FANFIC QUIZÁ - CAPITULO 11

Quizá

QUIZÁ - DIANA NEVES


Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Personagens: Bella Swan, Edward Cullen
Gêneros: Drama, Hentai, Romance, Songfic
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo


Edward estava sentando em seu escritório olhando fixamente para o convite. Há algum tempo atrás, ele não teria se importado com um convite para um coquetel realizado pela empresa que era sua maior cliente. Ele iria sem pestanejar. Agora era diferente. Essas coisas já não enchiam seus olhos. Depois de ter que passar pelo sofrimento de quase perder a mulher da sua vida, ele abriu os olhos e enxergou o quão fútil esse mundo de aparências pode ser.
Mas infelizmente, esse era um coquetel importante tanto pra ele quanto pra empresa. AWestPlant Automation and Solution era sua maior cliente e realizaria esse coquetel como comemoração da entrega de uma unidade de Usina Nuclear no sul de Minessota comissionada com sucesso, e a empresa de Edward foi a principal fornecedora dos instrumentos e painéis. Era uma questão de manter cordialidade e laços comerciais fazer presença nesse coquetel.
Pegou seu celular e ligou para Bella. Eventos realmente importantes para ele, ela nunca se recusou a ir.
– Olá, bom dia. – ela atendeu sorridente.
– Oi Bella, está no curso? – seu sorriso bobo só por ter ouvido a voz dela era evidente.
– Estou sim. Na verdade, eu dei uma paradinha para ir ao banheiro. Sorte você ter ligado agora, porque se fosse alguns minutos atrás eu estaria com a mão toda suja de terra e não poderia atender. – ela explicou.
– Que bom que liguei agora então. – ele respirou fundo. – Ér... Bella, eu recebi um convite para um coquetel da WestPlant, uma grande cliente minha, e bem, queria saber se você pode ir. – ele esperou nervosa pela resposta. – Quer dizer, essa empresa é uma das minhas maiores clientes e estão comemorando mais um projeto entregue, e bem, seria de bom tom eu comparecer, pelo menos um pouco, mas se você não quiser ir, ér, hummm, eu posso ligar e inventar uma desculpa... – Ela o interrompeu com sua risada.
– Não seja bobo, Edward. Se é um evento de uma empresa importante pra sua empresa, você tem que ir, nem que seja um pouco. E bem, eu posso ir sim. Quando será?
– Amanhã. – Edward soltou a respiração e se sentiu aliviado.
– Ok, amanhã então. Vou ver se as crianças querem ficar com seus pais, se eles estiverem livres, obviamente.
– Ok então, pequena. Te ligo a noite, ok?
– Ok, agora deixa eu voltar pra minha atividade.
– Tá, beijos.
– Beijos.
Desligaram e Edward mantinha um sorriso brilhante.
No curso de paisagismo, Bella já se programa para passar no shopping após pegar as crianças na escola e Daniel no jardim de infância, e comprar um belo vestido. Queria estar bonita ao lado de Edward. Já que estavam recomeçando, ela queria marcar presença ao lado do marido. E ela ficou feliz também ao saber que se ela não pudesse ir, Edward deixaria de ir também. Não que ela se recusaria a ir a um evento importante para a empresa do marido, entretanto, foi bom saber que o marido estava na mesma sintonia que ela, só sairia se fosse juntos.
Uma alegria invadiu o coração dela. Edward realmente havia enxergado seus erros e estava fazendo de tudo pra melhorar.
Apesar da briga horrível e das palavras duras que um disse pro outro, principalmente Edward, no dia da separação, eles ainda se amavam muito, e Edward, que errou muito, teve a humildade de assumir seus erros e está se esforçando pra provar a ela que mudou.
A noite, após colocar as crianças pra dormir, Bella se deitou em sua cama e estava lendo um livro de romance, seus preferidos, quando o telefone tocou. Ela já até imaginava quem era. Atendeu com um sorriso.
– Olá.
– Oi minha pequena. As crianças já dormiram? – ela sorriu.
– Sim, já os coloquei na cama. Logo após falarem com você no telefone, eles viram um pouco de televisão e depois eu os coloquei pros quartos deles.
– Bom, muito bom. – a voz de Edward caiu um tom e ficou mais rouca. – Bella, sabia que eu pensei em você o dia todo?
– Hummm, espero que tenha pensado coisas boas. – ela brincou, sorrindo sapeca.
– Só coisa boa, coisa gostosa. – ela esclareceu. – O que você está vestindo? Fala pra mim, pequena.
– Hummm... – Bella olhou o corpo. Estava com um conjunto de baby doll antigo, porém, ela não diria isso, iria lhe provocar. – Eu estou com minha camisola de renda e seda rosa. Você não conhece, eu a comprei hoje. – ela escutou Edward soltar um rosnado?
– Comprou hoje? E por que você está vestindo-a? Eu não estou aí pra vê-la. – Edward desceu a mão por seu corpo e agarrou sua ereção por cima da boxer, que era a única peça que ele vestia. – Ela é curtinha?
– É bem curtinha e transparente nas partes da renda. – Bella provocou com um sorrisinho.
– Ai Bella... – Edward gemeu. – Não faz isso comigo, sua diabinha. – ele abaixou a boxer e segurou em seu membro, o manipulando. – Tô duro só de te imaginar metida em uma camisolinha de renda. – a respiração de Bella engatou. – Eu fico lembrando cada parte do seu corpo, imaginando você deitada nessa cama que por tantos anos eu fiz amor com você.
– Eu também lembro... – Bella soltou entre a respiração forte.
– Pequena, eu não tô me aguentando. Eu tô tocando “uma”. – Bella deu um risinho, ela conhecia bem Edward. Todas as vezes em que ele teve que viajar, eles se falavam a noite pelo telefone e ele se tocava pra ela, aliás, ambos se tocavam através da conversa pervertida que mantinham. Coisa íntima, que só um casal em real sintonia e que sentia desejo um pelo outro se sentia à vontade em fazer. –Bella, feche os olhos e desça uma mão por seu pescoço até seus seios. Faça isso pra mim, minha pequena.
Bella atendeu ao pedido.
– Sim Edward, estou tocando meu seio. – ela apertou e gemeu. – Hummm tão bom.
– Óh merda, Bella. Escutar você gemendo me faz ficar louco. – Edward aumentou o ritmo de sua masturbação. – Amor, agora coloca seu dedinho na boca. – Bella fez o que ele pediu. – E agora, faz uma coisa que eu queria muito estar aí fazendo. Desce um pouco sua calcinha e coloca seu dedinho bem no seu grelinho, faz isso pra mim, faz.
Bella cumpriu as recomendações e gemeu quando seu dedo entrou em contato com seu clitóris.
– Ai Edward, eu estou a ponto de explodir. – ela gemeu. Estava com tesão acumulado, as últimas duas vezes que havia tido um orgasmo foi na noite em que ela e Edward se amaram no tapete da sala e quando ela se tocou pensando nele.
– Bella... Eu queria muito estar aí, você não tem noção. – Edward já sentia seus dedos dos pés se retorcendo. – Amor, esfrega aí bem rapidinho, do jeito que eu faço e você adora. Faz isso imaginando que sou eu quem está fazendo.
– Óh Edward... Sim, eu estou de olhos fechados, imaginando que é você. – Bella esfregava círculos de forma rápida, e seu quadril chegou a sair da cama quando seu corpo começou a se retorcer. O músculo da coxa endureceu e sua perna se esticou todinha. – Ai Edward, eu tô quase... Eu vou rapidinho assim.
– Eu sei... Eu sei como você goza rápido quando eu toco seu grelinho, mas eu também já tô quase gozando. É muita saudade e tesão por você. – Edward sentiu uma pressão forte em seus testículos. Os choques já passavam por seu corpo. Seu pênis inchou e jorrou seu esperma quente pegajoso todo em sua mão. Ele continuou a ministrar seu membro vagarosamente, pois ainda saía seu gozo. – Bella, eu tô gozando amor, vem pra mim você também.
– Simmm... – as pernas de Bella tremeram, seus joelhos se fecharam e ela esfregou mais rápido seu ponto pulsante, até que sentiu aquela onda de prazer passar por seu corpo, seu tronco levantou rapidamente da cama, tamanha a força da onda, e ela sentiu seu dedo ser lambuzado por aquele líquido quente que saía de dentro dela quando alcançava o prazer.
Ambos ficaram apenas respirando forte no telefone. Se recuperando do prazer.
– Bella, eu estou todo sujo. – ambos riram.
– Eu molhei o lençol, e preciso ir ao banheiro me secar também.
– Hummm, você molhada assim pelo seu prazer... Daria tudo pra estar aí sentindo esse cheiro gostoso.
– Edward, para de ser bobo. – Bella ralhou sorrindo.
– Bobo não, eu sou tarado em você. – Bella balançou a cabeça ainda sorrindo. Edward não tinha jeito, era um pervertido quando se tratava dela. E que mulher não amaria isso? Ela amava o fato de ter tanto poder sobre ele, assim como ele tinha sobre ela.
 Sabe o que eu sinto falta também, Bella? Sinto falta daquele momento depois de fazermos amor, quando você se enroscava em meu corpo e brincava com os pelos do meu peito, e eu alisava seus fios castanhos que eu tanto amo. E nós brincávamos de falar coisas toscas, porque simplesmente esses somos nós. – O momento torpe após o orgasmo foi totalmente substituído pela saudade. Os olhos de Bella se encheram de lágrimas ao escutá-lo falando. – Eu sinto falta de fazer piadas ruins e ouvir você sorrir das minhas idiotices e me dizer que não era sexy falar coisas sem graça após o sexo.
– Eu também sinto falta disso, Edward. – ela disse. Edward fitava o teto, nem ligando para sua mão direita que ainda estava suja de seu prazer. Ele não sabia porque havia mudado totalmente o rumo do telefonema, ele só sabia que tinha necessidade de falar o que estava em seu peito pra ela.
– Eu sinto falta de implicar com as sardas do seu rosto e você ficar brava e dizer que nunca mais ia fazer amor comigo, mesmo que ainda estivesse nua e em meus braços. – ambos sorriram com a lembrança. – Sinto falta de dizer o quanto você é linda e perfeita pra mim, e que o mundo lá fora poderia se desintegrar, e eu continuaria feliz, contanto que tivesse você e nossos filhos comigo.
– Sinto falta de implicar com seu ronco. – Bella meio sorria meio fungava quando disse.
– Eu sinto falta de te abraçar de conchinha e receber tapas por tentar te acariciar durante o sono. – ele sorriu. – Sinto falta de escutar você falando meu nome durante seu sono... – ele respirou fundo. – Bella, eu sinto tanta falta da nossa vida de casados. Me perdoe por tudo que eu te falei no dia da nossa separação e até mesmo nas nossas brigas anteriores. Você sabe que foi tudo da boca pra fora, eu queria te ferir porque eu estava ferido. Eu achava que eu estava certo, e fui um idiota com você. Me perdoe, meu amor. Mas eu te amo tanto que dói demais estar sem você em meus braços. – as lágrimas de ambos já se faziam presente. – Eu não sou nada sem você, Bella. Me perdoa por todas as merdas que eu disse. – ele respirou fundo. – Bella, desculpe, minha intenção não era transformar esse telefonema em lamentações minhas, porém eu... Eu te amo tanto e quero que você saiba que a coisa que mais quero nesse momento é dividir minha vida contigo novamente. – Bella mordia fortemente os lábios para evitar soluços de seu choro. – Ér... Preciso desligar e ir me limpar... Boa noite então, minha pequena. Amanhã te ligo pra dizer a que horas passo para te pegar.
– Boa noite, Edward. – eles encerram a ligação e cada um foi se limpar.
A noite foi agitada para ambos. Cada um rolando na cama, pensando em tudo que passaram juntos. Os problemas que são inevitáveis na vida de um casal, as alegrias, os filhos que têm, absolutamente tudo.
Quando o sono chegou para os dois, já passavam das duas da manhã.
[...]
Edward chegou no horário marcado para pegar Bella.
Bella saiu de dentro da casa totalmente deslumbrante em um vestido azul que caía perfeitamente em seu corpo. Edward sorriu apaixonado por aquela mulher, que mesmo após tantos anos, ainda o fazia suspirar.
Bella já havia deixado as crianças na casa de Esme e Carlisle.
– Está absurdamente linda. – Edward não foi devagar, logo lhe rodeou a cintura e bicou seus lábios rosados.
– Obrigada. Você também está muito bonito. – ambos sorriram.
Edward abriu a porta do carro para ela, num gesto cavalheiro, e se encaminharam para o evento.
Ao chegarem, Bella reconheceu algumas pessoas que ela já havia cruzado em outros eventos em que já havia ido com Edward.
– Ei Carmem, lembra-se de minha esposa? – Edward cumprimentou Carmem, esposa de Eleazar, dono de uma empresa também cliente dele.
– Claro que me lembro. Isabella, não é mesmo? – a morena alta abraçou Bella, que sorriu de forma cortês.
Eles circularam pelo coquetel, Edward sempre com um braço firme em torno da cintura de Bella, e a apresentando a todos que não a conhecia, e os que já a conhecia, apenas os cumprimentavam.
Victória, esposa de James Bonnet, um dos diretores da WestPlant, se aproximou deles ao lado do marido.
– Edward, que bom que veio. – James apertou a mão de Edward.
James era um diretor recém contratado pela WestPlant, conheceu Edward no último evento que teve da empresa, onde Edward foi acompanhado por Tânya.
– James, Victória, essa é minha esposa, Isabella. – eles se cumprimentaram, entretanto, James franziu o cenho ao ouvir a palavra esposa.
– Ora, casou-se Edward? Eu não fiquei sabendo, me desculpe, eu teria enviado meus sinceros desejos ao novo casal. – James foi simpático. Victória olhava para Bella um pouco estranho. Preferia Edward com Tânya, uma mulher bem mais glamorosa e menos tímida, obviamente.
– Na verdade, James, não me casei recentemente. – Edward fez questão de esclarecer a confusão, entretanto, Bella já havia entendido tudo e se sentia mal. – Nós somos casados há doze anos, e temos três filhos. – James abriu os olhos em espanto, disfarçando logo em seguida.
– Bem... Eu não sabia disso, perdão pela gafe. – ele se desculpou com um sorriso amarelo, e Bella, que já havia juntado dois mais dois, se sentia incomodada ali.
Victória, que não tinha tanta delicadeza ou papas na língua, resolveu perguntar o que lhe martelava na cabeça.
– Então Tânya era o que sua, Edward? – Bella travou. Edward se sentiu incomodado e James se envergonhou um pouco pela falta de tato da esposa.
– Na verdade, Victória, Tânya é uma parceira comercial, e vinha a eventos comigo por ela não ter companhia, e como Isabella às vezes não podia me acompanhar, eu não via mal algum em ter Tânya como companhia. – Edward sorriu. – Confiança sempre foi algo muito sólido em meu casamento. – ele pegou uma das mãos de Bella e depositou um beijo ali. – Além disso, Bella sabe o quanto eu a amo, e que eu não seria nada sem ela, por isso, ela não se importava.
Após o momento constrangedor, Victória e James se despediram deles e circularam.
Entretanto, o clima ruim já estava instalado entre Bella e Edward.
– Bella... – Edward começou.
– Edward, não, por favor. – ela pediu. – Eu sabia que isso poderia acontecer, só não sabia o quanto isso me machucaria.
– Bella, pelo amor de Deus, eu os conheci a pouco tempo, e apenas superficialmente, por isso eles não sabiam que eu tinha uma esposa. Hoje foi o dia em que mais conversei com eles. – Edward argumentou já sentindo o peito se apertar.
– Se coloque em meu lugar, Edward, e pense se você estaria se sentindo melhor do que eu estou me sentindo agora. – ele ficou em silêncio, pois entendia perfeitamente a reação dela. – Eu sou humana, Edward. Não sou perfeita. Eu passei uma borracha por cima de tudo, mas não me peça pra não me sentir mal em situações assim.
– Tudo bem, só por favor, não pense em coisas que você sabe que eu não seria capaz de fazer. – ele pediu com o peito se retorcendo.
– Não pensarei. Só é incomodo passar por situações assim. – ela respirou fundo. – Preciso ir ao toalete.
Bella se encaminhou ao banheiro e ficou parada em frente ao grande espelho, apenas se olhando.
Sabia que situações como aquela poderia acontecer, entretanto, não sabia o quanto lhe machucaria.
Acreditava em Edward, se ele disse que não teve muitas oportunidades de conversar com aquele casal, ela acreditava. A confusão era até compreensível, já que aquele casal só o havia visto uma vez e ao lado de Tânya. Agora vá dizer isso ao coração!
Ela retocou a maquiagem e tentou ser racional.
Se tinham que passar uma borracha por cima de tudo, situações como essa não poderiam lhes afetar. Ela resolveu perdoar as palavras rudes de Edward no dia da separação, até porque ela também lhe disse palavras rudes em muitas outras oportunidades. Eram um casal, tiveram altos e baixos como qualquer outro casal. Amar não significa sempre concordar com o que o outro fala, eram pessoas diferentes e tinham opiniões diferentes, e por vezes, discutiam por isso, naturalmente. Bella resolveu perdoar as atitudes, de certa forma, egoísta de Edward. O sucesso e riqueza sempre foi algo que ele batalhou a vida toda para ter. E ele também fez isso por ela e os filhos. Era compreensível sua atitude, não aceitável, mas compreensível. E amar é isso, é perdoar quando a pessoa que errou reconhece suas atitudes.
Edward sempre foi um bom marido, e completamente devoto dela. Não poderia deixar esse amor ser ferido pela opinião de outras pessoas.
Saiu do banheiro mais calma.
Edward a esperava ansioso.
– Demorou. – ele roçou os lábios nos dela.
– Estava retocando a maquiagem. – ela esclareceu.
– Você é linda de qualquer forma. – ele segurou a mão dela. – Vem.
Ela o acompanhou até perto do pequeno palco onde uma banda tocava músicas calmas.
Edward aproveitou os instantes que Bella gastou no banheiro, e foi cumprimentar Edmund Garner, dono da WestPlant e um bom amigo dele. Edward lhe disse que hoje era um dia especial pra ele e a esposa e informou que pediria uma música para a banda. Edmund, apenas sorriu para o homem quase trinta anos mais jovem que ele, e lhe disse para sempre fazer grandes gestos por sua esposa, pois se havia alguém que o amava por quem ele era, essa pessoa era a esposa que se casou com ele quando o rapaz ainda não tinha nada. Edmund conhecia a história deles e suas palavras só confirmaram o que Edward já sabia.
Ao chegarem perto do pequeno palco, Edward puxou Bella pelo braço e acenou para a banda.
Algumas pessoas que se aglomeravam por ali, os olharam e Bella se sentiu vermelha por receber toda a atenção.
Hard To Say I'm Sorry – Chicago
(Dificil dizer que sinto muito)
– Me conceda uma dança, senhora Cullen, e deixe todas as pessoas presentes saberem o quanto eu te amo. – ele a enlaçou pela cintura e ela apenas sorriu.
Todo mundo precisa de um tempinho afastados
Eu a ouvi dizer
Separado um do outro
Até amantes precisam de férias
Separados
um do outro
Edward olhava fixamente nos olhos de Bella enquanto balançavam lentamente seus corpos.
Abrace-me agora
É difícil dizer que sinto muito
Eu apenas quero que você fique
E depois do que nós passamos juntos
Vou recompensar você
Eu lhe prometo
E depois de tudo que foi dito e feito
Você é apenas a parte de mim que eu não posso perder
Os presentes observavam o casal dançar. Algumas mulheres encaravam com tédio, afinal, mulheres que não amam e não são amadas não gostam de ver felicidade de outras. E as outras mulheres, olhavam sorrindo para a cena. Quem não gostaria de um marido que a tirasse pra dançar na frente de todos, mostrando, sem vergonha alguma, o quanto a ama?
Não poderia suportar a distância
Mesmo que por um dia
De seu corpo
Não queria ser levado
para londe
da única que eu amo
Abrace-me agora
É difícil dizer que sinto muito
Eu apenas quero que você fique
Abrace-me agora
Eu quero realmente lhe dizer que sinto muito
Eu nunca poderia deixá-la partir
Depois de tudo que temos passado
Vou recompensar você
Eu lhe prometo
E depois de tudo que foi dito e feito
Você é apenas a parte de mim que eu não posso perder
– Eu prometo que vou passar a vida toda lhe recompensando por me dar uma segunda chance, meu amor. – ele disse ao pé do ouvido dela.
Depois de tudo que temos passado
Vou recompensar você
Eu lhe prometo
Você será uma sortuda
Quando chegarmos lá vai saltar no ar
Ninguém irá nos ver, pois não haverá ninguém lá
Depois de tudo, você sabe que realmente nos importamos
Aguente firme, eu vou levá-la até lá.
Após a música terminar, eles só conseguiam se olhar. A letra da música, o gesto de Edward, tudo mexia com o coração de Bella.
Outra música se iniciou e o casal nem reparou quando outros casais começaram a dançar ao redor deles, encorajados por eles que foram os primeiros a invadir a pista de dança.
Edward puxou Bella pela mão, e ela o seguiu sem falar nada.
Chegaram em um local mais afastado do elegante salão, uma abertura para um jardim muito bem decorado e uma bela fonte.
Edward olhou para o céu estrelado e desviou o olhar para Bella.
– Bella, meu amor, olhe para o céu e conte todas as estrelas que você encontrar. – ela sorriu. – Multiplique isso por mil, e o resultado será o número de vezes que eu direi que te amo e que farei grandes ou pequenos gestos pra te provar isso.
– Edward, você não precisa me provar. – ela acariciou o rosto dele.
– Eu sei que não preciso, está estampado em minha cara que sou louco por você. – ele a abraçou e lhe deu um beijinho casto. – Mas eu faço de tudo pra ver esse brilho no seu olhar muito mais vezes. Esse brilho de felicidade e orgulho de saber que sou capaz de tudo por você.
– Te amo muito. – ela disse emocionada.
– Eu te amo mais. – eles se beijaram sob as estrelas e a música lenta que tocava dentro do salão.
Ao longe, Tânya, que havia chegado a pouco, observava o casal se beijar. Ela não tinha raiva. Edward amava Bella e ela nunca pode fazer nada por isso.
Tânya só queria ser amada assim também. Será que existiria outro homem capaz de amar sem medidas, assim como Edward era?
Decidiu não se torturar mais olhando o casal feliz e se virou.
Trombou com um corpo forte e cairia se braços ágeis não a tivessem segurado.
– Moça, está bem? – uma voz firme lhe perguntou. Tânya levantou os olhos e se perdeu em uma imensidão azul.
– Ér.. Sim. Estou bem. – ela respondeu um pouco sem graça.
Ele a soltou quando percebeu que ela já estava equilibrada.
– Sou Riley Biers. – estendeu uma mão para ela.
– Tânya Denali. – ela tocou a mão dele, e não soube porquê, mas se sentiu bem fazendo aquilo.
Riley parecia ser um cara legal, e quem sabe, não poderia ser uma boa companhia?


E aí gente, me digam suas opiniões.
Eu volto em breve, e espero, do fundo do coração, que estejam gostando. Obrigada por todos os reviews, não são muitos, mas sinto um enorme carinho por quem tem a boa atitude de ler e comentar para incentivar a autora.

No comments :

Post a Comment