Friday, December 23, 2011

FANFIC - FINDING HAPPINESS - CAPÍTULO 15


Bom dia pessoas! O capítulo de hoje está bem curtinho, e nele Robert e Kristen começam uma nova etapa de suas vidas...

Título: Finding Happiness
Autora(o): Belitta
Shipper: Robsten
Gênero: Romance/Drama
Censura: NC-18
Categorias: Saga Crepúsculo
Avisos: Sexo; Violência

Finding Happiness
By Belitta

Atenção: Este conteúdo foi classificado 
como impróprio para menores de 18 anos.
"Estou ciente, quero continuar!"


CAPÍTULO 15

‘’É difícil não gostar de um homem que não apenas nota ás cores, mas fala delas’’
(Markus Zusak)

Eu me sentia flutuando, como em um sonho bom. Ou eu estava apenas em cima de uma nuvem qualquer deixando que ela me guiasse pra onde fosse.
Naquele instante, eu arriscaria um palpite de que estávamos acima do mar, da praia de Los Angeles, porque eu conseguia sentir o sol forte batendo em rosto, me enchendo de vitamina D e dos raios saudáveis das primeiras horas da manhã.
O cheiro de maresia se fazendo presente em meu olfato, enviando para meus instintos uma poderosa e abrasadora sensação de paz, reconfortando tudo ao meu redor.
- Acorda.
Sorri em meio ao sonho. Eu ouvia levemente a voz de Robert misturado com o som da praia que estava abaixo de nos, naquela nuvem.
- Amor? – em vez de apenas a voz, eu agora sentia seus beijos, em meu ombro... meu braço... minha nuca... – Kris?
Abri os olhos confusa e lentamente.
Ok. Certamente eu não estava numa nuvem, mas estava chegando perto. O edredom macio enrolado em meu corpo, o real som de ondas e a breve claridade que entrava no quarto devido a parede de vidro, faziam com que o meu sonho, não fosse nada, perto da minha realidade.
- Baby?
A voz dele também não era apenas minha imaginação. Nem os seus beijos.
- Huum. – resmunguei sonolenta querendo voltar a dormir com seu corpo colado no meu, me deixando aconchegada e aninhada em seu peito.
- Acorde amor.
- Eu não quero ir pra faculdade... – ouvi seu riso baixo direto em minha nuca, me causando arrepios.
- Não precisa, mas tem que comer alguma coisa...
- Não estou com fome. – choraminguei me agarrando ao travesseiro macio que tinha o cheiro dele.
- Só um pouco ok? Eu deixo você voltar a dormir depois. – eu estava de olhos fechados, mas podia apostar que ele estava sorrindo.
Apesar de minhas pupilas estarem pesadas e loucas por uma noite de sono inteira, eu abri meus olhos, encontrando a vista da praia e da cidade de Los Angeles em minha frente, pela visão da parede de vidro.
- Uau. – disse baixinho.
- Hey, eu estou do outro lado.
Me virei sorrindo e esfregando meu rosto no travesseiro agarrando a ponta da fronha.
- Bom dia baby. – ele também sorria me dando um beijo na testa.
- Bom dia.
- Eu te trouxe o café. Tem que comer alguma coisa.
É claro que eu tinha que comer alguma coisa, eu só tinha almoçado ontem e a nossa noite tinha sido perfeita e intensa demais para que parássemos, para pensar em coisas banais como comida.
Sorri involuntariamente, já sentindo falta de ter o corpo dele em cima do meu como estivera por tantas vezes durante a madrugada.
- O que quer comer? Eu trouxe seu expresso. – ele disse me entregando um copo da Starbucks.
- Você saiu? – perguntei franzindo o cenho notando que ele já estava vestido. Com a roupa de ontem, mas estava.
- Sim. – ele suspirou. – Eu tenho que trabalhar. – nem ele e nem eu estávamos felizes com aquilo, mas eu entendia.
- Tudo bem, acho que tenho que ir pra faculdade.
- Pode ficar e dormir um pouco mais, eu trago roupa pra você e nós podemos deixar a mudança para amanhã.
- Mas eu tenho mesmo que ir, não posso faltar hoje. – disse suspirando e bebendo meu café. – Tenho revisão de teste.
- Ah sim, quer se mudar de vez hoje então?
Assenti com a cabeça vendo seu sorriso perfeito.
Bebi o restante do meu café, percebendo só agora que estava sentada na cama apenas com o edredom em volta de mim, eu quis rir ainda mais com aquilo.
Ele me ajudou a levantar e eu troquei minha roupa, pegando também as mesmas de ontem, iríamos para o apartamento, para que de lá eu fosse para faculdade e ele para o trabalho.
- Kris, a sua chave está em cima da mesa da sala, amor.
Ele gritou do que eu achei ser a cozinha, já que os únicos cômodos que eu tinha visto foram à sala e nosso quarto.
Olhei a chave e vi que tinha um chaveirinho de All Star colorido escrito ‘’Kristen’’ ao redor deles, sorri de novo.
- Obrigada. – lhe disse quando ele entrou em meu campo de visão, recebendo seu sorriso e seu abraço em minha cintura.
Ele trancou o apartamento e seguimos de mãos dadas até o elevador e de lá para a rua já chamando um táxi.
- Vou te deixar em casa. – ele me deu um selinho segurando meu queixo com sua mão direita. – Depois vou pro campus, passo pra te buscar assim que sair da empresa ok?
- Tudo bem. – ele sorriu brilhantemente pra mim e puxou meu corpo para perto do dele, deitei minha cabeça em seu ombro e ele a prendeu embaixo de seu queixo, passando as mãos lentamente por minhas costas.
Ele me deixou na portaria do prédio saindo do táxi, mas pedindo pra que ele esperasse.
- Te busco as sete.
- Às sete. – sorri reafirmando sua fala, recebendo seu sorriso de volta.
Nossos lábios se encontraram leves, suaves e macios, deixando os meus formigando pelo contato.
- Kris?
- Huum? – eu disse sem desgrudar nossos lábios.
- Me espere. – ele disse intensamente.
- Sempre. – respondi no mesmo tom de sussurros com o qual nos falávamos.
Ele sorriu de novo e me deu mais um beijo na testa, antes de entrar novamente no táxi e sair indo para o campus.
Subi pela escadaria sorrindo, encontrando logo meu apartamento.
Foi uma sensação estranha entrar ali. Como se fosse uma outra realidade.
Suspirei. Eu estava contente.
Eu não iria abandonar o apartamento que meu pai deixou pra mim, eu iria me mudar para ser feliz e eu viria sempre aqui.
Corri para meu banheiro tomando apenas uma ducha morna, coloquei um All Star branco e uma calça escura skinny, uma blusa branca de mangas e com detalhes de preto na frente.
Arrumei meus cabelos em um rabo de cavalo e desci, indo a pé para a faculdade.
Isso me daria muita coisa pra pensar.
E a principal delas, foi à noite incrível que eu tive com Robert.
Ele era tão diferente de muitos caras que eu já vi.
O seu jeito de me tratar, me fazendo sentir especial em cada segundo que ele estava comigo era indescritível.
A sensação do amor dele por mim, de ser amada por alguém tão surpreendente como Robert, era algo tão surreal...
Algo que eu nunca achei que fosse ter na vida.
E lembrar da minha vida, me lembrava dos meu medos, mas o único que eu pensava agora era: O que Robert deduziu das minhas cicatrizes?
Ele não tinha feito nenhum comentário.
Isso era bom ou ruim?
Bom, ele dissera que eu “era perfeita” mesmo depois de tê-las visto, então ele não pode ter ficado tão chateado assim. E a forma como ele cuidou de mim e me amou pelo resto da noite e ainda hoje de manhã, denunciava que se ele achou alguma coisa... não se importou.
Entrei pelos corredores da faculdade procurando minha sala e entrando direto, vendo que estava atrasada e que iria me ferrar na revisão.
Sentei-me na minha cadeira habitual e me esforcei em prestar atenção na aula.
Não deu muito certo no final das contas, eu coloquei meu iPod no ouvido na metade da terceira aula e ele não saiu de lá até sermos liberados.
- Kristenzinha. – ouvi meu nome sendo cantado assim que coloquei os pés no refeitório, sorri me virando e vendo Tom e Dakota vindo em minha direção.
- Hey.
- Hey Tom, hey Dak. – abracei os dois sorrindo e sendo retribuída.
- Então, vamos sentar?
- Claro. – nós seguimos para uma das mesas do refeitório vendo como o movimento de estudantes ali começava a crescer.
- E então, já se mudaram?
- Você sabia? – ela riu baixo tomando do copo de café de Tom.
- Sim, ele estava meio indeciso se você iria aceitar ou não. – eu sorri.
- A gente se muda hoje. Temos que pegar minhas coisas no outro apartamento.
- Legal. Podíamos fazer alguma coisa pra comemorar não é Tom?
- Tudo o que você disser honey. – ele disse apenas sorrindo pra ela.
- Eu iria dizer para fazermos uma festa, mas acho que não vai rolar. – ela sorriu me olhando, eu neguei com cabeça divertida. Uma festa certamente não iria rolar mesmo. – Então, vamos ao pub amanhã à noite?
- É show do Sam.
- Por mim está ótimo, é bo... – minha frase foi interrompida pelo barulho do toque personalizado do meu celular. – Hey. – respondi atendendo já com um sorriso no rosto.
- Hey. Está tudo bem?
- Sim. – peguei meu copo de café vendo Tom e Dakota continuando a conversa sobre amanhã à noite. – Tudo bem no trabalho?
- Normal. – ele sorriu. – Está com Tom?
- Yepe, Dak também está aqui. Nós vamos ao pub amanhã.
- Ah sim, é show do Sam e Dakota já deve está querendo dar uma festa em nosso apartamento. – ele riu baixo.
- É, ela está. Mas não vai... por isso vamos no pub. – sorri de volta a ele.
- Tudo bem então. Eu tenho que ir.
- Ok.
- Kris?
- Huum?
- Eu te amo. – meu sorriso se alargou.
- Eu também te amo.
Desligamos e eu voltei a falar com Dakota, ela me perguntou se eu tinha gostado do apartamento e disse que estava querendo dar uma festa, depois da formatura de Rob.
- Eu não sei se é uma boa idéia. Rob não gosta muito de festas assim. – eu disse indecisa.
- Eu sei, mas não seria apenas pra ele, muita gente se forma nesse fim de ano.
Continuamos conversando e acabamos nos divertindo com Tom ao seu lado contando as noites de bebedeiras de Londres com os amigos juntos.
As aulas da tarde foram normais, como todas as outras e eu saí de lá no horário de sempre.

Cheguei em casa sentindo de novo que já começava a ter saudades daquele lugar.
Peguei duas das minhas bolsas de viagem e coloquei todas as minhas roupas lá dentro, junto com as de Rob que ainda haviam por ali. Coloquei tudo que era meu... meus livros, a foto de Melanie e Taylor que ficava em cima da minha mesinha de cabeceira, a foto da minha mãe que eu guardava a sete chaves no fundo da minha gaveta e uma foto minha de quando criança, abraçada com meu pai.
Eu jamais olhava aquela foto.
Não suportava a dor de olhar.
Joguei tudo dentro da bolsa, sentindo que eu estava começando uma vida nova agora e que seria eternamente guardada em mim.
Eu seria feliz. Eu era feliz.
Fechei as malas, buscando mais coisas em volta do apartamento, minha escova de dente e algumas coisas que ficavam pela sala. Joguei tudo dentro de uma outra mala e fechei também.
- Baby? – ouvi a voz de Robert.
- No quarto Rob. – conferi se estava esquecendo alguma coisa, olhando em volta do quarto com um dedo no queixo.
- Hey. – ele disse se aproximando, me abraçando por trás.
- Hey, já pegou suas coisas? – senti seu beijo na lateral do meu pescoço, sorri involuntariamente.
- Sim, está tudo na sala. Esqueceu alguma coisa?
- É isso que estou vendo. – suspirei. – Acho que não. – sorri de novo.
- Então vamos?
Assenti com a cabeça, ele pegou minhas malas e eu me lembrei de pagar alguém para dar um jeito na comida que estava ficando na geladeira ou então iria estragar tudo, e eu não queria que isso acontecesse.
- Espera. – engoli em seco passando pela sala, ele parou me olhando curiosamente.
- O que foi?
- Seria... idiota... se eu dissesse... que vou sentir falta daqui? – perguntei com meu coração palpitando.
Mas ele sorriu, deixou as malas no chão e segurou meu rosto com as mãos grandes.
Pensei aleatoriamente, de como era bom seu toque em minha pele e me lembrei de nossa noite segurando um sorriso no rosto.
- Seria idiota, se você não sentisse falta daqui Kristen. É normal que você se sinta assim amor.
- Eu sei. – ele me abraçou, aninhando meu corpo pequeno ao seu, respirei seu cheiro bom.
- Estou aqui. – ele sussurrou, beijando meu cabelo.
Aquilo me deu força.
Ele realmente estava ali, junto com seus olhos abrasadores e seu sorriso perfeito.
- Vamos? – pegou uma mexa do meu cabelo a colocando atrás da minha orelha.
- Vamos. – disse firme e confiante.
Segurei sua mão na minha e ele entrelaçou nossos dedos.
E saímos do apartamento.
Eu estava preparada para viver nossa própria vida em uma só.

Continua...

E assim começa a vidinha nova deles. Quero que eles sejam muito felizes, mas pra isso ela vai precisar vencer seus medos e contar toda verdade sobre seu passado pra ele. Todo relacionamento precisa de confiança para ser uma fortaleza e tenho certeza que ele vai apoiá-la em qualquer coisa que possa ter acontecido. Beijos e até mais tarde.
Compartilhar:
← Anterior Proxima → Home

2 comments:

  1. puuuut'z tô hiper curiosa pra saber o que aconteceu com ela, apesar de já estar desconfiando. E toda hora quando ela vai se arrumar torço pra ela se olhar no espelho, talvez mostre que alguma coisa pra ela! Mt boa essa fic, uma das melhores que já li :)

    ReplyDelete

Forever

É difícil às vezes olhar para trás e ver quanto tempo passou. As amizades conquistadas e algumas perdidas no caminho. A maturidade que inevitável atinge nossas vidas e altera nossos rumos. Aquilo que nos atingiu não podemos mudar, apenas aproveitar para encher nossa história de belos momentos vividos e aprendidos.
Twilight Moms Brasil é parte de mim e espero que seja de você também, Forever.

Twilight Moms Indica

TWIMOMS BRASIL INDICA: "PROCURA-SE UM MARIDO" DE CARINA RISSI

Uma joia deliciosa de se ler, fluente e brilhante que prende você do inicio ao fim. Desde seu lançamento, fiquei muito curiosa para le...