda não começaram o relacionamento...
Com o tempo as coisas vão acontecendo, não posso introduzir tudo de uma vez só, senão fica sem sentido...
Beijos a todos

No comments :

Post a Comment