ROTEIRO TRADUZIDO: “Sunrise” para o “The Storytellers: New Voices of Twilight Saga” - CLÃ EGIPCIO



Como vocês já devem saber, foram divulgados os seis roteiros que tornar-se-ão curta-metragens no projeto The Storytellers: New Voices of Twilight Saga. Agora trouxemos o segundo deles traduzidinho para vocês!


Não deixem de comentar o que acharam, ok?









NASCER DO SOL

Escrito por Alanna Smith



Abre na lua, reluzindo como uma moeda prateada no céu.

Descola para baixo, para Benjamin (10), um jovem egípcio magro empoleirado em uma janela, a lua refletida em seus olhos brilhantes, olhos curiosos, e uma boca que sempre parece distante de um sorriso.

Atrás de Benjamin está uma sala nas favelas do Cairo no ano 1800, preenchida com as formas amontoadas de crianças adormecidas.

Benjamin ouve alguém chegando e finge estar dormindo. O tio de Benjamin (40), um homem magro, com o cabelo oleoso e pele como cera de vela, leva Tia (7), uma jovem com cabelo preto e um pequeno rosto sério, para um canto vazio do quarto. Benjamin observa-os com um olho semi-aberto.





TIO DE BENJAMIN

Aqui é onde você vai dormir. Todo mundo ganha seu sustento aqui. Sua mãe diz que você sabe cantar?



TIA

Sim, senhor.



TIO DE BENJAMIN

E se ninguém lhe dá dinheiro… Você sabe como consegui-lo? (Tia concorda) Bom. Você pode ficar contanto que você traga dinheiro. Você entendeu?



TIA

Entendo, senhor.



TIO DE BENJAMIN

Então devemos nos dar bem.



Conforme ele se afasta, Tia percebe o quão frio está.



TIA

Senhor, pode me dar um cobertor?



Ele já se foi. Tia afunda em seu canto, tremendo e com medo, mas tentando parecer brava.

Benjamin desenrola-se e desliza sobre Tia. Ela encolhe se afastando quando ele se agacha diante dela.



BENJAMIN

Você vai se acostumar com o meu tio, ele não é tão mau assim. Eu sou Benjamin. Qual seu nome?



TIA

Tia.



BENJAMIN

Tia. Posso te contar um segredo, Tia? Um segredo que nunca contei a ninguém?



Tia hesita, então acena.



BENJAMIN (CONTINUA)

Eu conheci Rá.



TIA

O deus do sol?



BENJAMIN

O deus do sol.



Tia parece acreditar nele, então o ceticismo se instala.



TIA

Você não conheceu Rá.



BENJAMIN

Você está certa.



Ele se inclina com um sorriso e baixa a voz.



BENJAMIN (CONTINUA)

Eu roubei de Rá. Ele anda pelas ruas à noite com o sol em uma algibeira. Eu o vi brilhar uma vez em seu cinto e peguei um pedaço. Apenas um pequeno pedaço. Ele sequer soube que eu estava lá.



TIA

Você está mentindo.



BENJAMIN

Estou?



Benjamin conjura línguas de fogo que se enrolam em seus dedos como fitas. O rosto de Tia se ilumina com admiração.



TIA

Como você está fazendo isso? O que é isso?



BENJAMIN

Este é o sol, Tia. É o meu pequeno pedaço do sol. E ele está brilhando pra você.



TIA

Mas Rá não virá atrás de você?



Despercebido, o tio de Benjamin assiste a tudo da porta, paralisado. O segredo de Benjamin é descoberto.



BENJAMIN

O velho astuto pode me caçar o quanto ele quiser, Tia. Ele nunca vai me pegar.



EXTERNA: JARDIM – NOITE
Um jardim em Suez. Benjamin brinca com uma pequena chama na sua mão enquanto ele assiste a uma envelhecida Tia e seu marido através das janelas da casa acima. Tia carrega uma lanterna.

Os olhos de Benjamin estão vermelhos agora, os traços do seu rosto de menino acentuados. Ele tem 15 anos, mas parece mais velho de alguma forma. Transformado.

AMUN (NARRAÇÃO)

Você está diferente agora, Benjamin.

Benjamin fecha os olhos e FLASHBACK INTERNA: CAVERNA – NOITE.

Uma caverna deserta. Um recém-transformado Benjamin (15) senta-se atordoado depois de sua primeira alimentação com Amun, um velho homem que mais parece um abutre com uma túnica vermelha, limpa o sangue do rosto de Benjamin e as mãos. Um cadáver mutilado está deitado no chão atrás deles.



AMUN (CONTINUA)

Você pertence a nós agora. Não há espaço para sua vida humana aqui. E nem para ela.



CORTA para o jardim em Suez. Benjamin contrai com a memória.

Um homem sai de casa. Benjamin extingue suas chamas. Por um momento, a luz da casa ilumina Tia, agora com 17 anos, de pé na porta. Ela está radiante, com um longo cabelo escuro, um rosto calmo e inteligente e olhos distantes.

O homem beija a mão dela e parte. Benjamin irrompe em um sorriso brilhante.



BENJAMIN

Tia.



EXTERNA: MERCADO DO CAIRO – DIA

Flashback para cinco anos atrás, 1805. Benjamin está de pé na borda de uma fonte em um mercado lotado. Ele tem 15 anos, mas isso é antes de sua transformação. Seus olhos são castanho escuro e sua face ainda é jovem.



Ele encara Tia (12) na multidão, vestindo um capuz para esconder seu rosto, e pisca para ela. Ela rola os olhos.



O tio de Benjamin anda pomposo em frente a fonte.



TIO DE BENJAMIN

Se aproximem! Se aproximem e vejam o menino milagre com fogo nas mãos! Meu sobrinho, o garoto que roubou a luz do sol do próprio Rá!



A multidão não está impressionada. Então Benjamin começa a dançar na borda da fonte, o fogo saindo de suas mãos e espiralando no ar. A multidão está espantada.



Conforme ele executa a performance, Tia se esgueira entre a multidão, pegando bolsas dos espectadores e guardando-as em um saco. Por fim, Tia fica muito ambiciosa e vai atrás de uma bolsa maior. O homem sente ela tirar a bolsa dele e se vira para ela.



HOMEM

(ultrajado)

Ladrão! Eles são ladrões!



O tio de Benjamin foge sem pensar duas vezes.

Benjamin envia uma explosão de fogo no ar e mergulha no tumulto da multidão. Depois de alguns momentos de caos, ele encontra a mão de Tia e a agarra, tirando-a do mercado. Eles correm e riem conforme as moedas transbordam do saco de Tia para brilhar na rua empoeirada atrás deles.



De um canto sombrio do mercado, a figura encapuzada de Amun assiste enquanto eles correm.



EXTERNA: JARDIM – NOITE



CORTA de volta para o Suez em 1810. Benjamin ouve o riso e o tilintar de moedas em sua cabeça quando Tia volta para dentro.

Benjamin vê a lanterna de Tia viajar pela casa. Em seguida, ela pára, sua silhueta aparece em uma janela, olhando para o jardim. Benjamin congela. É quase como se Tia o sentisse lá fora.

Por um longo momento, a noite prende a respiração.

Finalmente Benjamin conjura o fogo em sua mão. A lanterna na janela cai com um barulho e some.

Momentos depois, Tia emerge da casa e se joga nos braços de Benjamin. Eles se abraçam como duas metades do mesmo todo, reunidos depois de uma eternidade separados.

EXTERNA: BECO DO CAIRO – DIA

FLASHBACK de 1805, momentos após o jovem Benjamin e Tia fugirem do mercado. Benjamin e Tia amontoam-se na cobertura de um casa da favela, contando as moedas que Tia roubou e rindo. O sol está se pondo atrás das colinas do deserto.



BENJAMIN

Você estava ao mesmo tentando agir sorrateiramente?



Tia o empurra brincando.



TIA

Oh, pare. Se você fosse mais impressionante ninguém teria notado!



BENJAMIN

(sorrindo)

Eu sempre sou impressionante! (imitando o tio) Eu sou um milagre!



TIA

Um milagre que quase caiu dentro da fonte hoje. Não ache que ninguém viu.



BENJAMIN

Eu não faço ideia do que você está falando.



De repente ele se lembra do tio e franze a testa.



BENJAMIN (CONTINUA)

Eu espero que o tio tenha fugido.



TIA

Não se preocupe com ele. Eu tenho certeza de que ele não se preocupa conosco.



Benjamin ri e deixa as moedas fluirem pelos seus dedos.

BENJAMIN

(travesso)

Bom, talvez a gente deva guardar tudo isso pra gente, então.



Enquanto tia olha as moedas caírem, seu sorriso desaparece.



TIA

Podíamos.



BENJAMIN

(ouvindo mal)

Hm?



TIA

Podemos dizer que fomos pegos e perdemos o dinheiro.



BENJAMIN

(surpreso)

O quê? Porquê?



Tia pega as mãos de Benjamin e as pressiona levemente na pilha de moedas. Benjamin estuda seu rosto com curiosidade.

TIA

Eu não gosto da forma como ele usa você, Benjamin. E eu não gosto de como ele usa a gente.



BENJAMIN

O tio cuida da gente…



TIA

Porque somos úteis para ele. Mas eu… Eu cometi um erro hoje. Você tem visto o que ele tem feito com as crianças que não conseguem dinheiro. Qualquer dia ele pode decidir que me vender é mais fácil do que me manter.



BENJAMIN

Ele não nos separaria.



TIA

Você tem certeza? Você está disposto a correr o risco?



Benjamin hesita, em conflito. Então ele olha para a expressão de súplica de Tia e é convencido. Ele não pode perdê-la. Ele se inclina para frente e pressiona sua testa na dela.



BENJAMIN

Não.



TIA

Então eu preciso que você me prometa uma coisa.



EXTERNA: RUA SUEZ – NOITE

CORTA para Suez em 1810. Nas primeiras horas da manhã, Benjamin e Tia andam pelas sombrias ruas de Suez, continuando uma conversa que começou no jardim próximo a casa de Tia. Benjamin mantém uma distância respeitável.



TIA

Depois de você desaparecer e o tio morrer, eu levei o nosso dinheiro de volta para a minha mãe. Mas isso não foi suficiente. Ela tinha que me casar por um dote.



BENJAMIN

Você está salva com ele? Você é feliz?



TIA

É claro que não sou feliz! Benjamin, você desapareceu! Por cinco anos! Eu pensei… isso é tão estúpido.



BENJAMIN

O quê?



Tia chora, parecendo com raiva e envergonhada.



TIA

Eu pensei que Rá tinha pego você.



BENJAMIN

(sorrindo suavamente)

Não. Não Rá.



Tia toca o rosto de Benjamin gentilmente.



TIA

E então? O que aconteceu com você, Benjamin?



Benjamin para. Ele gentilmente segura a mão dela, então dá um passo para trás, deixando as mãos caírem.

BENJAMIN

(sofrendo)

Alguém me pegou por conta do meu dom. Me transformou em algo diferente. Para me tornar mais forte.



FLASHBACK EXTERNA: RUA DO CAIRO – NOITE

1805, na noite após a performance no mercado que deu errada. O tio de Benjamin o leva pelo braço por uma rua escura na favela.



TIO DE BENJAMIN
(sibilando)

Onde está o dinheiro, Benjamin?



BENJAMIN

(relutante)

Eu não sei do que você está falando!



TIO DE BENJAMIN

Você acha que sou tolo? Eu sei que você está acobertando sua amiguinha, Tia. Ela está sempre colocando ideias em sua cabeça. (balança Benjamin) Eu poderia ter acabado na cadeia hoje por causa dela!



BENJAMIN

Você está enganado, tio. Por favor, pare, você está me machucando!



O tio de Benjamin para e o prende contra a parede.



TIO DE BENJAMIN

Diga-me onde você escondeu o dinheiro!



AMUN (FORA O QUADRO)

Perdão.



Amum emerge de um beco, um corpo esguio em uma túnica com capuz irradiando uma ameaça silenciosa. O tio de Benjamin o empurra e parte em direção a Amun, colocando o dedo no peito de Amun.



TIO DE BENJAMIN

Não pode ver que estamos ocupados?



AMUN

Claro. Eu só queria dizer…



Amun agarra o tio de Benjamin e o arremessa do outro lado da rua. O tio de Benjamin colide contra a parede e cai, imóvel.



AMUN (CONTINUA)

… amei o show.



Ele se vira em direção a Benjamin, que recua, horrorizado.



BENJAMIN

O que você fez?



AMUN

Você entenderá em breve.



Ele dá um passo em direção a Benjamin. As mãos de Benjamin inflamam e ele irrompe em direção a Amun. Amun pega o pulso dele com um punho de ferro. Benjamin se esforça para se libertar na medida em que Amun olha para as chamas em sua mão com os olhos vermelhos e famintos.



AMUN

Não é um truque. (sorri) Você irá mudar tudo.



BENJAMIN

Você tem que me deixar ir. Por favor. Eu fiz uma promessa! (grita) Tia! Tia!



Amun se joga contra Benjamin com os dentes à mostra. Apagão.



CORTE DE VOLTA PARA EXTERNA: RUA SUEZ – NOITE


Benjamin tenta explicar o que aconteceu naquela noite, mas sua voz falha. Ele olha para baixo, balança a cabeça. Tia segura seu rosto entre as mãos e faz com que ele encontre o seu olhar.



TIA (CONTINUA)

Você pode me contar. Eu quero entender.



Benjamin afunda contra a parede, aflito e incerto.



BENJAMIN

Esse homem, Amun, me levou para longe. Me escondeu. Ele disse que havia outros como ele que me usariam por causa do meu poder, como uma arma. Ele tem tentado me proteger deles.



TIA

Proteger você como? O que Amun fez a você?



O sol começa a nascer, lançando raios pela rua.



BENJAMIN

Eu não sou… mais humano, Tia. Eu não posso sair no sol, e eu… por muito tempo achei que estava ficando louco. Eu tive que me manter afastado para me certificar de que não machucaria você.



TIA

Você nunca me machucaria.



Benjamin tenta sorrir e falha. O semblante em seu rosto parte o coração de Tia. Ela estende a mão para ele novamente.



BENJAMIN

(rispidamente)

Eu bebo sangue, Tia.



TIA

(encolhe)

Sangue?



O semblante de Benjamin desmorona. Ele se empurra para longe da parede e começa a tropeçar para trás, para longe de Tia.



BENJAMIN

(gaguejando)

Me desculpe. Amun estava certo. Ele tentou me impedir de vir e eu deveria ter deixado. Eu só queria… mas isso foi um erro. Eu vou embora. Me desculpe.



Benjamin está tão angustiado quando se afasta que não percebe o raio de sol atrás dele.



TIA

Benjamin, pare! Por favor! A luz do sol, você disse –



Tia segura o braço dele antes que ele pise na luz, mas a outra mão dele alcança o sol e a pele dele brilha como diamantes.



Lentamente, com admiração, Tia pega a mão dele brilhando na dela.



TIA

Uma criatura da noite e você ainda brilha como o sol.



Benjamin encontra o seu olhar, devastadoramente vulnerável. Tia toma sua decisão.



TIA (CONTINUA)

Eu quero saber tudo, Benjamin. E então eu quero ir com você.



BENJAMIN

Mas é perigoso. Eu tenho que voltar para Amun, continuar escondido. Eu não sei o que ele fará se eu trouxer você comigo. Você ainda é humana.



TIA

Eu não tenho que ser. Me torne como você. Você pode fazer isso, não pode?



BENJAMIN

Sim, mas… Tia, você tem um marido. Uma vida.



TIA

Eu não escolhi meu marido e minha vida. Eu escolhi o garoto que me contou histórias para afugentar a escuridão. Eu escolhi você.



Benjamin ainda está incerto. Tia se aproxima.



TIA (CONTINUA)

Você me prometeu que se você tivesse a chance, nós fugiríamos juntos. Você nunca quebrou uma promessa para mim. Você começará agora?



O sorriso de Benjamin não poderia ficar longe por tanto tempo. Ele se espalha por seu rosto novamente e ele enlaça seus dedos com os dela.



BENJAMIN

Você sempre torna as coisas tão fáceis.



TIA

(sorrindo de volta)

Eu não sei como você sobreviveu sem mim.



BENJAMIN

Nem eu.

O sorriso dele se torna tímido.



BENJAMIN (CONTINUA)

Você pode me prometer uma coisa?



Tia se vira, então ela está em pé no sol e Benjamin na sombra, exceto por seus dedos brilhantes, enlaçado aos dela.



TIA

Qualquer coisa.



FLASHBACK PARA: O jovem Benjamin e Tia sentados na borta do telhado no Cairo, olhando para o deserto enquanto o sol se põe, as mãos deles entrelaçadas sobre uma pilha de ouro.



BENJAMIN (NARRAÇÃO)

Prometa que eu nunca terei que sobreviver sem você novamente.



TIA (NARRAÇÃO)

Eu fiz essa promessa anos atrás. Eu apenas não lhe contei.



A CÂMERA varre o deserto quando o pôr do sol torna-se um nascer do sol. Benjamin e Tia deixam Suez e caminham em direção ao horizonte, de mãos dadas.

FIM.

No comments :

Post a Comment