CORAÇÃO INDOMÁVEL - PENULTIMO CAPITULO - PARTE 1

Reta final. Eu sou péssima em fazer finais, então na minha opinião está uma droga, mas...

Coração Indomável



Coração Indomável
Ju Beija Flor.

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência






POR FAVOR, COMENTEM! ISSO ANIMA A AUTORA A ESCREVER MAIS E MAIS RÁPIDO!!! OBRIGADA! 
Penúltimo Capítulo Parte 1
Bella
Os dois me olharam assustados, eu diria. Edward, principalmente, que estava me olhando apreensivo.
Entrei no quarto em silêncio e fui até ele.
– Já pegou tudo o que precisa, amor? - indaguei calma.
– Está quase tudo pronto. - Respondeu rouco.
Inclinei-me e o beijei de leve. Em seguida me virei ficando cara a cara com a loira.
– Como Edward lhe dizia, Sharon, ele espera ter sua amizade. Você foi importante em um período da vida dele. Uma época difícil. E como sabe Edward não vira as costas para aqueles a quem considera. Porém é somente a amizade dele que você terá. Espero que isso fique bem claro. Eu sou a mulher dele agora. Se você quiser seguir uma amizade leal e verdadeira com ele, eu não me oponho caso espere mais do que isso é melhor que se afaste de nós. Já ficamos muitos anos separados e passamos por muitas coisas e agora é a hora de eu, ele e nossa filha começarmos uma vida juntos. Sem ninguém para atrapalhar. Será que você entendeu?
– É claro. Eu entendi tudo. - Sharon respondeu sem graça.
– Ótimo. Agora se nós dá licença, preciso falar com Edward.
A loira assentiu e saiu rapidamente do quarto. Quando olhei para Edward ele me encarava com um olhar malicioso.
– Puxa vida! Eu já estava esperando que vocês duas se engalfinhassem por mim ai no chão. Aquela coisa de puxão de cabelo e dedo no olho. - Falou debochado.
Eu o encarei, séria.
– Espero que saiba que se eu pegar você de flerte com qualquer mulher que seja eu corto o seu brinquedinho fora. - Falei apenas para brincar. As palavras que ele dissera a Sharon quando não sabia que eu estava por perto não saiam de minha cabeça. Ele me amava acima de tudo. Assim como eu a ele.
– Vem cá, boneca. Sabe que eu sou louco por você não sabe. Sharon é somente minha amiga. Nada mais.
Fui para ele que me enlaçou pela cintura. O desejo já tomando conta de mim. Mal podíamos nos encostar desde que voltamos.
– Nós bem que poderíamos estrear seu quarto que tal? - falei maliciosa mordiscando o queixo dele.
– Boneca você está me saindo uma tarada. - Riu e me beijou, porém antes que nos animássemos Bia entrou como um furacão.
– Mãe!
– Bia, já falei mil vezes sobre bater na porta! - Ralhei com ela.
– Mas a porta estava aberta. - Respondeu se defendendo.
– Deixe a nossa filha, Bella - Edward falou e eu fiquei babando nele. Falando daquela forma tão pai. Porém as coisas não eram assim na educação de uma criança. Não se podia deixar fazer o que quisesse.
– O que foi filha? - ele perguntou a ela.
– Eu queria ir à piscina com os meninos, posso?
Eu já iria responder quando ele confirmou.
– Claro.
– Valeu papai!
Ela saiu correndo animada e eu cruzei os braços.
– O que foi? - ele indagou inocente.
– Eu sei que você não tem muito jeito ainda nessa coisa de educar, mas precisamos conversar. Estabelecer umas regras.
Ele levantou uma sobrancelha me olhando.
– Continue doutora Swan.
– Primeiro um sempre tem que consultar o outro sobre as decisões s relevantes sobre nossa filha. Segundo um não pode desautorizar o outro, pois assim não perderemos a autoridade sobre ela... Ah Edward! O que é isso? - perguntei arfando quando ele me levantou em seus ombros me levando para o banheiro.
Logo que entramos trancou a porta.
– Porra boneca! Você assim toda mandona me deu muito tesão!
Ele disse me prensando contra a porta do banheiro. Eu já havia esquecido o que estávamos conversando. No momento seguinte estávamos trocando beijos deliciosos.
Meu vestido foi erguido até a cintura e a calças deles já estavam em seus tornozelos quando cruzei minhas pernas em seus quadris e ele entrou em mim forte e duro.
– Que delicia! - exclamei.
– Muito! Minha boneca safada - falou mordendo meu ombro enquanto me invadia forte.
Foi uma rapidinha safada e muito gostosa. Logo depois ele me olhava através do espelho quando eu retocava o batom antes de descermos para onde o resto da família nos esperava. Tinha um sorriso sapeca no rosto e me lembrei de quando começamos há tantos anos atrás. Eu não poderia imaginar tudo o que viveríamos. E não poderia amá-lo mais.
Saímos do quarto de mãos dadas e no corredor encontramos Emmett.
– Eu vim chamar vocês para almoçar, estavam demorando demais e... Não acredito! Estavam transando?! - Ele disse com uma cara maliciosa.
– Vai se ferrar Emmett! - Edward falou e eu ri.
– Viraram adolescentes agora? - Emmett perguntou e não demos bola para as gracinhas dele.
Obviamente Emmett não deixou por menos e nos tornamos o assunto do almoço. Um pouco mais tarde Rose se sentou ao meu lado e cochichou.
– O que fez para a loira ir embora? Ela está lá no quarto fazendo as malas.
– Sério? Só coloquei algumas questões, mas não a mandei embora. - Falei.
– Talvez ela tenha visto que o lugar aqui já está preenchido. - Rose riu sarcástica.
Eu não desejava o mal de Sharon, mas se ela ficasse a distancia melhor seria. Eu não seria hipócrita de querer ela por perto.
Mais tarde ela veio se despedir de Edward que estava ao meu lado.
– Não precisa ir embora - ele disse visivelmente chateado.
– Preciso sim. Você sabe disso. - Ela falou e então me olhou. - Desculpe por tudo, Bella. Você sendo mulher é capaz de entender não é? - perguntou.
Ela se referia a eu entender por ela se apaixonar por Edward. Eu a entendia. Ele era apaixonante.
– Você sempre será minha amiga, Sharon. Eu a considero muito. Não se esqueça disso.
– Não vou esquecer, Edward. Você também sempre será um grande amigo, mas agora está na hora de você viver sua vida e eu procurar o meu lugar no mundo.
Eu fiquei tensa quando eles se abraçaram, porém fiquei firme. Eu sabia do carinho que ele sentia por ela e não daria crises de ciúme por isso. Afinal era comigo que ele estava não era?
Ela partiu em seguida e Edward me abraçou forte.
– Não entenda as coisas errado, Bella. Sharon passou por tanta coisa na vida, assim como eu. Ela perdeu o marido e a filha. Curou-se do vicio em drogas. Não tem ninguém na vida. Ela foi quem ficou no lugar de Urubu, que segurou minhas barras. Preocupo-me com ela e posso me afastar por respeito a você, mas jamais vou deixar de me informar se ela precisa de algo...
Ali entendi que ele não se esqueceria daquela que considerava sua amiga. E eu cheguei a cogitar, se um dia ela superasse a paixão que sentia por ele talvez pudéssemos conviver em paz.
Os dias seguintes foram de adaptação a nova vida a dois, na verdade a três. Bia estava enlouquecida com pai tão perto e a danadinha se aproveitava para usar sua persuasão e pedir a Edward as coisas que eu não deixava. Edward capitulou nas primeiras vezes, porém depois de uma conversa mais séria ele começou a perceber como educar e mimar a filha ao mesmo tempo.
Alex passava muito tempo entre nós. Ele e Bia se davam muito bem e isso facilitava muito a convivência. Passávamos muitos momentos na casa de Edward ao lado da família dele. Contudo sempre voltávamos para meu apartamento onde era o nosso lar. Semanas mais tarde os familiares de Edward, ao contrário do que o próprio pensava, começaram a seguir para suas vidas. Rose e Emmett voltaram para New York onde eles viviam. O avô dele por mais que quisesse ficar perto do neto, não conseguia ficar fora de onde morou por anos e onde tinha as lembranças de sua esposa. Ele voltou para a Filadélfia assim como Elisa o marido e a filha. Alex ficaria com o pai por um tempo. Elisa e Edward estudavam dividir a guarda do menino para que ele pudessem ter convivência com as duas famílias. Carlisle e Esme e os dois filhos mais novos resolveram ficar definitivos em Seattle, contudo sempre iriam para a Filadélfia para não deixar o senhor Jhonas sozinho por muito tempo.
Bryan tinha viajado para a Europa e o escritório estava em minhas mãos, por sorte eu contava com a ajuda de Ângela. Estava atolada de trabalho, mas quando eu chegava em casa e via Edward e Bia e algumas vezes Alex o cansaço sumia como por mágica.
Se eu imaginava que dormir todas as noites com o homem que eu amava seria bom, eu estava enganada, era muito melhor. Era surreal. O amor que eu tinha por ele apenas crescia.
– Tem certeza que eles vão demorar? - perguntei enquanto Edward puxava minha calcinha pelas minhas pernas.
Estávamos no sofá da sala do apartamento no maior amasso. Era para ser apenas alguns carinhos, porém o fogo nos consumiu e agora eu já estava seminua morrendo de medo que minha filha e Alex retornassem do passeio com Esme, antes do tempo.
– Sim, boneca. Eles vão demorar bastante. - Ele falou já com seu membro rijo pronto para me fazer sua.
Não resisti por muito tempo. Nem teria como quando ele me fez apoiar os braços no sofá e me tomou por trás. A posição que mais me excitava. Que me deixava fora de mim. Safado, ele aproveitava para bater na minha bunda. E eu gemia desavergonhadamente.
Naquele mesmo dia eu fui arrumar algumas coisas no armário do nosso quarto quando vi aquela caixa. Tudo que havia ali, naquele diário, toda aquela história que também era a minha historia. Era tão intensa e linda que daria um... Livro?
Foi então que conversei com Edward sobre tornar o diário um livro. Ele era um artista e forma como ele retratou toda a nossa vida era a forma como um escritor fazia. Ali tinha matéria para um bom romance, ele teria apenas que mudar os nomes dos personagens e mais nada. Eu tinha certeza que seria um grande sucesso.
Ele ficou reticente quando comentei, mas depois se animou. Um editor se interessou pelo livro e estava analisando, em alguns dias ele daria uma resposta.
Parecia que eu vivia um sonho. Estar ao lado dele e de minha filha. Dormir e acordar nos braços do homem que eu amava, do meu marido. Sim não precisávamos nomear o que éramos. Nunca fomos tradicionais mesmo, a nossa história nunca foi tradicional, contudo ambos sabíamos que éramos marido e mulher.
Havia apenas uma coisa que estava me incomodando. A insistência tanto por parte de minha mãe, como por Edward para que eu perdoasse Kate. Nessa minha vida de felicidade plena eu já tinha até esquecido dela. Ainda existia magoa. Não seria fácil para que eu esquecesse, mas também já era tempo de recomeçar sem deixar nada para trás.
Minha nova família então seguiu para um almoço na casa de minha mãe onde eu reencontraria Kate após semanas. E eu tinha que confessar que sentia falta dela e do meu sobrinho.
No inicio foi estranho, mas minha irmã fez tudo para se regenerar agradando a todos. Até com certo exagero. Evitei uma conversa definitiva e deixei que os laços de sangue que nos unia fizessem o papel de nos reaproximar.
Edward
Com certeza estava fazendo errado. Mas eu era assim, não tinha como mudar meu jeito superprotetor.
Emmett me olhava irritado enquanto entravamos no presídio. Ele também não concordava com o que eu estava fazendo, mas como meu irmão e advogado, não deixaria que eu fizesse qualquer burrada, não que eu pretendesse fazer nada. Eu apenas queria olhar para a cara de Aro e vê-lo preso assim como estive por 10 anos. Queria dizer muitas coisas a ele.
Meu irmão tinha medo que isso pudesse me complicar. Eu iria ser cuidadoso. Não iria jogar minha vida no lixo dessa forma.
Fiquei angustiado por estar naquele presídio. Não foi o mesmo onde passei dez anos, mas mesmo assim me senti sufocado. Eu iria fazer o que tinha que fazer ali e sairia dali o quanto antes.
– Acho uma tremenda besteira isso que está fazendo.
– Você já falou isso, Emmett.
– Quando a Bella souber você está frito.
– É só você não contar. - falei olhando firme para ele.
Meu irmão balançou a cabeça, inconformado. Acomodamo-nos na sala de visitas a espera de Aro aparecer através do vidro.
Logo o vi. Estava já com a idade avançada. Poderia ser confundido com um senhor qualquer na rua e ninguém saberia que aquele homem era um assassino.
Quando os olhos dele pousaram em mim um largo sorriso apareceu em seu rosto. Ele sentou-se a minha frente e pegou o fone para nos comunicarmos. Eu o olhei por algum tempo e percebei que não tinha nada para dizer aquele homem. Nenhuma palavra.
– Vamos embora, Emmett. - Anunciei já me levantando e saindo da sala sem olhar para trás.
Ao chegar em casa, horas depois , encontrei Isabella no meio da sala andando de um lado para o outro. Ela sabia.
Percebi que ela estava chateada quando cruzou os braços.
– Poderia ter me dito. Eu não sou burra, Edward.
– Isabella... Você não iria concordar.
– É óbvio que não! Mas poxa Edward! É assim que funciona uma relação. - Ela suspirou e fui ao encontro dela a abraçando.
– Me desculpa, boneca, foi uma estupidez nem sei por que fui lá.
– Edward, quando nos reencontramos o que eu disse a você. Que temos quer ser parceiros em tudo. Você não pode me esconder as coisas.
– Eu sei. Eu sei. Desculpe-me. É difícil mudar velhos hábitos. Eu apenas quis te proteger.
Ela me abraçou forte colocando seus braços em volta do meu pescoço.
– Eu sei, amor. Mas não me esconda mais nada. Vamos seguir nossa vida juntos, sempre. Sem mentiras ou esconder coisas um do outro. - Ela suspirou. -
Quase morri quando soube que iria ver aquele verme. Ele nos fez tanto mal.
– Você está certa. Eu não falei com ele, cheguei lá e vi que não tinha nada pra falar para aquele homem. É passado.
– Eu amo você.
Isabella disse me fazendo mais uma vez o homem mais feliz do mundo
– Eu também. Amo muito você minha boneca.
Continua...



Quem se lembra da fanfic postada aqui no site da nossa querida Ju Bauer, O Senador? Ela foi transformada em livro, e apesar de ter sido lançado hoje, já está entre os mais vendidos da amazon!




Venha você também se apaixonar por essa história encantadora inspirada em Edward e Bella. 


Para conferir o livro, clique AQUI

DESCRIÇÃO>> Seria possível mensurar o amor de um homem por uma mulher? E quando este amor é tão grande que afronta inclusive a rejeição da mulher amada... 

O Senador Richard Walker terá um árduo desafio pela frente, maior até do que ganhar as próximas eleições Terá que convencer a mulher a quem ama, de que não é corrupto nem desonesto como a maioria dos políticos da face da terra. Richard teria que derrubar as barreiras que a Jornalista Emma Morris construiu em torno de si mesma para bloquear o amor... 

Filha de um Ex-senador da República, preso por corrupção, Emma não acreditava no mundo político e muito menos na corja de parlamentares. Já que o próprio pai, a pessoa que mais amava no mundo, foi capaz de decepcioná-la. Em consequência daquele fato, ela também havia se fechado para o amor. Contudo, Emma aprende que nem sempre podemos julgar a todos, nos baseando no ato falho de alguns. Após rejeitar o maravilhoso Senador Walker, aprenderá com a dor, que o amor tudo perdoa, tudo suporta, tudo crê... 

Do medo do novo ao recobrar da confiança em si e nos outros, aprendendo a perdoar, convivendo com os erros, buscando a felicidade... Momentos de romance e ternura emoldurados no duro prisma da negação de seus verdadeiros sentimentos, até o dia da entrega total, com pitadas de pura sensualidade e a transformação do MEDO em AMOR.

1 comment :

  1. Oq vc acha de fazer umas 10 partes pro penultimo capitulo hein? Haha eu nao quero que essa fic acabe, é linda demais! Parabens!

    ReplyDelete