FANFIC INDIANÁPOLIS - CAPITULO 22

Indianápolis - O Preço De Uma Paixão

INDIANÁPOLIS - O PREÇO DE UMA PAIXÃO

Diana Artemis

Classificação: +18
Categorias: Saga Crepúsculo 
Gêneros: Hentai, Romance





Deduções erradas
POV Esme
Entrei no prédio da Swan Spa e logo vasculhei com os olhos se Carlisle estava no andar térreo.
Eu já não tinha mais motivos pra inventar para vir até o escritório central da empresa. Havia dias em que eu apenas vinha, dava voltas pelo prédio, só pra encontrar Carlisle, encontrava-o e conversava com ele, e logo ia embora.
Patético? Talvez. Mas esse foi o jeito que eu arranjei para conseguir ficar pertinho dele.
Depois do nosso encontro para um café, há mais de um mês atrás, Carlisle vem me tratando muito bem, porém, apenas no campo da amizade.
A cada sorriso que ele me dá, meu coração se derrete. A cada toque involuntário seu em meu corpo, eu me arrepio. A cada vez que ouço sua voz quente e sedutora dizendo meu nome, uma onda de desejo, que eu nem sabia que ainda podia sentir, invade meu corpo.
Quem sabe um dia ele possa ceder? Eu tenho que estar sempre perto.
Sorri dos meus pensamentos.
Céus, eu estava parecendo uma adolescente apaixonada. E era tão bom me sentir assim. Viva, vibrante, feminina.
Peguei o elevador e selecionei o décimo andar. Eu daria uma passada na sala de Rosálie só pra ter um motivo de ter vindo até a empresa.
Eu estava distraída mexendo em minha pulseira de ouro envelhecido que Jasper havia me dado de presente em meu último aniversário, quando a porta do elevador se abriu no quinto andar, e sorri ao ver que a pessoa que entrava era Carlisle.
Seu rosto estava vermelho e ele parecia aborrecido com algo.
– Carlisle, que bom te ver. – eu lhe dei meu melhor sorriso e estiquei a mão para cumprimenta-lo.
– Foi você quem fez isso, não foi? – franzi o cenho. Eu fiz o quê?
Sua respiração era acelerada e sua voz foi cortante. Ele apertou o botão para travar o elevador.
– Carlisle, não estou entendendo. Do que você está falando? – ele sorriu com deboche.
– É claro que foi você. O que foi, vai se fazer de desentendida agora? – ele passava uma mão no cabelo, bagunçando-o completamente, e com a outra ele segurava um papel. – Não acredito que você tenha jogado tão baixo. – eu estava entrando em desespero. Eu não sabia do que estava sendo acusada e não tinha como me defender. – Me responde uma coisa, Esme. É assim que você conquista os homens? Você usa do seu dinheiro ou influência pra conseguir uma companhia na sua cama? – tapei minha boca tentando evitar um grito de horror. O que Carlisle estava falando? Por que ele estava falando desse jeito grosseiro comigo? – Sabe, você não foi tão inteligente dessa vez. Eu não estou à venda. E não vai ser por uma promoção no trabalho que você vai conseguir me fazer seu cachorrinho da vez. Você podia fazer isso com algum garotão. Te garanto que você conseguiria um bem melhor que eu.
Sem conseguir controlar, lágrimas já desciam por meu rosto.
– Carlisle, do que você está falando? Por que está falando assim comigo? – eu pedia desesperada.
– Eu estou falando dessa promoção surpresa que eu recebi hoje. Eu nem estava cotado para cargo de supervisor de serviços. Aliás, esse cargo nem existia na equipe de limpeza. Você mandou criar um cargo pra mim. Como acha que eu estou me sentindo? Como acha que meus colegas de serviço que estão aqui há muito mais tempo que eu irão me ver? – ele esbravejou.
– Carlisle, eu não sei do que você está falando. Eu nem sabia que você havia recebido uma promoção. Meus parabéns, fico feliz por você. Mas eu não tenho nada haver com isso. – ele sorriu em deboche novamente.
– Claro, eu recebi uma promoção por não ter meus estudos completos, ter apenas um ano de empresa e já ter 54 anos. Ótimo perfil para a empresa apostar. – engoli meu choro e sequei meu rosto.
Não adiantava eu falar, me explicar. Carlisle julgava meu caráter pelo meu dinheiro. Eu nunca conseguiria mudar isso.
Respirei fundo e apertei o botão para destravar o elevador.
– É uma pena que você pense isso de mim. Acho que eu tenho sido uma boba nos últimos tempos. Uma mulher na minha idade, evidentemente, não conseguiria despertar o interesse de alguém. Tem que usar do dinheiro pra conseguir uma companhia. – engoli o novo nó que se formava em minha garganta. – Eu fui uma boba achando que você poderia um dia gostar de mim.
– Esme, não... – a porta do elevador se abriu e eu saí no décimo andar.
Sem avisar, entrei na sala de Rosálie, e dei sorte de ela estar sozinha.
– Esme, o que houve? – ela se levantou imediatamente e veio ao meu encontro.
A abracei com força e apenas chorei.
– Já sei... Carlisle. – ela disse por fim.
POV Edward
Cheguei em casa por volta das oito da noite.
Eu e Isabella nos vimos pouco hoje. Ela ficou ocupada o dia todo com reuniões. Eu apenas consegui roubar um beijo de manhã, no estacionamento da empresa, e agora no começo da noite, quando a deixei em casa.
Eu preferi não dormir lá, já que ela ficaria acordada até de madrugada.
Ela teria uma videoconferência com uns empresários japoneses, e teria que ser no fuso-horário de lá. A reunião seria depois do almoço lá, ou seja, depois de meia-noite aqui.
Dessa forma, preferi vir pra casa e ficar um pouco com minha família. Mas já havia deixado avisado que amanhã ela seria totalmente minha.
Só de pensar em amanhã, sinto um frio na barriga.
Meu teste na equipe Rocket seria amanhã, e ainda era algo surreal pra mim.
– Olha, Emm. Temos visita em casa. – Alice zombou ao me ver entrar na cozinha.
Caminhei até ela e baguncei seus cabelos.
– Você só está implicando comigo porque está encalhada. – eu disse e tomei um beliscão.
– Não estou encalhada, ok? – ela fez bico. – Fique sabendo que se eu quisesse, já estaria namorando há maior tempão. Tenho um monte de pretendentes. – ela se defendeu e Emmett gargalhou.
– Sério que existem tantos loucos assim? – quase ao mesmo tempo em que ele disse, tomou um tapa de Alice na nuca.
– Maluca é a Rosálie por namorar você. Uma mulher inteligente, sofisticada e bonita. Tem certeza que você não bateu na cabeça dela e a obrigou a namorar com você? – Emmett levantou uma sobrancelha sugestivamente para Alice.
– Quer que eu conte onde eu bati nela pra ela poder namorar comigo? – não consegui segurar o riso.
– Vocês são nojentos. Às vezes me pergunto se o mesmo pai que me educou, também educou vocês. – ela bufou.
– Todos os homens são assim, cinderela. Não pense que o engomadinho irmão da garota-pneusé diferente disso. – ele disse zombeteiro e ela revirou os olhos.
– Jasper é só um amigo. – ela se levantou da mesa. – Vou para o meu quarto continuar a leitura de um livro interessantíssimo. Porque ao contrário de uns e outros, eu tenho o hábito de ler. – ela disse nos olhando de forma acusatória.
– A playboy tem ótimos artigos. – Emmett argumentou.
– Entrevistas espetaculares. – eu reforcei.
Ela fez cara de nojo e saiu bufando.
Emm e eu gargalhamos. Era um hábito nosso infernizar Alice. Era engraçado o jeito dela quando estava brava conosco.
Ela sempre foi nossa princesinha, mas era muito divertido irritá-la.
Mas apesar de todas as provocações e brincadeiras de irmãos, nós dávamos tudo por ela.
Puxei uma cadeira e me sentei ao lado de Emmett.
– Se Isabella souber que você a chama de garota-pneus... Eu não quero nem pensar nas consequências. – ele riu.
– Relaxa, apelidinho interno. – ele deu de ombros. – Que milagre é esse de você estar em casa hoje?
– Isabella tem que trabalhar até muito tarde hoje. Preferi vir pra casa. Quero me concentrar e me acalmar também. O teste na Rocket é amanhã e eu estou bastante nervoso.
– Cara, que história doida essa sua. Você foi dar uma volta com a sua namorada num autódromo e do nada, você recebe um convite para fazer teste pra piloto. – ele comentou e continuou comendo seu lanche. – Sei lá, meio estranho, mas estranho de um jeito maneiro, entende? Ou você é bom mesmo ou o cara fez isso por causa da garota-pneus.
– Para de chamar minha namorada de garota-pneus, ok? – peguei um biscoito do pacote que estava na mesa. – Cara, eu não vou dizer que sou o bonzão, mas o cara me viu pilotar e gostou do meu jeito ousado e veloz. Ele disse isso. E também, foi uma surpresa pra Isabella essa coisa toda de teste. E ela sabe a vontade que eu tenho de vencer por mim mesmo. Ela sabe que eu não quero nenhum tipo de empurrãozinho da parte dela. Sei lá, eu me sentiria mal. – sacudi a cabeça. – Não, eu simplesmente não me vejo recebendo vantagens por causa do dinheiro dela. Eu já me sinto horrível quando almoçamos em algum lugar, ou quando nós viajamos para Santo Domingo. E olha que isso foi à trabalho.
– É como eu digo pra Rose. Quer cortar o pau de um cara? É só uma mulher banca-lo. – eu concordei com um gesto positivo com a cabeça.
– E por que você não está com ela hoje? – perguntei.
– Ela tem alguma audiência importante amanhã, e precisa estudar alguns papéis hoje. E se eu estivesse lá, iria distraí-la. Você sabe do que estou falando, ? – ele piscou.
– Sei sim, safadão. – dei um tapinha em seu ombro. – Vou tomar um banho. O pai já chegou?
–  lá no quarto dele e não quer papo com ninguém. – franzi o cenho ao tentar imaginar algo que tenha aborrecido meu pai.
Eu não o encontrei durante o dia todo lá no prédio da Swan Spa. Talvez ele tenha se aborrecido com algo do trabalho.
Saí da cozinha e ao passar em frente ao quarto do meu pai, hesitei um pouco. Emm disse que ele não queria papo com ninguém. Mas eu estava preocupado.
Dei duas batidas e abri a porta.
– Pai, posso entrar? – ele estava sentando na cama mexendo em seu celular.
– Claro, Edward. Algum problema? – ele me encarou e eu pude notar seus olhos vermelhos. Meu pai havia chorado?
Fechei a porta e sentei na cama ao seu lado.
– Bem, eu é quem devo perguntar. Algum problema? Você está abatido, seus olhos estão vermelhos... O senhor chorou? – ele virou o rosto tentando disfarçar.
– Não, não foi nada não. Só pensando em coisas da vida. Coisa de velho. – ele riu sem humor.
Respirei fundo. Acho que eu já sabia seu problema. Pelo menos o nome do seu problema.
– E essas coisas da vida atende pelo nome de Esme? – ele segurou a respiração e depois de quase um minuto em silêncio, ele balbuciou.
– Hum.. É... Sim. – ele balançou a cabeça e seu semblante parecia perturbado. – Eu acho que cometi uma injustiça com ela. Falei coisas horríveis no momento de raiva. Eu deduzi coisas e acabei descontando nela sem nem mesmo saber.
– Me fala o que aconteceu, pai. – toquei seu ombro.
– Eu fui chamado no R.H. da empresa e fui informado que eu fui promovido ao novo cargo de supervisor de serviços. Meu salário triplicou. – sorri feliz pela notícia.
– Que maravilha, pai. Meus parabéns. – parei um momento e estreitei meus olhos pra ele. – Peraí, onde está o problema?
– O problema é esse, Edward. Esse cargo não existia na equipe de limpeza. E mesmo se existisse antes, não tem coerência eles promoverem um zelador com o estudo incompleto, com apenas um ano de empresa e com 54 anos de idade. O lógico seria alguém mais novo, em quem a empresa poderia investir e apostar, uma pessoa com pelo menos o colegial completo e mais tempo na empresa. – ele bagunçou os cabelos. – Eu fiquei com raiva porque imaginei que tinha sido Esme quem tinha arranjado essa promoção pra mim.
– Pai, a Esme sabe como o senhor é orgulhoso e eu tenho certeza que ela nunca faria isso, sabendo que correria o risco de acabar com essa amizade que vocês criaram. – ele fez uma careta. Parecia querer conter lágrimas de escaparem de seus olhos.
– Eu sei. Mas na hora eu só conseguia imaginar que ela havia feito isso pra me conquistar. Eu não sou cego, eu vejo que ela me cerca, sempre cheia de sorriso pra mim. E como eu nunca havia dado nenhuma brecha, imaginei que ela tenha feito isso... – ele tapou o rosto com as mãos e ficou assim durante um tempo.
– Pai, me responde uma coisa. Por que o senhor não dá uma chance pra isso que sentem um pelo outro? E não tente negar. Eu sei que você sente algo por ela também. – ele levantou a cabeça e me olhou nos olhos.
– Todos os dias, a cada sorriso dela, eu tenho que me segurar pra não agarrá-la e beijá-la. – ele confessou. – Eu sei que se eu me envolver com Esme, eu estou perdido. Eu vou querê-la em minha vida pra sempre. Eu sinto falta de uma companheira. Não qualquer uma. Eu sempre sonhei com uma mulher como Esme. Amiga, carinhosa, alegre, bonita, gosta dos meus filhos e que faz esse coração velho pular dentro do peito.
– Então pai, por que não dar uma chance se você sente isso por ela? – insisti.
– Ela acharia legal uma vida ao meu lado nos primeiros meses, mas depois, quando ela visse que pertencíamos a mundos diferentes, as coisas poderiam ficar ruins. Eu não quero sofrer, Edward. E nem quero que ela sofra por ter apostado em uma relação e se decepcionado. Eu não sei comer igual esses granfinos comem, eu não tenho ternos de marca, eu não tenho nada. O que eu diria quando ela me apresentasse a alguma amiga? Oi, prazer, meu nome é Carlisle e eu trabalho como zelador?
– Pai, as coisas não precisam ser assim. Para de pensar só no lado negativo. Todas as relações têm pontos negativos, mas também têm os positivos. – olhei em seus olhos. – Sabe o que eu acho? Eu acho que o senhor tem medo do que está sentindo por ela. Tem medo de amar. Por isso está colocando um monte de empecilhos.
Ele ficou me olhando por um tempo e depois balançou a cabeça.
– De qualquer forma, agora é tarde demais. Eu perdi qualquer chance com ela depois da grosseria que fiz essa tarde.
Me levantei da cama dele e toquei seu ombro.
– Ela sempre correu atrás do senhor. Talvez agora seja a sua vez de correr atrás dela. – saí de seu quarto e o deixei pensando nisso.
Entrei em meu quarto e peguei uma bermuda.
Tomei banho e me deitei na cama.
Amanhã seria o dia em que minha vida poderia mudar.
Fechei os olhos e fiz uma prece para tudo dar certo pra mim.
Poderia ser a minha chance de poder sonhar com um futuro com Isabella. Minha chance de poder ser alguém na vida e de poder ser digno de ser seu marido até.


Bem, já deu pra perceber de onde o Edward herdou essa mania de se achar inferior à Isabella só por ser pobre. Carlisle tem preconceito contra ele mesmo e olha a burrada que fez com Esme? 
Será que essa promoção repentina tem dedo de Isabella? Não duvido muito não.
E bem, esse cap não teve romance nem nada pq os outros personagens tbm tem que participar né rsrrsrs
Próximo cap é o teste e coisinhas a mais.
beijos e obrigada às leitoras que permanecerem comigo 

No comments :

Post a Comment