FANFIC EU TE DOU MEU CORAÇÃO - CAPITULO 32

Eu Te Dou Meu Coração

Eu te dou meu Coração
Diana Neves.


Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Gêneros: Amizade, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez




– Ok Jasper, Às 8 da noite então. Abraço. – desliguei o telefone.
Jasper havia me ligado para me chamar para tomar alguma coisa. Ele teve uma briga feia com Alice, pela manhã, e estava precisando levar um papo de caras.
Aceitei, com certeza.
Uma semana havia passado desde que eu e Bella voltamos de nossa lua-de-mel.
Suas aulas na faculdade já haviam começado enquanto estávamos nas Ilhas Maurício. Ela perdeu as primeiras aulas, e por isso, estava participando de um grupo de estudos.
Alguns ex-alunos eram tutores desses grupos. Eles davam essas aulas de reforço, e em troca, faziam gratuitamente cursos de mestrado ou doutorado.
Não era pra esse fato me incomodar.
Eu queria que minha esposa fosse bem na faculdade. Mas o fato que me incomodava, e muito, era que Riley era um ex-aluno, e dava aulas justamente para o grupo de estudos de Bella, para em troca, poder cursar gratuitamente algum curso de pós-graduação.
Bufei.
backstreet boiola voltou.
Eu odiava essa amizade de Bella com ele. E não fazia questão de esconder, assim como ela não fazia questão de esconder que odiava minha amizade com Tânya.
Tentei ligar em seu celular, e estava desligado. Provavelmente ainda estava na aula.
Bem, foi uma exigência minha que ela estudasse de manhã. Nunca permitiria que ela estudasse de noite.
Não é que eu mande nela. Mas eu não gostaria de chegar em casa e não encontrar minha esposa.
Então entramos em um acordo onde ela estudaria pela manhã, trabalharia com Alice no período da tarde. E isso foi por insistência dela. Não havia necessidade de Bella trabalhar. E duas vezes na semana, a noite, ela iria para o grupo de estudos.
Toda terça e quinta.
Merda, apenas uma semana nessa rotina, e eu já estava puto da vida com essa coisa de minha esposa passar algumas horas que ela deveria estar comigo, com aquele pilantra.
Após tentar mais uma vez, em vão, falar com Bella, eu desisti e fui preparar alguns gráficos para uma reunião que eu daria em breve para minha equipe.
O dia passou rapidamente. Acabei me enrolando com o trabalho, e cheguei atrasado a minha sessão de fisioterapia.
Eric, que agora já era meu motorista particular, tentou correr ao máximo, mas ainda assim, cheguei quase meia hora mais tarde à clínica.
– E então, Edward? Como está a vida de casado? – Tânya perguntou enquanto preenchia o relatório diário sobre meu tratamento.
– Está bem. Eu e Isabella nos amamos muito e nos damos bem. – dei de ombros. – Claro que existem algumas briguinhas, mas isso é comum. As mulheres tendem a complicar um pouco a convivência.
Tânya bufou.
– Sempre culpa das mulheres, não é mesmo? Os homens são uns santinhos, evidentemente. – debochou. Eu ri com vontade.
– Não quis dizer isso. Mas vocês gostam de ver problemas onde não existem. – ela revirou os olhos. – Quero dizer, qual o problema de vocês com uma simples toalha em cima da cama? – ela deu uma sonora gargalhada.
– Meu Deus, eu acho que quando os homens nascem, já vem uma recomendação de deixar toalhas molhadas em cima da cama. É tão simples pendurar uma toalha. Mas por alguma razão ainda não explicada cientificamente, nenhum homem consegue. – bufei.
– Eu consigo pendurar uma toalha, só que as vezes eu esqueço. – ela riu com vontade.
Após minha sessão, convidei Eric para se juntar a Jasper e eu, e logo partimos para o bar combinado.
Era um bar requintado. Eu sabia que Jasper não tinha grana pra bancar um lugar assim, mas eu faria questão de arcar com as despesas. Até porque, não é qualquer bar que tem acessibilidade.
Eric e eu chegamos, e logo encontramos Jasper, que nos disse que havia acabado de chegar também.
Uma garrafa de Whisky depois, nós já ríamos bastante.
– Cara, a Alice brigou com você por causa disso? – Eric, que se sentiu a vontade para beber conosco, perguntou. Jasper, rindo muito, assentiu.
– E ainda disse que eu não a amava. Precisava ver. – nós ríamos cada vez mais.
– Isso tudo por que você não reparou num corte de cabelo? – perguntei enquanto tentava conter uma gargalhada, para tomar mais uma dose da nova garrafa de whisky que havíamos pedido.
– Exatamente. E não pense você que Isabella é diferente. Elas são mulheres, nasceram pra reclamar e nos mandar dormir no sofá. – a fala de Jasper já era um pouco enrolada devido a quantidade de álcool.
Será que eu também já estava falando assim?
– E por falar em mulher, você ligou pra sua, Edward? – Eric perguntou.
Instintivamente, dei um tapa estalado em minha testa.
Como eu pude esquecer de ligar pra avisá-la?
A verdade, eu liguei de manhã, mas estava desligado, e com a correria do dia, a sessão de fisioterapia, eu acabei esquecendo.
Olhei em meu relógio de pulso.
Puta merda! Onze e meia da noite. Isabella vai me matar.
– Pela sua cara, acho que você não avisou. – Eric disse.
– Pelo visto, não vou ser o único a dormir no sofá hoje. – Jasper debochou.
Chequei meu celular, e vi que tinha 29 ligações perdidas. Que merda! Estava no silencioso.
Havia 4 mensagens. Todas de Isabella.
De: Bella
Para: Edward
Amor! Cheguei em casa e não te encontrei. Tá na fisioterapia ainda? Cuidado com essa loira do mal, heim. Te amo de montão!
Às 7:30 pm
Passei para a mensagem seguinte.
De: Bella
Para: Edward
Edward, aconteceu alguma coisa, meu amor? Liguei para seu pai, e ele disse que você havia saído da empresa no mesmo horário de sempre. Estou preocupada meu amor. Te amo sempre!
Às 8:40 pm
Respirei fundo, e passei para a próxima mensagem.
De: Bella
Para: Edward
Edward Anthony Masen Cullen, pro seu bem, é bom que realmente tenha acontecido algo.
Às 9:50 pm
Engoli em seco, e passei para a última. O medo já corroendo minhas entranhas.
De: Bella
Para: Edward
Com certeza, quando você chegar em casa, algo vai acontecer. Espero que sua noite esteja valendo a pena.
às 10:55 pm
– Caras, acho que estou ferrado. – declarei a meus amigos, enquanto bebia mais uma dose.
Talvez eu precisasse de mais uma garrafa pra poder enfrentar minha fera.
[...]
Eric, um pouco cambaleante, me ajudou a sair do carro.
Estávamos já dentro da minha propriedade. Por algum motivo, Eric preferiu não arriscar entrar na garagem. Algo parecido com “as paredes ficaram estreitas”, ele murmurou.
– Cara, não deixe ela te intimidar. Mulheres são iguais cachorros bravos. Se você mostrar que está com medo, elas avançam e te mordem. Você tem que mostrar quem é mais forte. – Eric dizia meio enrolado, mal conseguindo se firmar de pé.
Assenti meio grogue.
Engraçado, quando estamos chegando em casa, é que o porre começa a fazer efeito.
Lentamente, empurrei minha cadeira até a entrada da casa. Acenei brevemente para Eric, que já entrava em seu carro particular para ir embora.
No momento em que peguei a chave da porta da frente em meu bolso, escuto o “clic” de alguém abrindo a porta por dentro.
Minha visão ficou um pouco nublada. Cocei os olhos para tentar enxergar melhor.
Tomei um susto quando vi o vulto de Isabella parada à porta.
Eu acho que ela parecia brava.
– Oi amor. – quando ia abrir um sorrisão pra minha esposa, um soluço escapou.
– Entra quieto. Qualquer coisa que você falar pode piorar a sua situação. – grunhiu entredentes.
Abaixei a cabeça e passei rapidamente por ela. E antes de pegar o corredor para ir ao nosso quarto, Isabella me advertiu.
– Nem pense em entrar no meu quarto. Se vira, tem sofá da sala, quarto de hóspedes, mas nomeu quarto, fedendo à álcool desse jeito, você não dorme. – passou por mim como um furacão, entrou no nosso quarto e bateu a porta.
[...]
De onde estava vindo esse barulho? Era um barulho de tambor?
Estranho, um barulho de tambor no... na... Onde diabos eu estava?
Merda, eu precisava saber onde eu estava.
Acho que se eu abrisse os olhos, seria de grande serventia.
Gemi quando a claridade me atingiu.
– Merda... – resmunguei. Estava com uma dor de cabeça intensa.
Abri os olhos novamente, e pude constatar que eu estava na sala de minha casa. Mais precisamente, deitado no meu sofá.
Droga, por que eu dormi no sofá?
Ah merda!
Aos poucos, as lembranças da noite anterior iam aparecendo em minha cabeça.
Isabella estava uma fera.
Lembro-me dela ter batido a porta do quarto e me deixado no corredor. Depois eu fui ao banheiro social, tentei tomar um banho, e voltei à sala.
Joguei meu corpo no sofá e apaguei.
Olhei ao redor, e vi minha cadeira bem longe de onde eu estava.
Ué, como isso aconteceu?
– A encontrei tombada perto do sofá, e coloquei ali. Não gosto de bagunça na minha casa. – Isabella entrou na sala respondendo à minha pergunta silenciosa.
Olhei mais ao redor, e ao passar os olhos em meu corpo, pude constatar que eu estava nu.
– Céus, por que eu estou nu, Isabella? – ela sorriu em deboche.
– Com certeza, você não sofreu um abuso sexual. – deixou um copo de água, e dois comprimidos brancos em cima da mesinha que ficava ao lado do sofá. – Aparentemente, você tentou tomar um banho, e depois, sem se secar, veio para o sofá. Acho bom você por uma roupa, antes que Zafrina e Siobhan cheguem. – fez uma careta e foi a outro cômodo da casa.
Oh meu Deus, Zafrina e Siobhan, as senhoras que trabalhavam aqui em casa chegariam a qualquer momento, e eu estava nu na sala.
Olhei para minha cadeira. Estava muito longe.
– Isabella! – gritei. – Bella, meu amor. Eu não alcanço a cadeira. Amor! – ela logo voltou à sala.
– Nossa, Edward, que evolução! – sorriu friamente. – Hoje você lembra que tem uma esposa. – gemi.
– Amor, me desculpe. Eu só fui tomar... – ela me cortou.
– Eu sei onde você foi, com quem você foi e porque você foi. – disse seca.
– Então está tudo certo, não é mesmo? – sorri esperançosamente.
– Claro que está. Você saiu com Jasper e Eric ontem, pra beber e falarem besteiras. E Eric, que por acaso é o seu motorista, bebeu como um porco, igualmente a você e Jasper, e dirigiu até nossa casa, com você dentro do carro. Claro que está bem. – ela já se descontrolava. – Porra Edward, você é louco ou quê? Você já sofreu um acidente de carro que te marcou pra vida toda, quer o que agora? Quer se matar? Alcool e direção não combinam. Você é um idiota!
Secou uma lágrima que caía em seu rosto.
– Bella... – ela me deu um olhar mortal.
– Na verdade, idiota sou eu. Que fiquei aqui preocupada, achando que alguma de ruim tivesse acontecido com você, enquanto o senhor bonitão aí, estava entornando todas em um bar. E não teve a dignidade de me ligar e avisar. Ou de apenas atender a merda do telefone em uma das mil vezes que eu liguei. – ela falava em voz alta.
– Foram 29 ligações... – murmurei.
– NÃO ME IMPORTA A PORRA DE VEZES QUE EU LIGUEI! – me encolhi. – Quer saber? Eu não vou ficar brigando com você. Vou me arrumar, porque daqui a pouco eu tenho aula. – Foi até a cadeira e a trouxe, colocando ao lado do sofá. – É melhor você se vestir, Siobhan e Zafrina são senhoras de respeito.
Deixou-me sozinho novamente.
Lentamente, passei meu corpo para a cadeira e fui até nosso quarto. Bella estava dentro do closet.
Tomei um bom banho e quando saí do banheiro, minhas roupas estavam separadas em cima da cama.
Me vesti, e quando cheguei à sala de jantar, onde costumávamos tomar nosso café da manhã, Isabella já estava se preparando pra sair.
– Não vai querer carona? – perguntei humildemente.
– Não, já chamei um táxi. – disse seca. – Eric já chegou, e não está muito melhor que você. – encolhi-me.
– Tenha um bom dia, amor. – desejei do fundo do coração.
Antes dela deixar o cômodo, se virou pra mim e sorriu.
– Claro que vou ter um ótimo dia. Eu vou pra faculdade, depois vou trabalhar, a noite vou ao grupo de estudos, e por fim, vou sair com uma galera da faculdade. Bater papo, tomar umas cervejas, sabe como é né?
Arregalei os olhos.
– Isabella... – ela virou as costas pra mim e caminhou até a saída.
– Tenha um bom dia, Edward. – sumiu de minhas vistas.
Que porra!
As mulheres realmente são vingativas!


E então? Gostaram? Essa briguinha não foi a toa.. vocês conhecem a mente "doente" da autora, certo? rsrsrs
E o Edward está cada vez mais, aceitando que pode sim ter uma vida normal, como ter amigos, beber com eles... e irritar a esposa (coisa que todo homem normal faz) kkkk
Dormiu no sofá, bem feito... rsrs
e o troco da Bellinha heim? To achando que a partir daí a confusao vai começar
beijos, té domingo...



PLease, não dói, não cai o dedo e faz um autor se sentir útil e recompensado!

1 comment :