FANFIC EU TE DOU MEU CORAÇÃO - CAPITULO 33

Eu Te Dou Meu Coração

Eu te dou meu Coração
Diana Neves.


Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Gêneros: Amizade, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez




Meu dia foi uma merda.
Senti uma dor de cabeça de merda o dia todo. Vomitei todo o meu café da manha, e posteriormente, o meu almoço.
Pude perceber a Sra. Robinson torcer o nariz, provavelmente pelo cheiro de álcool, quando veio me servir minha primeira xícara de café do dia.
Acho que devo ter bebido cerca de dez xícaras de café.
Mais tarde, liguei para Tânya desmarcando minha sessão de fisioterapia, pois estava muito cansado, necessitando deitar em minha cama.
E pra piorar, depois que cheguei em casa, tomei banho e jantei, pude constatar que minha esposa falava sério quando disse que iria sair.
Já se passavam das 10 horas da noite, e nada de Isabella chegar em casa.
E ela não atendia o telefone.
Merda, as mulheres são muito vingativas.
Liguei pra Emmett, e não sei por qual motivo, lhe contei sobre a minha briga com Isabella, e o babaca riu muito de mim, e fez questão de dizer o quanto eu estava ferrado.
Por volta das 11 e meia da noite, eu estava deitado em nossa cama, abraçando o travesseiro de Bella, sentindo seu cheiro.
Como eu fui um idiota!
Não por ter saído com os meus amigos. Mas por não ter tentado mais vezes lhe avisar, por ter permito Eric dirigir após beber tanto.
Deveríamos ter chamado um táxi.
Agora eu entendo a raiva de Bella.
Eu fiquei paraplégico por culpa de um acidente de trânsito, e ontem, irresponsavelmente, eu fiquei à disposição de sofrer outro.
Bebida e direção não combinam. E eu estava no meio dessa mistura idiota.
Suspirei.
Como eu poderia ficar chateado com a ira de Bella?
Minha esposa mais uma vez me provou o quanto me ama.
Primeiramente, por ficar tão irada por eu ter arriscado minha integridade física desse jeito. Ficou claro em seus olhos, o medo que ela tem de me perder.
E segundo, pela forma que ela me tratou. Isabella sempre me enxergou como um homem comum. Nunca como um deficiente.
O fato dela não ter hesitado em brigar, gritar comigo, me colocar pra fora do quarto, como qualquer esposa irada faz com seus maridos, de um jeito torto, foi mais uma prova de seu amor incondicional por mim.
Ela não enxerga o Edward deficiente. Ela enxerga o Edward homem, amante, amigo e esposo.
Sem perceber, me peguei acariciando seu travesseiro.
Sorri disso.
Eu realmente precisava ter Bella em meus braços.
Assim que ela chegasse, eu não iria brigar pelo horário avançado, nem enchê-la de perguntas. Eu iria abraça-la e beijá-la com todo meu amor. Iria amá-la e venerá-la, como só ela merecia.
.
.
POV Bella
.
.
.
O dia foi uma merda.
Eu não consegui prestar atenção nas aulas de manhã. De tarde, só consegui me lamentar pra Alice, pelo modo como tratei Edward hoje de manhã.
Mas também, teria sido impossível ficar calada diante da situação.
Primeiro, por ter sido tão absurdo ao ponto de entrar em um carro, quando o motorista estava totalmente alcoolizado. E segundo, por não ter me ligado uma vez sequer pra avisar que estava saindo com os garotos.
Só fiquei tranquila, quando Alice me ligou, também muito irada por Jasper ter ido beber com os amigos. Pelo menos ele disse a ela onde e com quem iria.
A noite, participei do meu grupo de estudos, e logo assim que terminamos, eu já tinha perdido a coragem de sair pra beber com os amigos. Mas como o convite já havia sido feito, eu apenas fui para não furar com a galera.
Enquanto bebíamos as cervejas, Riley, Patrícia, Ellen e Alice, que não fazia parte do grupo de estudos, mas havia ido pelo meu convite, já conversavam animadamente sobre um novo reality show musical.
A cada ligação de Edward, eu morria de vontade de atender, mas não saberia o que dizer.
Eu me sentia culpada por não ter permitido que Edward dormisse comigo. Me sentia culpada por ter gritado com ele, e por ter dito que sairia com meus amigos pra beber.
Olhei no relógio mais uma vez. Já estava tarde. Tamborilei meus dedos sobre a mesa, impacientemente.
– O que foi, Bella? – Alice perguntou preocupada.
– Não foi nada. Só acho que já está na minha hora. Edward deve estar em casa pirando. – bebi o resto de cerveja que havia em meu copo.
– Ah fala sério, Bella. Depois da mancada de ontem, você está preocupada com horário? – Alice parecia indignada. – Jasper sabe onde e com quem estou, e está muito bom. Desliguei até o celular pra ele não ficar ligando toda hora. – bufou.
– Nossa Alice, você está radical mesmo. – Ellen disse.
–Já não estávamos bem, depois de ontem, estamos pior ainda. – fez uma careta ao virar o copo cheio de cerveja de uma vez só.
– Olha, sinto muito por você e Jasper. Mas eu vou pra casa. Meu marido deu uma mancada sim, mas não vou ficar prolongando a briga. – joguei três notas de dez dólares na mesa, e me levantei.
– Ei Bella, espera. Eu te levo em casa. – Riley levantou rapidamente, jogando uma nota de cinquenta dólares na mesa e pegou seu casaco que estava pendurado na cadeira.
– Não precisa, Riley. Eu posso pegar um táxi. Curte a noite aí com as meninas. – tentei negar a carona. Não seria nada legal uma mulher casada ficar pegando carona com um homem solteiro a essa hora da noite.
– Eu insisto. Até você conseguir um táxi, pode demorar. Você não quer chegar cedo em casa? – ele achou o ponto. Como eu me esquivaria agora?
– Ok. Vendo por esse ponto, é melhor eu aceitar. – disse vencida.
Nos despedimos das meninas, e fomos para o estacionamento do bar.
Nosso trajeto foi feito com uma conversa bem animada sobre a faculdade.
Riley tinha muito conhecimento, e me dava ótimas dicas.
Assim que paramos em frente ao portão da minha casa, eu já ia soltando o cinto de segurança quando Riley segurou em minha mão.
Olhei assustada pra ele.
– Bella... Você está realmente bem? – seu tom de voz era baixo e arrastado. Mas não era por efeito de álcool.
– Sim, estou bem sim. Por quê? – respondi ainda um pouco desconfiada por sua pergunta.
– Quero dizer, no seu casamento. Está tudo bem? – senti ele começar a desenhar círculos com seu polegar na palma da minha mão.
Lentamente, encerrei esse contato.
– Meu casamento está ótimo. Tivemos uma pequena discussão ontem, mas Edward é um excelente marido. – ele deu um sorriso amarelo.
– Bem, é que eu pensei que vocês não estivessem tão bem.
– Estamos muito bem. Melhor que bem. Estamos ótimos. – disse decidida.
Ele abaixou a cabeça, suspirou, e levantou a cabeça novamente. Olhando pra mim de uma forma estranha.
– Só quero que você saiba, que você tem outras opções. – franzi o cenho. Como assim “outras opções”?
– Riley, acho que eu não estou entendendo você.
– Bella, eu só quero dizer que... – ele se interrompeu. – Vocês não vão ser jovens pra sempre... – mais uma vez parou o que ia falar. – Olha, você não tem que ficar com um cara assim como Edward. Caras do tipo que não são normais. Existem caras normais que dariam tudo pra estar contigo. Você é linda e divertida. Você pode arranjar um cara normal que vai gostar muito de você. Assim como eu. – eu estava paralisada. Sem palavras. A palavra “normal” foi usada demais. A palavra “normal” me incomodou demais.
Aos poucos, um ódio foi se apoderando de mim. Nojo, decepção, ira e pena. Senti tudo isso por Riley naquele momento.
Tentei me acalmar antes de falar.
– Riley, realmente Edward não é normal. Ele é lindo, é carinhoso, é inteligente, é divertido, é bom marido, é um amigo sincero e é um excelente amante. Com certeza, nenhum outro cara na face da Terra me faria sentir as coisas que Edward faz. Edward é muito mais homem que esses carasnormais que você falou. Inclusive muito mais que você. E eu não estou com ele por não ter opções, estou com ele porque o amo loucamente, e graças a Deus, ele me ama da mesma forma.
– Bella... –abri a porta do carro e saí. Antes de fechá-la, me virei pra ele e falei:
– Muito obrigada pela carona, Riley. Agora, eu vou pros braços do meu marido que não é nem um pouco normal. É acima da média. – bati com toda força a porta do carro e andei a passos duros até o meu portão.
.
.
POV Edward
.
.
Beijos molhados.
Eu juro que estava sentindo beijos molhados sendo distribuídos em minhas costas.
Em algum momento da noite eu adormeci sentindo o cheiro de Bella em seu travesseiro, e agora eu estava sendo acordado de uma forma bem gostosa.
Abri meus olhos e vi o belo rosto de minha esposa.
Franzi o cenho. Ela parecia estranha. Como se estivesse agoniada com alguma coisa.
Seus olhos estavam rasos d’água. Ela me fitava intensamente.
– Bella o que... – ela pôs um dedo em minha boca, para me silenciar.
– Não fala nada. Apenas me ame. Me ama do jeito que só você sabe fazer. – não pensei no porquê, quando e onde. Apenas a puxei para meus braços e a beijei com toda paixão que existe em meu peito.
Rapidamente ela retirou sua blusa, enquanto eu distribuía beijos por seu colo e minhas mãos viajavam por seu corpo.
Ela se afastou por um segundo para tirar o resto de sua roupa, e logo retirou minha boxer.
– Amor, você já me perdoou? – perguntei enquanto ela distribuía mordidas pelo meu tórax.
– Edward, eu te amo tanto. – olhou diretamente em meus olhos. – Eu não posso nunca viver sem você. O mundo lá fora é podre. Eu quero ficar pra sempre no nosso conto de fadas. Só eu e você. – algumas lágrimas escaparam de seus olhos. – Nós dois. Só nós dois pra sempre.
– Sempre nós dois. – a puxei pra mim, e nos beijamos com todo amor, desejo, respeito e paixão que existe entre nós.
Minhas mãos desceram por seu corpo, fazendo uma breve pausa em seus seios.
Bella gemeu em meus lábios quando eu dei um leve aperto em seus mamilos.
Uma mão continuou acariciando seu seio, e a outra desceu até sua intimidade.
Gemi ao sentir o desejo de minha esposa por mim, encharcar sua entrada.
Acariciei seu músculo pulsante, e Bella interrompeu o beijo ao soltar um alto gemido.
– Eu quero você agora, Edward. – sua respiração estava acelerada.
Segurei firme em sua cintura, e a guiei para sentar em meu membro.
Gemi quando nos encaixamos. Minha sensibilidade aumentou consideravelmente.
Olhei no rosto de Bella, e percebi seus olhos nublados pelo prazer.
Forcei seu corpo a cavalgar o meu.
– Óh amor... – Bella me arranhava enquanto gemia.
Coloquei mais força em meus braços, e forcei Bella a cavalgar mais rápido e forte.
– Ai Edward... Isso amor... – Bella gemia descontroladamente.
– Isso amor, geme meu nome. Seu marido, seu homem. – senti meu orgasmo crescendo dentro de mim.
– Sim... Meu homem... Só meu... Ah – cravou as unhas em meu ombro e jogou a cabeça pra trás. – Ai Edward... – Minha esposa gozou lindamente.
– Bellaaa... – chamei seu nome ao me derramar dentro dela.
Ficamos abraçados enquanto nossas respirações se acalmavam.
Aos poucos, fomos nos acomodando na cama, até ficarmos deitados. Bella mantinha a cabeça em meu peito, e meus braços a rodeavam.
– Não que eu esteja reclamando, mas, o que foi isso, heim princesa? – perguntei enquanto depositava um beijo em seu templo.
– Eu só precisava voltar correndo pros seus braços. Aqui é meu lugar. O melhor lugar do mundo. Eu não me encaixo lá fora. Só com você as coisas fazem sentido. – Bella disse enigmática.
Pensei por uns minutos.
Bella parecia estranha.
Estava amorosa como sempre. Mas eu pude perceber algo a mais por trás disso tudo.
– Como foi a noite com o pessoal da faculdade? – resolvi mudar de assunto.
Bella ainda estava deitada em meu peito.
Ela respirou fundo.
– Foi boa. – respondeu apenas.
– E quem foi? – forcei mais um pouco.
– Eu, Patrícia, Ellen e Alice. – deu de ombros. Ela ainda não me olhava.
Levei uma mão ao seu queixo, e suavemente forcei a me olhar.
– Tem certeza? Não foi mais ninguém? – ele negou. – Nem Riley? – travei o maxilar ao falar desse idiota.
Bella desviou os olhos.
– Bella? Ele foi? – já sentia uma veia pulsar em minha testa.
– Não, ele não foi. – deitou a cabeça em meu peito de novo.
Não senti muita confiança na resposta de Bella. Mas minha esposa não tinha porque mentir pra mim.
Relaxei e a abracei mais apertado.
Hoje sim, eu dormiria direito. Com minha princesa em meus braços.
Talvez ela esteja apenas na TPM*.
Nunca é bom contrariar as mulheres quando elas estão com essas coisas.
Após algum tempo de silêncio, a chamei.
– Bella? Está acordada, amor?
– Estou. – respondeu com a voz bem rouca.
– Eu só queria te dizer que eu te amo muito. Boa noite, esposa. – ele beijou meu peito.
– Boa noite, esposo.
Fechei os olhos e deixei o sono me levar.
.
.
.
* Tensão Pré-Menstrual.


E então, gostaram?
Pois é, o Riley não é vilão, mas é mais uma pessoa preconceituosa. E a Bellinha nao esperava isso dele.
Eu particularmente, amei a resposta que ela deu pra ele... Isso brotou na minha cabeça depois, quando eu estava já revisando o cap.




PLease, não dói, não cai o dedo e faz um autor se sentir útil e recompensado!

No comments :

Post a Comment