FILM JOURNAL: MAPS TO THE STARS É UM RETRATO BRILHANTE E CORROSIVO DE HOLLYWOOD

O mais novo amor de  David Cronenberg e Bruce Wagner, "Mapas para as estrelas" é um  retrato escabrosos de Tinseltown, povoado por redes incestuosas e fantasmas do desejo frustrado. É também perversamente engraçado e conta com um elenco extraordinário!

Mapas para as estrelas é um retrato brilhante corrosivo, muitas vezes hilariante de uma Hollywood deformada que pega de onde West of the Locust, de  Nathaniel, parou. Exercer controle espetacular, não permite o diretor David Cronenberg um único pingo de humanidade ou altruísmo para esgueirar-se para este conto torcido. O desgosto cósmico do filme, juntamente com combinação que aumentariam as sobrancelhas de Édipo, é provável o que afasta muitos espectadores. Mas Mapas deve apelar para o seu humor negro e o conjunto de personagens grotescos que habitam a Hollywood concebida como uma estrela da morte rançosa.

Mapas centra-se principalmente na família Weiss, um trio terrível investido na busca de fama e seu fluxo de renda atendente, juntamente com a necessidade de conter um passado tóxico. Seus esforços estão entrelaçados com os de Havana Segrand (Julianne Moore, que levou Melhor Atriz em Cannes pelo papel), uma estrela do envelhecimento deslizando na obscuridade. Havana é paciente de Stafford Weiss (John Cusack, pálido como o Conde Drácula), um terapeuta de auto-ajuda e charlatão, que pratica uma forma de massagem para "liberar" as memórias traumáticas de seus clientes. Havana está convencida de que ela foi abusada por sua mãe (e depois discute isso com franqueza bajuladora a um apresentador de TV). A mulher de Weiss (Olivia Williams) dedica-se a manter o dinheiro fluindo do ganso de ouro, seu filho adolescente Benjie (novato Evan Birds) em sua franquia de TV, uma tarefa difícil de fazer após ele ter saído de uma clínica de reabilitação.

A história começa quando um outro membro da família Weiss- Agatha (Mia Wasikowska, reprisando psico-garota de Stoker) chega da Flórida. Uma jovem mulher assustadora com cicatrizes misteriosas de queimaduras, ela chegou, depois de uma separação de sete anos a partir de sua família, para "fazer as pazes." Só gradualmente que Cronenberg distribuiu os detalhes terríveis de onde ela esteve por sete anos, e que ela está buscando redenção para isso. Através de uma conexão com Carrie Fisher (atuando como ela mesma), a doce aparência Agatha são um show em comparação com sua atuação como assistente pessoal de Havana. Ela também tem um romance com motorista de limusine quente Jerome (Robert Pattinson, provavelmente em substituição do roteirista), que chamou a atenção de Havana.

Você pode pensar que essas características de Tinseltown são coisas repetitivas, mas Cronenberg dá um novo olhar. A história de vida de Havana resume o espírito do filme. Obcecado com remake, um papel em um filme estrelado por sua mãe (que também, de forma significativa, morreu em um incêndio), Havana vem desequilibrada depois que um jovem diretor quente bate uma estrela jovem. Você é mal-intencionado? Assista essas duas divas colidirem após uma farra de compras. A tragédia atinge quando o jovem filho do inimigo de Havana morre em um acidente que libera o papel para Havana. A passagem de Moore de condolências educadas é horrível e essa é uma outra razão para Moore merecer seu reconhecimento no Oscar.

Enquanto isso, a estrela teen Benjie trava com seu círculo, falando sobre fofocas de Hollywood, em sua fase pós-reabilitação por conta de drogas. Por um lado, há  demissões de atrizes porque elas estão na menopausa, por outro, Benjie joga roleta russa com uma arma que contém uma única bala e tira a vida de cão do seu amigo. Benjie acaba 'enforcando' seu colega mais jovem, cuja fofura ameaçou roubar seu show.

Não surpreendentemente, Jerome, o motorista de limusine eventualmente, é seduzido por Havana. Como ela tem relações com ele no banco de trás, Pattinson, a observa no espelho retrovisor, a perfeita  mistura lascívia, curiosa e um ar quente, não? Atuação cômica. Não é de admirar Cronenberg o ama (veja Cosmopolis). Jerome, mais observador do que instigador, é figura menos condenável do filme. O verdadeiro inferno é Agatha, que, descobrimos no meio do caminho, tomou o trabalho com Havana  não só para acertar velhas contas, mas para agir como uma fantasia apocalíptica.

A presença constante de fantasmas acrescenta muito às características Cronenbergianas do filme. Havana é abordada por sua mãe morta, que se ergue totalmente vestida de seu banho, ou intervem, como algum personagem no meio da multidão, no meio de uma via. Benjie é assombrado pelo fantasma de uma garota que ele visitou no hospital, arranjado pelos seus manipuladores, em uma tentativa cínica de melhorar o seu karma. Ambos Weiss e sua esposa agem como sanguessugas, enquanto Agatha em momentos parece a forma humana de algum pesadelo caminhando.

Será que Mapas para as Estrelas, é justo perguntar, apenas retrata um gabinete de horrores, uma coleção hermética sem relevância para o mundo além de Hollywood? Direção inspirada de Cronenberg, o seu controlo férreo, joga-o dessa maneira, sem fazer concessões para a decência que nós esperamos que prevalece na população em geral. Esse é o ponto forte do filme: Ele nunca quebra caráter, nunca recua ou admite. Ainda sob os seus excessos, Mapas permanece em seus ossos ainda outra história de uma família. Ao mesmo tempo, o filme realmente capta através da sua lente distorcido, flashes de cultura voraz, onde um porcento da metade do planeta, e os valores para além engrandecimento pessoal não se deve aplicar. E essa é outra razão que embala o filme.


No comments :

Post a Comment