THE WAR OF BROKEN HEARTS - CAPITULO 34

The war of broken hearts...

THE WAR OF BROKEN HEARTS
Bruna Diniz Cullen


Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Gêneros: Drama





Capítulo 34
Pov. Edward
Cheguei em frente aos portões da mansão me sentindo exausto.
Nunca imaginei que para ter um pouco de paz eu precisaria enfrentar tantos problemas.
Mas, a vida não era fácil para ninguém e só restava me conformar com os desafios impostos pelo destino e tentar seguir em frente...
Afinal, enquanto Bella estivesse comigo, eu seria capaz de vencer qualquer obstáculo.
Depois que Jasper me dera à notícia sobre o pedido de James, eu ficara muito irritado.
Louco, para dizer a verdade.
Aquele soldado maldito não tinha nenhum direito sobre minha filha, pois ele a abandonara antes do nascimento e, assim como os avós maternos, jamais quisera saber dela.
Elizabeth deve ter lhe contado sobre a gravidez, mas ele preferira ignorar a filha e sumir no mundo.
Eu assumira Sophie como minha e cuidara dela até agora, dando-lhe uma família, amor e carinho e era isso que eu faria enquanto vivesse.
A culpa por tê-la deixado no internato ainda me consumia, mas, desde que eu a trouxera para casa, eu estava tentando recompensá-la por todos os anos de solidão e acho que estava conseguindo, já que Sophie parecia me amar incondicionalmente, assim como eu a amava, mesmo não sendo o meu sangue que corria em suas veias.
E eu não gostava da idéia de tê-la perto daquele soldado maldito, mas como meu cunhado dissera, não havia nada que eu pudesse fazer para evitar isso.
Suspirei pesadamente e entrei em casa, tentando fazer menos barulho possível, já que há essa hora, todos deviam ter se recolhido.
Tirei o casaco e o chapéu, pendurando-os e fui até o pequeno bar que ficava no fundo da sala, me servindo de uma generosa dose de uísque.
Há muito tempo eu não fazia isso.
Na verdade, eu havia perdido esse hábito desde que Bella entrara em minha vida, já que com sua doce presença eu não precisava mais do álcool para me acalmar.
Quando Elizabeth morrera, eu bebia quase todos os dias, pois só dessa forma eu conseguia dormir sem ter pesadelos.
Durante a guerra, eu mantive esse péssimo hábito, permanecendo sóbrio apenas quando estávamos em conflito armado e eu estava comandando as missões.
Mas, desde que eu conhecera a minha menina, nem me lembrava do gosto do uísque e não sentia falta de bebê-lo.
No entanto, hoje eu estava extremamente nervoso e queria esquecer todos os problemas que cercavam minha vida e esse, era um dos únicos meios eficientes que eu conhecia.
Eu poderia ir até o quarto e me perder nos braços de Bella, mas eu não faria isso, pois ela devia estar cansada depois de ter que cuidar de três crianças durante todo o dia e não era obrigada a lidar com os meus problemas.
Suspirei pesadamente e me deixei cair no sofá, sentindo minha cabeça latejar intensamente.
Fechei os olhos e tentei relaxar enquanto tomava a bebida, que descia queimando por minha garganta.
_ Beber é um péssimo hábito e não resolve os problemas..._ Ouvi a voz melodiosa da minha menina depois de alguns minutos na mesma posição e sorri, sentindo-a se aproximar de mim e tirar o copo das minhas mãos.
_ Eu sei que não resolve, mas me ajuda a esquecer..._ Falei fracamente, ainda de olhos fechados e só os abri, quando Bella sentou-se em meu colo.
Ela estava vestida com uma longa camisola branca e envolta pela sombra na noite, parecia um anjo.
_ Por favor, não faça isso. A bebida apenas destrói a vida, a família e o casamento..._ Ela falou, acariciando meu rosto e eu suspirei, me inclinando e beijando seus lábios de leve.
_ Foi só uma dose, amor... Fique tranqüila. Não é como se eu fosse um alcoólatra. _ Eu falei, tocando suavemente a pele de sua face e ela suspirou, escondendo o rosto na curva do meu pescoço.
_ Todo mundo começa com uma dose, Edward... Meu pai começou assim e veja o que aconteceu: vive bêbado, caindo por aí e se metendo em confusão. Perdeu todo o seu dinheiro em bares e jogos de azar, negligenciou sua família e hoje vive sozinho. E eu não quero que isso aconteça com você, meu amor..._ Bella falou fungando e eu a apertei contra meu corpo, tentando acalmá-la.
_ Eu prometo que nunca mais vou beber, se isso lhe faz senti-se melhor. É que são tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo... Eu sei que sou um fraco por recorrer à bebida, mas eu não agüento isso... Não agüento saber que vou ter que deixar Sophie perto daquele maldito..._ Falei e Bella me encarou séria, tocando meus lábios com seu polegar.
_ Jasper me contou sobre a ordem do juiz... Eu também não gosto da idéia de tê-lo perto de Sophie, mas não há nada que possamos fazer. Entretanto, eu tenho certeza que nossa pequena estará segura, Edward. Nenhum homem que amou verdadeiramente uma mulher seria capaz de fazer mal a própria filha.
_ E você acha que James amou Elizabeth?_ Perguntei, transmitindo minha dúvida sobre esse assunto e Bella assentiu, me encarando seriamente.
_ Eu acho. Não é só porque ele se transformou em monstro que significa que ele não tenha amado um dia. James é perturbado por ter perdido o amor de sua vida e por não ter se dedicado como deveria ao fruto desse amor... Ou você acha que existe outro motivo para ele odiá-lo e ter roubado nossa filha?_ Ela perguntou e eu fiquei pensando em suas palavras.
Eu realmente queria acreditar que James não seria capaz de fazer mal a própria filha, mas eu simplesmente não confiava nele.
Mesmo podendo acreditar que ele realmente amou Elizabeth, eu o queria bem longe de Sophie, pois tinha certeza que sua proximidade faria minha filha sofrer.
_ Vamos tentar nos conformar com essa visita e prepara nossa filha para ela. É o melhor que podemos fazer, Edward. Eu também gostaria de poder evitar o contato entre eles, mas eu temo que isso seja impossível. Então, vamos fazer com que esse momento seja o menos traumático possível para Sophie, garantindo que depois desse episódio, ela continue sendo uma garota bem ajustada e feliz._ Bella falou e eu respirei fundo, sentindo-me extremamente contrariado por realmente não poder evitar o encontro de Sophie e James.
_ Eu odeio não ter controle sobre algumas coisas..._ Falei emburrado e Bella riu, apertando minhas bochechas e me fazendo corar feito um idiota.
_ Você é tão fofo quando está fazendo birra... _ Minha menina falou, beijando meu rosto e eu bufei, contrariado.
_ Eu não sou fofo, Bella. Sou um destemido capitão do exército americano. Esse adjetivou não se aplica a mim..._ Falei e ela riu.
_ Ok, Sr. Capitão. Nada de fofo para você. Mas, pare de ser bobo. Ninguém pode ter o controle de tudo. Você é um ser humano, Edward e não um super herói. Não tem como evitar que os problemas apareçam... O jeito é enfrentá-los com sabedoria e tentar contorná-los... Mas, fique tranqüilo... Não importa quantos obstáculos apareçam... Estaremos juntos para enfrentar cada um deles..._ Bella falou, transmitindo-me calma e eu fique encantado com sua sabedoria.
Minha menina havia amadurecido muito desde que eu a conhecera e eu me sentia orgulhoso, já que sabia ter participado de forma ativa em sua transformação.
_ Agora, o que acha de um banho relaxante e um prato de sopa de legumes? Tenho certeza que você vai se sentir bem melhor depois disso..._ Ela falou e eu sorri, apertando seu corpo conta o meu.
_ Eu aceito, desde que minha linda esposa seja-me oferecida como sobremesa..._ Eu falei em seu ouvido, sentindo-a estremecer.
_ Edward..._ Ela falou, tentando me repreender e eu sorri, soltando lufadas de vento contra a pele do seu pescoço e vendo-a se arrepiar, para minha total satisfação.
Beijei o local e escutei minha menina gemer baixinho.
Meu membro doeu, pedindo para se aconchegar em seu corpo macio e cheiroso e eu a beijei, me esquecendo de tudo a minha volta e chegando a óbvia conclusão de que Bella era o melhor remédio para que eu pudesse apagar qualquer problema em minha mente.
Mas, no momento em que nosso beijo torneou-se mais intenso e nós já nos agarrávamos como se nossa vida dependesse daquele contato, alguém resolveu acender a luz da sala, assustando minha menina e fazendo com que ela pulasse do meu colo e me deixasse ali, frustrado e ainda desejando-a como um louco.
_ Owuu... Desculpe interromper o momento íntimo de vocês... Mas, é que Claire acordou com fome e eu vim buscar uma mamadeira..._ Emmett falou, tentando esconder o riso e eu senti vontade de quebrar seus dentes.
Isso era hora de vir buscar uma mamadeira?
Olhei para minha menina e notei que ela estava extremamente constrangida, encolhida no canto da sala.
_ Ei... Finjam que eu não passei por aqui. De qualquer forma, já estou de saída._ Meu irmão falou, dirigindo-se para a cozinha e eu suspirei, sabendo que teria que enfrentar o constrangimento, seguido de fúria da minha menina.
_ Bella... Eu...
_ Não fala nada. Vá tomar seu banho que eu vou esperar Emmett sair da cozinha e irei pegar sua sopa._ Ela falou séria, virando-se de costas para mim e eu respirei fundo, sabendo que minha “sobremesa” estava arruinada.
Bufei irritado e subi as escadas pensando em como eu odiava meu irmão, às vezes.
Mas, problemas como esse iriam acabar.
Era só esperar até setembro e a surpresa que eu estava preparando para minha menina também me beneficiaria.
E muito.
*****
Pov. Bella
Eu não conseguia esquecer o constrangimento de ser pega por Emmett no colo de Edward, trocando carícias e beijos, quando nós dois, como pais responsáveis e respeitáveis, deveríamos estar em nosso quarto.
O que eu tinha na cabeça para permitir esse tipo de liberdade a Edward em um lugar onde qualquer um poderia nos ver?
Ás vezes, quando meu capitão se aproximava, eu perdia completamente o senso de decência.
Suspirei pesadamente e andei lentamente até a cozinha, sabendo que não adiantava me esconder, já que Emmett jamais se esqueceria desse episódio.
Entrei no cômodo, tentando ignorar solenemente sua presença, mas é claro que ele não permitiria isso.
_ Vou convidar minha ursinha para experimentarmos a poltrona da sala... Você e meu irmão pareciam estar apreciando o clima do local..._ Ele falou debochado e eu o fuzilei com os olhos, arrumando o hobby de seda branca ao redor do meu corpo e sentindo meu rosto pinicando de tanta vergonha.
_ Porque você não leva essa mamadeira para Claire e fica quieto?_ Perguntei irritada, colocando no prato a sopa que ainda estava sobre o fogão à lenha e meu cunhado gargalhou.
_ E perder a oportunidade de lhe provocar? Nem pensar! Adoro deixá-la sem jeito..._ Ele falou e eu suspirei, sabendo que não adiantaria nada ficar irritada.
Isso só iria estimulá-lo.
_ Não vai falar mais nada?_ Emmett perguntou sorrindo e eu continuei em silêncio, fazendo-o sorrir debochado._ Êeee, cunhadinha... Meu irmão é muito feliz com você, não é?
Respirei fundo e me virei pra ele, olhando-o seriamente.
_ Ele é sim, Emmett... Mas, um casamento tem muito mais que o lado físico... O que você viu foi um momento de deslize que eu garanto que não vai se repetir. Odeio ver minha intimidade exposta dessa forma. E, por favor, pare de me provocar com isso, pois sou sua cunhada e exijo respeito... Ao invés de ficar me provocando, vá cuidar de sua família e satisfazer sua esposa, que anda reclamando de sua ausência. Siga o exemplo de seu irmão e faça sua mulher feliz..._ Falei, deixando-o de boca aberta e saindo da cozinha com toda a dignidade que ainda me restava.
Rosalie nunca havia me falado nada, até porque eu morria de vergonha de conversar sobre esses assuntos com alguém.
Mas, ele que ficasse remoendo isso e me deixasse em paz.
Só de pensar no que ele quase vira, eu sentia meu rosto esquentar.
Entrei no quarto e depositei a bandeja sobre a mesa perto da janela, me dirigindo ao banheiro, onde sabia que Edward estava.
Ele já estava se secando e me olhou com a expressão preocupada, certamente esperando algum comentário sobre o episódio de ainda há pouco.
_ Nunca mais vamos ficar a sós em um lugar onde alguém possa nos ver... Isso é perigoso e muito constrangedor._ Eu falei e Edward suspirou, se aproximando de mim e beijando meu rosto.
_ Quando eu fico perto de você, perco completamente o controle... Prometo que vou ser mais cuidadoso. Mas, fique tranqüila, amor... Todos os casais normais e que se amam fazem amor, se beijam, se abraçam e se acariciam... Emmett é um idiota, que vai nos provocar por alguns dias, mas depois vai esquecer e nos deixar em paz._ Ele falou calmamente, enquanto acariciava meu cabelo e eu suspirei, assentindo, mesmo ainda estando contrariada.
_ Certo... Bem, eu trouxe sua sopa. Vista uma roupa e vá se alimentar._ Falei, me afastando do seu toque e saindo do banheiro, me dirigindo ao quarto dos gêmeos, para verificar se estava tudo bem.
Kimberlly e Joshua dormiam como anjos e eu fiquei alguns minutos observando suas feições serenas e velando seu sono tranqüilo.
Passei também pelo quarto de Sophie e dei-lhe mais um beijo de boa noite, dirigindo-se para meu próprio quarto em seguida.
Edward já estava deitado e eu fui para o banheiro, para escovar os dentes e trançar meus cabelos.
Depois de pronta, fui para a cama e me deitei em silêncio, um pouco afastada do meu capitão, mas não demorou muito para que eu estivesse presa em seus braços, sentindo seus beijos suaves em meu pescoço.
_ Você fica linda quando está emburrada... Mas, pode desmanchar esse bico e voltar a sorrir... Antes que eu seja obrigado a fazer cócegas em você, só pra ver seu sorriso lindo outra vez..._ Edward falou, cutucando minha barriga e me fazendo rir mesmo sem querer.
_ Para... _ Pedi e ele me prendeu embaixo do seu corpo forte, beijando meu rosto com carinho.
_ Eu paro se você prometer que não vai mais ficar emburrada e vai esquecer o que aconteceu na sala...
Eu suspirei e assenti, fazendo-o sorrir e se inclinar, me beijando apaixonadamente.
Eu não poderia ficar irritada para sempre com o flagra que Emmett nos dera.
_ A sopa estava uma delícia e o bando foi super relaxante, mas, eu quero saber se ainda vou ter minha sobremesa favorita... _ Edward falou e eu senti meu rosto esquentar, sabendo que eu jamais me negaria a ele, pois o desejava com loucura e isso nunca iria mudar.
_ Sim... Sempre._ Falei, sorrindo e beijando-o, me deixando afundar em seus braços e tentando me esquecer de tudo.
Nesses momentos, éramos apenas duas almas apaixonadas, se completando da forma mais elementar que existia e eu amava me entregar a ele, pois quando estávamos juntos, não havia problemas, tristeza ou dor...
Havia apenas amor e prazer.
*****
1 Semana depois...
Terminei de arrumar o laço vermelho sobre os cabelos loiros de Sophie e ela me olhou ansiosa.
_ Por que eu vou sair com o tio Jasper, hoje?_ Ela perguntou e eu suspirei, me sentando sobre a beirada da cama e a puxando para meu colo.
Jasper ia levá-la para visitar James daqui a algumas horas e até agora eu não sabia como explicar-lhe que ela ia conhecer seu verdadeiro pai.
O juiz não permitiu que nem Edward e nem eu a acompanhasse, então Jasper se oferecera para a missão e nós aceitamos agradecidos, pois de forma alguma permitiríamos que Sophie fosse sozinha.
_ Querida, você vai visitar um homem que conheceu sua mamãe Elizabeth... Ele quer muito vê-la..._ Eu falei e ela franziu o cenho, me encarando seriamente.
_ Mas, porque eu tenho que visitá-lo?
_ Por que ele pediu e o papai deixou... Esse homem vai embora e nunca mais vai voltar e, portanto, você tem que vê-lo hoje.
_ Ele é o meu outro papai?_ Ela perguntou e eu a olhei assustada.
Como Sophie sabia disso?
_ Não faz essa cara, mamãe... Eu sei que o Edward não é o meu papai de verdade. Eu ouvi uma moça falando isso pra tia Alice e o papai falou que é verdade... Mas, eu não quero conhecer o outro papai... Ele não me quis... Me abandonou..._ Ela falou com a voz triste e uma lágrima solitária desceu por seu rosto, quebrando meu coração em mil pedaços.
_ Ei... Não chore, minha princesa... Seu outro papai não sabia sobre você. Ninguém seria capaz de lhe abandonar, pois você é especial demais..._ Falei abraçando-a e Sophie fungou, escondendo o rosto em meu pescoço.
_ Por que ele foi embora?_ Ela perguntou e eu a sentei mais uma vez em meu colo, encarando seus olhinhos azuis, que agora estavam vermelhos por causa do choro recente.
_ O nome dele é James, querida... Ele amou muito sua mãe e foi embora por que eles se desentenderam. Mas, seu papai não sabia que você estava na barriga de sua mãe. Ele não sabia que tinha uma filha linda. Então, o papai do céu permitiu que você tivesse outro pai e Edward cuidou de você... Veja como é uma garotinha sortuda... Tem dois papais..._ Eu falei, tentando acalmá-la e Sophie sorriu de leve.
_ É verdade... Eu tenho dois. Será que isso é bom?
_ Claro que sim, meu anjo... Hoje você vai conhecê-lo e depois, vai voltar para cá e viver comigo, com o papai Edward e com seus irmãos e nós vamos ser muito felizes._ Falei e ela sorriu, limpando o rostinho com a costa da mão.
_ Eu vou ter mais irmãos?_ Ela perguntou e eu a olhei, espantada.
Sophie estava muito curiosa hoje.
_ Ah, Sophie... Eu não sei, meu bem... Pode ser que sim... Por quê?
_ Por que você vive beijando o papai e não tem mais nenhum bebê em sua barriga..._ Ela falou inocentemente e eu senti meu rosto esquentar de vergonha, lembrando-me da explicação que Rosalie lhe dera sobre a origem dos bebês.
Edward e eu precisávamos, definitivamente, sermos mais cuidadosos com nossas manifestações de carinho, pois Sophie era uma criança e precisava ser poupada de algumas cenas, já que sua curiosidade era difícil de ser aplacada.
_ Vamos ver Sophie... Tenho certeza que um dia você terá mais irmãos..._ Falei e ela sorriu, satisfeita com minha resposta.
Nesse momento, Edward entrou no quarto com uma expressão preocupada e estendeu a mão para Sophie.
_ Vamos, querida... Seu tio está lhe esperando._ Ele falou e Sophie suspirou, me abraçando e aceitando a mão quer seu pai lhe oferecia.
_ Não fique triste, papai... Eu sempre vou gostar mais de você._ Sophie falou e Edward sorriu, beijando seu cabelo.
_ Eu sei, minha princesa... Agora vamos, pois você não pode se atrasar._ E dizendo isso, saiu puxando nossa filha pela mão.
Eu os segui e quando chegamos na sala, Jasper já esperava.
_ Vamos, gatinha?_ Jasper falou e Sophie assentiu, segurando sua mão e nos olhando confiante.
_ Cuide da minha filha, Jasper..._ Edward pediu e nosso cunhado assentiu.
_ Pode deixar. A visita vai ser rápida. Logo eu a trarei de volta._ Jasper falou e Edward assentiu.
Eu me aproximei do meu capitão e o abracei de lado, fazendo-o saber que eu estaria com ele, esperando até que nossa menininha voltasse para casa.
Jasper saiu, levando Sophie e Edward me abraçou apartado.
Juntos, ficamos ali, em silêncio, unidos pelo amor que sentíamos um pelo outro e por nossa filha, a espera que depois desse dia, tudo ficasse em paz...
Finalmente.
*****
Pov. Sophie
Olhei para a grande construção e senti um pouco de medo do que ia acontecer ali dentro.
Eu não entendia por que eu tinha que visitar esse papai, sendo que eu gostava muito mais do papai Edward.
Suspirei e tio Jasper me olhou com atenção.
_ Fique tranqüila, Sophie. Vai ser bem rápido._ Ele falou e eu assenti, vendo um homem bem gordão se aproximar.
_ O detento já está esperando, capitão. Pode entrar com a menina..._ O homem falou e tio Jasper assentiu.
_ Obrigado, xerife..._ Ele falou e me levou por um longo corredor, até um lugar com uma mesa grande.
Havia um homem sentado, que me olhou atentamente quando eu entrei.
Os olhos dele eram iguaiszinhos aos meus.
_ Você tem 10 minutos, soldado... Então, aproveite-os..._ Tio Jasper falou e o homem loiro assentiu, levantando-se da mesa e aproximando-se de mim.
Ele vestia um macacão listrado e tinha as mãos presas em uma corrente.
Senti pena de vê-lo daquele jeito.
_ Oi, pequena..._ Ele falou, ajoelhando-se a minha frente e eu sorri.
_ Oi... Eu sou Sophie. Sou filha da mamãe Elizabeth... Mas, ela morreu e o papai Edward cuidou de mim. Agora, eu tenho outra mamãe, que se chama Bella. Ela me deu dois irmãos... A Kimberlly e o Joshua._ Eu me apresentei e ele suspirou, tocando meu cabelo com o dedo.
_ Você sabe quem eu sou?_ Ele perguntou e eu assenti.
_ Sim... Você é o papai que beijou a mamãe Elizabeth e me colocou na barriga dela..._ Falei e ele me olhou espantado... Mas, depois ele riu.
_ Certo... Foi mais ou menos isso... Você se parece com ela, sabia? Mesmo sendo loirinha como eu... Seus traços, seu rosto, a textura dos seus cabelos..._ Ele falou e eu me senti bem...
Afinal, agora eu sabia que eu me parecia com alguém.
_ Tem uma foto dela lá em casa... A mamãe Elizabeth era muito bonita. Eu gosto de me parecer com ela... Mas, meus olhos são iguais aos seus.
_ Sim, Sophie... Nossos olhos são iguais... Você é minha filha... Um pedacinho de mim. Você não é filha de Edward Cullen e nem de sua esposa... É minha filha e de Elizabeth..._ Ele falou alto e eu dei um passo para trás, olhando-o brava.
_ Eu sou sim, filha do papai Edward e da mamãe Bella... Eles me amam... Para de falar essas coisas..._ Eu pedi, sentindo que ia chorar e ele respirou fundo, falando algo em voz baixa e tocando meu ombro, mesmo com as mãos presas.
_ Tá... Tudo bem... Mas, eu sou seu pai de verdade... Você se parece comigo e é minha... E eu queria tanto um abraço..._ Ele pediu com a voz baixa e eu pensei se seu pedido era uma boa idéia.
Mas, aquele homem parecia tão triste que eu não tive coragem de lhe falar não.
Então, dei um passo a frente e o abracei.
Ele tinha um cheiro estranho, mas seu abraço era bom.
Acho que aquele papai gostava de mim.
_ Por que você não me quis?_ Perguntei baixinho e ele se afastou de mim, me encarando seriamente.
_ Eu briguei com sua mãe, meu bem e nunca soube onde você estava, pois se soubesse, teria vindo buscá-la... Você é a única lembrança da mulher que eu amei, Sophie... Ele falou baixinho e eu toquei seu rosto.
Não gostava de vê-lo triste.
_ Mas, o papai do seu foi muito bom comigo... Você não sabia que tinha uma filhinha, mas o papai Edward cuidou de mim... Eu amo ele, mas posso amar você também._ Eu falei e ele sorriu, se inclinando e beijando meu rosto.
_ Você é tão inocente, Sophie... Mas, obrigado por não me odiar e por me dar a oportunidade de conhecê-la... Nunca mais eu irei vê-la, mas, seja pra onde eu for, eu vou cuidar de você e amá-la... Mesmo que ninguém ache isso possível... Mas, eu amo você, Sophie... Minha filha..._ Ele falou e uma lágrima desceu por seu rosto.
Como ele estava com a mão presa, eu a enxuguei e beijei seu rosto.
Bem nessa hora, o tio Jasper se aproximou e tocou meu ombro.
_ Vamos, princesa..._ Meu tio falou e eu assenti.
_ Peça para aquele capitão cuidar dela... Graças a ele, eu jamais poderei ficar com minha filha... Então, eu peço que ele pelo menos cuide dela._ O papai James falou e meu tio assentiu.
_ Essa menina é muito amada por todos naquela casa, soldado... Edward jamais fez diferença entre ela e os filhos que teve com Bella... E aquela garota que a quem você tentou fazer tanto mal, acolheu sua filha como só uma mãe faria... Você pode até odiá-los, mas terá que ser eternamente grato aos dois pela família e pelo amor que eles deram a Sophie..._ O tio Jasper falou e o papai James assentiu.
_ Eu serei grato e em breve vou dar-lhes um presente... _ Meu papai falou e olhou para mim, sorrindo de leve._ Adeus, Sophie._ Ele falou, inclinando-se e beijando meu rosto.
Depois, ele foi embora da sala e nem olhou pra trás.
Eu sentia uma coisa estranha no peito e sabia que nunca mais ia vê-lo.
Só esperava que o papai do céu cuidasse dele, pois apesar de tudo ele era meu papai e eu só queria o seu bem...
_ Vamos pra casa, gatinha?_ Tio Jasper perguntou e eu sorri, segurando a mão do meu tio e me deixando levar para minha casa, onde estavam maus pais e meus irmãos, que eu sabia que sempre estariam comigo.
Eu realmente era uma garotinha de sorte.
Meus papais, que se pareciam comigo não podiam ficar ao meu lado, mas eu tinha outros que me amavam e que cuidavam muito de mim...
E eu era feliz assim...
*****
ALGUMAS SEMANAS DEPOIS...
DIÁRIO DE WASHINGTON
SUICÍDIO DE SOLDADO DEIXA A POLÍCIA AMERICANA CHOCADA.
Morre hoje o ex-soldado James Hansens.
Segundo a polícia, o ex-soldado americano suicidou-se com uma grande dose de veneno, afirmando para outros presos que estava dando sua morte de presente a um capitão do exército.
Ele deixou uma carta para a filha e todos os seus bens foram passados para o nome da menina.
Seu corpo será enviado para New York, onde reside sua família.

A polícia ainda investiga o caso, embora não tenha dúvida de que se tratou de suicídio.

No comments :

Post a Comment