FANFIC QUIZÁ - CAPITULO 04

Quizá

QUIZÁ - DIANA NEVES


Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance, Songfic
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo


Edward acordou com a sensação quase esquecida de uma noite com mais de 8 horas de sono.
Espreguiçou-se e foi até o banheiro social, no corredor do segundo andar e fez sua higiene matinal. Frustrou-se ao ter que usar uma escova de dentes que ainda estava na embalagem. Provavelmente Bella havia colocado ali pra ele.
Até isso o fazia sofrer. Ele tinha a escova no banheiro do quarto deles. Sempre azul e com cerdas duras, como Bella sabia que ele gostava.
Eles conheciam um ao outro de uma forma quase inexplicável.
O homem apoiou a testa no espelho e fechou os olhos.
Era difícil acordar e perceber que o pesadelo da separação era real.
Tentou vestir-se com um pouco de ânimo e desceu para o térreo da casa.
– Paiiii! – seu pequeno Daniel veio correndo e se jogou em seu colo. Edward o levantou rapidamente e brincou de avião com o menino, girando-o de um lado ao outro, como sempre fazia.
– Ei, campeão. Acordou animado, heim. – ele sorriu verdadeiramente ao ver o rosto feliz do filho. – Zummm... Zummmmm... – Edward fazia barulhos com a boca, imitando o som do ar sendo cortado por um objeto em alta velocidade.
– Edward, põe esse menino no chão. – Bella apareceu sorrindo, enquanto lhe chamava atenção com bom humor. – Ele acabou de comer um pacote inteiro de biscoitos. Vai fazer mal se ficar girando ele assim no alto. – Bella pegou Daniel do colo do ex marido, e o pequeno sorriu arteiro e descansou a cabeça no ombro da mãe. – Venha tomar café da manhã. Está um pouco tarde, mas eu sei que acorda com fome. – ela disse simpática e ele a seguiu até a sala de jantar.
Sentou-se à mesa farta com bolo de chocolate, biscoito amanteigados, frutas, pães, patês, suco de laranja, leite e café.
– Hummm, olhar pra essa mesa assim, tão recheada, aumenta mais ainda minha fome. – ele comentou enquanto já pegava um generoso pedaço de bolo de chocolate.
– E eu não te conheço? – Bella brincou. – Acorda com um buraco negro nesse estômago. Come tudo que vê. – ela sentou-se à mesa, de frente pra ele, ainda sorrindo, e Daniel se aconchegou em seu colo.
– Não engordo de ruim. – ele riu e Bella gargalhou ao ver o dente dele todo sujo com chocolate. – Que foi? – ele sorriu, já sabendo o que estava acontecendo.
– Seu porquinho. Não fale de boca cheia. Tá com os dentes cheios de chocolate. – Bella gargalhava e Daniel também.
– Papai é poquinho... Papai é poquinho. – ele repetia e dava aquela gargalhada gostosa de criança.
Edward tomou um gole do suco e voltou a falar.
– Onde está Nessie e Anthony? – perguntou ao olhar pra todos os cantos e não ver os outros dois filhos.
– Ah Renesmee... – Bella frisou o nome correto da filha, e Edward revirou os olhos. Ela nunca gostara do apelido da filha, mas volta e meia se pegava a chamando assim também. - ... Está no quarto vendo tv, e me pediu pra chama-la quando você acordasse. E o Anthony na área da churrasqueira brincando naquela mesa de sinuca. Ele cismou que vai treinar até ser melhor que Emmett e vencê-lo na frente de todos. – Bella sorriu ao lembrar do esposo crianção de sua cunhada Rosálie, que adorava brincar de desafiar seus filhos.
– Certo... – Edward disse e pegou alguns biscoitinhos amanteigado de Bella que ele simplesmente amava. – Hummmm, Bella, esses biscoitos são uma delícia. A cada dia ficam melhores.
– Será minha herança para meus filhos e meus netos. A boa culinária. – ela sorriu.
– A beleza estonteante, o bom caráter, a alegria de viver, o positivismo e a fidelidade também. – Edward quis dizer isso de forma casual, mas acabou saindo de forma mais intensa do que planejava.
Bella desviou o olhar e brincou o cabelo de Daniel. Edward ainda a encarava.
– Papai, você e a mamãe são namolados de novo? – Daniel quebrou o silêncio, fazendo os adultos olharem atônitos pra ele.
– Por que você está perguntando isso, meu filho? – Bella, desesperada na situação embaraçosa, indagou ao pequeno filho.
– Ah, pulquê ele tá molando aqui de novo. – o menininho falou como se fosse óbvio.
– Não, filho. O papai não está morando aqui de novo não. Ontem estava tarde e eu estava cansado, por isso, dormi aqui. – Edward explicou calmamente.
– Junto com a mamãe? – o pequenininho continuou com as perguntas.
– Não, meu querido. Em outro quarto. – Bella explicou, ainda um pouco sem graça pelas perguntas do filho.
– Ah... Se a mamãe tivé oto namolado, ele vai dumi no quarto dela? – Daniel perguntou confuso pela situação.
– De maneira alguma. – Edward elevou o tom de voz, assustando Bella e o menino. – Quer dizer... Não, Daniel. Definitivamente não. – ele disse mais controlado, porém de forma firme.
– Filho, vai lá pra sala de brinquedos. Eu deixei seu boneco do Ben 10 lá, você pode pegá-lo e guarda-lo em seu quarto? – Bella desceu o menino do seu colo, e ele assentiu e saiu correndo da sala de jantar. Ela respirou fundo e encarou Edward. – O que foi isso? – perguntou firme.
– Isso o quê? – ele se fez de desentendido, mas sabia exatamente do que ela estava falando.
– Esse ataque de fúria do nada. Pode me explicar? – Ela cerrou os olhos e ele bufou.
– É claro que a hipótese de outro homem dormir no quarto que foi nosso me deixa enfurecido. Por acaso acha que estou errado? Nenhum outro homem entrará na casa em que meus filhos vivem. – ele disse enérgico.
– Nem eu seria capaz de trazer qualquer namorado pra cá. Ainda mais com tudo ainda muito recente. – ela tentou se acalmar. – Fique tranquilo, não pretendo me casar novamente. Pelo menos até meus filhos completarem a maior idade. – eles continuaram se encarando. – E se eu começar a namorar alguém, não vou enfiá-lo dentro dessa casa, que aliás, é sua. – ela deu de ombros e Edward bateu na mesa, irritado ao pensar em suas palavras.
– Não há maneira no inferno que você arranje algum namorado! – ela o olhou irada. – Não me olhe assim. Você não vai namorar ninguém. – Ele se levantou e deu a volta na mesa, parando ao lado dela e puxando seu rosto para perto do dele. – Você é minha. Sempre foi. E eu sempre fui seu. Não existe espaço para outras pessoas em nossas vidas.
Eles sustentaram o olhar um do outro por um longo tempo.
– Se existiu espaço para Tânya, existirá espaço para um novo homem em minha vida, também. – Ela se levantou e saiu rapidamente da sala de jantar, deixando um Edward enfurecido e estático naquele cômodo.
– Droga! – ele praguejou quando se viu sozinho.
Uma hora depois, ele e as crianças já estavam dentro do carro, indo em direção a sua atual casa. As crianças conversavam no banco de trás sobre qual programa gostariam de fazer durante o dia.
Após Edward tomar banho e colocar uma roupa confortável, eles deixaram a casa e foram a um parque, por decisão unânime dos filhos.
Enquanto as crianças brincavam, sob seu olhar cuidadoso de pai, e Renesmee, por estar com o braço engessado, apenas brincava em algum joguinho no seu tablet, Edward se deixou levar pelas lembranças.
Flashback
Edward estava com 18 e Bella com 14 anos. Namoravam em casa como qualquer outro casal jovem comum. Charlie confiava no menino que demonstrava amar muito sua filha. Esme e Carlisle amavam Bella como se fossem uma filha.
A vida estava boa. Edward ia bem na faculdade, e fazia alguns bicos com serviços de eletrônica, pra levantar um dinheiro pra sair com Bella nos fins de semana.
As férias de verão finalmente chegaram e eles tinham dois meses para curtirem o frescor do amor jovem.
– Sabe Bella, quando a gente casar, você vai ter um carro só pra você. Não, você vai ter um carro com um motorista, e nunca mais vai precisar andar na bicicleta comigo. – ele disse, enquanto alisava os longos cabelos castanhos da amada.
Eles estavam sentados debaixo de uma árvore, no parque municipal.
– Edward, você sabe que eu não ligo pra essas coisas. É até bom andar na bicicleta com você. – ela o abraçou apertado. – A gente fica mais coladinho.
O rapaz se sentiu feliz ao saber que a namorada estaria com ele independente de qualquer coisa. O amava demais para se importar com luxo e comodidade. E era exatamente por isso que ele batalhava, estudava incansavelmente e trabalhava no dispositivo que ele queria desenvolver, para um dia poder ter sua própria empresa de eletrônica e poder dar tudo do bom e do melhor para Bella.
– Eu amo você, minha pequena. – ele declarou apaixonado e tomou os lábios da jovem.
O beijo que começou sereno, foi ganhando intensidade à medida em que a adolescente se ajeitava nos braços dele, e num impulso, sentou-se em seu colo. O rapaz, que já estava com os hormônios em ebulição, ficou duro no mesmo instante. Suas sessões de masturbação diárias não estavam mais dando vazão ao desejo que ele sentia de conhecer o sexo.
A adolescente também não ficava atrás. Seu corpo já sentia o calor da paixão, e sua curiosidade sobre o sexo também era latente em sua feminilidade.
Ela sentiu a rigidez do membro do rapaz. Se assustou um pouco, pois essa era a primeira vez que realmente o sentia, mas logo que a surpresa passou, ela se remexeu um pouco em seu colo, e a sutil rebolada fez o rapaz gemer em sua boca e afundar seus dedos na cintura fina da namorada.
– Bella... Pare com isso. Eu estou tentando me controlar, esperar você ficar mais velha, mas eu sou homem... É difícil pra mim. – ele pediu quase rendido, quando desceu beijos por seu queixo e pescoço.
– Edward... Eu também sinto vontade... Não tem ninguém vendo. – ela atacou novamente a boca do rapaz.
Ele se divertiu um pouco com o comentário tão necessitado da namorada jovem. Ela não sabia muita coisa sobre sexo, ele tinha noção disso. E talvez não soubesse que a primeira vez de uma menina pode ser dolorida e incômoda, e que não se pode fazer em qualquer posição, pois seria quase insuportável a dor. Mas se ela também sentia vontade... Eles poderiam avançar um pouco na intimidade, indo além dos beijos.
Edward desceu novamente beijos para o pescoço de Bella, e num impulso de coragem, levou uma mão ao pequenino seio, coberto apenas pela fina blusa de alcinhas.
Apertou o biquinho e ouviu o doce e tímido gemido da menina que também descobria a intimidade de um casal junto com ele.
Seria vergonhoso admitir que aos 18 anos de idade, o máximo que tinha feito com uma garota era passar a mão no seio. Mas Bella era sua única. Única amiga, único amor, único beijo e seria a única mulher em sua vida. Tudo tinha que ser unicamente com ela. Não se importava de ter que esperar muito pelo contato mais íntimo, se formaria na faculdade ainda sendo virgem, se assim fosse a vontade dela, e Deus salve os lubrificantes que ele usava em suas masturbações. Entretanto, estava difícil resistir com sua pequena e doce namorada virgem rebolando em seu colo, e ele tocando seu pequeno e firme seio.
– Edward... Eu não sei muito bem sobre essas coisas... – ela dizia entre arquejos. – Mas eu to quente lá... Tô sentindo um pouco molhada. – ela confessou, morrendo de vergonha, mas confiante no seu único confidente, melhor amigo e amor.
– E-eu tenho vontade de tocar lá... Você deixa? – ele perguntou, louco de tesão. Mordiscou a orelha de Bella e conferiu se realmente ninguém estava vendo.
Tudo limpo. Estavam num canto mais isolado do parque, onde as pessoas geralmente evitavam ir por não ter nenhum banco por perto.
– Po-pode... – ela gemeu entregue quando ele beliscou o bico intumescido do seu seio.
Edward levantou minimamente o quadril do chão, friccionando no traseiro de Bella, que estava encaixado direitinho em seu pênis protegido pela cueca e bermuda.
Sua mão desceu e apalpou o traseiro redondo e firme. Foi descendo a mão pela coxa e sentiu o estômago retorcer em ansiedade quando, aos poucos, foi invadindo o short largo de algodão.
Chegou com os dedos na calcinha e percebeu a umidade. Ele não era bobo, sempre leu muito e viu filmes pornôs. Sabia que quando a mulher estava excitada ela se molhava lá. Regozijou-se ao chegar à conclusão que Bella também o desejava.
Com cuidado e hesitação, os dedos invadiram o que a calcinha escondia, e encontrou a carne inchada e úmida, com ralos pelinhos adornando a intimidade de sua garota.
Bella retesou ao sentir uma descarga elétrica, quando aquele seu brotinho de carne, que ela não sabia muito bem porque tinha aquilo em sua vagina, foi tocado. Logo se soltou e gostou da sensação de prazer.
Edward esfregou o clitóris da menina e ouviu seus resmungos fininhos, alertando-o que ele estava fazendo certo.
Seu quadril voltou a se impulsionar, e passou a friccionar seu membro no traseiro da menina, enquanto esfregava seu broto duro de tesão com o dedo médio.
Arriscou-se a descer até a entrada e introduzir metade do seu dedo indicador. Ela rebolou, como se estivesse pedindo mais, entretanto, ele teve medo de prosseguir e machucá-la, por isso, voltou ao clitóris e dessa vez, passou a esfregá-lo em movimentos circulares com o dedão.
Seu orgasmo estava próximo. Se esfregar no traseiro da amada era algo novo, e o fazia borbulhar de tesão. Sentiu um pouquinho de líquido sair da bocetinha quente da amada e ela endurecer o corpo, enquanto puxava furiosamente seus fios de cabelo da nuca.
– Edward... O que é isso? – ela perguntou atordoada, enquanto ainda tinha o corpo tenso e sentia uma onda de eletricidade perpassar por seu corpo juvenil e puro.
– Go.... Você está... Eu estou... Go... Gozan... Gozandoo! – gemeu mais alto a palavra e deixou seu líquido espesso e quente sujar a cueca, enquanto sentia Bella relaxar em seus braços.
– Isso foi bom... – a menina disse torpe após a sensação de relaxamento.
– Foi maravilhoso. – ele declarou feliz.
Ir embora pra casa, com a cueca suja e a frente da calça revelando uma manchinha é que foi ruim. O short de Bella, por ser larguinho, não demonstrou nenhuma evidência da recém descoberta do jovem casal, porém, a namorada foi o caminho todo reclamando como sua calcinha estava molhada e ficava parecendo que ela fez xixi na calça.
Tempos atuais
Edward se pegou sorrindo com a lembrança do seu primeiro contato íntimo com Bella. As memórias estavam tão vivas em sua cabeça.
Olhou para os filhos brincando e Renesmee ainda entretida com o tablet e suspirou. Os filhos eram uma benção em sua vida. Mas nada estava completo sem a sua companheira do lado. Sim, Bella ainda era sua companheira. Estavam separados por palavras não ditas, atitudes egoístas e exibicionistas, mas o amor que sentia por ela e sabia que ela sentia por ele, seria mais forte no fim, ele podia apostar. Iria ter a mulher da sua vida de novo em seus braços.


E então, gostaram? Teve flashback de amasso do casalzinho, e bem, Edward cada vez se convencendo mais que não vive sem Bella... Já mostrou suas garrinhas de possessivo hoje, mas todo homem é um pouco possessivo, não é mesmo? E o Daniel gente, que coisa fofa. Pra criar ele, eu me inspirei no filhinho do meu primo que fala exatamente assim, e faz perguntas assim tbm...
Beijos 

No comments :

Post a Comment