Sunday, September 17, 2017

CAPÍTULO 4 - FANFIC CONSEQUENCE - JU DANTAS

Em Phoenx, significava dias ensolarados de pura preguiça.
Mas isto era passado
Eu estava na chuvosa Forks.
Ok, hoje a chuva tinha dado uma tregua. Mas o dia amanhecera super nublado.
Peguei meu livro de biologia, desanimada depois de tomar café e fui para o jardim.
Eu podia fingir que estava sol.
Sentei e comecei a ler, tentando memorizar os conceitos.
O pior era que eu ficava o tempo inteiro lembrando da voz de Edward Cullen.
Fechei o livro com um baque.
Respirei fundo várias vezes.
Fui até a porta da cozinha e avistei Charlie
-Pai, eu vou dar um volta
-Não vai muito longe, hein.
-Pode deixar
Caminhei pela grama molhada e entrei na floresta.
O silêncio era bom. Sentei num tronco e abri o livro
De repente um sobra se projetou acima de mim
-achei que tinha aprendido tudo
Eu levantei o olhar ao ouvir a voz de Edward Cullen
-O que faz aqui?
La estava. De novo
Aquele sorriso enervante.
E meu coração disparando no peito
Devia ser o susto. Com certeza.
-Estou indo a um lugar.
-Na floresta?
-Eu gosto de caminhar.
-Que bom pra você – e voltei a atenção ao livro
-Quer ir comigo?
-Não, obrigada
-La tem sol
Eu o encarei
-Vai me levar pro céu?
Ele sorriu
-Quase lá
E algo no sorriso dele me fez acreditar mesmo que ele falava sério.
-Duvido que haja sol em algum lugar aqui.
-Então venha comigo
E ele estendeu a mao
Eu mordi os lábios, debatendo comigo mesma se deveria acompanhá-lo
E a parte menos sensata venceu
Fechei o livro e me levantei
Ignorando sua mão estendida
-Certo, Cullen; Me leve para onde tem sol
Ele sorriu e começou a caminhar
Eu o segui
Meia hora depois ainda estávamos caminhando e eu comecei a ofegar
-Espero que esteja falando sério, porque já estou começando a me arrepender de ter seguido você.
Ele riu. Não parecia nem um pouco cansado
-Não é tão longe.
-Estamos indo para o céu mesmo, porque não paramos de subir!
-é no cume da montanha
-Cume da montanha? Ótimo – resfoleguei - Me falaram que sua família gosta de acampar, estas coisas.
-Sim, gostamos de atividades ao ar livre.
E tropecei
Claro, estava demorando pra eu cair. Ate ali eu conseguira manter o equilibrio
Edward se voltou com um olhar preocupado e estendeu a mão
-Se machucou?
Eu ignorei sua mão, levantando rápido
-Não, estou bem.
-Tem certeza?
-Sim, nenhum osso quebrado.
Nós voltamos a andar
E eu torci para não tropeçar em nada até chegarmos lá
Era horrível ser tão descoordenada na frente de Edward Cullen.
E então eu senti
O sol.
Nós saímos da mata para uma clareira e ali, parecíamos estar acima das nuvens
Por que o sol atingiu minha pele como uma carícia
-Eu não acredito – murmurei fechando os olhos e levantando meu rosto – é mesmo perfeito
-Sim, perfeito
Eu abri os olhos e ele estava me fitando.
Eu desviei o olhar
-Como descobriu este lugar? É lindo
Ele caminhou por entre as flores no chão
-Gosto de caminhar e numa destas caminhadas encontrei esta clareira.
-Vem aqui com seus irmãos?
-Não, você é a única pessoa que eu trouxe aqui
-Oh... estou no refúgio particular de Edward Cullen
Ele sorriu, se sentando
-Pode ser seu também se quiser
Eu não soube o que responder
Como sempre quando ele dizia estas coisas desconcertantes.
-vem aqui
-estou bem onde estou
-deixa de ser absurda Bella. Vem aqui e curta o sol. Não era isto que queria
Eu suspirei.
Sim, eu andara até ali e merecia um descanso curtindo o sol
Eu sentei ao seu lado.
E abri o livro de biologia
-Não te trouxe aqui para estudar Bella – ele disse entre incrédulo e divertido
-mas eu preciso.
Ele riu se deitando.
-Você é absurda
Eu ignorei suas palavras e tentei ler
Era bem difícil me concentrar. Com o sol me chamando
E Edward Cullen no meu lado
De repente mãos impertinentes surgiram fechando o livro e retirando de mim
-Hei
-Relaxa Bella.
Eu bufei
Ok, talvez ele tivesse razão.
Então o imitei e deitei entre as flores, fitando o céu
Por um momento nada se ouvia, a não ser o som de nossa respiração
E os barulhos ao longe da floresta
-Aqui parece o paraíso. – murmurei, como se pra mim mesma, adorando sentir o sol na minha pele. - eu podia ficar a vida inteira aqui
-Então fica
Eu ri e o encarei
Ele estava tão perto, que se eu mexesse um pouco a mão, poderia tocar a dele
E por um momento eu fiz um esforço sobre humano para não fazer exatamente isto.
-Sabe, você não parece o tipo de cara que encararia um lugar como este como paraíso
-e que tipo de cara eu sou, Isabella Swan?
“O tipo lindo, inteligente e rico, tão perfeito que nenhum lugar do mundo pareceria tão bom o suficiente. Ou nenhuma garota parecia boa o suficiente”
Mas eu não falei nada.
Apenas desviei o olhar para o céu e fechei os olhos
Ia apenas descansar por um momento. E depois iria pedir para irmos embora...

Eu acordei de repente.
Por um momento não percebi onde estava.
E então abri os olhos. O céu estava nublado acima de mim.
E alguém segurava minha mão
Eu sentei rápido olhando para o lado
E Edward Cullen estava ali, sorrindo pra mim
-achei que tinha morrido
-Que horas são?
Ele se sentou também dando de ombros
-Não faço ideia
-Você me deixou dormir?!
Eu me levantei sacudindo as folhas da minha roupa
Edward fez o mesmo e estendeu a mão, retirando uma folha do meu cabelo
-Eu devo estar atrasada! - murmurei e sai andando
-Hei, Bella, espere.
-Preciso ir agora! - as nuves estavam escuro e devia ser fim de tarde e eu tinha o jantar com Jacob
-Calma, nos desceremos devagar
-Você não entende, eu tenho um compromisso e não devia ter passado tanto tempo aqui com você.
-O que tem de tão importante?
Eu me virei e o encarei
-Um jantar com meu namorado
Edward fechou a cara
Ótimo. Era bom mesmo que ele se tocasse.
Não que eu achasse que havia algum interesse dele em mim.
Mas eu tinha um namorado e não era legal eu ficar perdendo tempo com outros caras.
Ainda mais como Edward Cullen.
-Certo, vamos descer. Não quero que perca seu jantar romântico.
Sua voz era fria e controlada e eu o segui
Enquanto descíamos , as nuvens foram ficando mais escuras e de repente a chuva desabou.
E não demorou muito para eu escorregar. Mas antes que fosse ao chão, Edward me segurou.
-hei, cuidado
-eu estou bem - murmurei, me afastando
Mas, mais dois passos e estava escorregando de novo
-Você é um perigo para você você mesma, não é? - ele murmurou entre divertido e exasperado e sua atitude seguinte me deixou totalmente sem ação
Ele estendeu o braço e me pegou no colo
-Hei, me põe no chão
-Iremos mais rápido sem você caindo pelo caminho.
Eu bufei, mas não falei nada. Porque provavelmente ele tinha razão.
A chuva não parava de cair a nossa volta e eu só rezava para que aquele caminho terminasse logo.
Porque como se não bastasse o aguaceiro ainda tinha que suportar estar tão perto de Edward Cullen
Alguma coisa nele me deixava... incomodada.
Eu mal conseguia olhar em seu rosto.
Era uma situação estranha.
-Nós não estamos perdidos não é? - indaguei
Ele riu
-Não, Bella, não estamos
-Só pra ter certeza
-Esta preocupada com o que seu namorado vai achar?
Eu o fitei
E ele também fez o mesmo
E de repente estávamos muito próximos
-Me põe no chão – pedi friamente
Por um momento, eu achei que ele fosse ignorar meu pedido
Mas então, ele me deixou escorregar para o chão
-Acho que iriamos mais rápido se você parasse de falar – murmurei e me virei, dando um passo
Mas antes que desce mais algum passo, sua mão me segurou,me puxando.
E no muito seguinte, eu estava encostada numa árvore com Edward Cullen se inclinando sobre mim.
Suas mãos frias enquadraram meu rosto e eu acho que parei de respirar.
-Não se mova
Não me mover? Eu nem sentia minhas pernas como é que eu podia ir a algum lugar?
-Eu quero fazer isto há algum tempo - ele murmurou, o hálito quente banhando meu rosto e eu senti seu gosto em minha língua
E eu soube, naqueles segundos intermináveis, que ele iria me beijar
E eu não fui capaz de me mexer mesmo assim.
Acho que poderia se passar mil anos
Que eu nunca esqueceria do momento em que Edward Cullen me beijara
Foi como se tudo parasse, o tempo, o vento, a chuva
E só existisse o toque frio dos seus lábios sobre os meus
Era doce. Intoxicante.
Apenas um leve roçar de lábios. Uma, duas, três... até que eu não estava mais contando. E apesar do frio a nossa volta, eu senti tudo esquetando por dentro.
E com um gemido, meus dedos grudaram em sua camisa e eu o beijei de volta
E desta vez, ele gemeu, o corpo colando mais ao meu, até que eu sentisse todo seu contorno. Meu coração disparou no peito loucamente e eu estremeci numa fraqueza súbita.
Era isto. Edward lindo rico e perfeito Cullen.
Estava me beijando
E a lingua dele estava se enroscando na minha e eu ja não sabia onde eu começava e onde ele terminava. Suas mãos migraram do meu rosto para meu cabelo, me puxando para mais perto e eu só queria que aquele momento não acabasse nunca
Porque eu estava totalmente perdida.
Mas do mesmo jeito que começara, terminou
Eu respirei uma longa golfada de ar, enquanto ele me encarava, tao ofegante quanto eu.
E então a realidade me dominou
Crua. Fria. Intensa
Mas que diabos eu estava fazendo beijando Edward Cullen?
Com um som abafado de horror, eu o empurrei e ele se afastou sem resitência
-isto foi... - eu nem conseguia definir - nunca mais ouse por as mãos em mim - murmurei por fim
-não vou pedir desculpas por isto - foi sua resposta controlada
-não me interessa. Apenas fique longe! - murmurei voltando a andar
Fizemos o resto do trajeto em silêncio, até que eu avistei minha casa e quase corri para lá.
Graças a Deus Edward Cullen não me seguiu
Ele que fosse para o inferno.
-Bella, onde diabos se meteu? - Charlie indagou preocupado assim que entrei em casa, totalmente encharcada
-Oh, eu... me perdi
-Bella, eu não falei para não ir longe?
-Eu sei, mas me distraí e começou a chover... o importante é que esta tudo bem agora. Vou subir e tomar um banho
-Sim, vá se arrumar para o jantar, o Jacob deve aparecer daqui a pouco para te pegar
Eu tentei sorrir e parecer animada.
-Claro.
-hei, já ia me esquecendo. Entregaram isto pra você hoje cedo.
Eu acompanhei seu olhar e vi um enorme buque de flores
Charlie piscou
-Jacob esta romântico hein?
Eu me aproximei e peguei o bilhete e abri

“Parabéns para a garota de Dartmouth”

Eu sorri, um pouco mais animada, cheirando as flores
-Que flores são estas, não conheço
-Acho que são frésias
Eu peguei as flores e subi
As coloquei num vaso no meu quarto
E fui tomar banho
Tentei não pensar no que tinha acontecido na floresta
Mas estava difícil
Pensei em desmarcar com Jacob, mas desisti.
Ele fora muito fofo em mandar as flores e era melhor que saisse com ele
E esquecesse que Edward Cullen existia.
Jacob apareceu uma hora depois
-Uau, você esta linda - ele me beijou levemente
Eu sorri meio sem graça
Estava vestindo por insistencia de Charlie um vestido
Na verdade o único que eu tinha
E usara na festa de noivado de Rene há meses atrás.
Era preto e justo. E me deixava me sentindo estranhamente sem graça.
-E então onde vamos? - indaguei entrando no seu carro
-Num restaurante que seu pai indicou em Port Angeles
-Sei...
-Esta tudo bem? - ele me fitou
-Esta sim. Só cansada de tanto estudar
-Esta acabando.
-Sim, esta.
Nos chegamos no restaurante e eu sorri.
-Mas aqui é muito chique. Tem certeza que é aqui?
Jacob riu
-Por conta do chefe Swan, Bella
-Acho que eu preferia um hamburguer.
-Seja boazinha. Seu pai esta orgulhoso por ter sido aceita em Dartmouth.
-eu ainda acho estranho
Nós nos sentamos e fizemos nosso pedido
-Ah, já ia me esquecendo de agracecer as flores
-Flores?
-Sim, o arranjo de frésias que me mandou.
-Não te mandei nenhum arranjo Bella
-Oh, não? - de repente uma luz se acendeu em meu cérebro.
Oh Droga.
Só uma pessoa podia ter mandando aquele buque.
-Quem teria te mandado flores? - Jacob indagou desconfiado
Eu dei de ombros
-Acho que foi Charlie então. Ela esta gastando não é?
Jacob pareceu engolir a explicação.
-Estou preocupado com o rabitt, acho que vou estacionar aqui mais perto. Já volto.
-Ok.
Jacob se afastou e a garçonete se aproximou com uma champanhe
-Não pedimos champanhe – falei
A moça sorriu
-O cavalheiro naquela mesa pediu para entregar aqui os os cumprimentos
Eu acompanhei seu olhar e empalideci ao ver Edward Cullen numa mesa do outro lado do salão
Acompanhando de seus irmãos
Ele sorriu para mim, enquanto seus irmãos pareciam distraídos numa conversa
Era só o que faltava.
De tantos restaurantes em Port Angeles
Jacob tinha escolhido justamente um em que os Cullens estavam

Continua
Compartilhar:

Saturday, September 16, 2017

CAPÍTULO 3 - FANFIC CONSEQUENCE - JU DANTAS

Mas meu alívio durou pouco.
Três dias depois assim que estacionei minha velha pickup em frente a escola eu os vi.
Desta vez estavam todos saindo do Volvo prata dirigido por Edward Cullen
Eu desviei o olhar. Mas mesmo assim, eu ainda o vi de relance.
Os cabelos cor de areia bagunçados. Usando um roupa casual, mas que gritava “sou muito cara”. Assim como todos os seus irmãos.
E ele ria.
Ria de algo que a irmã morena falava, a tal Alice
E algo dentro de mim se remexeu com aquele som.
-Que idiota – murmurei para mim mesma, saindo do carro assim que todos eles já tinham desaparecido.
Não que adiantasse alguma coisa, afinal. Hoje era dia da maldita aula de biologia
E entrei na sala e Edward ainda não estava lá.
Talvez eu tivesse sorte e ele escolhera aquele dia para cabular.
-Oi Bella
Eu olhei pra cima quando me sentei e vi o rosto sorridente de Mike
Mike era o amigo bonitinho de Jéssica. Na verdade se dependesse dela, seria mais que amigo, mas, sabe deus porque, ele passara os últimos dias tentando chamar a minha atenção
-Oi Mike
-E ai, esta gostando de morar em Forks?
-Podia chover menos
-É uma garota do sol – ele sorriu
-mais ou menos
-embora não pareça que saísse muito ao som em Phoenix, não é nem um pouco bronzeada - e seus dedos passaram de leve por meu rosto.
-Saia do meu lugar, Mike Newton
Tanto eu como Mike nos assustamos com a voz fria de ninguém menos que Edward Cullen.
Mike se levantou de um pulo e encaramos Edward
Seu rosto era tão frio como seu tom de voz
-me desculpe, Cullen.
Foi realmente estranho ver Mike se afastar quase correndo
E isto me irritou
-Você foi grosso com ele – não me contive em reclamar
Edward sentou ao meu lado
Era incrível como o ambiente parece subitamente menor agora. Como se somente ele tomasse quase todo o espaço
-Estava salvando a vida dele
-O que?

-E eu já vi o seu namorado. E com certeza ele quebraria o pescoço de Mike Newton por ter posto as mãos em você. - eu abri a boca várias vezes sem conseguir dizer uma palavra e ele continuou – eu quebraria se você minha
-Ah... as mãos dele não estavam em mim! - consegui dizer por fim ainda meio gaguejando - que exagero!
Edward sorriu daquele jeito de lado
Irritante.
Lindo.
E então ergueu a mão e tocou meu rosto
-Então eu também posso por minhas mãos em você?
Desta vez não só as palavras fugiram da minha boca
Todos os pensamentos fugiram do meu cérebro
E eu só sentia o toque dos dedos de Edward Cullen na minha pele ainda gelada do frio de Forks.
E os dedos dele também estavam gelados de frio e acariciaram meu rosto num toque sutil, tão leve como uma pluma.
Mas foi como se o toque ultrapassasse a barreira da epiderme e adentrasse em meus ossos.
Esquentando.
Se espalhando pela minha corrente sanguínea, até meu coração
Que disparou feito louco no meu peito.
E alguma coisa sobrou para meu estomago também, que revirou como se borboletas dançassem dentro dele e descessem por meu baixo ventre e...
-Espero não estar atrapalhando nada, Senhorita Swan
A voz do professor interrompeu seja la o que fosse que estava rolando dentro de mim e eu me afastei de Edward com um safanão
Respirando por arquejos, como se tivesse corrido uma marota eu encarei o professor
-Não, não atrapalha.. eu apenas.... - eu tentei buscar uma resposta, mas não consegui.
Meu cérebro aparecia ter virado gelatina

-Tudo bem senhoria Swan. Acho melhor prestar atenção na aula, senão levará bomba. Temos provas na semana que vem. Alias, pelo seu programa, parece estar atrasada em relação a nossa turma
-Eu estudarei, não se preocupe
-Sugiro achar alguém da turma para ajudá-la
-Farei isto
-Poderia ser o senhor Cullen.
“O que? O que?”
-Ele veio adiantado do outro colégio e conhece bastante a matéria.
-Não... - consegui murmurar, aturdida
-Pode deixar, senhor Banner. Eu serei o professor da Bella. A ensinarei tudo o que ela precisar.
-Certo, muito bem, classe, abram o livro na página...
Espera.
O que é que tinha acabado de acontecer ali?
Eu tinha mesmo ouvido Edward Cullen dizer que me daria aulas particulares de biologia?
-Edward, esquece esta historia de...
-Shi, Bella. Presta atenção na aula – ele disse – não quero levar bronca por sua causa
E voltou a atençao ao livro. Mas eu podia ainda ver um resquício de sorriso em seus lábios.
Não era possível
Simplesmente aquilo não estava acontecendo
Eu abri o livro, ao ver o olhar do senhor Banner em mim, fingindo que lia
Mas de maneira alguma eu ia concordar com aquela história de professor.
Preferia passar o resto da minha vida bombando em biologia.

Por fim, a aula acabou e eu fui para a aula de Educação Física
E sem Edward Cullen atrapalhando.
E claro, levei várias boladas, porque estava mais distraída do que o normal.
Maldito Cullen e seu sorriso irritante
E dedos atrevidos
Atrevidos?
Deus, em que século eu vivia? Ele apenas tocara meu rosto!
Mas que diabos fora aquilo?
Eu me sentia como se tivesse feito parte de alguma experiência bizarra.
O que tinha naquele Edward Cullen que me deixava daquele jeito?
Eu continuei me fazendo aquela pergunta enquanto ia para a casa naquela tarde, amaldiçoando o tempo ficando ruim de novo.
Quando cheguei em casa, peguei a correspondência e entrei
Coloquei uma roupa mais confortável e fui comer algo
De repente a campainha tocou. Será que era Jacob?
Hoje já era sexta e eu tinha prometido que o fim de semana seria com ele.
Mas depois daquele papo do senhor Banner, provavelmente o mais sensato seria ficar estudando biologia em vez de sair com meu namorado.
Me levantei, já pensando em como falar isto para Jacob e abri a porta
Mas não era Jacob que estava ali
Era Edward Cullen
-Oi Bella

-O que faz aqui? - indaguei surpresa
Ignorando as batidas rápidas do meu coração
-Aula de biologia.
-não lembro de ter concordado com isto
-Eu lembro.
-Não lembra não! Porque eu não concordei.
-Bella, não seja absurda. Porque não aceita minha ajuda? É apenas uma aula. – ele falava meu nome agora como se falasse com uma criança birrenta
E, ok. Talvez eu tivesse agindo realmente como uma.
Eu respirei fundo.
Sim, era apenas uma aula. E eu realmente precisava.
E daí que era Edward Cullen?
Este cara não era nada. NADA
-esta bem, Edward Cullen. Tem uma hora – falei dando sinal para ele passar e fechando a porta
-Posso ficar a tarde inteira
-Uma hora. Vou buscar meu livro
Eu subi e na volta me olhei no espelho
Meu cabelo estava uma bagunça. Passei os dedos rapidamente e olhei minha roupa velha
Mas porque estava preocupada com a minha aparência?
Um pouco irritada comigo mesma, desci e encarei Edward.
Ele tinha nas mãos um porta retrato
-Esta é você?
Ah Deus
Eu desci os últimos degraus quase correndo e arrancei minha foto de bebê de suas mãos
-é! - falei entredentes colocando a foto no lugar - veio aqui para me ensinar biologia ou ficar bisbilhotando?
-você era bonitinha – Falou com um arremedo de sorriso nos lábios perfeitos, enquanto me seguia para a sala
Eu nem me dei ao trabalho de responder.
Nos sentamos em volta da mesa de centro e ele começou a me explicar de forma surpreendentemente clara a matéria.
Mas que porcaria, ele era mesmo bom em Biologia!
Como se não fosse suficiente ser lindo e rico
Ele era inteligente.
Eu queria muito, muito mesmo, achar um grande defeito em Edward Cullen.
-Esta distraída - ele comentou
-Oh, desculpe, continue.
-Esta entendendo o que estou dizendo? Posso ir mais devagar
-não sou tão burra assim
-não te chamei de burra, Bella.
-Certo
-Porque gosta de ser irônica comigo?

-Não faço isto
-faz sim.
-é impressão sua. Vamos, sua hora esta acabando, continue
Ele continuou falando e me fazendo perguntas
Tudo bem. Às vezes eu me distraia apenas com o som da sua voz e não captava as palavras
Ou meus olhos ficavam presos no seu rosto perfeito, no simples mexer dos seus lábios.
Ele tinha um halito gostoso, como menta, que chegava até mim por estarmos tão perto
Ou então me distraia com suas mãos.
Ele tinha dedos bonitos, longos, elegantes...
Me lembrei do seu toque na sala de aula e uma parte ainda entorpecida do meu cérebro se indagava o que eu sentiria se ele tocasse em outras partes de mim
-Bella? Bella?
-Oh... O que? Hum?
-Deus, como você é distraída!
-Me desculpe. Acho que estou ficando cansada – inventei.
Olhei o relógio e me surpreendi por ver que já estávamos ali há quase 3 horas
-nossa, o tempo passou. Não devia prender você aqui, deve ter outros compromissos
-meu compromisso hoje é você

-certo... - porque ele sempre me desconcertava com suas palavras? Eu me levantei, precisando colocar algo no meu campo de visão que não fosse Edward Cullen.
- nossa que educação a minha. Nem te oferecia nada para... posso fazer um chá
-eu aceito.
Ele me acompanhou até a cozinha
Parecia estranho Edward Cullen ali na minha cozinha simples.
Tinha uma foto minha e da minha mãe em cima do aparador
Deste vez ele não pegou e nem fez nenhuma piadinha
-é sua mãe? - indagou

-faz tempo que seus pais não estão mais juntos?
-desde que eu era um bebê. Forks era pequena demais para ela.
-E para você?
Eu dei de ombros
-Estou aqui de passagem
-Não parece gostar muito de Forks. Então porque voltou?
-Minha mãe se casou e vive viajando. E Charlie sempre teve este desejo de me ter aqui
-Por dois meses antes de ir para Faculdade de Dartmouth?
Eu levantei o olhar e vi o envelope em sua mão
-Tem costume de mexer nas correspondências particulares das pessoas?
-estava aqui em cima.
Eu tomei da sua mão
-Não vai abrir?
-Não é da sua conta
-Não esta ansiosa pra saber se foi aceita?
-Provavelmente não fui, então...
-Porque se deprecia, Bella?
-não faço isto.
Ele ficou me encarando. Como se eu fosse um grande mistério e ele tentasse decifrar.
Ou eu já estava começando a ver coisas que não existiam.
Suspirei e olhei o envelope na minha mão.
Só mandara a inscrição para àquela universidade porque minha mãe insistira.
E acho que estava com medo de abrir e ver o Não, em frente ao perfeito Edward Culen
Provavelmente ele fora aceito em todas as grandes universiadas do país
-ok, eu vou abrir e mostrar pra você – eu disse por fim.
E eu abri
Eu fui aceita
-Eu fui aceita – murmurei sem acreditar
Eu comecei a pular e não sei como no segundo seguinte, eu estava abraçando Edward Cullen.

E por um momento, em meio a minha euforia eu me dei conta que estava realmente abraçando Edward Cullen!
Meu braços estava em volta do seu pescoço
Cada centímetro do meu corpo estava grudada dele
E ele estava me abraçando de volta!
Toda esta percepção devem ter durado segundos, assim como por alguns segundos eu não consegui me mover dali,embora meu cérebro começasse a se dar conta do absurdo da situação.
E chegou ao meu cérebro também o cheiro delicioso que vinha dele. E a textura macia de seus cabelos da nuca que meus dedos tocavam. Eu aspirei devagar e...
-Bella, esta em casa?
Eu dei um pulo para trás ao ouvir a voz do meu pai vindo da sala
-Oh... me desculpe – murmurei aturdida
Mas Edward não parecia aturdido
Ele parecia ainda diabolicamente lindo.
E sorria.
Sorria!
-Parabéns, Bella.

-Bella? - Meu pai chamou de novo, desta vez os passos mais próximos.
-Aqui na cozinha
-Bella, porque não respondeu.. - então ele parou ao ver Edward
-Pai, este é Edward Cullen. Ela é meu colega de escola. Veio me ensinar.. Biologia
Eu esperava não estar vermelha, mas duvidada.
Edward estendeu a mão para meu pai
-Chefe Swan
Talvez qualquer outro estaria intimidado com meu pai e seu olhar. E sua arma.
Mas não Edward.
Claro.
Meu pai o cumprimentou
-Então é um dos garotos Cullens. Conheci seu pai no hospital.
-Pai, o Edward já esta de saída – comentei, louca para tirar Edward dali. Porque tinha certeza que meu pai viria com perguntas inconvenientes.
-Sim, estou – Edward me encarou – Se precisar de mais aulas...
-Eu já aprendi tudo. Obrigada, mais uma vez.
E abri a porta da cozinha.
Edward foi até a porta e se virou
-Parabéns por Dartmouth - murmurou antes de sair e eu fechei a porta atrás dele
-Dartmouth? O que ele quis dizer? - Charlie indagou
Eu peguei o envelope e lhe mostrei
Charlie parecia que ia enfartar
-Bella, você foi aceita?
-Sim
Ele me abraçou emocionado
-Provavelmente deve ser um engano, pai
-Não seja boba!
O telefone tocou E eu me desprendi de Charlie pra atender
Era Jacob
-Eu Bella.
-Oi Jake.
-Diz pra ele que foi aceita em Dartmouth - meu pai dizia eufórico do meu lado e eu revirei os olhos
-Tenho boas noticias. Fui aceita em Dartmouth
-Dartmouth - Jake assoviou - isto é grande hein?
-Deve ser um engano deles e provavelmente levarei bomba.
-Entao temos que comemorar. Vou passar ai agora...
-Jacob, hoje não, estou cansada, passei a tarde estudando -"com Edward Cullen", quase completei mas era melhor ficar quieta.
-Esta certo. Melhor mesmo fazermos algo especial amanhã
-Especial é? - repeti
-Deixa eu falar com ele - meu pai me pediu o telefone
-Jacob? Amanha leve a Bella pra jantar em Port Angeles. Por minha conta....
Eu bufei.
Charlie e seus exageros
Me passou o telefone de novo e eu me despedi de Jacob.
-Até amanha então
-Até amanhã

*continua*
Compartilhar:

Friday, September 15, 2017

CAPÍTULO 2 - FANFIC CONSEQUENCE - JU DANTAS

Eu consegui terminar o trabalho de Orgulho e Preconceito graças a Edward Cullen e quando dormi naquela noite acho que foi natural sonhar com ele.
E ao acordar e me arrumar para ir a escola me perguntava se ele falaria comigo quando nos encontrassemos por acaso nos corredores ou fingiria que não me conhecia.
-E porque eu estou preocupada com isto? - perguntei para a minha imagem no espelho
Peguei minha mochila e sai para a chuva chata de Forks
E estaquei ao ver um reluzente Volvo Prata na minha frente
E saindo dele, Edward Cullen
Será que eu ainda estava em algum sonho?
-Bom dia Isabella Swan  ele falou sorrindo de lado
-O que esta fazendo aqui? - indaguei estupefata
-Esta sem carro não esta? Achei que podia precisar de uma carona
-Acho que esta sendo...
-Educado? Gentil? Atencioso? - ele brincou e eu revirei os olhos
-Exageradamente todas estas coisas que falou
-Eu vou para o mesmo lugar que você, Bella. Porque não aceitar uma carona
Eu mordi os lábios indecisa.
Eu tinha mesmo esquecido que estava sem carro
E a outra opção era entrar e pedir carona a Charlie
E chegar de viatura na escola não era uma coisa legal
-Tudo bem. - respondi e entrei no carro
Não reconhecia a musica que tocava
-Nada de Debussy hoje?
-Não.
-Achei que fosse pra escola no carro da sua irmã. Aquela BMW
-Minha família gosta de carros chamativos
-Percebo...
-Isto porque não viu o carro de Alice.
-Posso imaginar  falei irônica.
Então os Cullens eram mesmo podres de ricos
E eu me perguntava porque perdiam tempo ali em Forks mas não era da minha conta.
Chegamos a escola e quando saí do carro, pude perceber todos os olhares em mim
Oh que ótimo
Talvez fosse melhor eu ter ido mesmo de carona com Charlie
-Esta todo mundo olhando para nós ou é impressão minha? - murmurei
Edward deu de ombros
-Não vejo nada
Eu o encarei
-Não parece se importar
-porque me importaria?
-Eu não gosto... de ser o centro das atenções
-Hei Edward
Uma voz masculina o chamou e eu vi os Culens chegando, desta vez num Porche amarelo, dirigido pela irmã morena de Edward
-É, agora sei porque não se importam em chamar a atenção  murmurei
O mais alto dos Cullens, o que tinha chamado Edward se aproximou
-Então esta é a donzela em perigo?
-Emmett! - Edward rosnou
Mas Emmett não pareceu se importar
-Oi Eu sou Emmett
-Oi Emmett.
-Emmett, não esta atrasado para a aula não? - Edward falou contrariado  Acho que a Rosalie esta te esperando
Eu olhei através deles e vi a loira me encarando com cara de poucos amigos.
-Oh... como estamos possessivos! - Emmett riu - ok, já estou indo. Foi um prazer Bella
-Emmett se acha muito engraçado  Edward comentou contrariado
-Tudo bem. Parece ser um cara legal. Sua irmã que parece não ir com a minha cara
-Rosalie? Ela é assim com tudo mundo.
-Bem, eu preciso ir pra aula. Obrigada pela carona de novo.
-Se precisar para ir pra casa...
-Não! - falei rápido  alguma amiga pode me levar.
Eu dei meia volta para entrar na escola e Jessica e Angela me cercaram
-Estou tendo uma alucinação ou eu vi você saindo do carro de Edward Cullen? - Angela indagou
-Nos conte tudo! TUDO! - Jessica parecia que ia desmaiar
-Hei, não é nada!
-Nada? Aquele é Edward Cullen, pelo amor de deus!
-E daí? Credo, falam como se ele fosse algum ator de cinema ou algo do tipo
-ele é melhor que qualquer ator! Aqui em Forks os Cullens são como a realeza!
-E Edward Cullen nunca saiu com ninguém da cidade, Bella
-Eu não estou saindo com ele!
-Não?
-Não! Foi apenas uma carona. Ontem a noite...
-Ontem a noite?
-É, estava voltando da casa do Jacob e meu carro quebrou. Ele apareceu do nada e me levou em casa, e hoje foi me buscar, porque eu ainda estava sem carro. Apenas isto
-mas ele não precisava te buscar - Angela falou
-Claro que não. Ele deve ter algum interesse em você - Jessica parecia que ia ter algum tipo de ataque.
-Estão exagerando! E já estou atrasada para a aula de Biologia!
Marchei para dentro da sala, as ignorando com suas teorias ridículas
Edward Cullen? Com algum interesse em mim?
-Que absurdo  murmurei
-O que é absurdo?
Eu quase dei um pulo na cadeira ao ver quem estava ao meu lado
O próprio Edward Cullen e seu sorrido de lado
-O que faz aqui?
-Eu estudo aqui
-Oh...
Eu relanceei meus olhos pela sala procurando uma rota de fuga. Ou seja, alguma cadeira vazia que não fosse ao lado de Edward Cullen
O professor entrou na sala e começou a aula
-Conseguiu terminar seu trabalho com Mr Darcy?
-O que?
-Orgulho e Preconceito
-Sim, terminei...Era apenas um relatório eu já tinha lido o livro
Umas 100 vezes, poderia completar, mas me calei
-Levou o livro para um encontro com seu namorado?
-Não! Quer dizer... Eu não levei o livro para ficar lendo com meu namorado, claro!
-Eu conheço?
-O que? - eu fingia que tentava anotar o que o professor falava, mas não estava adiantando para manter Edward calado
-Seu namorado
-Não.
-Ele estuda aqui?
-Não, na reserva
-Reserva?
-Quileute
-Oh...
Eu o encarei
-Algum problema?
-Claro que não. Estava vindo de La Push ontem então?
-Sim, estava.
-Porque seu namorado não te trouxe?
Eu parei de escrever e o fitei irritada
-Escuta, porque tanta pergunta sobre meu namorado? Esta interessado nele?
-Não é nele que estou interessado.
A resposta baixa, direta, não era o que eu esperava e parei de respirar por um momento
-Isabella Swan!
A voz do professor adentrou no meu cérebro sem oxigênio e eu me obriguei a desviar os olhos de Edward Cullen
-Sim?
-Eu te fiz uma pergunta
-Me desculpe, senhor, pode repetir?
Ele repetiu, não sem antes me dar uma bronca por eu estar distraída
O que não era justo. Porque era Edward que estava me distraindo
Mas engoli a bronca e respondi a pergunta
Felizmente, Edward parou de falar comigo depois disto e assim que o sinal bateu, eu peguei minhas coisas e praticamente corri para minha aula de Ed. Física que para meu alívio, não era com Edward Cullen.
E mesmo odiando qualquer exercício físico, eu fiquei feliz por estar ali.
Mesmo recebendo várias boladas na cara.
Serviam para me distrair da lembrança insistende dos olhos verdes dourados presos em mim e as palavras desconcertantes na voz perfeita
-Não é nele que estou interessado
Será mesmo que eu tinha entendido direito?
Edward Cullen.
O rico, lindo, perfeito, Edward Cullen tinha algum interesse em mim?
A sem graça, desastrada e nem um pouco rica Isabella Swan
Devia ser algum tipo de piada
Era isto
Ele devia estar zoando com a minha cara.
Era a única explicação
No refeitório na hora do intervalo eu sentei na mesa com Angela e Jessica, que discorriam sem parar sobre os preparativos para a festa de formatura, mas meus olhos teimavam em ir na direção da mesa dos Cullens
Em um determinado momento, Edward virou-se e me pegou olhando
Eu desviei os olhos rápido, corando
Tinha que parar imediatamente com aquilo.
E quando saí da aula no fim do dia, eu já me sentia mais calma e no domínio da situação
Edward Cullen não era nada. E também não estava interessado em mim.
Era simples assim.
Claro que ele estava la fora, embaixo da chuva fina que caia. Parado do lado do Volvo Prata, os olhos me acompanhando passar.
Mas eu não olhei. Não ia olhar.
Onde diabos se metera Jessica e Angela quando eu precisava delas.
-A corona ainda esta de pé
-Eu não preciso de carona, obrigada.
-Suas amigas já foram
Droga!
Eu cogitei ir apé. Ligar para o Charlie
Ligar o Jacob.
Nada me parecia uma boa opção no momento
-Tudo bem  cedi.
Ele abriu a porta pra mim e eu entrei
Desta vez estava tocando Claire de Lune.
-é só uma carona Bella
Sua voz chegou até mim, muito suave e persuasiva, através do barulho do motor enquanto ele dava partida.
Sim, qual a era o problema com uma carona?
Ou a terceira em menos de 24 horas?
Mas eu sabia qual era. Bem la no fundo eu sabia
E isto me assustava. Muito.
Eu olhava fixamente para frente. Os movimentos do limpador de para-brisa pareciam fascinantes no momento, jogando a água da chuva que aumentava para lá e para cá...
não é nele que estou interessado
As palavras teimavam em voltar a minha mente como um mantra e lutei desesperadamente para não perguntar o que ele quisera dizer com aquilo.
Até que meu tormento acabou quando finalmente o carro parou em frente a minha casa
Eu voltei a respirar normalmente
-Obrigada pela carona, Edward... - falei já abrindo a porta e saltando, ignorando a chuva
-Hei Bella, quem é este cara?
Eu levantei o olhar e la estava Jacob me encarando desconfiado
Era o que faltava
-Jake! O que faz aqui? - indaguei tentando não ficar vermelha
Ou me sentir culpada
Porque não havia nenhum motivo para eu me sentir culpada.
-O que faz no carro deste cara? - Jacob ignorou minha pergunta e encarava Edward, que tinha descido do carro apesar da chuva, com cara de poucos amigos
Que ótimo
-Oh... Este é Edward Cullen... - eu me virei para Edward  Edward, este é Jacob Black... meu... meu... namorado.
Os dois não fizeram nenhuma menção de dar as mãos ou algo do tipo, apenas balançaram a cabeça.
Estava ficando bem estranho.
-Edward, obrigada pela carona. Vamos Jacob, vamos entrar. Estou ficando encharcada
E saí o puxando pelo braço, rezando pra que ele me acompanhasse e que Edward fosse embora
E minhas preces foram ouvidas, pois Edward entrou no carro e saiu cantando pneus
Entrei na casa, me sacudindo toda
-Droga de chuva!
-E posso saber o que fazia dando voltas com aquele cara? Jacob indagou muito sério
-Não estava dando voltas. Ele me deu uma carona
-Porque precisava e carona? Você tem carro
-Meu carro quebrou ontem a noite
-E porque não me avisou? Eu vinha te dar carona!
-porque não precisou.
-Não precisava pedir carona a um estranho
-Não é um estranho, é um colega de escola! Ele é da minha classe de Biologia
-Eu não gostei nada disto Bella...
-Jacob, para com isto!Foi apenas uma carona! Pelo amor de Deus! Ou esta insinuando algo, porque se esta é melhor parar! Agora sou eu que não estou gostando disto!
Eu dei as costas a ele e subi as escadas correndo me trancando no quarto.
Realmente Jacob me tirara do sério com aquelas insinuações sem sentido a absurdas.
Troquei as roupas molhadas por outras secas e prendi o cabelo.
E quando desci estava mais controlada.
Jacob ainda estava ali e me encarou culpado
-Me desculpa
-desculpas aceitas  murmurei indo para a cozinha preparar algo pra comer.
-eu fiquei com ciúmes de vê-la com aquele riquinho mimado
-Edward não é um riquinho mimado
Assim que as palavras saíram da minha boca, eu me arrependi
Que diabos eu estava o defendendo?
-quer dizer, nós nem o conhecemos, não vamos julgar só porque a família dele é rica
-Tem razão. Mas todos falam destes Cullens desde que chegaram a cidade.
-As pessoas falam demais, ainda mais em cidade pequena.
-Apenas me prometa que não irá andar com esta gente
Eu o encarei
-Não se preocupe, Jake. Eles são tão ricos e diferentes de nós. Nunca faremos parte da mesma turma
-Mas ele não pareceu se importar em dar carona
-Foi apenas uma ato educado
Exageradamente educado, gentil e atencioso, quis dizer. Mas me calei
-Agora chega de falar de Edward Cullen. Vamos comer

-Por que e tenho que ir embora? - Jacob indagou depois do almoço
-Porque eu tenho ainda muitos trabalhos para fazer.
-Ah, Bella, isto não é justo - falou tentando me abraçar, mas eu não deixei
-Não é justo eu perder o último ano! Sério Jacob. Só esta semana. Até eu terminar tudo e podemos fazer o que você quiser.
-O que eu quiser? - ele sorriu devagar
-Eu prometo
-Eu vou cobrar Bella.
Eu ri e ele me beijou
Eu o empurrei
-tchau, Jake!
Ele foi embora e eu fechei a porta, subindo para o quarto.
O exemplar de Orgulho e Preconceito ainda estava sobre a cama e eu o peguei, abrindo a primeira página

"É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro, possuidor de uma boa fortuna , deve estar necessitado de uma esposa. Por pouco que os sentimentos ou as opiniões de tal homem sejam conhecidos ao se fixar numa nova localidade, essa verdade se encontra de tal modo impressa nos espíritos das famílias vizinhas que o rapaz é desde logo considerado propriedade legítima de uma das suas filhas"

Eu larguei o livro e me deitei, olhando o teto.
Quanto tempo demoraria para alguém da vizinhança tomar Edward Cullen como sua legítima propriedade?

Eu ri comigo mesma.

Era um pensamento ridículo. Mas isto iria acontecer, mais dia menos dias.
Não que isto me interessasse
Edward Cullen era apenas meu colega da turma de biologia
E nada mais.

No dia seguinte, quando acordei e olhei pela janela, meu carro estava lá.
Na noite anterior havia finalmente contado a Charlie que me carro quebrara e é claro que tive que ouvir um pequeno sermão.
-Charlie, mandou buscar meu carro na oficina? - indaguei quando desci
-Não, ele apareceu ai de manhã
-Nossa, os mecânicos daqui são eficientes. Estou indo pai
-Dirija com cuidado
-Pode deixar.
Entrei no carro e então vi o bilhete preso ao voltante
E de alguma maneira, mesmo antes de abri-lo, eu sabia de quem era
Agora oficialmente não precisa mais de carona.
Mas aconselho aposentar este carro velho, pois demorei quase uma semana para chegar até aqui.
E não se preocupe com a conta da oficina.
Minha irma Rosalie foi quem consertou. Ela é boa com mecânica.
Até a próxima aula de Biologia

Edward Cullen

Eu amassei o bilhete e só então percebi que tinha parado de respirar enquanto lia.
Eu fora mesmo um idiota em nem me preocupar em saber onde estava meu carro
E o tempo inteiro estava na casa dele
E o que fora que ele escrevera?
Que a Rosalie tinha consertado o carro
Era era difícil de acreditar
Aquela loira perfeitamente maquiada e vestida com roupas de grife?
Devia ser invenção dele.
Mas agora não me interessava.
Pelo menos minha velha chevy estava inteira
Embora lenta para os padrões de Edward Cullen
Mas ele que fosse pro inferno.
Não iria mais pensar em Edward Cullen a partir de agora
Ou até a próxima aula de biologia
Será que dava tempo de mudar de classe?

Graças a Deus naquele dia não estava chovendo. Na verdade estava até fazendo sol
E eu também não vi nenhum dos Cullens por ali
Não que eu estivesse procurando, claro.
-Esta procurando seu motorista? - Jessica me cutucou na hora da saída e ela e Angela soltaram risinhos maliciosos
-Não! E ele não é meu motorista!
-Eles devem ter ido acampar.
-Acampar? Num dia de aula normal?
-Eles fazem isto de vez em quando. Deve ser coisa de gente, rica.
-E os pais deles não ligam deles perderem aula?
-gente rica nem liga pra isto  Jessica falou - meu pai podia ser assim também. Adoraria ir pra praia num dia como este
Mas eu a não ouvia sua tagarelice habitual
Eu me sentia aliviada por não ter que encarar Edward Cullen por uns dias.

continua
Compartilhar:

Thursday, September 14, 2017

CHANEL E KRISTEN - MAIS UMA FRAGRÂNCIA

Kristen está sumidinha, mais ou menos, apenas trabalhando muito e com menos polêmica, se é que a mídia permite isso.
Agora ela é garota propaganda do novo perfume da Chanel, o Gabrielle. As imagens já me deixam aguçada, rs.

 Resultado de imagem para perfume Gabrielle chanel png

Linda como só ela, o perfume passa a ser somente mais um coadjuvante em cena, assista o comercial e diz aí o que você acha...


Compartilhar:
Proxima → Home

Forever

É difícil às vezes olhar para trás e ver quanto tempo passou. As amizades conquistadas e algumas perdidas no caminho. A maturidade que inevitável atinge nossas vidas e altera nossos rumos. Aquilo que nos atingiu não podemos mudar, apenas aproveitar para encher nossa história de belos momentos vividos e aprendidos.
Twilight Moms Brasil é parte de mim e espero que seja de você também, Forever.

Twilight Moms Indica

TWIMOMS BRASIL INDICA: "PROCURA-SE UM MARIDO" DE CARINA RISSI

Uma joia deliciosa de se ler, fluente e brilhante que prende você do inicio ao fim. Desde seu lançamento, fiquei muito curiosa para le...