THE WAR OF BROKEN HEARTS - CAPITULO 36

The war of broken hearts...

THE WAR OF BROKEN HEARTS
Bruna Diniz Cullen


Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Gêneros: Drama






Capítulo 36
Pov. Edward
Olhei para minha expressão abatida no espelho e fiz uma careta, indo até a poltrona em frente à janela e me sentando pesadamente.
Nem mesmo o terno feito sob medida era capaz de melhorar minha aparência hoje.
Daqui algumas horas, minha irmã se casaria e eu deveria representar o papel de padrinho feliz, embora meu humor estivesse sombrio a ponto de me fazer ter vontade de ficar trancado em casa.
Eu não conseguia encarar minha menina sem sentir-me culpado com o fato de ter ido àquela maldita boate e traído a confiança que ela depositara em mim.
Eu não tinha feito nada de errado, mas só o fato de ter ido até lá fazia de mim um verdadeiro canalha.
E minha Bella sabia que eu havia feito alguma coisa errada, pois desde que eu chegara de madrugada em casa ela estava fria comigo.
Doía vê-la se desviar dos meus carinhos e do meu olhar, mas eu sabia que merecia essa reação por ter sido um completo idiota.
Quando eu a tirara da guerra e a trouxera para a América, eu prometera fazê-la feliz de todas as formas possíveis e minha atitude de ontem fora completamente contra essa promessa.
Bella sempre fora insegura com relação ao nosso amor e saber que eu fora em uma boate serviria apenas para aumentar essa insegurança e abalar a estrutura do nosso amor.
Mesmo que minha ida até lá, um dia, pudesse trazer-lhe algo bom.
Suspirei mais uma vez, me lembrando de Beatrice.
O seu pedido de ajuda não me saía da cabeça.
Eu sentira muita pena de ver a mãe da minha menina vivendo em um lugar como aquele, humilhando-se enquanto vendia seu corpo a troco da sobrevivência.
Eu queria ajudá-la, mas não sabia como abordar o assunto com Bella.
Minha esposa guardava muito ressentimento da mãe e eu sabia que essa não seria uma aproximação fácil.
Mas, eu iria ajudá-las.
Minha menina precisava do carinho da mãe e eu tinha certeza que Beatrice se arrependera da forma como abandonara a filha a própria sorte.
Todos mereciam uma segunda chance e se eu pudesse contribuir para que essa oportunidade fosse oferecida a minha sogra, eu faria exatamente isso.
Respirei fundo e me levantei da poltrona, indo até o espelho e terminando de ajeitar minha gravata.
O jeito era terminar de me aprontar para a cerimônia, pois minhas lamentações e conjecturas não mudariam o fato de que eu errara na noite passada e que, provavelmente, teria que lidar com a revolta de Bella.
Ouvi um barulho na porta e me virei, na esperança de que fosse minha menina.
Mas, tudo que eu vi foi um Emmett emburrado entrando no meu quarto e desabando sobre a cama.
_ Greve, Edward... Minha ursinha está em greve..._ Ele falou quase chorando e eu o encarei, tentando entender sobre o exatamente que ele falava.
_ O que?_ Perguntei confuso e ele revirou os olhos, me encarando com raiva.
_ Greve. Rosalie não vai mais fazer amor comigo... Tudo isso porque fomos àquela boate._ Ele explicou e eu estreitei os olhos em sua direção, olhando-o de forma debochada.
_ A culpa é toda sua, Emmett... Não se esqueça que você foi o dono dessa brilhante ideia. Merece um castigo, sem sombra de dúvida... Portanto, bem feito!_ Eu falei e ele bufou.
_ Não fizemos nada de errado, irmão... Além do mais, despedidas de solteiro são feitas em boates... É uma tradição.
_ Homens casados não devem seguir tradições como essas... Como você se sentiria se Rosalie resolvesse ir a uma casa noturna?_ Eu perguntei e foi a vez dele estreitar os olhos em minha direção.
_ Você sabe que é diferente... Rosalie é mulher... Mulheres não devem freqüentar esses lugares... Sem contar que seu passado não me permite imaginá-la em um lugar como aquele.
_ Não tem nada de diferente nisso, Emmett... Nós homens também não deveríamos freqüentar lugares como aquele. Não fizemos nada de errado, mas quem nos viu saindo de lá não sabe disso... Imagine se o povo começa a comentar sobre nossa conduta... Isso pode ser humilhante para as nossas esposas e nosso dever é protegê-las e não expô-las ao ridículo. E é justamente por causa do passado de Rosalie que você deveria se manter longe daquela boate... Da mesma forma que você a conheceu lá e se apaixonou, pode conhecer outra mulher e se apaixonar também... Pense em quanto esse fato deixa sua esposa insegura com relação ao seu amor por ela..._ Eu falei e Emmett abaixou a cabeça, parecendo uma criança sendo repreendida pela mãe.
A cena seria engraçada se eu não estivesse em uma posição parecida com a dele.
_ Eu não havia pensado nisso... Eu só queria me divertir e proporcionar diversão a todos vocês... Jamais imaginei que nossa ida até lá iria magoar minha ursinha dessa forma... Ela sabe que eu a amo e que jamais vou querer outra mulher... Poxa! Mas, me deixar sem sexo? Isso é ridículo... Eu não vivo sem sexo._ Ele falou indignado e eu ri.
Emmett era realmente um alucinado por sexo e até hoje eu me perguntava como Rosalie conseguia suportar tanta energia.
Desde criança, a única coisa que ele pensava era em mulheres.
Lembro-me de todas as vezes que ele deitava-se embaixo dos bancos, quando ainda era um menino, para ver os calções das garotas e de quando ele ia até o vestiário feminino, após as aulas de ginástica, para ver os seios das meninas enquanto elas tomavam banho.
Meus pais o repreenderam várias vezes, castigando-o, surrando-o com o cinto e ameaçando-o mandá-lo para o seminário para tentar apagar um pouco do fogo que ele tinha, mas nada resolvera.
Ele não quisera tornar-se padre e o fogo ardia mais a cada dia que passava.
Meu irmão tivera uma infinidade de namoradas, mas como a maioria não cedia a suas investidas, ele ia à busca das mulheres de vida fácil para satisfazer suas necessidades, até que encontrara Rosalie e se casara com ela.
A maioria das coisas relacionadas à vida íntima de um casal eu aprendera com Emmett, pois segundo ele, um Cullen deveria ser especialista no assunto e era seu dever, como irmão mais velho, me ensinar como satisfazer uma mulher.
Eu confesso que odiava essas aulas, mas, quando me casara pela primeira vez, agradeci a Deus por ele ser um maníaco pelo assunto e ter insistido em me dar “dicas”, pois se não fosse por esse detalhe, acho que teria tentado fazer amor com Elizabeth vestido, já que conversar com meu pai sobre o assunto não era uma opção.
Sorri com a lembrança e fui até a cômoda para borrifar em mim um pouco do perfume que Bella me dera de presente no natal.
Minha menina adorava aquele cheiro e hoje eu precisava agradá-la a fim de conseguir o seu perdão.
_ A Bella também está em greve?_ Emmett perguntou e foi minha vez de fazer uma careta.
_ Não sei... Eu ainda não disse a ela onde nós fomos, embora ache que minha menina desconfie. Bella não está falando comigo direito, então não tem como saber se ela não vai me deixar tocá-la...
_ É, irmão... Estamos ferrados. Do jeito que a coisa está, é capaz de Jasper só consumar o casamento no ano que vem. Afinal, Alice é mais enfezada que nossas esposas... Acho que estou com pena do nosso cunhado._ Emmett falou e eu ri, sabendo que ele tinha toda razão.
_ E tudo por culpa sua... Acho que você arrasou com a classe masculina dessa família, Emmett._ Eu falei e ele fez uma careta, levantando-se e dirigindo-se até a porta.
_ Eu não obriguei ninguém a me seguir... Mas, estou pagando o preço por minha idiotice. Só espero que Rosalie me perdoe logo, pois não aguento ficar muito tempo sem tocá-la... E você tem uma carta na manga, Edward. Tenho certeza que depois que você der o presente que está preparando para sua esposa, qualquer erro seu será perdoado... Bem, vou me arrumar, pois apesar de estar de luto por conta da greve, não tem como faltar ao casamento da anã..._ Ele falou e saiu e eu fiquei pensando em suas palavras.
Emmett realmente não tinha nos obrigado a nada...
Nós erramos juntos e agora, todos teríamos que pagar o preço.
Só esperava que Bella não fosse vingativa, pois dependo do castigo que ela tinha em mente, eu poderia ficar realmente na merda e nenhum presente, por melhor que fosse, seria capaz de fazê-la me perdoar.
*****
Pov. Bella
Casamentos sempre me emocionaram.
Acho que o fato de eu sempre achar que esse evento jamais aconteceria comigo fazia com que eu sentisse uma forte emoção sempre que via uma noiva de perto.
Não que eu tivesse visto muitas em minha vida reclusa e sofrida ao lado da família do meu pai.
No entanto, as poucas noivas que haviam cruzado meu caminho sempre foram capazes de arrancar lágrimas dos meus olhos.
Alice estava pronta para a cerimônia do seu casamento e sua aparência era estonteante.
Não me lembro de já ter visto uma noiva mais bonita.
O vestido, a maquiagem e o cabelo estavam perfeitos e eu tinha certeza que Jasper ia sentir-se orgulhoso por tomá-la como esposa.
A festa preparada para eles seria magnífica, e eu sabia que ambos mereciam cada detalhe, já que tiveram que esperar bastante tempo para ficaram juntos.
Eu me sentia muito feliz em poder participar desse casamento e ser madrinha dessa união.
Alice era minha amiga, quase uma irmã, e eu sabia o quanto esse dia era importante para minha cunhada.
Era tão importante para ela quanto o dia da minha união com Edward fora para mim.
O meu casamento não havia sido glamuroso como seria o de Alice, mas fora um dos eventos mais importantes da minha vida e, eu sempre me lembraria dele com um largo sorriso nos lábios.
Na época, eu estivera em uma espécie de sonho, não acreditando que Edward me quisesse realmente ao seu lado e me perguntando em qual momento eu seria brutalmente acordada e jogada mais uma vez no tormento que minha vida costumava ser.
Meu vestido não fora igual ao que eu sempre sonhara, mas fora o suficiente para me tornar esposa do meu capitão e isso era o que realmente importava.
Hoje, eu tinha a oportunidade de amá-lo e ser correspondida e sabia que se outras noivas tivessem a metade da sorte que eu tivera, seriam imensamente felizes, mesmo sem uma festa de casamento luxuosa.
O amor não era capaz de anular todos os problemas que acompanhavam o matrimônio, mas era, sem dúvida, o fator mais importante para unir um casal até o fim da vida.
E isso eu e Edward tínhamos de sobra.
Nosso amor nascera de uma relação improvável, mas a cada dia que passava tornava-se mais forte e sincero.
Mesmo quando ele mentia pra mim.
Suspirei pesadamente e andei em direção à janela do quarto de Alice, onde nós duas nos arrumávamos para o grande dia, fazendo com que ela deixasse de mexer nos cabelos para me encarar.
Estranhamente ela ficou em silêncio, sabendo que meu incômodo se devia ao fato de Edward ter chegado de madrugada em casa.
Ele não me dissera exatamente onde tinha acontecido a tal despedida de solteiro, mas devido à sua expressão culpada, eu tinha uma leve ideia.
E depois, a ira de Rosalie contra Emmett me confirmara o que na verdade eu já sabia.
Meu cunhado estava ferrado e sua característica de não conseguir mentir colocara em risco o casamento de todos os homens da família.
A tal despedida de solteiro havia acontecido em um clube noturno e eu não sabia se poderia perdoar Edward por isso.
Ele me prometera que não ia a uma boate, e não mantivera sua palavra, me magoando de uma forma que nunca imaginei ser possível.
Pensar que meu capitão talvez precisasse de outras mulheres para satisfazê-lo fazia com que me sentisse muito mal e insignificante.
Suspirei mais uma vez e me virei assustada quando senti um toque leve em meu ombro.
_ Sorria, Bella... Hoje é dia de festa._ Alice falou e eu fiz uma careta, me dirigindo até a poltrona e me sentando pesadamente, ignorando o fato de que, provavelmente, eu estava amassando o meu vestido.
_ Desculpe, Ali... Mas, eu não estou no clima..._ Falei baixinho e ela revirou os olhos, vindo ajoelhar-se em minha frente.
_ Você acha mesmo que meu irmão iria deitar-se com outra mulher?_ Minha cunhada me perguntou e eu suspirei, tentando conter as lágrimas.
Eu sabia que provavelmente estava sendo idiota, mas eu não conseguia controlar minha insegurança.
_ O Edward é louco por você, Bella... Ele pode até ter ido àquela boate idiota, mas jamais se envolveria com outra mulher. Quanto a isso você pode ficar sossegada. O meu noivo também foi aquele lugar horrível e só Deus sabe como eu vou fazer pagá-lo por isso, mas não acredito que Jasper tenha ficado com outra mulher... Eu sei que ele me ama e confio nele. E você deveria confiar em Edward também.
_ Eu não consigo controlar minha insegurança, Alice. Seu irmão poderia ter se casado com qualquer mulher dos Estados Unidos... Todas estariam mais do que dispostas em se tornarem mulher do capitão Cullen... É um mistério pra mim o fato de ele ter me escolhido. Eu sei que ele me ama... Mas, talvez, estar apenas comigo não seja o bastante..._ Eu falei, limpando as lágrimas que escorriam e Alice suspirou, levantando-se do chão e me puxando para que eu também ficasse de pé.
_ Quer parar de falar bobagens? Você é o bastante para o meu irmão, Bella... Ele te ama e isso basta. Ele foi burro em ter ido àquela boate, ainda mais sabendo que você é insegura dessa forma... Mas, todo mundo comete erros... Faça-o pagar por ele, oras... Faça greve... Faça-o dormir no tapete... Mas, pare de se torturar dessa forma. Você é perfeita pra Edward e tem que aceitar isso._ Alice falou e eu respirei fundo, aceitando o fato de que ela estava certa.
Sorri de leve e ela me abraçou.
_ Vou sentir sua falta..._ Falei chorando, retribuindo seu abraço e ela fungou.
_ Eu vou me casar, Bella... Não vou morrer. Poderemos nos ver e conversar quando quisermos.
_ Mas, não vai ser a mesma coisa._ Eu reclamei e ela sorriu, afastando-se de mim e enxugando o rosto.
_ Vamos parar com isso... Eu tenho que ficar linda para o meu casamento e se continuarmos assim, meu rosto vai ficar inchado e eu não vou ser a noiva mais perfeita desse mundo..._ Alice falou, secando os olhos com cuidado e alisando a roupa e eu ri, enxugando meu próprio rosto e me dirigindo até o espelho, para analisar minha aparência.
Meus cabelos estavam presos na frente, arrumados em cachos largos e com o resto caindo solto pelos ombros.
Edward exigiu que eu não os prendesse totalmente e embora ele não estivesse merecendo nenhuma concessão de minha parte, eu iria acatar sua vontade, pois também os preferia soltos.
Minha maquiagem estava clara e discreta e meu vestido ficara muito bem em mim, fazendo com que eu me sentisse realmente bonita e digna de estar ao lado de Edward no altar.
_ Seus cabelos são tão lindos... Acho que é por isso que Edward não gosta que você os prenda._ Alice comentou e eu sorri agradecida.
_ Os seus também são, Alice... Você está adorável. Acho que Jasper vai desmaiar de emoção e admiração quando a vir._ Eu falei e ela riu.
_ Eu espero, sinceramente, que isso não aconteça... Afinal, chegou a hora de eu perder minha virgindade e se Jasper passar mal e me deixar a ver navios, minha ira por ele ter isso a tal boate irá se multiplicar e minha vingança será ainda mais maligna..._ Ela falou e, apesar da vergonha por ela tocar no assunto virgindade, eu tive que rir.
_ Pobre do Jasper... Não sabe o que o espera..._ Eu comentei sorrindo e ela riu, sentando-se na cama com cuidado e me encarando seriamente._ Você não se importa por Jasper ter ido até aquela boate?
_ Sinceramente? Não muito... É claro que ele terá que pagar por esse erro bobo, mas eu não acho que o fato de ele ter ido lá prejudique nossa relação. Eu sou a mulher que ele escolheu e nada pode mudar isso. Daqui a poucas horas eu serei sua esposa e nenhuma mulher de vida fácil vai tirá-lo de mim..._ Alice falou confiante e eu suspirei, desejando pensar da mesma forma que ela.
_ Casamento é algo complicado, Alice... Envolve muitas coisas. Pode não parecer nada, mas a ida de um marido a um lugar como aquele prova que ele não está satisfeito com sua vida íntima... E isso é grave. Pode destruir uma relação, por mais sólida que ela seja..._ Eu falei e Alice me encarou com os olhos arregalados.
E nesse momento, eu soube que o próximo assunto me deixaria sem graça.
_ Será que Jasper se deitou com alguma prostituta?_ Ela perguntou temerosa e eu senti um frio na barriga, me perguntando se Edward não tivera a mesma conduta.
_ Não sei, Alice... Eu torço para que eles tenham ido apenas beber... Mas, não tem como saber..._ Falei frustrada e Alice suspirou.
_ Se Jasper fez uma coisa delas, eu juro que vou castrá-lo..._ Alice falou e foi a minha vez de arregalar os olhos, imaginando perfeitamente bem o que ela teria que cortar para concretizar sua ideia.
_ Ficou louca, Alice? Você não pode fazer algo assim..._ Falei indignada e ela me encarou desafiadoramente.
_ Por que não? A partir de hoje, qualquer parte de Jasper me pertence... Portanto, se eu quiser deixá-lo sem um membro, tenho todo o direito._ Ela respondeu e eu ri de sua lógica maluca.
_ Só você sairia perdendo se fizesse isso..._ Falei maliciosamente, corando igual a uma virgem e Alice me encarou com interesse.
_ Sua vida íntima é bastante animada, não é querida cunhada?_ Ela falou e eu fiquei ainda mais vermelha, se é que isso era possível.
_ Não vou falar sobre isso com você, Alice... Hoje a noite você pode tirar todas as suas dúvidas com Jasper. Mas, se eu fosse você, não o castraria... Procure uma forma de castigá-lo sem prejudicar a você mesma..._ Falei, piscando-lhe um olho e ela riu.
_ Vou me lembrar disso..._ Ela falou e suspirou, mexendo-se nervosamente na cama._ Ai, Bella... Eu estou nervosa. Será que essa noite vai ser perfeita?
_ Como vou saber, Alice? Vocês terão que viver o momento... Não tenho como prever o que vai acontecer...
_ Uma vez você me disse que a sua primeira vez foi perfeita... Eu só queria poder guardar boas lembranças da minha noite de núpcias... Será que se eu ficar nua para ele, Jasper vai me considerar muito atrevida?
_ Não sei... Isso você terá que descobrir sozinha. Mas, é como Edward sempre diz: deixe as regras de lado, pois o que acontecerá entre você e Jasper só diz respeito a vocês dois... É a intimidade de vocês e regra nenhuma deve atrapalhar esse momento lindo..._ Eu falei e Alice sorriu largamente, pulando da cama e aproximando-se de mim.
_ Ah, Bella... Obrigada por ter surgido em nossas vidas... Obrigada por fazer meu irmão feliz, por ter me dado sobrinhos lindos, por cuidar de Sophie, por ser minha amiga e por aturar minhas perguntas indiscretas... Eu amo você..._ Alice falou me abraçando e eu não consegui conter as lágrimas, mesmo sabendo que eu teria que retocar a maquiagem e que eu odiaria esse fato.
_ Eu também amo você, Alice e desejo sua felicidade... Eu vou morrer de saudades de você e até mesmo de suas perguntas indiscretas..._ Falei e ela riu, afastando-se de mim quando escutamos a porta se abrir.
Esme entrou, trazendo Sophie pela mão e eu fiquei encantada com a beleza da minha princesa, que parecia ter saído diretamente de um conto de fadas.
_ Ainda bem que esse casamento é hoje... Não aguento mais lidar com esses preparativos..._ Minha sogra falou irritada e eu ri, puxando Sophie para meu colo e beijando seu rosto delicadamente.
_ Você reclama demais, mamãe... Nem foi tão difícil assim.
_ Claro que não foi, Alice... Você não fez quase nada, ao não ser reclamar e exigir coisas descabidas... O trabalho duro ficou para mim e Rosalie..._ Esme falou e Alice revirou os olhos, sorrindo quando olhou para Sophie.
_ Você está linda, querida... Será a daminha mais encantadora do mundo..._ Alice falou e Sophie sorriu, envergonhada, me olhando animada.
_ Você também gostou, mamãe?_ Ela perguntou e eu sorri.
_ Não, Sophie... Eu não gostei... Eu amei, meu amor... Você parece uma princesa.
_ Você também está linda mamãe... Tenho certeza que o papai vai adorar._ Ela falou inocentemente e eu suspirei, ganhando a atenção da minha sogra.
_ Tente esquecer por um momento o que aconteceu ontem, querida... Hoje, vamos curtir o casamento de Alice. Mas, não deixe de castigá-lo... Os homens dessa família precisam aprender que não são os donos do mundo e que suas ações têm conseqüências._ Esme falou e, por um momento, eu senti pena de Carlisle, pois sabia que ele também teria que pagar o preço por ir a tal boate.
Acho que, definitivamente, os homens dessa família estavam ferrados.
_ O papai está de castigo, mamãe? Ele fez alguma travessura?_ Sophie perguntou, mostrando que estava atenta a conversa e eu ri, beijando seus cabelos de leve.
_ Pode apostar, Sophie... _ Alice falou e eu a olhei em advertência.
_ Não, meu amor... O papai não fez nada. Esquece isso. Agora, você tem que se concentrar em ser a daminha mais linda._ Eu falei e ela sorriu satisfeita, levantando-se do meu colo e indo até o espelho.
_ Bem, meninas... Chegou a hora. Seu pai está lhe esperando na sala e nós temos que ir para a igreja..._ Esme falou, ajeitando alguns fios de cabelo da filha e fazendo força para não chorar.
_ Eu te amo, mamãe..._ Alice falou baixinho e as duas se abraçaram, chorando.
Sophie me olhou através do espelho e eu sorri, me abaixando e abraçando-a pelos ombros.
Não gostava de pensar que um dia seria eu entregando-a ao marido.
Eu ainda não estava pronta para me separar da minha princesa e talvez jamais estivesse.
_ Chega desse sentimentalismo... Vamos descer de uma vez..._ Esme falou, enxugando os olhos e nós a seguimos quarto a fora.
Passei pelo quarto dos gêmeos, para encontrá-los fofos e vestidos elegantemente para a festa de casamento da tia.
Kimberlly estava com um vestido vermelho de veludo, meias brancas, sapatos pretos e uma boina da mesma cor do vestido, contrastando perfeitamente com sua pele pálida e seus cabelos escuros.
Joshua vestia um macacão preto, com camisa branca e uma gravata borboleta da mesma cor do macacão e os dois pareciam saídos de um conto de fadas.
_ Vocês estão lindos, meus amores..._ Falei, aproximando-me dos dois e dando-lhes um beijo suave.
_ Eles estão calmos, Bella... Acho que não vão dar trabalho nenhum no casamento._ Ângela falou e eu sorri, pegando Joshua no colo.
_ Que bom! Tudo o que não precisamos hoje é de dois bebês chorões na festa de Alice..._ Falei, beijando o rosto do meu bebê e colocando-o no carrinho em seguida._ Bem... Vamos. Edward já está nos esperando. Durante a cerimônia religiosa, eles ficam com você, mas depois você pode se divertir que eu cuido deles..._ Falei e os olhos dela brilharam de alegria.
Eu sabia que Ben, um dos soldados de Jasper, estaria na festa e a animação de Ângela se devia ao fato de que os dois estavam iniciando um namoro e ela teria a oportunidade de ficar com ele longe da vista de seus pais.
Saí empurrando o carrinho de Joshua e Ângela me seguiu com Kimberlly.
Chegamos à sala, onde Edward nos esperava e ele me olhou por longos segundos, deixando-me um pouco sem graça.
Eu gostava que ele me admirasse e me desejasse, mas eu não conseguia esquecer o fato de que ele procurara por outras mulheres e isso fazia com que eu me sentisse pouco bonita e não apreciasse seus olhares.
Era triste saber que toda a intimidade que antes dividíamos estava se perdendo por causa de um erro estúpido dele.
Porque Edward tinha que ter ido àquela maldita boate?
_ Você está linda..._ Ele falou, admirando minha aparência e me fazendo corar, o que eu odiei.
Queria ter forças para não demonstrar nenhuma reação a ele, mas minha maldita timidez me impedia.
Edward, nesse momento, merecia meu descaso e era exatamente isso que ele teria.
_ Obrigada..._ Eu falei baixinho, dirigindo-me para a porta e evitando o beijo que eu sabia que ele tentaria me dar.
Mais tarde, nós dois teríamos uma séria conversa sobre isso.
Mas, por enquanto, eu queria distância.
*****
Tudo foi perfeito, como eu imaginei que seria.
Alice estava linda e radiante e Jasper parecia o homem mais feliz da face da terra ao tomá-la por esposa.
Todos pareciam emocionados ao ver a caçula dos Cullen casando-se.
Pensei que, pela primeira vez, fosse ver Carlisle chorando, mas ele manteve-se firme, mostrando apenas seu orgulho por ver todos os filhos casados e encaminhados.
Ou nem tanto, levando-se em conta a visitinha de Emmett e Edward a tal boate.
Suspirei irritada, me perguntando por que diabos eu não conseguia esquecer esse assunto.
Edward, que estava sentado ao meu lado, me olhou com curiosidade.
_ Está tudo bem?_ Ele perguntou, tocando minha mão que estava sobre a mesa e eu assenti, afastando-me do seu toque e ouvindo-o suspirar.
A festa já estava no fim e tudo o que eu queria era ir para casa e descansar.
Ser madrinha de uma união matrimonial não era fácil, ainda mais quando se tinha que tomar conta de três crianças depois.
Eu havia dispensado Ângela após a cerimônia e desde o início da grande festa estava tomando conta dos gêmeos e de Sophie.
Kimberlly e Joshua estavam calmos e quase não me deram trabalho.
Esme e Rosalie também me ajudaram com eles e Sophie apenas brincara com as outras crianças durante toda a festa, não me dando trabalho algum.
Minha princesa estava tão linda durante a cerimônia, sentindo-se muito importante por carregar as alianças dos tios e me enchendo de orgulho.
Hoje, ao olhar pra ela, eu sentira muita pena de James e Elizabeth.
Eles tiveram uma filha linda e não puderam curti-la e nem desfrutar de todo o amor e carinho que ela tinha para oferecer.
Sophie era uma criança maravilhosa e mesmo que a morte de seus verdadeiros pais tenha me proporcionado a oportunidade de ser sua mãe, eu sentia muito por eles, pois tenho a certeza de que se Elizabeth e James tivessem convivido com minha princesa, seriam pessoas muito felizes e realizadas, e quem sabe hoje ainda estariam vivos.
Tudo isso passava por minha mente durante toda a festa, mexendo com meu emocional, mas o que estava realmente acabando comigo era esse clima estranho entre Edward e eu.
Eu o amava tanto, mas não conseguia simplesmente perdoá-lo por ter ido àquele lugar, quando eu lhe pedira para que não fizesse isso.
_ Bella, estamos indo pra casa... Quer ir conosco?_ Rosalie perguntou, acompanhada de Emmett e Claire e eu me levantei, pronta para aceitar sua proposta, mas sendo impedida por Edward que segurou
_ Será que vocês poderiam levar nossos filhos? Quero mostrar algo para Bella antes de irmos para casa..._ Edward falou e eu o olhei irritada por não me perguntar se eu queria ir ver algo com ele.
_ Eu vou pra casa, Edward... Meus filhos precisam de mim..._ Falei de forma seca, tentando soltar-me de sua mão, mas ele me apertou ainda mais.
_ Por favor, Bella..._ Ele pediu e eu fiquei olhando-o por alguns segundos, até que resolvi dar-lhe essa concessão.
Olhei para Rosalie e ela sorriu discretamente para mim, me incentivando a ir com meu marido.
Ela sabia que eu estava magoada com a atitude dele e que Edward teria trabalho para conseguir meu perdão.
Por isso, um tempo a sós poderia nos fazer bem e facilitar nossa reconciliação.
Pois, apesar de tudo ele ainda era o meu capitão...
Edward ainda era o homem que eu amava e merecia uma chance de explicar-se.
Suspirei e me abaixei para beijar meus bebês que dormiam tranquilamente em seus carrinhos.
_ Tudo bem ficar com eles por algum tempo?_ Perguntei a minha cunhada e ela sorriu largamente, entregando a filha para Emmett e vindo em direção aos meus filhos.
_ Claro... Sem problemas. Podem ir. E... Aproveitem._ Ela falou e eu assenti, respirando fundo e indo a busca de Sophie, para que ela também fosse com a tia.
Me despedi dos noivos, que já estavam de saída e levei minha princesa até Rosalie, seguindo Edward até o carro.
Ele dispensou o motorista e fomos todo o caminho em silêncio.
Edward parecia nervoso e eu cheguei a sentir pena dele, mas me mantive firme, pois ainda não conseguira esquecer o fato de ele ter ido atrás de outra mulher.
Chegamos a uma casa imensa, rodeada por uma linda cerca viva e eu encarei meu marido interrogativamente.
_ Onde estamos?_ Perguntei e ele deu de ombros, descendo do carro e indo abrir a porta para que eu descesse também.
Quando desci, ele trancou o carro e segurou minha mão, nos levando para dentro.
A casa se parecia muito com as construções de Londres, das quais eu ainda me lembrava e de repente, fui invadida por uma vontade imensa de viver naquele lugar.
Ele me transmitia paz.
O jardim era magnífico, composto por um gramado incrivelmente verde e por flores das mais diversas formas e cores. Tinha até mesmo um modesto chafariz no centro.
Bem ao canto da casa, tinha uma grande árvore, da qual de um dos galhos mais grossos, pendia um enorme balanço branco, que abrigaria com facilidade umas quatro pessoas.
Quando chegamos à grande varanda, que pegava toda a fachada da casa, Edward tirou uma chave do bolso e abriu a grande porta de carvalho, dando passagem para que eu entrasse.
O lugar era ainda mais impressionante por dentro.
A casa estava toda decorada em cores claras e amadeiradas, dando uma sensação deliciosa de conforto e aconchego.
Uma escada grande levava ao andar de cima. Ela estava coberta por um tapete vermelho e o corrimão era de madeira entalhada, coberta por desenhos de pequenas flores.
A lareira ficava no centro da sala e era imensa. A sua frente estavam dispostas duas grandes poltronas e muitas almofadas.
Andei até uma porta que ficava ao fundo e me deparei com uma imensa cozinha.
Fiquei impressionada com a riqueza de detalhes e a modernidade dos equipamentos que ali estavam.
Num cômodo ao lado da sala de entrada, estava uma mesa imensa, com exatamente quatorze cadeiras e com um lustre imponente que pendia bem no meio da mesa.
Aquela casa era simplesmente perfeita.
Suspirei, imaginando meus filhos crescendo num lugar como aquele...
Imaginei meu capitão e eu vivendo ali, felizes com a família que construímos e a ideia me pareceu perfeita.
Olhei para Edward e percebi que ele me encarava com atenção.
_Gostou?_ Ele perguntou e eu assenti.
_ É uma casa muito bonita. Se parece bastante com as construções que eu via em Londres quando era pequena._ Eu comentei e ele sorriu, aproximando-se de mim.
_ Essa foi a intenção... Queria deixá-la perto do país que você sempre pareceu gostar..._ Ele falou suavemente e eu o encarei confusa.
_ Como assim?
_ Essa casa é sua, Bella... Nossa... Eu a comprei, reformei e decorei para que ela ficasse parecida com uma casa inglesa. Eu quero viver aqui com você e nossos filhos._ Ele falou suavemente, colocando uma mecha do meu cabelo atrás de minha orelha.
Eu o encarei por longos segundos, lutando contra as lágrimas de emoção, até que suspirei e me afastei do seu toque.
Ele bufou frustrado e eu pensei, por um momento, que ele fosse me sacudir.
_ Bella... Bella me perdoe. Eu sei que errei indo até aquela boate, mas eu já fui castigado com sua indiferença... Por favor... Eu amo você. Só você._ Ele falou e eu me virei, encarando-o com raiva.
_ Você foi até aquele lugar com um propósito, Edward... Depois que nossos filhos nasceram, eu tive medo que você não gostasse do meu corpo como antes... Você me garantiu que seu desejo por mim jamais iria mudar, que você sempre me amaria... Mas, ontem você provou que isso não era verdade.
_ Não diga bobagens, Bella... Eu não fui atrás de outras mulheres. Eu fui até lá porque Emmett insistiu. Mas, tudo o que eu fiz foi beber algumas doses de uísque... Eu nem reparei nas mulheres de lá... Nenhuma interessa. Eu só amo você e fui sincera quando disse que meu desejo por você jamais iria mudar... Ele não mudou. Eu te amo e te desejo como antes... Ou até mais._ Ele falou, segurando minhas mãos e eu não fui capaz de conter as lágrimas.
_ Eu também amo você, mas não consigo perdoá-lo... Como vou saber se quando você me tocar não vai estar pensando nas mulheres que viu lá?
_ Eu amo você... Bella, desde que você entrou em minha vida eu não consigo pensar em nenhuma outra mulher. Quando eu faço amor com você é porque eu a desejo e anseio por seu toque, sua pele, seu cheiro, seus beijos... Eu só amo você. Eu só desejo você e isso nunca irá mudar. Me desculpe por eu ter sido um idiota e ido até aquele lugar quando sabia de suas inseguranças, mas eu não pensei muito na hora. Por favor, me perdoe e volte a ser minha, Bella. Me deixe tocá-la, beijá-la, senti-la... Por favor..._ Ele implorou de uma forma tão doce que eu não resisti e o abracei com força.
_ Nunca mais volte àquele lugar, Edward... Eu não suporto a idéia de dividi-lo._ Eu falei e ele me apertou ainda mais contra ele.
_ Ah, Bella... Fique tranqüila, pois você jamais terá que me dividir. Eu amo você._ Ele falou e me beijou e eu me entreguei ao gosto perfeito dos seus lábios e à sensação maravilhosa de ser amada e desejada por ele.
Eu sabia que estava sendo boba em desconfiar dele e tentar me afastar para castigá-lo, mas se isso servisse para ele nunca mais ir até aquele lugar, cada segundo que passamos separados teria valido a pena.
_ Você gostou da casa?_ Ele perguntou depois de um tempo e eu sorri, assentindo.
_ Muito. Obrigada, Edward. Eu sempre quis ter uma casa só nossa. E essa é perfeita. Mas, tenho a impressão que sua mãe não vai gostar dessa ideia..._ Eu falei e ele riu, me abraçando mais uma vez e beijando meu rosto.
_ Ela não gostou muito... Na verdade ela odiou, mas já está conformada. Inclusive foi a dona Esme que ajudou eu a decorar a casa._ Ele falou e eu o encarei zangada.
_ Todos sabiam, não é?_ Eu perguntei indignada e ele riu, dando de ombros.
_ Tenho que lhe dizer que sim. Até Sophie sabia, mas como era surpresa, todos se empenharam em guardar segredo._ Ele falou e eu suspirei.
_ Certo... Bem, quando nos mudamos?_ Eu perguntei animada, deixando de lado o fato de que eu fui a última a saber da novidade.
_ Depois de nossa viagem que está programada para semana que vem._ Ele falou e eu suspirei, sentindo um frio na barriga ao me imaginar viajando com meu capitão.
_ Acho que vou gostar dessa viagem._ Eu falei e ele riu.
_ Eu espero que sim. Quero me redimir por meu erro. Quero fazer de você a mulher mais feliz do mundo.
_ Eu sou feliz, Edward... Nunca duvide disso. Apesar de às vezes você se comportar como um completo idiota._ Eu falei e me inclinei para beijá-lo.
Ele me olhou espantado por minhas palavras corajosas, mas depois riu.
_ Certo... Bem, mas nós vamos viajar, curtir nosso amor e quem sabe, fazermos outro bebê... Kimberlly e Joshua já estão grandes. Acho que chegou a hora de termos outro filho._ Ele falou e eu o olhei espantada.
Mais filhos?
Edward batera com a cabeça?
_ Isso é sério?
_ Claro. Mais do que sério. Eu adoro a ideia de ter filhos com a mulher da minha vida. Quantos mais, melhor... Além do mais, a idéia de produzi-los é maravilhosa..._ Edward falou maliciosamente e eu senti meu rosto e meu corpo esquentarem de uma maneira deliciosa._ O que acha de estrearmos nosso quarto?_ Ele perguntou, beijando meu pescoço de leve e eu senti minha pele se arrepiar.
_ Edward... Nós... Nós temos que ir embora. Rosalie está com os bebês e com Sophie..._ Eu falei, tentando resistir, mas não me empenhando de verdade.
_ Vai ser rápido... Além do mais, nossos filhos não dão trabalho. Rosalie não vai se importar em cuidar deles se for para nós dois oficializarmos nossa reconciliação..._ Ele sussurrou em meu ouvido e qualquer hesitação que eu tivesse foi para o espaço.
Nesse momento, tudo que eu queria era me entregar aos seus carinhos.
Ele percebeu que eu já tomara minha decisão e segurou minha mão para me levar para o andar de cima, mas eu o detive.
Edward me olhou com estranhesa e eu sorri, puxando-o para frente da lareira.
_ Vamos estrear nosso quarto outro dia... Hoje, eu quero fazer amor com você bem aqui... Na sala, em frente à lareira. Aqui, ninguém vai nos interromper e é dessa forma que eu quero me entregar a você..._ Eu falei, tirando lentamente meu vestido e ele ficou me encarando, acompanhando todos os meus movimentos.
Quando eu estava apenas com a roupa de baixo, ele avançou para mim como um leão faminto e eu me entreguei completamente a ele, perdoando-o pelo seu erro...
Afinal, mesmo com todos os seus defeitos e falhas, Edward era perfeito pra mim e merecia meu amor e minha total entrega.
*****
Pov. Renée
Ah... A liberdade.
Era tão bom estar livre outra vez.
Muitos quiseram ver minha destruição e eu cheguei a pensar que eles realmente conseguiriam.
Mas, ninguém derrota Renée Swan.
Graças aos céus aquele soldado estúpido se matara, obrigando a polícia americana a me libertar, já que ele era a única testemunha que provava minha participação no seqüestro daquela bebê estúpida.
Eu afirmara que James entrara na minha casa sem que eu soubesse e ninguém pudera provar o contrário.
Ótimo!
Agora, eu estava livre e queria vingança.
Começando pelo meu digníssimo esposo.
Charlie não perdia por esperar.
Sua recusa em me ajudar custaria muito caro.
E depois que ele estivesse aniquilado, eu iria atrás dos Cullen...
Aliás, apenas alguns estavam na minha mira.
Edward, Bella e sua prole maldita...
Eles conheceriam o poder do meu ódio...
Em breve...
Muito em breve!


E aí, galera...
O que acharam?
Espero que a espera tenha valido a pena.
Eu quis que a Bella transmitisse a todas as inseguranças de uma mulher quando descobre que seus companheiros frequentam esses lugares...
Espero ter tido sucesso em minha ideia...
René volta a atacar, mas prometo que será sua última maldade e garanto que o fim dela vai surpreender a todos vocês...

No comments :

Post a Comment