FANFIC EU TE DOU MEU CORAÇÃO - CAPITULO 49

Olá, boa noite, gostaria de agradecer à Leticiadm9 pela bela recomendação. O carinho de vocês é o que me motiva a escrever...
E então... vamos ao cap?
let's gooo

Eu Te Dou Meu Coração

Eu te dou meu Coração
Diana Neves.


Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Gêneros: Amizade, Drama, Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez


Depois de um bom tempo debatendo internamente sobre tocar ou não os seios de Bella, eu decidi por tentar dormir.
O problema foi que quinze minutos depois, eu não havia dormido. Pelo contrário, minha mente girava em torno da cena em que eu caía de boca naqueles montes macios, redondos e deliciosos.
De repente, a noite de 27 de dezembro em Seattle estava muito quente.
Levantei um pouco meu corpo e tirei minha camisa, jogando-a no chão ao lado da cama. Abri meu cinto e, com um pouco de dificuldade, tirei minha calça também e ela se juntou à camisa no chão.
Fiquei apenas com minha cueca boxer branca.
Desci um pouco meu corpo na cama, e puxei a colcha que estava aos pés para cobrir Bella.
Sim, era melhor cobri-la antes que eu a atacasse.
Bom, agora eu poderia dormir.
Mais quinze minutos, minha ereção não abaixava e as cenas na minha cabeça se alternavam. Em cada uma eu me esbaldava nos seios de Bella de formas diferentes.
Não resisti e levei uma mão até meu membro. Duro como uma rocha.
Bem, eu poderia descobri-la só um pouco, não é mesmo?
Desci um pouco a colcha que eu havia jogado por cima dela. Só o necessário pra ver seus seios.
– Hummm... Isso Bella... – gemi enquanto me tocava.
O prazer não era tão intenso quando como ela me tocava, ou chupava ou quando eu a penetrava, mas me faria gozar. E puta merda, eu estava precisando loucamente gozar.
Aumentei o ritmo da minha carícia, e eu já sentia os leves choques passarem por meu corpo.
Meus olhos fixos em seus seios.
– Ai Bella... – meu gemido saiu mais como um rosnado.
Eu estava quase lá. Eu podia sentir. Só mais um pouco.
– Edward? – escutei a voz de Bella me chamar.
Ah não. De novo não!
Parei abruptamente minha masturbação. Meus olhos ainda fixos em seus seios. Eu não teria coragem de olhá-la nos olhos. Não depois de dizer que eu não seria um canalha e que eu iria respeitá-la, apenas dormindo ao lado dela.
– Edward? – ela me chamou novamente.
Respirei fundo.
Aos poucos levantei meu olhar, até fita-la nos olhos.
– Me desculpe... eu sei que já é a terceira vez, mas é que... é que... – suspirei. – Eu estou morrendo de tesão. Eu te desejando tanto, que chega até a doer, Bella. – confessei envergonhado.
Fechei os olhos, sem conseguir encará-la por mais tempo.
Senti uma mão quente tocar meu peito. Meu coração disparou. Senti um beijo molhado sendo depositado em meu queixo. Senti sua respiração em meu rosto. Seu cheiro me invadindo.
– Não precisa se desculpar. – ela sussurrou em meu ouvido. – Eu também já fiz isso pensando em você. – gemi desavergonhadamente.
– Vo-você já se-se tocou pe-pensando em mim? – merda, por que estou gaguejando?
Ela sorriu, de forma sedutora, e mordeu o lóbulo da minha orelha.
– Um monte de vezes. – ela disse e eu rosnei como um cão raivoso.
– Sua provocadora. – olhei furiosamente excitado pra ela. Ela mordiscava o lábio inferior.
A puxei mais para mim, o máximo que sua barriga permitia.
Abaixei rudemente o decote do seu vestido, e abri seu sutiã, libertando finalmente seus seios.
Levei minhas mãos imediatamente aos montes macios, fazendo Bella gemer e meu tesão aumentar mais ainda.
Sem conseguir esperar mais, abaixei minha cabeça e chupei forte o bico do seu seio esquerdo. Chupei como um neném com fome. Mordiscando e lambendo de forma intercalada.
– Ai, Edward... – Bella gemeu enquanto enfiava seus dedos em meus cabelos.
Eu devorava um seio e o outro eu apertava e beliscava o bico com meus dedos.
A outra mão, eu desci por seu corpo e subi um pouco seu vestido para me dar livre acesso à sua calcinha.
Minha mão ansiosa abaixou sua calcinha até o joelho e Bella completou o serviço. Sem soltar seu seio esquerdo da minha boca e o direito da minha mão direita, com a esquerda eu explorei seu sexo.
Céus, ela estava muito molhada.
Escorreguei um dedo do seu clitóris até sua entrada e Bella se contorceu.
– Óh merda, Edward... – ela choramingou.
A penetrei com um dedo e bombeei rapidamente.
– Ai Ed.... eu vou... eu vou... gozar... – senti seu sexo pompeando meu dedo e Bella se esticando toda. – Ahhh... – deu um último gemido e depois seu corpo relaxou.
Levantei meu rosto e a fitei.
– Já? – eu ri e ela me deu um tapa.
– Eu estou grávida, gênio. – ela tentou parecer irritada, mas também riu. Mas seu sorriso logo sumiu e deu lugar a um olhar maldoso, de quem estava aprontando.
Senti sua mão me empurrar e passear por meu abdômen e descer cada vez mais.
Ela agarrou e apertou meu membro, e eu uivei com o prazer.
Ela começou a me acariciar lentamente, mas logo agilizou o movimento de sua mão. Senti algo dentro de mim se contrair.
– Bella... eu vou... – senti uma onda de prazer passar por meu corpo, e uma sensação absurda de alívio me tomou. Eu estava há muito tempo precisando gozar. A grosso modo, precisava botar pra fora o que ficou um bom tempo acumulado.
Senti a respiração de Bella próxima a meu ouvido e me arrepiei.
– Foi bom pra você, “The flash”? – ela gargalhou e eu fechei a cara.
– É... é... é que você... você tá grávida. – eu disse ofegante e sua gargalhada se fez mais audível.
– Sei... – ela debochou.
– Ah vem cá, Bella. – a puxei para meus braços e nos aninhamos do melhor jeito que sua barriga permitia.
– Boa noite, Edward. – biquei seus lábios.
– Boa noite, Bella. – fechei os olhos, mas sentia que faltava algo para eu dormir realmente bem. – Bella? – a chamei.
– Oi, príncipe. – ela disse meio sonolenta.
Levei uma mão ao seu seio.
– Posso dormir com a mão aqui? – ela sorriu de leve.
– Pode, meu amor. – ela disse e fechou os olhos novamente.
[...]
– Bella, você tem que ir mesmo pra casa da Alice hoje? Não pode adiar essa noite de garotas pra daqui a uns 50 anos? – fiz bico e Bella gargalhou com minha manha.
Após nossa rápida sessão de amassos, conseguimos dormir bem. Bem até demais, tendo em vista que acordamos ao meio-dia.
Bella telefonou pra Alice, e avisou que só iria embora ao entardecer.
Ela fez questão de cozinhar nosso almoço, por puro prazer, já que eu me ofereci pra encomendar sua comida favorita. Bem, eu poderia cozinhar, mas acho que Bella não gostaria de comer ovo frito com bordas queimadas.
Certo. Eu teria que fazer um acordo com Zafrina para ela vir aos domingos também assim que Mary Hope nascesse. Bella estaria ocupada com o bebê e não teria tempo de fazer comida aos domingos, e não é bom ficar saindo sempre com bebês recém-nascidos, e a hipótese de eu cozinhar estava fora de questão. Minha filha e esposa iriam passar fome se dependessem do meu vasto repertório de ovo frito e miojo ao molho qualquer-um-que-eu-encontrar-na-geladeira.
Passamos a tarde deitados na cama e vendo filme na tv... Ok, em alguns momentos pode ter rolado alguns amassos... Ok, passamos a tarde toda dando amassos e nem gastando um minuto para olhar que filme estava realmente passando na tv.
Quando tentei trazê-la para meu colo para fazermos amor, senti uma certa relutância de Bella.
Ela tentou negar, mas tenho quase certeza que foi por insegurança.
Céus, será que ela não sabe o quão linda e sexy ela está com essa barriga redondinha de quase 6 meses?
Às vezes ela consegue ser extremamente absurda.
Ela bicou meus lábios.
– Não, não pode ser daqui a 50 anos minha noite de garotas. – ela disse sorrindo.
Ela se levantou, colocou seu vestido e casaco, e calçou as sandálias. Passei meu corpo para a cadeira de rodas que estava ao lado da cama e fui para o banheiro tomar banho.
Assim que saí do banho, fui procurar onde Bella estava. Cozinha. Por que será que eu não me surpreendi?
– Comendo heim, que novidade. – comentei brincalhão e um pedaço de pão voou em minha direção. Sorri tentando me defender.
– Você acha mesmo que eu  comendo demais? – perguntou sorrindo um pouco nervosa. Ela parecia insegura.
Empurrei minha cadeira pra perto dela e dei dois tapinhas em minha coxa, sinal claro pra ela sentar em meu colo.
Ela veio rapidamente e sentou em meu colo, enfiando a cabeça na curva do meu pescoço.
– Por que isso agora, princesa? Você está tão linda. Aliás, você sempre foi linda. E grávida então... Parece que tem uma luz em cima de você. – disse de forma carinhosa enquanto alisava seus cabelos.
– É que fica me dando muita fome, e eu como. E depois como de novo. – ela fungou. – Eu já engordei 14 quilos. Meus seios estão enormes, minha bunda está enorme.. Eu estou toda enorme. – choramingou. Eu sorri.
– Baby, você não sabe como eu estou gostando dos seus seios e bunda enormes. – ela sorriu e me deu um tapinha, mas logo choramingou novamente.
– Ai Edward, eu não consigo me sentir feminina mais. Ontem, pra escolher esse vestido foi a coisa mais difícil. Nada ficava bem com esses 14 quilos a mais. Nada serve em mim. – levantei seu rosto e vi lágrimas represadas em seus olhos.
– Princesa, você está grávida, é normal engordar alguns quilos. E não é por esses quilos a mais que você deixou de ser linda, feminina e sexy. – acariciei sua bochecha, limpando uma lágrima que escorreu. – Meu amor por você é o mesmo, minha admiração é a mesma, e meu desejo então? Nem se fala. A cada dia que passa, te desejo mais. E mesmo se esses quilos a mais não fossem por motivo da gravidez, meu desejo seria o mesmo. O seu corpo é tentador, mas meu prazer nada tem haver com isso. Fazer amor com a mulher que eu amo, é o que me dá prazer. Agradar na cama a mulher que eu amo, é o que me dá prazer. Despertar a libido da mulher que eu amo, é o que me dá prazer. Saber que a mulher que eu amo é a única que desperta meu corpo, é o que me dá prazer. E saber que sou o único que fiz a mulher que eu amo se sentir amada, desejada e mulher de verdade, é o que me dá prazer. – Bella limpou as lágrimas que desciam por seu rosto. – Agora você entende que 14 quilos não significam nada pra mim? – perguntei fitando-a intensamente.
Ela assentiu me direcionando um olhar cheio de carinho e amor.
– Você é perfeito. – ela me abraçou.
– Por você, eu posso ser tudo. – beijei seus cabelos e ali ficamos abraçados.
[...]
Cheguei em casa, após levar Bella à casa da Alice. Espero que essa situação não continue por muito tempo. Quero Bella em nossa casa o mais rápido possível. Peguei o telefone e liguei pra ela, pra verificar se ela estava bem, nesses 20 minutos que eu estou longe dela.
Bem, talvez possa ser porque eu estava com ciúmes da sua noite de garotas, e resolvi ligar só pra estragar. Não, não foi isso. Tenho quase 29 anos, não sou um adolescente pra ficar com ciúmes de uma noite de garotas, onde elas vão comer pipoca e ver filmes com caras saradões que passam o filme todo tirando a camiseta.
Ela, obviamente, falou rapidamente comigo, e desligou, prometendo me ligar quando acordasse amanhã.
Suspirei frustrado.
Eu não estava com ciúmes da noite de garotas. Não, eu não estava.
[...]
Segunda e terça foram dias monótonos. Eu fui à casa de meus pais, passei um tempo com minha mãe, passei na sex shop para ver Bella, mas por ser fim de ano, a loja estava cheia e ela não pode me dar muita atenção. E talvez Alice possa ter empurrado algumas clientes a mais para Bella, só pra ela não ter tempo pra mim. A baixinha ainda me olhava um pouco emburrada.
Tentei argumentar com Bella sobre esse trabalho, mas ela me garantiu que não se cansava. Disse-me que até gostava da rotina de levantar cedo, trabalhar, e sempre estar conversando com pessoas diferentes.
Eu não contestei mais. Se era algo que fazia bem pra ela, que a fazia se sentir útil, eu não me oporia. O dinheiro que ela ganhava lá era algo mais simbólico mesmo. Apesar de tudo, Bella sempre usou o dinheiro que eu mandava pra ela mensalmente para comprar coisas referentes à gravidez. E agora, eu a fiz prometer que ela gastaria com ela também. Maquiagens, roupas, sapatos, o que fosse.
As noites não foram tão boas. Eu não dormi com Bella. Mas sempre ficava até tarde pendurado no telefone com ela.
Enfim, chegou a quarta-feira. Reveillón.
Fui cedo para a casa dos meus pais, para ajudar em alguma coisa referente à preparação da festa.
Passei o dia todo ajudando a decorar a casa, receber as encomendas de bebidas e comidas e ouvindo minha mãe reclamar do meu pai por estar beliscando seu traseiro. Sério isso? Que nojo.
Ao cair da noite, fui até meu antigo quarto e tomei banho. Vesti minha calça cáqui e blusa polo branca. Calcei um tênis da nike branco e prata e baguncei um pouco meu cabelo. Eu queria estar bonito para Bella. Queria parecer jovem e descontraído também. Olhei no espelho e aprovei o que via.
Fui para a sala, e Rosalie e Emmett já bebiam seus drinques. Meu pai conversava com as funcionárias da casa. Essa era uma tradição que eu me orgulhava muito da minha família. Em festas, sempre os empregados participavam como nossos convidados. Além de empregados, eram amigos.
Minha mãe chegou à sala e disse-me que Eric já havia ido buscar Bella.
Sorri e aceitei a taça de champanhe que ela me oferecia.
Empurrei minha cadeira pra perto de Emm e Rosalie e puxei assunto com eles.
Enquanto conversava sobre o calor atípico desse inverno com eles, toquei a caixinha que estava no bolso da minha calça.
O símbolo do nosso recomeço estava ali.
Eu não queria mais usar a aliança que um dia ela tirou de seu dedo. Estávamos recomeçando e tudo seria novo.
Eu espero que essa noite seja especial como eu planejei.






PLease, não dói, não cai o dedo e faz um autor se sentir útil e recompensado!

No comments :

Post a Comment